Projeto Salvador Escravista

Mapa do projeto, feito na plataforma Esri

Como a cidade de Salvador lida com as memórias da escravidão e do tráfico transatlântico de pessoas escravizadas?

O assassinato de George Floyd nos EUA, a derrubada da estátua do traficantes de africanos escravizados Edward Colston na Inglaterra, e a atuação do movimento Black Lives Matter criaram um ambiente propício para a discussão do impacto do racismo e da desigualdade na organização das sociedades.

O assunto sempre esteve no radar dos movimentos sociais e na agenda dos historiadores da África, do tráfico transatlântico e da escravidão, mas a repercussão social e política permitiu que o tema ganhasse relevância midiática.

Em tal contexto, o projeto SALVADOR ESCRAVISTA busca promover saberes históricos em afinidade com esses valores e com a difusão do saber acadêmico. Pretende assim contribuir para o ensino de história nos níveis fundamental e médio, servindo como uma ferramenta de pesquisa sobre a história da cidade de Salvador e o impacto da escravidão na sociedade soteropolitana, representada, entre outros aspectos, pelas homenagens em estátuas, prédios e nomes de ruas.

Os locais estão identificados no site na seção “MAPA” através de marcadores e verbetes. Cada um dos verbetes vem acompanhado por textos curtos e indicação de leitura para aqueles que desejam aprofundar em determinados temas.

SALVADOR ESCRAVISTA é um projeto colaborativo e incremental que conta com a participação de especialistas em diversas áreas: história da África, comércio transatlântico de pessoas escravizadas, escravidão atlântica e pós-abolição nas Américas etc.

Perguntas, sugestões e informações podem ser enviadas a ssaescravista@gmail.com.

Instagram: instagram.com/ssaescravista
Facebook: facebook.com/ssaescravista
Twitter: twitter.com/ssaescravista


Publicado por

João Carlos Nara

Arquiteto e Urbanista (UFF) dedicado à preservação, promoção e difusão do Patrimônio Cultural no âmbito da União. Atual Diretor Executivo da Fundação Biblioteca Nacional. Coordenador do Centro de Memória do Projeto Resgate. Licenciado em História (UniRio), Mestre em Arqueologia (Museu Nacional/UFRJ) e Doutor em História Comparada (UFRJ). Sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro. Pesquisa o Rio de Janeiro colonial e, mais especificamente, a freguesia de Santa Rita, responsável pelos cemitérios de pretos novos cariocas, cuja matriz é detentora da primeira decoração religiosa rococó nas Américas. Tem interesse por hodologia (rotas, caminhos e métodos), pela abordagem 4A (Arquitetura, Arte, Arqueologia, Antropologia) e pelo enfoque OPEN (objetos, práticas, entornos e narrativas).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search