A muralha do Rio de Janeiro colonial

Planta da Cidade de Saõ Sebastiaõ do Rio de Janeiro, Com as súas Fortifficaçoins,
de João Massé (1713)

Você sabia que o Rio de Janeiro já teve um muro, que separava a área urbana do seu rossio?

O projeto de 1713 circunscrevia o arrabalde do Morro do Castelo, ou Várzea do Carmo, ou freguesia da Candelária, no atual Centro do Rio, separando a urbe da sua área alodial, isto é, o rossio entre a atual Rua Uruguaiana e o Campo de Sant’Ana.


Publicado por

João Carlos Nara

Arquiteto e Urbanista (UFF) dedicado à preservação, promoção e difusão do Patrimônio Cultural no âmbito da União. Atual Diretor Executivo da Fundação Biblioteca Nacional. Coordenador do Centro de Memória do Projeto Resgate. Licenciado em História (UniRio), Mestre em Arqueologia (Museu Nacional/UFRJ) e Doutor em História Comparada (UFRJ). Sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro. Pesquisa o Rio de Janeiro colonial e, mais especificamente, a freguesia de Santa Rita, responsável pelos cemitérios de pretos novos cariocas, cuja matriz é detentora da primeira decoração religiosa rococó nas Américas. Tem interesse por hodologia (rotas, caminhos e métodos), pela abordagem 4A (Arquitetura, Arte, Arqueologia, Antropologia) e pelo enfoque OPEN (objetos, práticas, entornos e narrativas).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search