Devoção à Santa Rita no Brasil

Santa Rita de Cássia (óleo do século XVII)

Há cerca de dois anos, o clube do livro gaúcho Minha Biblioteca Católica lançou o clássico Vida de Santa Rita de Cássia, do Pe. José Rodrigues Cabezas.

Nessa ocasião, produziram um curta-metragem sobre a devoção da taumaturga italiana no Brasil e no qual as crônicas da matriz de Santa Rita no Rio de Janeiro recebem grande destaque.

O breve documentário é bastante fiel às informações historiográficas. Vale a pena, porém, atentar para algumas raras imprecisões:

  • O papa Bento XIII não autorizou a construção da capela em 1724. Nesse ano ele foi eleito bispo de Roma, mas a pedra fundamental de Santa Rita já tinha sido lançada em 1719. O que de fato fez Bento XIII foi conceder um Breve Apostólico autorizando os Nascentes Pinto a utilizar o templo como capela particular da família.
  • Em 1710, os Nascentes Pinto iniciaram a novena de Santa Rita no Rio de Janeiro, ao redor do quadro à óleo conservado pela família, que já vivia na cidade há pelo menos 15 anos.
  • Frei Francisco de São Jerônimo não se opôs ao padroado requerido por Manoel Nascentes Pinto, pois o bispo morrera seis dias antes de ser feita tal exigência descabida. A oposição à família foi sustentada pelo cabido da diocese, cuja sede ficou vacante por quatro anos.
  • A fonte curadora não é a que aparece no vídeo. A fonte está selada atualmente. O que é exibido é o lavabo da sacristia, peça de mármore embrechado, muito valiosa.


Citar este post
João Carlos Nara Jr. (2021, 12 Abril). Devoção à Santa Rita no Brasil. FREGUESIA DE SANTA RITA DO RIO DE JANEIRO. Recuperado em 15 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/tvnu

Publicado por

João Carlos Nara Jr.

Arquiteto e Urbanista (UFF), doutor em História Comparada (UFRJ), mestre em Arqueologia (Museu Nacional/UFRJ) e licenciado em História (UniRio). Assessor de Patrimônio Cultural do Fórum de Ciência e Cultura da UFRJ. Foi Coordenador-geral do Projeto Resgate de documentação histórica Barão do Rio Branco e Membro da seção brasileira da Comissão Luso-Brasileira para Salvaguarda e Divulgação do Patrimônio Documental (COLUSO) de 2020 a 2022. Sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro (IHGRJ). Dedicou-se à preservação do Patrimônio Cultural em âmbito federal como Diretor Executivo da Fundação Biblioteca Nacional (2022), Coordenador de Cooperação Institucional da Fundação Biblioteca Nacional (2020-2021), chefe substituto da Equipe de Engenharia do Arquivo Nacional (2019-2020) e arquiteto do Escritório Técnico da UFRJ (2013-2018). Pesquisa o Rio de Janeiro colonial e tem interesse por hodologia (rotas, caminhos e métodos), abordagem 4A (Arquitetura, Arte, Arqueologia, Antropologia) e enfoque OPEN (objetos, práticas, entornos e narrativas). Coordena atualmente o projeto Identificação e exposição dos documentos históricos relativos ao processo de Independência do Brasil, aprovado no âmbito do Edital da FAPERJ: Programa Apoio a Projetos no Âmbito do Bicentenário da Independência do Brasil (2021-2024).

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search