Onde os escravos eram enterrados

Guta, Largo da Carioca antes de 1741.
A área cercada corresponde ao cemitério de pretos novos dos franciscanos, anterior ao de Santa Rita.

Quando se aborda o tema do enterro dos escravos no Brasil, convém evitar uma ideia imprecisa: a de que os homens de cor eram enterrados em valas comuns.

A bem da verdade, conforme o direito, todos os católicos (de qualquer cor) eram enterrados nas suas paróquias, ou nas igrejas das irmandades de que eventualmente fizessem parte, quer na nave (ad sanctos), quer no adro (apud ecclesiam), dependendo de quanto podiam pagar. No caso dos não católicos, eles podiam ser sepultados em campos santos meramente bentos.

A ideia da vala comum provém de uma confusão entre o enterro de africanos ladinizados (e seus descendentes) e o enterro de pretos novos, isto é, dos recém-chegados de África. Os pretos novos costumavam receber o mesmo tratamento que os indigentes.

Por outro lado, é frequente na historiografia brasileira acusar os senhores que enterravam seus escravos “em qualquer lugar” a fim de economizar o dinheiro dos estipêndios, delito que era punido pela lei. Mas isso não quer dizer necessariamente que todos os escravos fossem enterrados “em qualquer lugar” ou que todos os senhores fossem impiedosos.



Citar este post
João Carlos Nara Jr. (2022, 9 Julho). Onde os escravos eram enterrados. O “CASE” SANTA RITA (RIO DE JANEIRO). Recuperado em 29 de Fevereiro de 2024, de https://doi.org/10.58079/tvo0

Publicado por

João Carlos Nara Jr.

Arquiteto e Urbanista (UFF), doutor em História Comparada (UFRJ), mestre em Arqueologia (Museu Nacional/UFRJ) e licenciado em História (UniRio). Assessor de Patrimônio Cultural do Fórum de Ciência e Cultura da UFRJ. Foi Coordenador-geral do Projeto Resgate de documentação histórica Barão do Rio Branco e Membro da seção brasileira da Comissão Luso-Brasileira para Salvaguarda e Divulgação do Patrimônio Documental (COLUSO) de 2020 a 2022. Sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro (IHGRJ). Dedicou-se à preservação do Patrimônio Cultural em âmbito federal como Diretor Executivo da Fundação Biblioteca Nacional (2022), Coordenador de Cooperação Institucional da Fundação Biblioteca Nacional (2020-2021), chefe substituto da Equipe de Engenharia do Arquivo Nacional (2019-2020) e arquiteto do Escritório Técnico da UFRJ (2013-2018). Pesquisa o Rio de Janeiro colonial e tem interesse por hodologia (rotas, caminhos e métodos), abordagem 4A (Arquitetura, Arte, Arqueologia, Antropologia) e enfoque OPEN (objetos, práticas, entornos e narrativas). Coordena atualmente o projeto Identificação e exposição dos documentos históricos relativos ao processo de Independência do Brasil, aprovado no âmbito do Edital da FAPERJ: Programa Apoio a Projetos no Âmbito do Bicentenário da Independência do Brasil (2021-2024).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search