Centro de Memória do Projeto Resgate Barão do Rio Branco

Visite o hotsite do Projeto Resgate

Há 25 anos, as Repúblicas do Brasil e de Portugal pactuaram o Plano luso-brasileiro de microfilmagem. À época, o Plano foi um instrumento essencial para a sistematização, ampliação e difusão do acervo compulsado por meio do Projeto Resgate de documentação histórica “Barão do Rio Branco”.

Tal acervo documental, cujos primeiros elementos começaram a ser compilados em 1839 — a pedido do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro — pelo diplomata Antônio Menezes Vasconcelos de Drummond, consiste em um monumento para a memória nacional do Brasil e de Portugal.

Como consequência, o Tratado de Amizade, Cooperação e Consulta entre a República Federativa do Brasil e a República Portuguesa consagrou expressamente, em seu artigo 30, a praxe da nossa cooperação arquivística.

O hercúleo trabalho de catalogação, reprodução e disseminação do patrimônio documental comum entre Brasil, Portugal e outros países constitui um exemplo bem-sucedido de cooperação internacional. Aliás, vai perfeitamente ao encontro das recomendações da Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) de que seus Estados membros reflitam sobre a possibilidade de transferência documental entre países de mesma tradição (cf. Atas da 18ª Sessão de Paris, 17 de outubro a 23 de novembro de 1974, nº 4.212, recomendação nº 1 [p. 68]).

Com a perspectiva das comemorações do bicentenário da Independência do Brasil no
próximo 7 de Setembro, a Fundação Biblioteca Nacional criou, por portaria de 22 de julho de 2022, o Centro de Memória do Projeto Resgate, responsável tanto pela guarda do rico acervo de catálogos, instrumentos de pesquisa e reproduções documentais, quanto pela promoção da historiografia produzida a partir dos documentos custodiados.



Citar este post
João Carlos Nara Jr. (2022, 20 Agosto). Centro de Memória do Projeto Resgate Barão do Rio Branco. O “CASE” SANTA RITA (RIO DE JANEIRO). Recuperado em 29 de Fevereiro de 2024, de https://doi.org/10.58079/tvo1

Publicado por

João Carlos Nara Jr.

Arquiteto e Urbanista (UFF), doutor em História Comparada (UFRJ), mestre em Arqueologia (Museu Nacional/UFRJ) e licenciado em História (UniRio). Assessor de Patrimônio Cultural do Fórum de Ciência e Cultura da UFRJ. Foi Coordenador-geral do Projeto Resgate de documentação histórica Barão do Rio Branco e Membro da seção brasileira da Comissão Luso-Brasileira para Salvaguarda e Divulgação do Patrimônio Documental (COLUSO) de 2020 a 2022. Sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro (IHGRJ). Dedicou-se à preservação do Patrimônio Cultural em âmbito federal como Diretor Executivo da Fundação Biblioteca Nacional (2022), Coordenador de Cooperação Institucional da Fundação Biblioteca Nacional (2020-2021), chefe substituto da Equipe de Engenharia do Arquivo Nacional (2019-2020) e arquiteto do Escritório Técnico da UFRJ (2013-2018). Pesquisa o Rio de Janeiro colonial e tem interesse por hodologia (rotas, caminhos e métodos), abordagem 4A (Arquitetura, Arte, Arqueologia, Antropologia) e enfoque OPEN (objetos, práticas, entornos e narrativas). Coordena atualmente o projeto Identificação e exposição dos documentos históricos relativos ao processo de Independência do Brasil, aprovado no âmbito do Edital da FAPERJ: Programa Apoio a Projetos no Âmbito do Bicentenário da Independência do Brasil (2021-2024).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search