Representação decorativa dos querubins

IMG_9637

Queubim da capela-mor de Santa Rita

Os anjos barrocos, tradicionalmente chamados de “querubins”, costumavam ser representados como jovens cupidos ou putti (crianças aladas). Segundo Nancy Rabelo, o querubim de corpo inteiro foi mais recorrente no barroco do que no rococó; os artistas posteriores preferiram representar apenas rostos alados. À medida que o rococó infiltrava na cultura material, o querubim tornou-se uma parte importante do léxico decorativo: assim, a incorporação de símbolos clássicos alegóricos com o estilo naturalista de meados dos setecentos foi o epítome do gosto e da moda.

Os arqueólogos têm especulado acerca da conotação do emprego icônico dessas criaturas na arquitetura, usual desde o advento da Idade Moderna, embora menos frequente em tempos recentes. James Deetz, por exemplo, atribui à secularização que os anjos sejam representados com símbolos neoclássicos; outros estudos, porém, desabonam qualquer relação entre a moda artística e o fervor religioso. Tal discussão, porém, frequentemente se restringiu a âmbitos de cultura protestante, onde o uso de imagens sempre teve caráter problemático.

Para o arqueólogo Adam Heinrich, a figura alada tinha valor ambivalente e o seu significado dependeria do contexto. Por isso, o que os querubins ou os putti significavam para as pessoas do século XVIII é incerto: se foi visto como uma imagem alegórica clássica ou se representava um ser celestial judeo-cristão. Seu sentido provavelmente dependeria do tema da pintura ou da escultura: se religioso (sagrado), eles são querubins; se secular ou mítico (profano), eles são putti.

A questão não tem fácil solução, uma vez que certa linha da tradição judaica atribuiu um aspecto pueril aos querubins do Templo salomônico. Com efeito, uma aggadah (texto rabínico não jurídico) interpreta o termo “querubim” como “semelhante a uma criança” em aramaico (Talmud, Sukkah 5b). É possível, portanto, que os putti renascentistas fossem oriundos desta interpretação e não dos cupidos greco-romanos (ἔρωτες), os quatro filhos de Afrodite (Eros, Anteros, Himeros e Pothos).

No entanto, Flávio Josefo não conhecia tal tradição, afirmando que “dificilmente se poderia imaginar a forma desses querubins” (Antiguidades Judaicas, VIII, 2, 327). Além de tardia, a aggadah contradiz o próprio dado bíblico (cf. Ez 1,5-14.22-28; 10,8.14.20-22). Na Escritura, com efeito, o quarteto dos querubins é parecido ao quarteto dos serafins (Is 6,2s; Ap 4,6-8), a ponto de até um autor como Dante Alighieri confundir ambas as castas (cf. Commedia, Purgatorio, XXIX, 92-104).

O nome querubim parece provir, na verdade, do termo acádio karibu (literalmente, “ser próximo”: orante, intercessor) e faria referência ao gênio alado da mitologia babilônica com corpo de animal e rosto humano, guardião dos palácios e assessor dos deuses.

Na tradição cristã, ocupam o segundo dos nove coros angélicos, inferiores aos serafins e superiores aos ofanins ou tronos. Ezequiel (1,5b-7) afirma a respeito deles: “Este era seu aspecto: Tinham forma humana. Cada um apresentava quatro faces e tinha quatro asas. Quanto às pernas, tinham pernas retas e patas como as de bezerro; reluziam como o brilho do bronze polido”. Além disso, as faces eram de boi, de homem, de leão e de águia… — Nada parecidos com os putti das igrejas barrocas!


Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *