Pela ampliação da Paisagem Cultural do Rio de Janeiro

Cemitério do Valongo (fonte: portomaravilha.com.br/)

Zona Portuária (fonte: portomaravilha.com.br/)

Desde 2010, a região portuária do Rio de Janeiro, com 5 milhões de metros quadrados, tem passado por uma profunda reestruturação urbana através de uma operação consorciada com a iniciativa privada.

Em 2011, a municipalidade ali instituiu o “Circuito Histórico e Arqueológico da Celebração da Herança Africana”, ao qual foi integrado, no ano seguinte, o redescoberto cais do Valongo, por onde aportaram no Brasil mais de um milhão de africanos cativos até o século XIX.

Em 2013 o Valongo se tornou patrimônio cultural da cidade do Rio de Janeiro e, em março passado, teve sua candidatura homologada pelo Centro do Patrimônio Mundial da Unesco para ser reconhecido como Patrimônio da Humanidade, em função de seu valor excepcional como memória da violência.

Pesquisas arqueológicas ainda têm apontado novos marcos representativos da vida dos africanos nessa área, que poderão ser acrescentados ao Circuito, como é o caso do cemitério de pretos novos contíguo à igreja de Santa Rita, aliás o primeiro exemplar arquitetônico com decoração rococó nas Américas.

A revalorização de toda essa região — rica em bens patrimoniais, históricos e arqueológicos — é um convite a incluí-la entre os bens cariocas que compõem a paisagem cultural do Rio de Janeiro, atualmente restritos em sua maioria à Zona Sul da cidade.

Sem dúvida, a movimentada evolução da região portuária do Rio de Janeiro representa significativamente o processo de interação do homem com o meio natural, as estratégias de antropização do espaço brasileiro colonial e os vestígios deixados pela diáspora africana.

A inclusão do Circuito da Herança Africana na chancela de Paisagem Cultural poderia servir de estímulo para a valorização e a preservação da tão importante paisagem recém-recuperada.


Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *