250 anos do Cemitério de Pretos Novos do Valongo

A 30 de abril de 1774, Antônio José Correia, pároco de Santa Rita, e o seu coadjutor, Francisco Moreira da Costa, arrendavam um terreno de cerca de 600 m², pertencente à família Leite, proprietária da fazendinha de Nossa Senhora da Saúde, bairro da Gamboa. O imóvel funcionaria como campo santo para os pretos novos que eventualmente falecessem antes de serem vendidos, desde a data do seu arrendamento até o fim do tráfico oficial de escravos em 13 de março de 1830.

Embora fosse três vezes menor que o Largo de Santa Rita, onde os pretos novos chegaram a ser enterrados desde 1741, o Cemitério do Valongo era mais digno e apropriado do que a praça pública para a realização dos enterros. Possuía muro e portão, tendo sido a primeira experiência brasileira de um cemitério fora da igreja. No entanto, algumas décadas depois, a manutenção do cemitério deixou muito a desejar, causando inúmeras reclamações da vizinhança.

Ao que parece, o arrendamento do imóvel corresponde a um desejo do Marquês do Lavradio, vice-rei do Brasil de 1768 a 1779, que escrevera a 12 de abril de 1774 a respeito dos pretos novos do Valongo:

“sem poderem jamais saírem daquele lugar para esta Cidade, por mais justificados motivos que haja, e nem ainda depois de mortos, para se enterrarem nos cemitérios da Cidade.”

Arquivo Nacional, Códice 70, v. 7, p. 232.

A medida pretendia garantir a saída do comércio de atacado do interior da cidade. Como o tráfico humano estava tristemente incluído, isto implicava na concentração de todos os serviços referentes ao tráfico negreiro na região do Valongo, inclusive o cemitério.

Comemorar os 250 anos do Cemitério de Pretos Novos do Valongo é um compromisso com a memória e o reconhecimento do direito à história. Data que nos recorda o sofrimento de tantos africanos e a necessidade de que realizemos em nosso país uma justa reparação.



Citar este post
João Carlos Nara Jr. (2024, 30 Abril). 250 anos do Cemitério de Pretos Novos do Valongo. FREGUESIA DE SANTA RITA DO RIO DE JANEIRO. Recuperado em 15 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/10sbw

Publicado por

João Carlos Nara Jr.

Arquiteto e Urbanista (UFF), doutor em História Comparada (UFRJ), mestre em Arqueologia (Museu Nacional/UFRJ) e licenciado em História (UniRio). Assessor de Patrimônio Cultural do Fórum de Ciência e Cultura da UFRJ. Foi Coordenador-geral do Projeto Resgate de documentação histórica Barão do Rio Branco e Membro da seção brasileira da Comissão Luso-Brasileira para Salvaguarda e Divulgação do Patrimônio Documental (COLUSO) de 2020 a 2022. Sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro (IHGRJ). Dedicou-se à preservação do Patrimônio Cultural em âmbito federal como Diretor Executivo da Fundação Biblioteca Nacional (2022), Coordenador de Cooperação Institucional da Fundação Biblioteca Nacional (2020-2021), chefe substituto da Equipe de Engenharia do Arquivo Nacional (2019-2020) e arquiteto do Escritório Técnico da UFRJ (2013-2018). Pesquisa o Rio de Janeiro colonial e tem interesse por hodologia (rotas, caminhos e métodos), abordagem 4A (Arquitetura, Arte, Arqueologia, Antropologia) e enfoque OPEN (objetos, práticas, entornos e narrativas). Coordena atualmente o projeto Identificação e exposição dos documentos históricos relativos ao processo de Independência do Brasil, aprovado no âmbito do Edital da FAPERJ: Programa Apoio a Projetos no Âmbito do Bicentenário da Independência do Brasil (2021-2024).

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search