Serendipismo na Arquitetura

Arco cruzeiro monumentalNos estudos sobre a arte e a arquitetura religiosa colonial carioca, aparece uma informação recorrente: a de que na igreja matriz de Santa Rita — pioneira americana da decoração em estilo rococó — sobressaem duas invenções operadas pelos seus anônimos construtores: o uso de colunas torsas nos retábulos e a decoração monumental do arco cruzeiro.

O primeiro invento antecipa em quase vinte anos a moda carioca que seria introduzida pelo Mestre Valentim. A segunda invenção pode ser reconhecida como um exemplo aproximado de “serendipismo”, ou seja, da capacidade de inovação do seu artífice, cuja genialidade o levou a um expediente criativo posteriormente reproduzido em outras igrejas da cidade.

Com efeito, quando, na primeira metade do século XVIII, a antiga e pequena ermida foi adossada à nova e elevada nave, resultou em um enorme flanco cego acima da capela-mor, decorrente da desproporção da mole. A solução de monumentalizar o arco cruzeiro, dotando-o de requintado desenho rocaille e outros ornatos, além da luneta e da pintura da empena em mármore fingido, causa forte impacto visual e integra panoramicamente a decoração dos diversos ambientes.

A percepção de tal serendipismo escapa ao escopo de análise convencional, típica da história da arte ou da crítica arquitetônica, mais preocupadas com o contexto cultural ou com o produto artístico final. No entanto, isto pode ser reconhecido pelo olhar treinado do arqueólogo quando atento ao processo criativo desenvolvido na confecção dos artefatos.


Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *