Interpretação arqueológica

indi870

Em meados do século XX a arqueologia migrou da certeza positivista para a dúvida acerca da objetividade da pesquisa. Os arqueólogos davam-se conta, finalmente, de quanto o meio social determina as questões e as suas respostas. De fato, nenhum fato é estabelecido fora de um marco teórico.

Até então era recorrente que pesquisadores de outras áreas criticassem o estatuto epistemológico da arqueologia. A arqueologia já foi tida como disciplina esotérica irrelevante, como fascínio romântico, como instrumento totalitário de reinterpretação da história, etc.

Tal tensão entre interpretação arqueológica e pensamento arqueológico configuraria — seguindo Thomas Kuhn —, uma mudança de paradigma? Costuma-se falar de “mudança de paradigma” quando ocorrem transformações de pensamento, quer revolucionárias, quer graduais, estabelecendo-se um novo cânon consensual de prática científica. No entanto, há quem duvide de que os conceitos teóricos da arqueologia tenham mudado de forma significativa. Afinal, muitas ideias ainda se repetem, independentemente do contexto.

O que de fato parece afetar o pensamento arqueológico é o enfoque regional e a orientação política das pesquisas (colonialista, nacionalista, imperialista, pós-seja-lá-o-que-for, etc.). Por sorte, tem havido um frutuoso intercâmbio intelectual entre as diversas escolas e as ciências afins, o que enriqueceu a interpretação arqueológica.

Em suma, pode-se dizer que a arqueologia tem assistido a ondas de inovação. Essas ondas se combinaram, sobrepuseram e interagiram, produzindo linhas de interpretação dos fatos para além dos marcos geográfico ou cronológico; linhas, porém, que se harmonizam graças a laços históricos e interesses metodológicos comuns.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *