Sobre João Carlos Nara

Arquiteto e Urbanista da Coordenação de Preservação de Imóveis Tombados do Escritório Técnico da UFRJ. Arqueólogo formado pelo Museu Nacional. Doutorando em História Comparada pela UFRJ.

ImagináRio | ImagineRio

Fonte: HRC Project | ImagineRio | Atlas (pt-br)

POSTAGEM ATUALIZADA!!!

Visite a plataforma criada por pesquisadores da Rice University Humanities Research Center, agora reformulada.

Ela consiste em um atlas dinâmico que ilustra a evolução urbana do Rio de Janeiro ao longo de toda a sua história, com base em cartografia de época, iconografia e dados arquitetônicos.

Em conformidade com algumas deduções do meu livro Arqueologia da Persuasão, a igreja de Santa Rita aparece no mapa a partir de 1702. No entanto, um estudo mais acurado dos dados fundiários permitiu constatar que o terreno da igreja só foi comprado em 1718 e que a sua primeira pedra foi lançada em 1719. A capela-mor foi doada à mitra em 1721 e a nave foi concluída em 1728.

Em breve desceremos a mais detalhes sobre a cronologia da edificação.

Minicurso sobre o cemitério de pretos novos de Santa Rita

Em destaque

O Instituto Pretos Novos irá realizar, na sede da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro (CDURP), um minicurso sobre o cemitério de pretos novos de Santa Rita, ministrado por mim.

Os temas das aulas serão:

17/7 – Antecedentes, dúvidas e certezas sobre o Largo de Santa Rita.
24/7 – A relação do Largo de Santa Rita com o porto do Rio de Janeiro e o tráfico negreiro.
31/7 – O papel do Largo de Santa Rita na expansão urbana do Rio de Janeiro no século XVIII.

Investimento: R$ 25 por aula, para apoio ao Instituto Pretos Novos.

200 anos do Museu Nacional, marco da história, das ciências e do patrimônio brasileiros

A 6 de junho de 1818, Dom João VI decretava “que nesta Corte se estabeleça um Museu Real”, cujo objetivo seria “propagar os conhecimentos e estudos das ciências naturais no Reino do Brasil, que encerra em si milhares de objetos dignos de observação e exame”. E assim, em 6 de junho passado, o Museu Real, hoje Museu Nacional/UFRJ, comemorou seu bicentenário.

Primeira instituição científica e museológica do país, nosso querido Museu nasceu e cresceu possuidor de missões importantes para o desenvolvimento intelectual do Brasil. Além disso, com o advento da República, trocou de nome e de endereço, saindo do Campo de Sant’Ana e indo ocupar o Paço de São Cristóvão na Quinta da Boa Vista, antiga residência imperial. Desse modo, o Museu Nacional uniu ciência e patrimônio cultural, constituindo um pequeno conjunto representativo da história brasileira.

Ao longo dos seus duzentos anos, o Museu Nacional ainda passou por muitas vicissitudes: as profundas transformações dos paradigmas museológicos e científicos, a incorporação à então Universidade do Brasil (UFRJ) em 1946, a reforma universitária dos anos 1960, a escassez de recursos para a execução dos projetos de expansão, etc. Instituição singular, apesar de tudo sempre manteve seu encanto e o prestígio de seus cursos de pós-graduação, contados entre os melhores do país.

É o momento de resgatar a sua presença no imaginário carioca e de superar a invisibilidade de que sofre o Museu Nacional no Rio de Janeiro. Tais dificuldades seagravaram com a insegurança pública na cidade e o processo de decadência do Jardim Zoológico municipal, seu vizinho. Por outro lado, há 25 anos, quando uma infiltração em um dos telhados umedeceu algumas peças do acervo do Museu guardadas no terceiro andar, criou-se a falsa impressão de que o Palácio estava comprometido como um todo, ideia propalada de forma injusta e irresponsável.

Na verdade, desde então tanto a instituição quanto a Associação Amigos d’O Museu têm feito um grande esforço de preservação patrimonial, tanto das coleções quanto do edifício tombado. Foram restauradas a fachada frontal, diversas salas de exposição e 90% das coberturas do edifício. Novos projetos já foram aprovados pelo IPHAN e serão executados pela UFRJ e mediante a captação de recursos privados. Entre eles se destacam a restauração do Jardim das Princesas (que foi o “playground” da Princesa Isabel) e a restauração artística de três salas de grande valor histórico por seus usos imperiais.

De acordo com o plano de desenvolvimento estratégico do Museu Nacional, a instituição busca expandir suas atividades acadêmicas e laboratoriais para fora da Quinta da Boa Vista, reservando o Palácio de São Cristóvão apenas para as exposições. Para o desenvolvimento desses projetos, serão necessários mais pessoal técnico especializado e novos investimentos financeiros.

A comemoração dos 200 anos do Museu Nacional vai durar doze meses e se espalhará por todos os museus do país. O Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM) promoveu inclusive o “Passaporte de Museus 2018” comemorativo, em parceria com o Município. Visite o primeiro museu do Brasil, confira a programação, pegue e carimbe seu passaporte, e divulgue essa história aberta ao futuro.

O salvamento do cemitério de pretos novos de Santa Rita em O Globo

Área da Igreja de Santa Rita, no Centro – Marcos de Paula / Agência O Globo

RIO – As obras do último trecho do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT) no Centro vão ajudar a desenterrar mais um pedaço da história do Rio de Janeiro. Previsto para sair da Central do Brasil e atravessar a Avenida Marechal Floriano em direção à Avenida Rio Branco, a nova linha passará por cima de um sítio arqueológico do século XVIII, que pode ser o Cemitério de Pretos Novos do Largo de Santa Rita, construído em frente à igreja de Santa Rita. A descoberta fez as obra do VLT ficarem parada cinco meses, aguardando liberação dos órgão de proteção ao patrimônio. Segundo historiadores, um cemitério funcionou ali entre 1722 e 1769, quando o mercado de escravos foi transferido da área urbanizada da cidade para a região do Valongo. Aquele teria sido o primeiro local da cidade de sepultamento de pretos novos (africanos mortos na chegada ou durante a viagem de navio até o Rio), antes mesmo do cemitério da Rua Pedro Ernesto, na Gamboa, descoberto na década de 1996, que funcionou entre 1779 e 1830. LEIA A MATÉRIA NA ÍNTEGRA (exclusiva para assinantes): Obra do VLT pode revelar sítio arqueológico no Centro do Rio

David Eltis no Brasil

David Eltis, professor emérito de história da Emory University (Atlanta), que dedicou grande parte de seus estudos à análise do tráfico atlântico de africanos, estará na UFF a partir de 8 de junho, dia em que dará uma conferência. Na semana seguinte, participará de dois workshops (maiores informações nos flyers).

Uma de suas grandes contribuições é o Transatlantic Slave Trade Database, que contou com a colaboração de historiadores de todo o mundo. Ali se reúnem dados quantitativos (estimativas sobre o tráfico por portos de embarque e desembarque) e qualitativos (nome dos barcos, capitães, etc.).

 

Espaço hodológico

Desenho a bico de pena, 1825. Rua Miguel Couto? Coleção Cândido de Paula Machado

Para os escravizados transplantados às cidades brasileiras, as ruas se tornaram seu novo milieu. Palmilhavam-nas a serviço dos patrões e para vender suas mercadorias, mas também para conversar, para travar contato com os cultos ancestrais, para facilitar artigos de mão em mão, para furtar. A desordem das feições e a balbúrdia dos idiomas, as quitandas e os odores da culinária de toque africano certamente lhes despertavam a memória da terra natal e faziam dos caminhos urbanos espaços nostálgicos, democráticos e até subversivos. O tema se liga ao conceito “espaço de vida” (lebensraum) do psicólogo Kurt Lewin (1890-1947), para quem o comportamento humano é função simultaneamente da pessoa e do ambiente. Em outros termos, o “ambiente psicológico total” inclui tanto a dimensão geográfica objetiva quanto as valências qualitativas do espaço. Assim surgem os “caminhos privilegiados”, pelos quais o mundo é apreendido, e a cuja teoria Lewin deu o nome de hodologia.

O neologismo se espraiou da psicologia para a neurociência, a filosofia, a geografia e o urbanismo. Segundo os arquitetos Carlos Tapia e Manoel Alves (Townscopes y Contra Paisajes, cuestiones de un urbano contemporáneo. Revista de Pesquisa em Arquitetura e Urbanismo, Instituto de Arquitetura e Urbanismo, USP, São Paulo, v. 15, nº 1, 2017, p. 8), a hodologia “conserva alguns fundamentos que poderiam reativar a vitalidade da paisagem como argumento de nosso tempo e para a compreensão do homem diante de si”. De fato, a percepção da interação existente entre os marcos supera as descrições estáticas e fragmentadas: “achar o caminho é o mecanismo da hodologia, aquilo que une distintos polos com dimensões não lineares” (ibidem, p. 16-17). Agora não é momento para insistir no quanto as definições modernas do conceito de espaço “ou se tornaram devedoras da limitação dimensional dos fenômenos, ou tentaram extrapolar o âmbito da categoria” (NARA JR., João Carlos. Arqueologia da persuasão: o simbolismo rococó da Matriz de Santa Rita. Curitiba: Appris, 2016, p. 141); basta reconhecer na hodologia uma ferramenta adequada para superar o reducionismo cartesiano e resgatar a “articulação orgânica” (ibidem, p. 142) entre os marcos físicos, pois a significância não reside nos monumentos em si, e sim na paisagem criada por eles. Nesse sentido, o arquiteto Otto Bollnow explicava a hodologia nos seguintes termos:

Proveniente do termo grego ὁδός, caminho, [a hodologia] denota o espaço aberto por caminhos […] e as distâncias a serem sobre ditos caminhos. Se não fosse tão estranho do ponto de vista linguístico, seria possível falar de um “espaço de caminhos”. Esse espaço hodológico é, desde o princípio, contrastado com o abstrato espaço matemático. No espaço matemático, a distância entre dois pontos só é determinada por suas respectivas coordenadas; portanto, é uma quantidade objetiva, independente da estrutura do espaço que há entre eles. Por outro lado, o espaço hodológico significa uma mudança que é acrescida, no espaço vivido e experimentado, àquilo que nós já designamos de acessibilidade das respectivas destinações espaciais. (BOLLNOW, Otto Friedrich. Human space. Londres: Hyphen Press, 2011, p. 185)

Saudade da paisagem carioca

François Froger. St. Sebastien (1695). Às portas do século XVIII, a área urbanizada do Rio de Janeiro já era a várzea da praia entre os Morros do Castelo (D) e São Bento (B). Ao fundo se divisa o edifício que seria o futuro palácio episcopal, no Morro da Conceição (E).

[A cidade] não consegue contradizer
o quadro da natureza
e sua silhueta se confunde com a paisagem.
Nenhum rigor, nenhum método,
sempre este abandono característico,
que se exprime na palavra desleixo.

Sérgio Buarque de Holanda, Raízes do Brasil. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio, 1976, p. 76

Saudade em latim se traduz por desiderius, de-sidério, carência de céu, nostalgia das noites da terra natal. Por isso Gonçalves Dias teria escrito que nosso firmamento possui mais estrelas que o de além-mar. Saudade do céu, que exprime a saudade da terra. Entre o céu e a terra, um Rio de saudade. Saudade de um sonho de cidade que nunca se realizou. Saudade de um céu cujo contorno não mais se vislumbra senão entre as severas linhas de uma arquitetura duvidosa. Contudo, a saudade típica dos anos da Guanabara, logo após a criação de Brasília, contém muitos esquecimentos.

Houve época em que o skyline do Rio não era o Pão de Açúcar com o Corcovado. O Rio visto do avião teima em substituir o Rio visto do mar.  A verdadeira mágica carioca consiste em ser o Gigante Adormecido visto das ilhas Cagarras, esconde-se nos recôncavos da formosa baía em que as baleias iam brincar.

O Centro do Rio visto atualmente da Baía de Guanabara. Os acidentes geográficos da figura anterior praticamente desapareceram, ao mesmo tempo que sobressai o prédio negro da Cândido Mendes, construído sobre o antigo convento do Carmo.

Por falar em varanda, é forçoso admitir que os inúmeros “balcões” da cidade foram os antecedentes das nossas janelas de avião. Desde os morros da ocupação original — Castelo, São Bento, Santo Antônio e Conceição — divisavam-se panoramas inusitados, ostentando uma beleza cativante para os adventícios do século XVIII. No cadinho étnico, cultural e natural do Rio de Janeiro juntaram-se nativos e aventureiros, europeus e africanos, exploradores e admiradores. A despeito das dificuldades locais e da diversidade de objetivos, o pluralismo e a diversidade souberam conviver sob a égide do fascínio da paisagem carioca.

Nos tempos de criança, eu adorava contemplar o Centro do Rio da varanda da barca que voltava de Niterói. Estranhava a enorme mole de vidro, o edifício da Faculdade Cândido Mendes, negro e descomunal, pousado numa paisagem que não parecia ser a dele, mas que o IPHAN achava que já não pertencia a ninguém. Este é o Rio de Janeiro original, onde tudo começou: o Castelo inexistente, o São Bento então escondido pela Perimetral, o Paço Imperial camuflado na Praça XV. Mas não só: há muito mais escondido ali.

O maravilhamento sentido nos setecentos devia ser ainda maior diante da feracidade da terra, a integridade das paisagens e a limpidez dos ambientes. Tanto que muitos viajantes oriundos de múltiplas nações registraram abundantemente suas impressões em aquarelas, gravuras e desenhos. Apesar de que alguns artistas tenham reinterpretado as paisagens cariocas numa chave europeia — o estilo das montanhas, o padrão arquitetônico, as espécies vegetais, a incidência luminosa —, seu legado é extremamente importante e aportam importantes informações para o estudo da história da cidade. A imagem, quer valha ou não por mil palavras, também conta história.

Integração dos aspectos sociais, culturais e naturais na prática da preservação

 

Discurso de posse de João Carlos Nara Jr. no IHGRJ

Senhora Vice-Presidente do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro. Eminentes confrades. Senhoras e senhores. Agradeço sobremaneira a honra que me foi outorgada pelo Instituto ao me admitir no quadro de seus sócios. Sinto-me muito obrigado ao arquiteto e urbanista Alex Nicolaeff por me ter apresentado e pela estima de sua acolhida desde que nos conhecemos. E espero corresponder à confiança em mim depositada pela professora Miridan Britto Fauci, cuja amizade e interesse sempre me surpreenderam positivamente e consolaram, e a quem sinto o dever de expressar o meu agradecimento mais especial.

I

Assumo a cadeira 29, cujo patrono é Armando Magalhães Correia (nascido a 1889 e finado em 1944). Por feliz coincidência, partilho com meu patrono o orgulho de trabalhar no Museu Nacional, a mais antiga instituição científica e museológica do país, cujo bicentenário será comemorado a 6 de junho próximo.

Armando Magalhães Correia — artífice, escultor, pintor, desenhista, escritor, professor, naturalista, etnógrafo — trabalhou por mais de vinte anos como modelador do Museu Nacional, e oferecendo capacitação aos professores. Pioneiro na defesa das reservas naturais brasileiras, recolheu em sua famosa obra O Sertão Carioca, publicada em 1936 na Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, os artigos que escrevera anteriormente para O Correio da Manhã. Carioca de Jacarepaguá, Magalhães Correia coligiu informações primárias sobre moradores, tipos humanos, fazendas, casas, objetos, trilhas, estradas, paisagens, campos, praias, lagos, barragens, aquedutos, pontes… Seu ingente trabalho, todo ilustrado por sua mesma pena, traça o perfil da região dominada pelos maciços da Tijuca e da Pedra Branca.

Segundo suas próprias palavras, o sertão carioca, cujo coração é a baixada de Jacarepaguá, era um “exemplo dessa calamidade que abrange todo o território brasileiro” (CORREIA, 1936, p. 237).

A que calamidade fazia referência nosso conservacionista? — Era a calamidade dos sertanejos, carentes dos meios mais elementares de desenvolvimento. Era a calamidade dos homens dessas paragens desatendidas pelo poder público e exauridas dos seus recursos naturais.

O Brasil nacionalista dos anos 1930 — zeloso da própria identidade — já trazia no bojo um contrassenso: nas suas florestas, o brasileiro não encontra mais o pau-brasil; tanto como o habitante do Rio de Janeiro também não encontra mais o rio Carioca. O Brasil tem brasileiros, mas os brasileiros não têm mais o Brasil. Tornando a citar Magalhães Correia (ibidem),

[…] o problema fundamental no Brasil é o de uma sadia brasilidade, a começar pelo reflorestamento, a conservação dos mananciais, para garantia de nossa fauna, e assim possa haver meios de subsistência aos seus habitantes.

Armando Magalhães Correia, portanto, partilhava com seus colegas do Museu Nacional — Cândido de Mello Leitão, Paulo Roquette-Pinto, Bertha Lutz, Heloísa Alberto Torres, Alberto José Sampaio — a preocupação pela conservação do patrimônio natural. No entanto, sua grande contribuição foi saber integrar a preservação da natureza com a necessidade de reformas sociais.

Sendo assim, uma indagação se nos impõe: como integrar na prática da preservação os diferentes aspectos sociais, culturais e naturais?

II

Para responder tal questionamento, convém compreender a abrangência do conceito de patrimônio e o que significa a sua preservação.

Pode-se definir patrimônio como o conjunto de bens materiais e imateriais que, por seu próprio e relevante valor simbólico, se associa à história ou à identidade cultural de determinado povo ou nação, estando esses bens passíveis de preservação.

É sabido que ao lado do patrimônio natural também se reconhece o construído pelo homem. Conforme se lê na Carta de Atenas de 1931, cujo relator foi o arquiteto Le Corbusier, o patrimônio consiste nas

[…] obras materiais, traçados ou construções que […] conferem sua personalidade própria [às cidades] e dos quais emana pouco a pouco a sua alma. São testemunhos preciosos do passado que serão respeitados, a princípio por seu valor histórico ou sentimental, depois porque alguns trazem uma virtude plástica na qual se incorporou o mais alto grau de intensidade do gênio humano. (Carta de Atenas, 1931, nº 65)

A partir da percepção de que o patrimônio natural é afetado pela antropia, isto é, pela atuação transformadora do homem sobre o ambiente, forjou-se mais recentemente a categoria de paisagem cultural. O Rio de Janeiro tem o mérito de ser a primeira cidade a receber tal chancela da UNESCO. Como explica o geógrafo Rafael Winter Ribeiro (2007, p. 111),

[…] a grande vantagem da categoria de paisagem cultural reside […] no seu caráter relacional e integrador de diferentes aspectos que as instituições de preservação do patrimônio no Brasil e no mundo trabalharam historicamente de maneiras apartadas. É na possibilidade de valorização da integração entre material e imaterial, cultural e natural, entre outras, que reside a riqueza da abordagem do patrimônio através da paisagem cultural e é esse o aspecto que merece ser valorizado.

No entanto, há de se reconhecer que nenhuma dessas abordagens dá conta satisfatoriamente da dimensão social que o patrimônio deve ter. Como alerta o Papa Francisco (Carta encíclica Laudato sì, 143), convém prestar atenção

[…] às culturas locais, quando se analisam questões relacionadas com o ambiente, fazendo a linguagem técnico-científica dialogar com a linguagem popular. É a cultura — entendida não só como os monumentos do passado, mas especialmente no seu sentido vivo, dinâmico e participativo — que não se pode excluir na hora de repensar a relação do ser humano com o ambiente.

Portanto, a consciência do débito de cada um para com a sociedade precisa se concretizar em práticas preservacionistas, educativas e desenvolvimentistas, abertas às gerações presentes e futuras, como um corolário do princípio da solidariedade.

III

Mas o que significa preservar? Define-se a preservação como a proteção e a conservação de bens culturais cujo significado e permanência constituem referenciais importantes para a memória de uma nação, de um povo, de uma cidade ou região.

Convém estar alerta, pois diversos grupos de interesse reivindicam a prerrogativa de avaliar o passado para estabelecer o que deve ser reconhecido, protegido, resgatado ou restaurado: indígenas, religiosos, políticos, arqueólogos, historiadores, arquitetos, urbanistas, etc. Por outro lado, é recorrente encontrar entre militantes e ativistas a pretensão de possuírem um compromisso antropológico com os “dominados”, isto é, padecem do elitismo de se considerarem no direito de “dar voz” às pessoas sem oportunidade. Além disso, há de se reconhecer que frequentemente ocorrem graves tensões entre interesses locais e globais, e entre interesses econômicos e ideológicos.

Desse modo, fica evidente o quanto a noção de patrimônio precisa ser alargada e mais bem compreendida, a fim de que a sua preservação vise de fato ao bem comum e ao ser humano que dele usufrui, sem que seja reduzida a uma moeda de troca nas mãos ou de uma direita reacionária, ou de uma esquerda beligerante.

IV

A fim de responder à indagação inicial — como integrar na prática da preservação os diferentes aspectos sociais, culturais e naturais? —, arrisco apontar três âmbitos de atuação para os conservacionistas, que se incluem como círculos concêntricos.

O primeiro campo que necessita ser mais bem desenvolvido é o da educação patrimonial. Embora seja uma exigência dos órgãos de tutela para os agentes que trabalham com os bens protegidos, a educação patrimonial corre o frequente risco de se reduzir à mera ilustração didática dos empreendimentos.

Outro âmbito que reclama uma urgente mudança de mentalidade no Brasil é o da conservação preventiva e curativa. Faz-se urgente criar uma “cultura da manutenção”. A restauração, último recurso da prática da preservação — que visa a recuperar a apreciação, a compreensão e o uso —, deve ser evitada na medida do possível. Muito mais eficaz e econômico é o combate das deteriorações e perdas, dos processos danosos e dos problemas estruturais.

Finalmente, um terceiro campo estratégico de atuação é o da preparação dos profissionais capazes de assumir os desafios concernentes à salvaguarda do patrimônio. Com efeito, a conservação e a gestão patrimonial são trabalhos extremamente exigentes, transdisciplinares e especializados, que levam tempo para serem assimilados e desenvolvidos. É de justiça que tal serviço seja mais reconhecido e valorizado.

É admirável ler em O Sertão Carioca todo um programa de preservação para o Brasil em que Magalhães Correia incluía o saneamento rural, a educação agrária, a assistência judiciária e a gestão racional do povoamento, tendo nos próprios cidadãos interessados o elemento ativo da proteção do nosso patrimônio.

Obrigado.

Referências

CORREIA, Armando Magalhães. O Sertão Carioca. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1936.

Francisco (papa). Carta encíclica Laudato sì sobre o cuidado da casa comum, 24/5/2015 (Acta Apostolicæ Sedis 107, 9).

FRANCO, J. L. de A.; DRUMMOND, J. A. Armando Magalhães Corrêa: gente e natureza de um sertão quase metropolitano. História, Ciências, Saúde Manguinhos, v. 12, nº 3, p. 1033-1059, set.-dez., 2005.

Le Corbusier. A Carta de Atenas [1931]. São Paulo: Edusp, 1993.

NARA JR., João Carlos. Proposta de Ampliação da Paisagem Cultural do Rio de Janeiro: a importância da Freguesia de Santa Rita. In: 4º COLÓQUIO IBERO-AMERICANO PAISAGEM CULTURAL, PATRIMÔNIO E PROJETO, de 26 a 28 de setembro de 2016. Anais… Belo Horizonte: UFMG, 2016.

International Council of Museums — Committee for Conservation (ICOM-CC). Resolução da 15ª Conferência trienal: Terminologia para definir a conservação do patrimônio cultural tangível. Nova Delhi: 2008.

RIBEIRO, Rafael Winter. Paisagem Cultural e Patrimônio. Rio de Janeiro: IPHAN/COPEDOC, 2007.

Reportagem sobre o Valongo

Saiu uma interessante reportagem sobre a situação do Cais do Valongo, que tem sido o pivô de grande desinteligência entre os órgãos públicos. Assista no link abaixo:

https://globoplay.globo.com/v/6730494/

Vale a pena rever a palestra Vestígios da memória como vetores da cidade na Freguesia de Santa Rita. Ali estão enumerados os compromissos assumidos pelo Rio de Janeiro para a manutenção da chancela de patrimônio mundial outorgada pela UNESCO ao Cais do Valongo.

O que é hodologia

Você tem interesse na proposta metodológica abaixo? Entre em contato comigo para discutir melhor esse assunto!

Os caminhos dos seres humanos são sinuosos ou retilíneos, diaspóricos ou confluentes, inóspitos ou acomodados.

Povoadas por milhões de peregrinos e migrantes, por gente traficada ou sem destino, viajantes e aventureiros, as rotas são cicatrizes cujas marcas podem ser abandonadas, apagadas e esquecidas, ou ampliadas, corrigidas e reabertas.

Todo trajeto implica uma topologia e uma cronologia, assim como uma geomorfologia determinada pela agência e pela interdependência dos homens, da fauna e da flora.

Podem ser navegáveis ou carroçáveis, percorridos a pé, com pressa ou lentidão. Os itinerários delineiam a paisagem e estabelecem metáforas vitais.

As rotas são um método (μεθ-ὁδός, “através do caminho”) para gerir a proximidade e a distância, segregar e unir.

Os caminhos possibilitam a transição, são cadenciados pela espera e dialogam com as fronteiras.

As condições hodológicas da cidade estão na raiz da nostalgia pela vida bucólica, da viabilidade do turismo de massa, e do surgimento de espaços hodológicos democráticos ou até mesmo subversivos.

No encontro de diversas epistemologias — urbanismo, geografia, arqueologia, história, antropologia, ciência da religião, etc. — a Freguesia de Santa Rita (a histórica Zona Portuária carioca) oferece um caso de estudo aberto a enquadramentos teóricos inovadores como o da hodologia.