Sobre João Carlos Nara

Arquiteto e Urbanista da Coordenação de Preservação de Imóveis Tombados do Escritório Técnico da UFRJ. Arqueólogo formado pelo Museu Nacional. Doutorando em História Comparada pela UFRJ.

Audiência pública sobre a Pequena África

A Comissão Permanente de Cultura da CMRJ fará uma Audiência Pública para debater ações e políticas voltadas para a Pequena África (bairros da Saúde, Gamboa e Santo Cristo), áreas que guardam a memória da escravidão no Brasil e são essenciais para entender a história do país, a formação da nossa sociedade e a realidade atual.

Esse debate torna-se ainda mais urgente a partir do reconhecimento, pela Unesco, do Cais do Valongo como Patrimônio da Humanidade, na categoria memória e sofrimento, e dos debates em torno da proposta de criação do Museu da Escravidão e da Liberdade, pela Prefeitura.

A audiência será no dia 11 de agosto, sexta-feira, às 14h, no Plenário da Câmara Municipal do Rio de Janeiro.

Fazer nosso o Porto do Rio

Dodô Azevedo, escritor e colunista do G1, a historiadora Jéssika Rezende e Felipe Nin, que está à frente do movimento Ocupa Dops, serão entrevistados ao vivo sobre a importância de preservar a memória da região portuária carioca.

A conversa será liderada por Natalia Viana, codiretora da Agência Pública e idealizadora do Museu do Ontem, aplicativo que torna possível a exploração de histórias da zona portuária do Rio.

A entrada é franca e o evento será transmitido ao vivo pelas redes sociais.

Queixas, querelas e denúncias

É importante conhecer melhor o papel da Igreja no processo de construção do Brasil durante o Antigo Regime. Nesse sentido, destaca-se o trabalho da historiadora mineira Patrícia Ferreira dos Santos Silveira, que explora as relações entre a Igreja e o Estado Moderno em seu recém-lançado livro Excomunhão e economia da salvação.

Pelos meandros das queixas, querelas e denúncias no tribunal eclesiástico de Minas Gerais no século XVIII, a obra analisa os mecanismos da justiça eclesiástica para a implantação do Império lusitano cristão no Brasil, entre a virtude e o vício, a vingança e o perdão.

Mais informações na resenha de José Manuel Louzada Lopes Subtil, Professor Catedrático da Universidade Autônoma de Lisboa.

Hodologia: estudo dos caminhos

Vídeo do debate entre os pesquisadores Joseph Rykwert (Londres) e Francesco Pellizzi (Nova Iorque) durante o congresso internacional de hodologia organizado pelo Kunsthistorisches Institut in Florenz – Max Planck Institute e pelo eikones NCCR Iconic Criticism da Universidade da Basileia, em maio de 2017.

Joseph Rykwert and Francesco Pellizzi: A Conversation from KHI Florenz on Vimeo.

Cristãos-novos na Freguesia de Santa Rita

Detalhe da planta do Barão do Rio Branco que mostra o ataque de Duguay-Trouin à Cidade do Rio de Janeiro em 1711

O fidalgo Manoel Nascentes Pinto (1672-1731) — proprietário dos ofícios de meirinho do mar, guarda e porteiro da alfandega do Rio de Janeiro, e fundador da igreja de Santa Rita — legou um testamento que aduz valiosas informações sobre as suas posses. Ao referir-se a uma chácara adquirida na região do Valongo, dom Manoel fornece o nome de seu anterior proprietário: Damião Rodrigues Moeda.

Natural de Idanha a Nova (Guarda, Portugal), advogado e lavrador de cana, Damião foi preso por judaísmo em 1710, aos 45 anos, sendo condenado ao cárcere e hábito penitencial ao arbítrio dos inquisidores. A venda do sítio teria ocorrido, portanto, antes das invasões francesas de Jean-François Duclerc e René Duguay-Trouin no Rio de Janeiro. Este último, aliás, enquanto esteve na Cidade, libertou cem cristãos-novos que aguardavam a deportação para Portugal.

É sabido que, por aquela época, os cristãos-novos se organizavam clandestinamente na tentativa de evitar os rigores da Inquisição; pelo que é razoável supor que a liquidação da chácara do Valongo tenha a ver com as cautelas da família. Damião Moeda também denunciou vários parentes seus, que foram igualmente sentenciados. Tais transações e expedientes constituíam uma estratégia de sobrevivência para os cristãos-novos e lhes serviram para negociar ou garantir seus direitos e privilégios.

Cais do Valongo: Patrimônio da Humanidade

A UNESCO inscreveu hoje o Cais do Valongo na lista de Patrimônio da Humanidade:

Valongo Wharf Archaeological Site (Brazil)

Valongo Wharf Archaeological Site is located in central Rio de Janeiro and encompasses the entirety of Jornal do Comércio Square. It is in the former harbour area of Rio de Janeiro in which the old stone wharf was built for the landing of enslaved Africans reaching the South American continent from 1811 onwards. An estimated 900,000 Africans arrived in South America via Valongo. The physical site is composed of several archaeological layers, the lowest of which consists of floor pavings in pé de moleque style, attributed to the original Valongo Wharf. It is the most important physical trace of the arrival of African slaves on the American continent.

Museu do ontem para a herança africana na freguesia de Santa Rita

A Agência Pública de Reportagem e Jornalismo Investigativo elaborou um aplicativo (Android e iOS) com itinerários alternativos ao Circuito Histórico e Arqueológico de Celebração da Herança Africana.

Vale a pena conferir mais essa ferramenta, que vem somar-se ao aplicativo do Projeto Passados Presentes da UFF.

Museu do Ontem from Agência Pública on Vimeo.

Mauá 360

Antes da manifestação da UNESCO sobre a elevação do Cais do Valongo à categoria de Patrimônio da Humanidade, haverá no dia 27 de junho, no Museu do Amanhã, o Seminário Mauá 360 – Cais do Valongo. Essa edição tem como objetivo dar maior visibilidade às reflexões urgentes reforçadas pela candidatura carioca.

Inscrições e outras informações em https://museudoamanha.org.br/pt-br/maua-360-cais-do-valongo.

O corpo escravo como ponte entre mundos

J. Lorand Matory, Diretor de Sacred Arts of the Black Atlantic Project, e Professor de Antropologia Cultural da Duke University, EUA, apresentou no congresso internacional de hodologia organizado pelo Kunsthistorisches Institut in Florenz – Max Planck Institute e pelo eikones NCCR Iconic Criticism da Universidade da Basileia, uma comunicação denominada At the Crossroads: Afro-Atlantic and Central European Ethics of Intersectionality.

Eis o resumo da sua apresentação, em que ele frisou a abertura de espírito dos africanos escravizados:

In religious traditions all over the world, roads are a metaphor of progress and reunion. The openness and closure of roads is indeed one of central metaphors in the language and the rituals of Haitian Vodou and the Yoruba-Atlantic religions, which include not only West African Yoruba religion but also Brazilian Candomble and Cuban Santeria/Regla de Ocha. Even more central in these Afro-Atlantic traditions is the image of the crossroads. But rivers, oceans and lightning, which also bridge the gap between worlds, hint at an overarching conception of personhood and society: people and polities are normally the crossroads of and site of negotiation among heterogeneous forces, many of them originating in faraway places. This Afro-Atlantic imagery of the roads and the connections between disparate worlds invites dialogical reflection upon Freud’s metaphor that dreams are the “golden road to the unconscious” and upon his own continually abbreviated journeys on the road to Rome. Like the Yoruba Atlantic religions, Freuds psychoanalysis is premised on the idea that the self is the crossroads of multiple and normally conflicting spirits — the id, the ego, the super-ego and various “demons”— from heterogeneous origins. In this paper, Matory argues that Freud’s generalized insights about human ambivalence are rooted not in the universalness o f the Œdipal drama but in the fact that Freud’s own roads were blocked by anti-Semitism and homophobia. It may come as a surprise to most post-Enlightenment Europeans that the Afro-Atlantic corollary to Freud’s “ambivalence” is “balance”, according to which another set of the West’s victims demonstrates its openness to the spirits of its oppressors.

Circulação de luxo versus comércio de escravos

Gérard Chouin, professor associado de História da África do Lyon G. Tyler Department of History do William & Mary College em Williamsburg, EUA, apresentou no congresso internacional de hodologia organizado pelo Kunsthistorisches Institut in Florenz – Max Planck Institute e pelo eikones NCCR Iconic Criticism da Universidade da Basileia, uma comunicação denominada (Im)Materiality, Diachrony, and Spatiality: Preliminary thoughts about three dimensions of long­ distance ‘trade’ routes in medieval to early modern West Africa. Eis o resumo da sua apresentação, em que ele enfatizou a necessidade de se distinguir entre circulação de luxo e comércio de commodities:

For the most part, we lack a direct description of long-distance trade routes in West Africa during the medieval and early modern period. This paper, which built on a first canvass presented in January 2017 at the Villa I Tatti, brings together a series of preliminary thoughts on the nature of these elusive features of past landscapes. We focus on the long-distance circulation of prestige goods which, we argue, should be distinguished from trade. The paper is divided into three parts. First, we examine the materiality (or the lack of) of circulation networks. What material traces do they leave in the landscape? What are the archaeological signatures of these ancient pathways? Secondly, we discuss the diachronic change in morphology and layout of routes, allowing us the rare opportunity to reflect on the changing meaning of trade/landscape through time. Finally, we suggest the need to think of long-distance trade routes as defined by a series of spatial segments dominated by central nodes. Silent trade — an African practice regularly echoed by Arab and European, medieval and early modern geographers and travelers, we propose, could be understood as a metaphor for the strategic and highly ritualized process of exchange of prestige goods that was taking place at the articulation between two segments.

Curso de paleografia no IHGB

Estão abertas as inscrições para o IV Curso de Paleografia no IHGB, a ser realizado entre 8 de agosto a 26 de setembro, todas as terças-feiras, das 9h15 às 16h (carga de 60 horas).

As inscrições podem ser feitas presencialmente ou pelo e-mail secretaria@ihgb.org.br.

O valor do curso é de R$ 350,00 (Bradesco, agência 2545, conta corrente 1145-2, CNPJ 33.636.697/0001-40 INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO BRASILEIRO).