Conservação da matriz de Santa Rita

Em meio aos desafios que enfrentam os proprietários dos bens tombados, é importante divulgar a campanha pela realização de melhorias cruciais em nossa histórica Matriz de Santa Rita. Estamos empenhados em arrecadar R$ 300.000,00 para a execução de intervenções de fortalecimento da infraestrutura de nosso amado patrimônio, especialmente em três pontos:

1. Modernização das Instalações Elétricas
2. Sistema de Prevenção de Incêndios
3. Acessibilidade Universal

Cada doação representa uma expressão tangível de apoio à preservação de nosso patrimônio cultural.

Compartilhe esta campanha com seus colegas, os amigos e a comunidade. Nossa força se multiplica quando disseminada.

Saiba mais: https://campanhadobem.com.br/campanhas/igrejasantarita#/

Um legado enterrado

Os personagens do filme The Burial visitando um oculto cemitério de escravos

Já antes neste blogue compartilhei com vocês as impressões que me causaram alguns filmes, como A Escavação ou O Rei Perdido, em função de suas reflexões sobre a arqueologia e o respeito à memória dos mortos.

Hoje, gostaria de recomendar a história de Willie Gary, um renomado advogado especializado em litígios, que se fez conhecer como O Matador de Gigantes. Com uma carreira de sucesso de 30 anos, Gary é conhecido por sua abordagem agressiva e sua habilidade em vencer casos aparentemente impossíveis. No filme The Burial, que é baseado em fatos reais, o advogado tem de lidar com uma disputa milionária do mercado funerário.

A certa altura dessa história, alguns personagens vão até um campo vazio:

— Sabe o que é isso?

— Não sei.

— Isso é um cemitério. Embora não pareça à primeira vista, já que não há túmulos.

— Por que não?

— É um tipo diferente de cemitério. Um antigo cemitério de escravos. Todos sabem que eles não tinham dinheiro para enterrar entes queridos com uma lápide. Embora não possamos ver, toda a nossa história, a história dos negros no sul, a história dos negros nos EUA, dos nossos ancestrais escravizados, está enterrada por toda parte. Bem fundo, em quase todas as direções, é onde nossa história está. Nestes campos vastos e vazios. Em alguns lugares, foram erguidas estátuas. Sabe os monumentos confederados e estátuas que vemos em todos os lugares? Muitos foram colocados sobre cemitérios de pessoas escravizadas. Como pegar uma história e colocá-la em cima de outra. É como pegar o legado de um homem e colocá-lo sobre outro. Até que, um dia, ele será empurrado para tão longe, enterrado tão fundo, que ninguém poderá encontrá-lo.

A descrição do esquecimento cemiterial me tocou muito em função de minha longa pesquisa sobre o Cemitério de Pretos Novos de Santa Rita. Está certo que os nossos pretos novos não são antepassados ou ancestrais em sentido próprio; ou que a história e a arqueologia da escravidão americana são bem distintas da brasileira. No entanto, o problema da sobreposição de memórias sobre o legado humano ainda é bastante vivo, tanto em nossa sociedade, quanto na americana.

Que a celebração do dia da Consciência Negra sirva para que aprendamos a não repetir esses esquecimentos.

Memória, Patrimônio e Turismo em perspectiva no Cais do Valongo

Acaba de ser publicado o livro Memória, Patrimônio e Turismo em perspectiva no Cais do Valongo.

A temática da hodologia, conforme apresentada no III Seminário Internacional em Memória Social (ocorrido na UniRio em 2018), foi vertida no segundo capítulo do livro, denominado Hodologia da Diáspora Africana na Freguesia de Santa Rita.

O livro explora as dificuldades para a a construção de uma memória da diáspora africana com base material na região portuária da cidade do Rio de Janeiro e aponta as relações complexas do turismo com os lugares de memória.

Saiba mais sobre hodologia aqui.

Ao encontro de um rei perdido

The Lost King é um filme biográfico britânico de 2022, dirigido por Stephen Frears. Escrito por Steve Coogan e Jeff Pope, baseia-se no livro The King’s Grave: The Search for Richard III de Philippa Langley e Michael Jones.

A obra é uma dramatização da vida de Philippa Langley, interpretada pela atriz Sally Hawkins, a mulher que iniciou a busca pelos restos mortais do rei Ricardo III debaixo de um estacionamento em Leicester.

A história ajuda a pensar o quanto o financiamento dos trabalhos arqueológicos, a vaidade acadêmica e os preconceitos históricos influem nas pesquisas.

Existem outros filmes que também ajudam a refletir. Veja aqui outro exemplo.

Sacralidade, ciência, memória e reparação

A próxima palestra online no Instituto Pretos Novos ser´a sobre o debate atual em torno ao conceito de sagrado.

Também se falará do papel da história e da arqueologia na construção da identidade, da invenção da memória e da sua difusão.

Por fim, se discutirá como tem sido a prática da reparação nos dois Cemitérios de Pretos Novos do Rio de Janeiro.

Inscreva-se aqui!

Santa Rita, padroeira do Centro do Rio

Santa Rita no Largo de Santa Rita,
como representada por Alfred Martinet (detalhe)

O dia da memória litúrgica de Santa Rita, 22 de maio, foi incluído no calendário oficial do município do Rio de Janeiro, que a proclamou padroeira do Centro da Cidade pela Lei Ordinária 7.187, de 13 de dezembro de 2021. O projeto, de autoria dos vereadores Rafael Aloisio Freitas, Carlo Caiado e Cesar Maia, apela tão somente à importância religiosa de Santa Rita, cujos devotos se mobilizaram, em 2021, para colher assinaturas em prol de sua proclamação como padroeira. A partir de agora, a cidade se compromete, por meio da Lei, a dar mais suporte para a realização da festa de Santa Rita.

Centro de Memória do Projeto Resgate Barão do Rio Branco

Visite o hotsite do Projeto Resgate

Há 25 anos, as Repúblicas do Brasil e de Portugal pactuaram o Plano luso-brasileiro de microfilmagem. À época, o Plano foi um instrumento essencial para a sistematização, ampliação e difusão do acervo compulsado por meio do Projeto Resgate de documentação histórica “Barão do Rio Branco”.

Tal acervo documental, cujos primeiros elementos começaram a ser compilados em 1839 — a pedido do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro — pelo diplomata Antônio Menezes Vasconcelos de Drummond, consiste em um monumento para a memória nacional do Brasil e de Portugal.

Como consequência, o Tratado de Amizade, Cooperação e Consulta entre a República Federativa do Brasil e a República Portuguesa consagrou expressamente, em seu artigo 30, a praxe da nossa cooperação arquivística.

O hercúleo trabalho de catalogação, reprodução e disseminação do patrimônio documental comum entre Brasil, Portugal e outros países constitui um exemplo bem-sucedido de cooperação internacional. Aliás, vai perfeitamente ao encontro das recomendações da Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) de que seus Estados membros reflitam sobre a possibilidade de transferência documental entre países de mesma tradição (cf. Atas da 18ª Sessão de Paris, 17 de outubro a 23 de novembro de 1974, nº 4.212, recomendação nº 1 [p. 68]).

Com a perspectiva das comemorações do bicentenário da Independência do Brasil no
próximo 7 de Setembro, a Fundação Biblioteca Nacional criou, por portaria de 22 de julho de 2022, o Centro de Memória do Projeto Resgate, responsável tanto pela guarda do rico acervo de catálogos, instrumentos de pesquisa e reproduções documentais, quanto pela promoção da historiografia produzida a partir dos documentos custodiados.

Onde os escravos eram enterrados

Guta, Largo da Carioca antes de 1741.
A área cercada corresponde ao cemitério de pretos novos dos franciscanos, anterior ao de Santa Rita.

Quando se aborda o tema do enterro dos escravos no Brasil, convém evitar uma ideia imprecisa: a de que os homens de cor eram enterrados em valas comuns.

A bem da verdade, conforme o direito, todos os católicos (de qualquer cor) eram enterrados nas suas paróquias, ou nas igrejas das irmandades de que eventualmente fizessem parte, quer na nave (ad sanctos), quer no adro (apud ecclesiam), dependendo de quanto podiam pagar. No caso dos não católicos, eles podiam ser sepultados em campos santos meramente bentos.

A ideia da vala comum provém de uma confusão entre o enterro de africanos ladinizados (e seus descendentes) e o enterro de pretos novos, isto é, dos recém-chegados de África. Os pretos novos costumavam receber o mesmo tratamento que os indigentes.

Por outro lado, é frequente na historiografia brasileira acusar os senhores que enterravam seus escravos “em qualquer lugar” a fim de economizar o dinheiro dos estipêndios, delito que era punido pela lei. Mas isso não quer dizer necessariamente que todos os escravos fossem enterrados “em qualquer lugar” ou que todos os senhores fossem impiedosos.

Quando começou o Cemitério do Valongo?

O recurso aos dados fundiários do Rio de Janeiro, conservados no Arquivo Nacional, elucidou questões abertas desde a descoberta do Cemitério de Pretos Novos do Valongo em 1996, com destaque para sua data de início, dimensões, situação urbana e relação com a freguesia de Santa Rita.

Leia a respeito no v. 34, nº 3, da Revista Acervo do Arquivo Nacional, no artigo intitulado Análise do arrendamento do imóvel do Cemitério de Pretos Novos do Valongo (30 de abril de 1774).

O artigo vem acompanhado da transcrição paleográfica do contrato de arrendamento original do imóvel.

O que havia de África no Brasil da Independência?

Entre nós, esquecemos o quanto nossa história está impregnada da contribuição africana e de afrodescendentes. Em mais uma Live da Biblioteca Nacional, comemorativa dos 200 anos da Independência do Brasil, Antonio Carlos Higino da Silva e Carlos Eugênio Líbano Soares tratarão um pouco mais sobre o tema.

Carlos Eugênio discorrerá sobre a importância do complexo negreiro do Valongo, particularmente do Cais do Valongo, durante o ano decisivo de 1822 para o processo da independência e formação do Estado Nacional. Neste ano, com toda propaganda política pelas ruas, o mercado de escravos no Rio estava a todo vapor, contradizendo alguns atores políticos que anteviam mudanças sociais profundas no após 7 de setembro.

Já o professor Antonio Higino conduzirá reflexões acerca das lutas do Conselheiro Antônio Pereira Rebouças, em favor da consolidação dos direitos civis, no contexto dos primeiros anos da emancipação do país. A adoção da perspectiva de análise desse afrodescendente pretende ampliar e renovar os olhares sobre este evento, problematizando a não implementação de relevantes pressupostos a inauguração do Estado Nacional brasileiro.

Os comentários ficarão por conta de João Carlos Nara Jr., Coordenador de Cooperação Institucional da Fundação Biblioteca Nacional.

Antonio Carlos Higino da Silva possui Graduação e Licenciatura Plena em História pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2005), fez o Mestrado (2009) e o Doutorado (2020) em História Comparada no Programa de Pós-Graduação de História Comparada da UFRJ (2009). Em 2019 realizou intercâmbio em nível de doutorado pelo Programa Erasmus +, integrando-se ao Laboratório do Centre de la Méditerranée Moderne et Contemporaine da Université Nice Sophia, atual Université Cotê d’Azur. Atualmente é Pós-doutorando no Programa de Pós-graduação de História da Universidade Federal do Ceará.

Carlos Eugênio Líbano Soares estudou História na UFOP e Antropologia e História na UFRJ, onde se formou em História em 1988. Em 1993 defendeu Mestrado em História na UNICAMP com dissertação premiada pelo Arquivo Municipal do Rio de Janeiro no Concurso Prêmio Carioca de Monografia 1994 intitulada A Negregada instituição: os Capoeiras na Corte Imperial do Rio de Janeiro 1850-1890. Em 1998 defendeu tese de doutorado também na UNICAMP que foi premiada pela coleção do CECULT (Centro de Pesquisa em Cultura) da mesma universidade intitulada A Capoeira Escrava e Outras Tradições Rebeldes do Rio de Janeiro 1808-1850. Em 1998 foi premiado pelo Arquivo Estadual do Rio de Janeiro no concurso Memória Fluminense com o livro Zungu: rumor de muitas Vozes. Em 2003 foi premiado pelo Arquivo Nacional com o livro intitulado No Labirinto das Nações: Africanos e Suas Identidades, Rio de Janeiro Século XIX, escrita conjuntamente com Flávio dos Santos Gomes e Juliana Barreto. Publicou o relatório de pós-doutorado em Arqueologia em 2013 pela UFRJ intitulado Valongo: cais dos escravos, publicada digitalmente pela CDURP (Companhia de Desenvolvimento do Porto Maravilha). Apresentou palestras em eventos internacionais como LASA (Latin American Studies Association) 2001, (Washington DC) e BRASAS (Brazilian Studies Association) 2012 (Illinois, EUA) e Sorbonne 2008 (COFECUBE). Atualmente cursa doutorado em Arqueologia na UFRJ (Museu Nacional) com projeto sobre o mercado de escravos do Valongo no Rio de Janeiro.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search