Sobre João Carlos Nara

Arquiteto e Urbanista da Coordenação de Preservação de Imóveis Tombados do Escritório Técnico da UFRJ. Mestre em Arqueologia pelo Museu Nacional e doutorando em História Comparada pela UFRJ.

Harlem’s African Burial Ground

A descoberta do African Burial Ground no centro cívico de Manhattan em 1991 foi um marco para a memória afro-americana nos EUA. Transformado em Monumento Nacional em 2006, esse cemitério não é, porém, o único que tem sido pesquisado.

Na própria cidade de Nova Iorque outra experiência semelhante gira em torno a uma recém-descoberta necrópole do século XVII, situada no Harlem.

Vale a pena conhecer o 126th Street Harlem African Burial Ground Memorial and Mixed-Use Project.

Seria muito bom que iniciativas como essa norteassem as decisões políticas e ampliasse a visão científica e religiosa no que tange ao Cemitério de Pretos Novos de Santa Rita.

Cemitério de Rosas Negras

Em destaque

A segunda edição do Seminário Morte, Arte Fúnebre e Patrimônio: interlocuções, lugares e documentos post mortem ocorrerá nos dias 16 e 17 de outubro de 2019 no Centro Cultural de Ciência e Tecnologia da UFRJ, uma realização do Grupo de Pesquisas Paisagens Híbridas (EBA/UFRJ), do Grupo de Estudos de Arquitetura Cemiterial (EAU/UFF) e do Laboratório de Ensino de História (Universidade Federal de Pelotas).

O Seminário pretende alinhar argumentos que estruturam as reflexões gerais em torno da natureza e limites do conhecimento humano no que diz respeito à morte, aos ritos, às práticas culturais dos cuidados dados aos mortos, à certificação do cadáver como documento e às paisagens constituídas com base nos fatos que definem o universo físico e metafísico no âmbito da finitude humana.

Na mesa do dia 17, às 10h, será apresentada a comunicação As Rosas Negras do Cemitério de Pretos Novos de Santa Rita: sinais de um patrimônio invisível, que tem o seguinte resumo:

No Largo de Santa Rita, no Centro do Rio de Janeiro, houve durante o século XVIII um cemitério para africanos escravizados recém-chegados, que morreram antes de ser vendidos. Em 1774 o tráfico negreiro e seu respectivo cemitério foram transferidos ao Valongo, subúrbio pertencente à mesma freguesia de Santa Rita. O antigo cemitério foi esquecido, mas a recente instalação do VLT carioca no Largo de Santa Rita ocasionou uma contestação dos movimentos sociais sobre a legitimidade das pesquisas arqueológicas na região. Como sucedâneo à necessária rememoração desses mortos, o IPHAN propôs a representação de rosas negras no chão do cemitério, que continua servindo de logradouro público. A análise das contradições políticas do episódio e o estranhamento diante da não-paisagem de Santa Rita reclamam da academia e das instituições públicas respostas mais robustas, cujas linhas serão sugeridas na conclusão.

Redescobrir a Pequena África na Zona Portuária do Rio de Janeiro

Ocorrerá, de 21 a 25 de outubro de 2019 na Universidade Veiga de Almeida:

2º Encontro Internacional História & Parcerias
6º Seminário Fluminense de Pós-Graduandos em História
5ª Jornada do Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde

No Simpósio Temático 47 (Residência Pedagógica: formação e prática a partir do chão da escola), coordenado pelo Professor Giovanni Codeça da Silva, em sessão do dia 25/10, das 13h30 às 17h30, será apresentada a comunicação sobre a freguesia de Santa Rita.

A comunicação é denominada Caminhos da memória. Eis o resumo:

O sistema escravagista no Rio de Janeiro se desenvolveu em distintos períodos, apoiando-se em diversos equipamentos urbanos hoje conservados como monumentos históricos. Até 1774, o tráfico funcionou na Rua Primeiro de Março. Crescendo a necessidade de espaço no século XVIII para o enterro de pretos novos, a igreja de Santa Rita, situada no Bairro da Vila Verde, assumiu a cura pastoral dos africanos escravizados recém-chegados ao Rio. Com os esforços da Câmara para transferir o tráfico para fora dos muros da cidade colonial, a urbanização se estendeu da Vila Verde para o subúrbio do Valongo, que passou a funcionar como “gueto” escravagista a partir de 1774 a 1831.

Desde os anos 1980, o território da freguesia de Santa Rita recobrou interesse político, histórico, turístico e religioso, passando por um processo de “reafricanização” que culminou com a declaração do Cais do Valongo Patrimônio Mundial em 2017.

Com o objetivo de ajudar estudantes do Ensino Médio a compreender o papel histórico desses marcos, foram organizadas aulas expositivas e atividades de campo no Colégio Estadual Antônio Prado Júnior. Além de aplicar a Lei nº 10.639/2003, a iniciativa serviu à difusão da história pública, graças à participação de estudantes do PIBID e residência.

Os alunos foram previamente instruídos com mapas e depois conduzidos pelas ruas. Posteriormente, outra vez em sala de aula, foi possível debater suas impressões. A avaliação consiste tanto no envolvimento dos em sala, quanto da capacidade de identificar os lugares estudados ao visitá-los.

Campo útil de discussão é a conceituação de “subúrbio”, denominação aplicada ao Valongo desde o século XVIII, e que antecipa em cem anos a problemática das periferias cariocas. Outra vantagem da atividade é ensinar como são construídas as narrativas de memória.

Há 400 anos começava a escravidão nos EUA

Julia Michaels escreveu um ótimo artigo intitulado O 1619 Project: um grande jornal questiona o mito fundador dos EUA.

O artigo vem preencher uma lacuna da imprensa brasileira acerca das comemorações dos 400 anos da escravidão nos EUA, alegadamente iniciada com o sequestro de africanos destinados ao Brasil.

Leia também aqui o Project 1619.

Livro, arte, devoção

  • A Faculdade de São Bento do Rio de Janeiro abre suas portas para o Seminário Permanente sobre Arte e Devoção. A proposta é difundir o conhecimento científico em diálogo com os diversos ramos do conhecimento humano.

Nos meses de setembro e outubro as comunicações desse evento gratuito serão voltadas para a história do livro, na sua dupla acepção de livros civis e litúrgicos.

Os interessados deverão confirmar presença por e-mail.

No dia 30 de setembro, às 16h20, a apresentação será O Breve apostólico dos privilégios de Santa Rita.

A palestra abordará a análise paleográfica de um documento pontifício de 1726 sobre o uso permitido da capela de Santa Rita, que afetou a urbanização do sítio do Valverde, no atual Centro do Rio.

O que é diáspora

Diáspora vem do grego δια + σπείρω, “semear através”, ou seja, dispersar.

Três enfoques podem ser dados ao termo, e que devem ser utilizados com rigor:

Exílio

Diáspora foi originalmente um conceito exclusivo da experiência judaica de expatriação e dispersão por vários países. Subjaz a ideia de deslocamento forçado, com todos os seus traumas.

Sonho do retorno

Violências alimentam o desejo de recuperar a pátria perdida. Com esse tipo de abordagem, diáspora pôde ser aplicada analogicamente, por exemplo, às populações armênias e africanas.

Comunidade transnacional

O uso impróprio e sub-acadêmico do termo diáspora fez com que o conceito designasse qualquer grupo cujas relações sociais, econômicas e políticas atravessem as fronteiras nacionais: imigrantes, trabalhadores temporários, minorias, refugiados, peregrinos.

Cronologia dos cemitérios de escravos no Rio de Janeiro

Até meados do século XIX, todas as pessoas cristãs (escravas e livres) costumavam ser enterradas nas suas igrejas ou capelas paroquiais, ou nas igrejas das irmandades a que pertencessem, de acordo com a sua preferência.

Havia três possibilidades:

  • na nave da igreja: enterro ad sanctos
  • ao redor da igreja, no adro: enterro apud ecclesiam
  • junto da igreja: depósito em catacumbas

Os pretos novos (recém-chegados de África) que morressem antes de ser vendidos, eram tratados como indigentes, por não terem ainda domicílio e, consequentemente, não terem paróquia.

Quando a Santa Casa de Misericórdia deixou de ter capacidade de atender a tantos enterros de doentes e indigentes falecidos, algumas ordens religiosas e irmandades leigas vieram em auxílio, recebendo esses defuntos em suas necrópoles particulares.

Em seguida, novos cemitérios, exclusivos para pretos novos, surgiram na cidade do Rio de Janeiro, em função de ordens régias que instavam a solução do problema. O do Largo de Santa Rita foi o primeiro desses cemitérios exclusivos, embora precário, por estar em logradouro público.

Dali foi transferido ao Valongo pelo Marquês do Lavradio.

A fim de ter uma noção do arco temporal dessas idas e vindas, visite a linha do tempo em https://www.timetoast.com/timelines/1820162.

Árvore do esquecimento ou da memória?

Laurentino Gomes lança sua nova sequência de livros sobre história do Brasil, dessa vez sobre a escravidão.

Um tema que ele recordou recentemente foi a Árvore do Esquecimento em Ajudá (Ouidah), atual Benin.

Sabemos que a memória muitas vezes inventa a história.

No caso em questão, a tradição sobre tal árvore foi criada em 1992, durante o Festival Ouidah 1992, cujo objetivo foi valorizar a tradição vodu do país.

Logotipo do Festival Ouidah 1992

A bem da verdade, nenhuma fonte de época fala das Árvores do Esquecimento e do Retorno. O que sim existe é uma referência às três voltas que o Yovogan da cidade e os seus oficiais davam a uma árvore, a título de boas-vindas, quando recebiam os traficantes europeus.

Também se recorda a árvore sob a qual o rei Agajá de Daomé (1673-1740) bebeu gim europeu pela primeira vez, após destruir o reino de Hueda arrebatar a cidade de Ajudá em 1727.

Árvore do Retorno em Ajudá (Ouidah), Benin.

Mais do que históricos, esses monumentos de memória são um modo contemporâneo de a população do Benin lidar com o triste passado de Daomé, um Estado predatório que exportou milhares de pessoas escravizadas para o Brasil, especialmente para o Recôncavo Baiano (os jejes), nos séculos XVIII e XIX.

Alguns poucos navios oriundos de Ajudá também vieram ao Rio de Janeiro. É o caso, por exemplo, da corveta do capitão Francisco Antônio de Etrê, morador da rua dos Ourives (atual Miguel Couto), que trouxe consigo 326 cativos em 1766. Dessas pessoas, 21 morreram durante a viagem, e estima-se que outras 12 faleceram no Rio de Janeiro antes da venda, sendo muito provavelmente enterrados no cemitério de Santa Rita.

Fantasmas na rua Acre, 80

Como é sabido, lamentavelmente se decidiu não proceder ao salvamento arqueológico dos remanescentes humanos sobre os quais se passou a linha 3 do VLT, no Largo de Santa Rita.

Em compensação, a fim de se delimitar o Cemitério de Pretos Novos de Santa Rita, foram feitas prospecções nas áreas adjacentes, em especial nas ruas Acre e Alcântara Machado.

Prospectar a rua Acre tinha, entre outros objetivos, o estranho propósito de comprovar a lenda de que o Cemitério de Santa Rita alcançava o edifício do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, situado naquela rua, nº 80.

O boato se tornara popular em julho de 2018, por ocasião de uma jocosa notícia do Anselmo Gois no Jornal O Globo que contava os sustos dos funcionários do Tribunal, causados por manifestações de um poltergeist no edifício, cujas portas batiam sem razão aparente. O vulgo atribuía o fenômeno à suposta presença de ossos humanos sob os alicerces da edificação.

A pedido da Corte, redigi um breve parecer a 21 de setembro, dirimindo a questão, que carecia de qualquer fundamento. Afinal, o imóvel hoje ocupado pelo TRF-2 corresponde à reunião de vários pequenos lotes que pertenceram aos beneditinos até o século XX, salvo engano.

Em 24 de novembro, uma placa comemorativa foi instalada no saguão do Tribunal pelo Desembargador Federal André Fontes, com os dizeres:

O prédio onde se encontra a sede do Tribunal Regional Federal da 2ª Região integra a região do Centro da Cidade conhecida como ‘Pequena África’ (Praça Mauá e adjacências), onde por séculos aportaram navios negreiros.

A Corte realiza singelo preito às pessoas oriundas da África e busca trazer à lume o resgate da história do Brasil no período da escravização.

Quanto às prospecções na rua Acre… investir nesse tipo de pesquisa arqueológica parece ter sido algo despropositado.

Tudo pela ciência e a história do Rio de Janeiro!