Sobre João Carlos Nara

Arquiteto e Urbanista da Coordenação de Preservação de Imóveis Tombados do Escritório Técnico da UFRJ. Arqueólogo formado pelo Museu Nacional. Doutorando em História Comparada pela UFRJ.

Reportagem sobre o Valongo

Saiu uma interessante reportagem sobre a situação do Cais do Valongo, que tem sido o pivô de grande desinteligência entre os órgãos públicos. Assista no link abaixo:

https://globoplay.globo.com/v/6730494/

Vale a pena rever a palestra Vestígios da memória como vetores da cidade na Freguesia de Santa Rita. Ali estão enumerados os compromissos assumidos pelo Rio de Janeiro para a manutenção da chancela de patrimônio mundial outorgada pela UNESCO ao Cais do Valongo.

O que é hodologia

Você tem interesse na proposta metodológica abaixo? Entre em contato comigo para discutir melhor esse assunto!

Os caminhos dos seres humanos são sinuosos ou retilíneos, diaspóricos ou confluentes, inóspitos ou acomodados.

Povoadas por milhões de peregrinos e migrantes, por gente traficada ou sem destino, viajantes e aventureiros, as rotas são cicatrizes cujas marcas podem ser abandonadas, apagadas e esquecidas, ou ampliadas, corrigidas e reabertas.

Todo trajeto implica uma topologia e uma cronologia, assim como uma geomorfologia determinada pela agência e pela interdependência dos homens, da fauna e da flora.

Podem ser navegáveis ou carroçáveis, percorridos a pé, com pressa ou lentidão. Os itinerários delineiam a paisagem e estabelecem metáforas vitais.

As rotas são um método (μεθ-ὁδός, “através do caminho”) para gerir a proximidade e a distância, segregar e unir.

Os caminhos possibilitam a transição, são cadenciados pela espera e dialogam com as fronteiras.

As condições hodológicas da cidade estão na raiz da nostalgia pela vida bucólica, da viabilidade do turismo de massa, e do surgimento de espaços hodológicos democráticos ou até mesmo subversivos.

No encontro de diversas epistemologias — urbanismo, geografia, arqueologia, história, antropologia, ciência da religião, etc. — a Freguesia de Santa Rita (a histórica Zona Portuária carioca) oferece um caso de estudo aberto a enquadramentos teóricos inovadores como o da hodologia.

Hodologia da diáspora africana no Rio de Janeiro

Durante o III SEMINÁRIO INTERNACIONAL EM MEMÓRIA SOCIAL (III SIM), que será realizado de 15 a 18 de maio de 2018 na UniRio, haverá o simpósio Hodologia da Diáspora Africana.

O simpósio será na sexta-feira, dia 18, das 14 às 16h, no Instituto Europeu de Design, sala M5.

Na mesa serão tratados os seguintes temas:

Caminhos do tráfico negreiro, por Carlos Eugênio Líbano Soares (UFRRJ). O tema da escravidão africana e da diáspora é dos mais comentados e pesquisados na história do ocidente. Mas ainda restam subtemas que tem grande importância e que foram negligenciados. Um deles o mercado de escravos africanos da região do Valongo. Entre 1774 e 1831 o litoral norte da cidade do Rio de Janeiro se tornou área exclusiva para o desembarque de escravos africanos, que eram revendidos, em grande maioria, para vastas áreas rurais do interior do pais. Nosso objeto é entender como este tráfico funcionava, principalmente no plano da microeconomia, dos pequenos mercadores do varejo da mercadoria humana. Esta economia tem de ser entendida na dimensão geográfica (a localização estratégica e a proximidade com o mercado consumidor em expansão, no caso a economia pecuária e cafeicultora da fronteira de Minas e do interior fluminense) e na econômica (a dilatação dos agentes econômicos urbanos fornecedores ao mercado rural consumidor). Este mercado da rua do Valongo ficava a meio caminho das rotas do sertão africano (notadamente o chamado sertão de Angola) e dos sertões brasílicos da fronteira agrícola em expansão. Ponto importante das relações internacionais da economia brasileira ele foi estabelecido pelo estado, responsável final pelo abastecimento da economia privada no âmbito da internacionalização do trabalho. Estado e mercado se complementam na lógica escravista. A ideia de nação também é diversa e difusa na África de então, não se confundindo com o Estado-Nação da modernidade, mas ligado a “identidade de nação” construída pelo mercado para nomear os africanos capturados pelo tráfico. Um milhão de africanos passaram pelo mercado do Valongo em 57 anos de funcionamento. Para onde foram estas pessoas? Qual era o mercado mais promissor para o trato negreiro? Qual papel da economia mineira, paulista, paranaense, de todo Brasil no complexo negreiro do Valongo? E as relações com a Bahia? Estas as perguntas que serão formuladas e as respostas (provisórias?) serão apresentadas.

Caminhos da diáspora africana na baía de Guanabara, por João Carlos Nara Júnior (UFRJ). A dinâmica do tráfico escravagista dialoga com a porosidade do Rio de Janeiro, cidade portuária cuja memória dos caminhos diaspóricos foi sepultada pelas águas da Guanabara, mas que ainda é perceptível em suas ilhas, cais, cemitérios de pretos novos e outros monumentos espalhados pela freguesia de Santa Rita. Tal abordagem dos caminhos do tráfico no Rio de Janeiro pode iluminar o uso político dos achados arqueológicos no contexto da revitalização do Porto Maravilha, assim como o enquadramento ideológico imposto pelo ativismo social sobre a materialidade da diáspora africana. Essa conceituação pode oferecer uma percepção mais robusta e coerente dos monumentos históricos e de sua relação com a paisagem e a temporalidade. Com efeito, o tráfico seguia um método, envolvendo fiscalização sanitária, quarentena, controle alfandegário, casas de recuperação, lojas de comércio e até cemitérios exclusivos. O primeiro deles, instalado no século XVIII no Largo de Santa Rita, tornou a terceira matriz paroquial do Rio de Janeiro um ponto nodal para a expansão urbana para além do termo da cidade, configurando a atual zona portuária. Tão intrincado sistema reclama uma narrativa mais complexa que supere as generalidades e aporias que perpetuam uma compreensão superficial da importância da região e seus monumentos, em especial o Cais do Valongo, aclamado Patrimônio Mundial pela UNESCO em 2017.

Expansão urbana carioca nos pés das Irmandades negras, por Marcos Coutinho (UFRJ). A historiografia referente às devoções, confrarias e irmandades de homens pretos e pardos é consubstanciada com a própria crônica social do Rio de Janeiro Setecentista. Compuseram, estes grêmios, a mais notável expressão social de vida fraterna em solo carioca, e, quiçá, em todo o Brasil-Colônia nesse período. Desse modo, busca-se o propósito de tomar como objeto de pesquisa a atuação das irmandades de homens pretos e pardos como uma das promotoras da expansão do território da cidade do Rio de Janeiro durante o século XVIII. Muito além de pautar a investigação no papel institucional da Igreja Católica, procura-se depreender o sentido e a forma de sua ação na seara que envolve o estabelecimento de políticas voltadas para o planejamento de vilas e cidades em terras luso-brasileiras. Ausente qualquer normativa civil destinada à implementação de políticas urbanas, preencheu, a Igreja, o lugar do Estado, assumindo os códigos e constituições eclesiásticos a função axial como leis definidoras e orientadoras do sentido que iriam tomar os terrenos das cidades portuguesas na América. E no Rio de Janeiro, esse processo não foi diferente. A ação desses sodalícios será analisada a partir de dois vieses: o primeiro, ampara-se no templo religioso como vetor e orientador da expansão da cidade; já o segundo, toma a ação do fiel de cor como agente que modela e “desenha” os caminhos desse que virá a se constituir como um novo território a ser urbanizado. Dentro dessa linha de pensamento, o trabalho pretende ampliar as formas interpretativas que inserem ou relegam o negro afro-brasileiro a mero agente figurante, incapaz de atuar com protagonismo no processo histórico em questão. O objetivo, se pertinente for, é produzir um discurso crítico que procura influenciar e alterar a forma como se interpreta o papel do indivíduo escravizado no século XVIII.

Concurso do IHGRJ sobre Histórias do Rio

Art. 1. O Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro (IHGRJ) institui, pelo presente, o segundo Concurso de Estudo e Difusão da História do Rio de Janeiro, que se destina a premiar estudantes de níveis médio e superior, incentivando a pesquisa, o estudo e a difusão da História, além de promover e defender o patrimônio natural e cultural da Cidade e do Estado do Rio de Janeiro.

Art. 2. O concurso destina-se à escolha de trabalhos que tratem de pequenas histórias do Rio de Janeiro, passadas em qualquer século e que abordem pessoas, bairros, ruas, instituições, fatos, e/ou quaisquer acontecimentos.

Art. 3. Poderão participar do concurso estudantes de nível médio e de nível superior, devidamente matriculados em qualquer universidade na cidade e no estado do Rio de Janeiro, que não possuam vínculo de parentesco de até segundo grau com os membros da comissão julgadora.

Art. 4. Para a presente edição institui-se o Prêmio Mem de Sá em três níveis:

a) Prêmio Mem de Sá — nível médio.
b) Prêmio Mem se Sá — nível superior.
c) Prêmio Mem de Sá — nível pós graduação.

Art. 5. A premiação do Concurso ocorrerá em cerimônia a ser realizada na sala CEPHAS do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, no mês de dezembro, durante a sessão magna do IHGRJ, quando serão entregues os seguintes prêmios:

  1. Livros de autoria de todos os sócios do IHGRJ aos vencedores dos níveis superior e pós-graduação.
  2. Prêmio especial aos dois primeiros colocados do nível superior: um tablet.
  3. Prêmio especial ao primeiro colocado do nível médio: um tablet.
  4. Publicação, na Revista do IHGRJ, dos primeiros colocados nos níveis superior e pós-graduação.

Art. 6. Os trabalhos concorrentes ao Prêmio Mem de Sá deverão observar os seguintes requisitos:

  1. Obediência às normas da ABNT;
  2. Digitação em papel modelo A4;
  3. Número de páginas – 10 no mínimo e 20 no máximo;
  4. Espaço entre linhas – 1,5 digitadas em fonte Arial, tamanho 12 e espaço 1,5, de um só lado, com a indicação, na capa, do pseudônimo do candidato;
  5. Citação de fontes bibliográficas, no mínimo de 10 obras (livros, revistas, jornais, etc.).

Art. 7. O julgamento dos trabalhos concorrentes será feito da forma abaixo discriminada:

  1. Os critérios de avaliação serão baseados na originalidade, qualidade de linguagem; concisão no texto e qualidade do conteúdo;
  2. O Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro constituirá comissão, formada por quatro historiadores (quatro), especialmente indicada para julgar os trabalhos apresentados;
  3. As decisões da Comissão Julgadora será definitiva, não cabendo qualquer recurso ou impugnação.

Art. 8. Serão inscritos no concurso todos os estudantes que tiverem entregado ou postado seu trabalho em qualquer agência dos correios até a data limite, comprovada pelo carimbo de postagem e que tenham os seguintes documentos:

  1. Envelope fechado contendo: folha de identificação do autor, seu pseudônimo, endereço e telefone, o título de seu trabalho, comprovantes de estar matriculado no nível superior. Este envelope não deverá conter externamente, qualquer marca ou sinal de identificação e será numerado pela comissão julgadora.
  2. Envelope contendo o trabalho, propriamente dito, que não deverá conter qualquer identificação e que receberá o mesmo número do primeiro envelope, pela comissão julgadora.

Art. 9. Não haverá formulários específicos e todos os candidatos deverão entregar ou enviar via Correio seus trabalhos em 03 (três) vias, para o seguinte endereço:

Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro
Av. Augusto Severo, 8/12º andar
Glória, CEP 20021- 040

Art. 10. Não serão aceitos trabalhos enviados por fax ou e-mail.

Art. 11. O não atendimento as exigências previstas em edital resultará na anulação da inscrição do candidato.

Art. 12. O presente Concurso do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro, obedecerá ao seguinte Calendário:

  1. Lançamento Oficial: 15 de abril de 2018. Divulgação da Comissão Julgadora;
  2. Prazo limite para entrega ou postagem nos correios: 30 de setembro de 2018;
  3. Julgamento: 15 de outubro a 15 de novembro de 2018;
  4. Proclamação dos Resultados: 16 de novembro de 2018;
  5. Entrega dos prêmios: 13 de dezembro de 2018.

Art. 13. Os trabalhos não premiados serão devolvidos na sessão magna de 13 de dezembro de 2018.

Art. 14. Os trabalhos premiados constarão de uma lista em edital do IHGRJ à disposição na sede provisória do IHGRJ, na Avenida Augusto Severo, 8/12º andar, Glória, CEP 20021- 040.

Art. 15. Face à eventual impossibilidade de comparecimento para o recebimento dos prêmios, os ganhadores poderão enviar representantes.

Art. 16. Os casos omissos neste regulamento serão resolvidos pela Comissão Julgadora.

 

Neusa Fernandes
Presidente do IHGRJ

Magalhães Correia e a Preservação

Tomarei posse no Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro da cadeira cujo patrono é Armando Magalhães Correia, autor de O Sertão Carioca, obra clássica sobre a Zona Oeste do Rio, publicada em 1930.

Magalhães Correia trabalhava no Museu Nacional e foi um dos primeiros preservacionistas brasileiros. Adorava desenhar e representou o Largo de Santa Rita com o seu primitivo chafariz.