Arqueologia e africanidade fluminense

Durante a exposição de cartografia da africanidade fluminense na Casa França-Brasil, ocorrerá, na quarta-feira dia 14 de novembro, das 14 às 19h, um workshop sobre arqueologia em que serão explicadas as pesquisas efetuadas na freguesia de Santa Rita: cais do Valongo, cemitérios da Gamboa e de Santa Rita, etc.

Não perca!

O evento reunirá alguns dos mais conhecidos pesquisadores sobre o tema da Africanidade e pretende apresentar e debater aspectos relacionados as culturas Africanas, bem como se deu o translado dos Africanos para o Brasil e as diversas formas de como eram tratados e escravizados, usados como instrumento de trabalho e de enriquecimento de outras pessoas.

As escavações arqueológicas conduzidas no Rio de Janeiro serão apresentadas ao publico de forma gratuita dentro da programação geral da exposição.

A ordem de fala no Workshop será:

  • MARCELO MONTEIRO: Professor, Pesquisador, Estudioso e Consultor das Tradições Culturais de Matriz Africana Yorubá; Olóyè Asògun Odearaoffa; Presidente Nacional e Fundador do CETRAB – Centro de Tradições Afro-Brasileiras; Diretor e Fundador do IPN – Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos.
  • CLAUDIO PRADO DE MELLO: Arqueólogo pela Universidade Estácio de Sá/UNESA (1986). Professo Mestre em História Antiga e Medieval pela Universidade Federal Fluminense/UFF (1994). Especialista em Arqueologia Funerária do Egito Antigo e Ex-Membro da Mission Archeologique Du Bubasteion – Saqqarah (1996-2002). Fundador (1990) e atual Presidente do Instituto de Pesquisa Histórica e Arqueológica do Rio de Janeiro/IPHARJ. Membro Fundador (1990) e Ex-Professor Convidado do Laboratório de História Antiga do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ (1990-2002). Artista Plástico e Membro da European Association of Archaeology e do British Council of Archaeology. Atual Diretor do Museu da Humanidade.Atual Conselheiro da Cadeira Territorialidade do Conselho Municipal de Cultura do Rio de Janeiro, e Membro do Conselho Estadual de Tombamento.
  • RODRIGO PEREIRA: Doutorando em Arqueologia (Museu Nacional/UFRJ) desde 2015. Mestre em Arqueologia (Museu Nacional/UFRJ). Mestre em Ciências Sociais (UERJ). Bacharel e Licenciado Pleno em CiênciaS Sociais (UFES). Pesquisador de religiões e religiosidades, em especial as afro-brasileiras. Em Antropologia pesquisa o candomblé debatendo micro política em terreiros, eventos de sucessão de lideranças e temas relacionados à liminaridade. Quanto a arqueologia pesquisa, pela etnoarqueologia, elementos da cultura material e espaços edificados em terreiros de candomblé, bem como a formação e expansão dessa religião no estado do Rio de Janeiro. Para tanto, realizou escavações no extinto Terreiro da Gomeia (Duque de Caxias/RJ). Possui ainda experiência na pesquisa de elementos ligados a etnicidade, rituais de passagem, história da imigração pomerana e alemã para o estado do Espírito Santo e historiografia do luteranismo no Brasil e Espírito Santo. Pesquisador do Laboratório de História das Experiências Religiosas (Instituto de História/UFRJ
  • JOÃO CARLOS NARA JÚNIOR: Arquiteto e Urbanista da Coordenação de Preservação de Imóveis Tombados do Escritório Técnico da UFRJ. Mestre em Arqueologia pelo Museu Nacional e doutorando em História Comparada pela UFRJ. Sócio do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro. Membro do Instituto Pretos Novos e do Laboratório de História das Experiências Religiosas do Instituto de História da UFRJ. Investiga a Freguesia de Santa Rita, cuja Matriz constitui a primeira aparição do rococó religioso na América e diante da qual se encontra o sítio arqueológico do primeiro cemitério de pretos novos do Rio de Janeiro.
  • REINALDO BERNARDO TAVARES: Licenciado em História pela Universidade Salgado de Oliveira (2008) e mestre e doutor em Arqueologia pelo Museu Nacional (2012 e 2018). Atualmente é técnico industrial em edificações da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, diretor do departamento de arqueologia do Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos (IPN), coordenador e professor da PROL ESTUDOS – Associação de Democratização do Conhecimento. Tem experiência na área de História, atuando principalmente nos temas: arqueologia da diáspora africana, patrimônio, arqueologia, cemitério dos pretos novos e arqueologia da paisagem.
  • MARCUS ANTONIO MONTEIRO NOGUEIRA: Colecionador particular de quase 40.000 itens históricos e arqueológicos. Formado em Direito e História é um grande conhecedor do Patrimônio Brasileiro e ocupa pela segunda vez a Direção Geral do INEPAC. Ele é o Curador da Exposição CARTOGRAFIA DA AFRICANIDADE FLUMINENSE.

O evento é gratuito e as inscrições são reservadas ao numero de assentos na sala de conferencias e as inscrições podem ser feitas pelo e-mail: pradodemello@hotmail.com.


Íntegra do seminário sobre Santa Rita no Arquivo Nacional

Assista ao Seminário Reparação da Escravidão e os Ancestrais de Santa Rita, organizado pelo Instituto de Pesquisas e Estudos Afro-Brasileiros (IPEAFRO) no auditório do Arquivo Nacional a 20 de setembro passado.

  • 1h09min: Apresentação do seminário
  • 1h18min: Início da mesa de debates
  • 1h40min: Apresentação sobre Santa Rita (25min)
  • 2h37min: Intervenções do público

Conteúdo:

Milton Guran iniciou sua fala afirmando que “o Arquivo Nacional é por definição o repositório maior da memória nacional porque aqui são arquivados todos os documentos que marcam e sedimentam nosso percurso, então o fato de nós estarmos aqui reunidos para conversar sobre reparação aos povos de matriz africana e debater a situação de Santa Rita é uma conquista”. O antropólogo falou também sobre o “Projeto Rota do Escravo”, nascido há 25 anos e que compromete a UNESCO a debater profundamente, no campo político, cultural e científico a diáspora africana e o tráfico de escravizados. Ele ressaltou que considera esse nome é ruim porque perpetua a coisificação dos negros, mas que infelizmente não conseguem mudar. Por isso foi acrescentado ao projeto o subtítulo “Liberdade Resistência e Patrimônio” por demonstrar ser o legado da diáspora africana aos povos do mundo. Guran também comentou sobre a importância da candidatura e eleição do Cais do Valongo como Patrimônio da Humanidade.

João Carlos Nara Jr. fez uma apresentação sobre sua pesquisa a respeito de Santa Rita como um lugar de memória e abordou os temas: Freguesia de Santa Rita como subúrbio do século XVIII, a matriz de Santa Rita – a primeira igreja rococó da América, os pretos novos, o cemitério de pretos novos, o VLT e o futuro da região a partir da perspectiva de que se faz necessário o respeito à história dos escravizados que padeceram na região. O pesquisador explicou que “pretos novos” é a designação recebida pelos africanos que não foram abrasileirados porque faleceram ao chegar. Eles foram enterrados por perto da área de desembarque dando origem aos cemitérios de pretos novos.

Luiz Eduardo de Oliveira ressaltou que a Comissão Pequena África é composta majoritariamente por mulheres. Ele também apontou o fato de que quando começaram as obras do VLT na região de Santa Rita o movimento negro interveio com o intuito de parar as escavações para que eles pudessem ser ouvidos. A partir desse diálogo eles conseguiram entregar propostas e se posicionar. Eles vetaram determinados nomes para estações de VLT na região que homenageariam personalidades da história brasileira que o movimento considera racistas. Foram propostos nomes que tenham relação com a história da resistência negra. Também foi solicitado que seja construído um memorial na região, que o VLT tenha a obrigação de patrocinar os espaços e monumentos de valorização da cultura negra que existem na região e que dentro das estações passe a história da região da “pequena África” para a população usuária do serviço do VLT, entre outros pedidos.

Participantes:

  • Milton Guran: antropólogo e vice-presidente do Comitê Científico Internacional do Projeto Rota do Escravo da UNESCO
  • João Carlos Nara Jr.: arquiteto e urbanista da Coordenação de Preservação de Imóveis Tombados da UFRJ e especialista na história de Santa Rita
  • Luiz Eduardo Alves de Oliveira (Negrogun): presidente do Conselho de Direitos do Negro do Estado do Rio de Janeiro e membro da Comissão Pequena África.
  • Flávia Oliveira: jornalista e membro do Conselho de Matriz Africana do Museu do Amanhã.
  • Antonio Carlos Mendes Barbosa: presidente da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região Portuária (CDURP), representante da Prefeitura do Rio de Janeiro (não pôde comparecer)

Fontes das fotos e informações:

 

Roteiro da Herança Africana no Rio de Janeiro

A obra, realizada por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura, traz uma lista com quinze espaços que mantêm viva a presença afro na cultura carioca.

São locais a serem visitados, onde estão representados aspectos históricos, manifestações culturais e práticas políticas e religiosas.

Obviamente, não esgotam todos os marcos do Circuito Histórico e Arqueológico da Pequena África.

Eis a lista dos capítulos e seus respectivos autores:

  • No fio mágico do cordão da memória (Milton Guran)
  • Cais do Valongo (Monica Lima e Souza)
  • Instituto Pretos Novos (Cláudio Honorato)
  • Docas Pedro II (Keila Grinberg)
  • Pedra do Sal (Martha Abreu)
  • Pequena África (Monica Lima e Souza)
  • Praça do Mercado (Juliana Barreto Farias)
  • Igreja de Santa Efigênia (Mariza de Carvalho Soares)
  • Quilombo do Leblon (Eduardo Silva)
  • Os povos de terreiro do Rio de Janeiro (Leon Araújo)
  • Capoeira (Maurício Barros de Castro)
  • “Abre caxambu, Saravá jongueiro” (Álvaro Nascimento)
  • Praça da Harmonia (Cláudio Honorato)
  • As vozes do samba: Um percurso de luta da comunidade Quilombola do Sacopã (Fábio Reis Mota)
  • Museu do Samba: espaço de memórias vivas (Nilcemar Nogueira)
  • O Réveillon de Iemanjá (Cristina Chacel)

Dos artefatos e das margens

No dia 27 de setembro, quinta-feira, na Livraria Folha Seca, a partir das 17h, ocorrerá o lançamento do livro organizado pelos professores André Chevitarese e Flávio Gomes.

Dois capítulos são dedicados a Santa Rita:

A matriz de Santa Rita sob o olhar do arqueólogo: inferências transdisciplinares a partir da decoração religiosa.

Antes do Valongo: cultura material, memória e africanos no Rio de Janeiro, século XVIII. Notas de uma investigação multidisciplinar.

Santa Rita como lugar de memória

Salvem a data!

No dia 20/9, quinta-feira, das 17h às 21h30, vamos debater sobre obras de reurbanização na freguesia de Santa Rita e o respeito devido aos ancestrais africanos enterrados no chão revirado pela obras do VLT. O presidente da CDURP confirmou sua presença.

No auditório do Arquivo Nacional, Praça da República, 173 – Centro – Rio de Janeiro.

Organização: IPEAFRO

Programação completa:

Mestre de cerimônia – Milsoul Santos
17h – Exibição de filmes e reportagens sobre a diáspora africana e o Cais do Valongo 

18h – “Padê de Exu Libertador” na voz de Abdias Nascimento | Performance com Thaís Ayomide e Fernando Luiz

18h10 – Apresentação do tema 
• Monica Lima, historiadora e coordenadora do Laboratório de Estudos Africanos (LEÁFRICA/UFRJ); e integrante do comitê científico que preparou o dossiê da candidatura do Cais do Valongo a Patrimônio da Humanidade
• Elisa Larkin Nascimento, diretora do Instituto de Pesquisas e Estudos Afro-Brasileiros (IPEAFRO)

18h30 – Mesa de debates 
• Milton Guran, vice-presidente do Comitê Científico Internacional do Projeto Rota do Escravo da UNESCO
• João Carlos Nara, Jr., sócio do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro, arquiteto e urbanista da Coordenação de Preservação de Imóveis Tombados da UFRJ, especialista na história de Santa Rita
• Luiz Eduardo Alves de Oliveira (Negrogun), presidente do Conselho de Direitos do Negro do Estado do Rio de Janeiro e membro da Comissão Pequena África
• Mediação: Flávia Oliveira, jornalista e membro do Conselho de Matriz Africana do Museu do Amanhã

19h50 – Palavra da prefeitura
• Antonio Carlos Mendes Barbosa, presidente da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região Portuária (CDURP) 

20h20 – Discussão com o público presente

21h20 – Encerramento com poesia: Milsoul Santos

Loja de escravos

A casa de venda de escravos é o sobrado do meio (detalhe do Mapa Arquitetural do Rio de Janeiro, 1874)

Em meio às escavações desenvolvidas pela Artefato Arqueologia durante as obras do VLT foram evidenciadas as fundações de uma loja em que se revenderam escravos por volta de 1860.

O imóvel ficava na antiga Rua dos Ourives, atual Miguel Couto, no trecho que foi demolido por Pereira Passos no início do século XX, para a abertura da Avenida Marechal Floriano.

Com base na cartografia de época, é possível conhecer a fachada do imóvel e recuperar a paisagem e a ambiência do Largo de Santa Rita na época em questão. A grande referência é o Mapa Arquitetural do Rio de Janeiro, de Rocha Fragoso (1874).

O que será do cemitério de Santa Rita?

Escavações para construção dos trilhos do VLT encontram achados arqueológicos que pode ser do Cemitério de Pretos Novos do Largo de Santa Rita, no centro do Rio de Janeiro.

Em 1º de julho passado, a Agência Brasil publicou a reportagem Escavações podem revelar cemitério de escravos africanos no Rio, que é reproduzida abaixo.

Ressalto alguns pontos que me parecem problemáticos ou imprecisos:

  • O cemitério de Santa Rita perdurou de 1722 a 1769. Esse é um lugar comum que toma por base tanto a Provisão régia de 27 de maio de 1722 na qual Dom João V pedia ao governador Ayres de Saldanha que construísse um cemitério, quanto o ano de início do governo do Marquês de Lavradio, 1769.
  • O cemitério de Santa Rita deve permanecer intocado. Parece contraditório que o cemitério do Valongo tenha sido escavado e se valha de vitrines, mas o de Santa Rita não. Além disso, passam por cima dele transeuntes e o próprio VLT.
  • Rubem Confete fala que havia uma irmandade negra em Santa Rita e que os irmãos eram sepultados na rua. Ora, nenhuma das irmandades de Santa Rita (Santíssimo Sacramento, São Miguel e Almas, Espírito Santo) era de negros. Quanto aos irmãos, eles eram sepultados na igreja, não na rua.

Quem atravessa o Largo de Santa Rita, no centro da cidade do Rio de Janeiro, depara-se com uma das heranças da escravidão de africanos no Brasil. Ali, a sociedade civil e os historiadores apontam o que pode ser um dos primeiros cemitérios para africanos recém-chegados ao país, os chamados pretos novos.

Os registros indicam que os africanos mortos nos tumbeiros ou ao chegarem eram enterrados em frente à Igreja de Santa Rita, atual Largo de Santa Rita, entre 1722 e 1769. O local ficava perto do mercado de escravos da Praça XV e distante do Largo da Carioca, onde ficava a nobreza. Os corpos teriam sido descartados em covas rasas, muitos, cobertos de doenças, como as bexigas de varíola, provocadas pelas péssimas condições do translado. Funcionou como cemitério até a transferência para o Cais do Valongo, na zona portuária do Rio.

Essa é uma das versões que pode vir à tona com as escavações arqueológicas no local, que antecedem a instalação do último trecho do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), ligando a Central do Brasil à Avenida Marechal Floriano. As obras estão previstas para começar no próximo mês e aguardam a autorização do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). O local foi interditado há uma semana e a igreja está sendo escorada para não sofrer danos.

Ainda não está claro, no entanto, como as peças arqueológicas e o próprio sítio serão tratados, questões que preocupam organizações do movimento negro. “Entendemos que todo o local é um espaço de referência para nossa ancestralidade. Passando por cima, ou passando por baixo [o VLT], escavando ou não escavando, é uma área sensível para nós e queremos, de cara, a preservação”, disse o presidente do Conselho Estadual dos Direitos do Negro (Cedine), Luiz Eduardo Oliveira Negrogun. Na última quinta-feira (28), ele visitou o canteiro de obras a convite do Iphan, acompanhado de engenheiros do VLT e de uma equipe de arqueologia.

Apagamento da memória

Os ativistas reclamam que a prefeitura, ao estabelecer o trajeto do VLT, e o Iphan, ao autorizar as obras, não levou em consideração o fato de o local nem sequer ser sinalizado como marco de um crime contra a humanidade. “Ao pular esta etapa, a sociedade pode repetir o erro de apagar a memória da escravidão”, alertou Negrogun.

Essa é a mesma preocupação do jornalista Rubem Confete, profundo conhecedor dos marcos afro-brasileiros no Rio. “O objetivo deles é fazer os trilhos para o VLT, não estão interessados pela história. No Cais do Valongo, tiraram quatro ou cinco contêineres de utensílios, peças religiosas, e está tudo escondido, não temos acesso. Esse é um problema. O segundo é: se a arqueologia for realmente trabalhar, vai atrasar a obra. É isso o que querem?”, questiona. A previsão é que o novo trecho do VLT seja entregue até o fim de 2018.

Confete, no entanto, acredita que as escavações no Largo de Santa Rita encontrem um cemitério comum, onde eram enterrados membros da irmandade negra da Igreja de Santa Rita. “Era uma irmandade onde o negro predominava. Era um local de reunião. Além de frequentarem as missas, os africanos e seus descendentes reconstruíram ali laços de amizade”, explicou. Por ser mais afastada do centro, Santa Rita teria sido uma das primeiras igrejas onde essa convivência era possível, reunindo africanos libertos, lideranças religiosas e escravizados.

Tesouros

Segundo projeto apresentado pela consultoria Artefato ao Iphan e disponível na internet, as escavações arqueológicas, que fazem parte das contrapartidas do VLT, pretendem identificar e delimitar o cemitério de pretos novos, conservando o máximo possível de peças no local. Conforme o documento, que corrobora a tese de que o cemitério era de pretos novos, todo o material retirado será enviado para a Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj).

A coordenadora científica das escavações, a professora pós-doutora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Maria Dulce Gaspar, não foi autorizada pelo consórcio a dar entrevistas. No entanto, na visita ao canteiro de obras, quinta-feira (28), explicou à comissão de ativistas que tudo que há sobre o cemitério de pretos novos são hipóteses.

“Há muita coisa remexida. Não penso em nada mágico, que vamos abrir e encontrar tudo organizado”, declarou. “Mas se nós fizermos uma demarcação [do cemitério] e eu, como arqueóloga, não posso ir além disso, o que tenho para dar, desculpem-me a presunção, é precioso: saber onde começa e onde termina e em quais condições está”, declarou Maria Dulce.

As primeiras sondagens arqueológicas resgataram faiança (louça de barro coberta por esmalte) fina, portuguesa, porcelana, fragmentos de cachimbo de cerâmica e de caulim, além de uma série de fragmentos de ossos humanos como crânio, dentes e tíbia.

O arquiteto e urbanista João Nara Júnior concorda que definir os limites do cemitério, após uma série de intervenções urbanas na região será um grande passo. Ele fez mestrado sobre a Igreja de Santa Rita e pesquisa o cemitério do largo para a tese de doutorado na UFRJ. “Essa questão da exclusividade dos enterros [só de pretos novos], temos que relativizar. Teoricamente, eles poderiam ser enterrados em qualquer lugar. Mas, de fato, havia pretos novos ali”, disse.

Segundo Nara Júnior, há referências nos autos da Câmara de Vereadores do Rio sobre o sepultamento de pretos novos no local. Ele cita como uma das evidências mais emblemáticas a anotação de uma pessoa queixando-se da indignidade de enterrar pessoas em plena rua. “Tinha até um cruzeiro no local para que as pessoas orassem por essas almas”, ressaltou.

Preservação

Procurado para esclarecer o que será feito no sítio, o Iphan respondeu que não se pronunciará antes do resultado conclusivo da arqueologia. O órgão levantou dúvidas sobre a existência de cemitério de pretos novos ou de escravizados, apesar das referências apontadas pelos especialistas.

A prefeitura do Rio informou que não pode antecipar nenhuma medida de preservação ou de sinalização. Por meio da assessoria, a Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto explicou que qualquer ação depende das descobertas e das recomendações a serem feitas pelo Iphan, mas ressaltou que todas as sugestões serão seguidas.

Todas as escavações são feitas no Porto Maravilha, região formada por uma série de sítios históricos e locais de referências que compõem o Circuito Histórico e Arqueológico da Celebração da Herança Africana. Além do Cais do Valongo, registrado como Patrimônio da Humanidade em 2017, a região abriga o Instituto dos Pretos Novos, que preserva descobertas do cemitério de pretos novos do Valongo. O local foi descoberto na década de 1990, após moradores tentarem reformar a própria casa e se depararem com ossos humanos.

 

Escavações em Santa Rita na imprensa

Escavações no sítio da igreja de São Joaquim

As obras da linha 3 do VLT perpassam três sítios arqueológicos: a rua de São Joaquim, a igreja de São Joaquim e o Largo de Santa Rita.

As descobertas ao longo da Avenida Marechal Floriano têm atraído muito a curiosidade das pessoas e da mídia. Eis algumas reportagens:

Minicurso sobre o cemitério de pretos novos de Santa Rita

O Instituto Pretos Novos irá realizar, na sede da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro (CDURP), um minicurso sobre o cemitério de pretos novos de Santa Rita, ministrado por mim.

Os temas das aulas serão:

17/7 – Antecedentes, dúvidas e certezas sobre o Largo de Santa Rita.
24/7 – A relação do Largo de Santa Rita com o porto do Rio de Janeiro e o tráfico negreiro.
31/7 – O papel do Largo de Santa Rita na expansão urbana do Rio de Janeiro no século XVIII.

Investimento: R$ 25 por aula, para apoio ao Instituto Pretos Novos.

O salvamento do cemitério de pretos novos de Santa Rita em O Globo

Área da Igreja de Santa Rita, no Centro – Marcos de Paula / Agência O Globo

RIO – As obras do último trecho do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT) no Centro vão ajudar a desenterrar mais um pedaço da história do Rio de Janeiro. Previsto para sair da Central do Brasil e atravessar a Avenida Marechal Floriano em direção à Avenida Rio Branco, a nova linha passará por cima de um sítio arqueológico do século XVIII, que pode ser o Cemitério de Pretos Novos do Largo de Santa Rita, construído em frente à igreja de Santa Rita. A descoberta fez as obra do VLT ficarem parada cinco meses, aguardando liberação dos órgão de proteção ao patrimônio. Segundo historiadores, um cemitério funcionou ali entre 1722 e 1769, quando o mercado de escravos foi transferido da área urbanizada da cidade para a região do Valongo. Aquele teria sido o primeiro local da cidade de sepultamento de pretos novos (africanos mortos na chegada ou durante a viagem de navio até o Rio), antes mesmo do cemitério da Rua Pedro Ernesto, na Gamboa, descoberto na década de 1996, que funcionou entre 1779 e 1830. LEIA A MATÉRIA NA ÍNTEGRA (exclusiva para assinantes): Obra do VLT pode revelar sítio arqueológico no Centro do Rio

Hodologia da diáspora africana no Rio de Janeiro

Durante o III SEMINÁRIO INTERNACIONAL EM MEMÓRIA SOCIAL (III SIM), que será realizado de 15 a 18 de maio de 2018 na UniRio, haverá o simpósio Hodologia da Diáspora Africana.

O simpósio será na sexta-feira, dia 18, das 14 às 16h, no Instituto Europeu de Design, sala M5.

Na mesa serão tratados os seguintes temas:

Caminhos do tráfico negreiro, por Carlos Eugênio Líbano Soares (UFRRJ). O tema da escravidão africana e da diáspora é dos mais comentados e pesquisados na história do ocidente. Mas ainda restam subtemas que tem grande importância e que foram negligenciados. Um deles o mercado de escravos africanos da região do Valongo. Entre 1774 e 1831 o litoral norte da cidade do Rio de Janeiro se tornou área exclusiva para o desembarque de escravos africanos, que eram revendidos, em grande maioria, para vastas áreas rurais do interior do pais. Nosso objeto é entender como este tráfico funcionava, principalmente no plano da microeconomia, dos pequenos mercadores do varejo da mercadoria humana. Esta economia tem de ser entendida na dimensão geográfica (a localização estratégica e a proximidade com o mercado consumidor em expansão, no caso a economia pecuária e cafeicultora da fronteira de Minas e do interior fluminense) e na econômica (a dilatação dos agentes econômicos urbanos fornecedores ao mercado rural consumidor). Este mercado da rua do Valongo ficava a meio caminho das rotas do sertão africano (notadamente o chamado sertão de Angola) e dos sertões brasílicos da fronteira agrícola em expansão. Ponto importante das relações internacionais da economia brasileira ele foi estabelecido pelo estado, responsável final pelo abastecimento da economia privada no âmbito da internacionalização do trabalho. Estado e mercado se complementam na lógica escravista. A ideia de nação também é diversa e difusa na África de então, não se confundindo com o Estado-Nação da modernidade, mas ligado a “identidade de nação” construída pelo mercado para nomear os africanos capturados pelo tráfico. Um milhão de africanos passaram pelo mercado do Valongo em 57 anos de funcionamento. Para onde foram estas pessoas? Qual era o mercado mais promissor para o trato negreiro? Qual papel da economia mineira, paulista, paranaense, de todo Brasil no complexo negreiro do Valongo? E as relações com a Bahia? Estas as perguntas que serão formuladas e as respostas (provisórias?) serão apresentadas.

Caminhos da diáspora africana na baía de Guanabara, por João Carlos Nara Júnior (UFRJ). A dinâmica do tráfico escravagista dialoga com a porosidade do Rio de Janeiro, cidade portuária cuja memória dos caminhos diaspóricos foi sepultada pelas águas da Guanabara, mas que ainda é perceptível em suas ilhas, cais, cemitérios de pretos novos e outros monumentos espalhados pela freguesia de Santa Rita. Tal abordagem dos caminhos do tráfico no Rio de Janeiro pode iluminar o uso político dos achados arqueológicos no contexto da revitalização do Porto Maravilha, assim como o enquadramento ideológico imposto pelo ativismo social sobre a materialidade da diáspora africana. Essa conceituação pode oferecer uma percepção mais robusta e coerente dos monumentos históricos e de sua relação com a paisagem e a temporalidade. Com efeito, o tráfico seguia um método, envolvendo fiscalização sanitária, quarentena, controle alfandegário, casas de recuperação, lojas de comércio e até cemitérios exclusivos. O primeiro deles, instalado no século XVIII no Largo de Santa Rita, tornou a terceira matriz paroquial do Rio de Janeiro um ponto nodal para a expansão urbana para além do termo da cidade, configurando a atual zona portuária. Tão intrincado sistema reclama uma narrativa mais complexa que supere as generalidades e aporias que perpetuam uma compreensão superficial da importância da região e seus monumentos, em especial o Cais do Valongo, aclamado Patrimônio Mundial pela UNESCO em 2017.

Expansão urbana carioca nos pés das Irmandades negras, por Marcos Coutinho (UFRJ). A historiografia referente às devoções, confrarias e irmandades de homens pretos e pardos é consubstanciada com a própria crônica social do Rio de Janeiro Setecentista. Compuseram, estes grêmios, a mais notável expressão social de vida fraterna em solo carioca, e, quiçá, em todo o Brasil-Colônia nesse período. Desse modo, busca-se o propósito de tomar como objeto de pesquisa a atuação das irmandades de homens pretos e pardos como uma das promotoras da expansão do território da cidade do Rio de Janeiro durante o século XVIII. Muito além de pautar a investigação no papel institucional da Igreja Católica, procura-se depreender o sentido e a forma de sua ação na seara que envolve o estabelecimento de políticas voltadas para o planejamento de vilas e cidades em terras luso-brasileiras. Ausente qualquer normativa civil destinada à implementação de políticas urbanas, preencheu, a Igreja, o lugar do Estado, assumindo os códigos e constituições eclesiásticos a função axial como leis definidoras e orientadoras do sentido que iriam tomar os terrenos das cidades portuguesas na América. E no Rio de Janeiro, esse processo não foi diferente. A ação desses sodalícios será analisada a partir de dois vieses: o primeiro, ampara-se no templo religioso como vetor e orientador da expansão da cidade; já o segundo, toma a ação do fiel de cor como agente que modela e “desenha” os caminhos desse que virá a se constituir como um novo território a ser urbanizado. Dentro dessa linha de pensamento, o trabalho pretende ampliar as formas interpretativas que inserem ou relegam o negro afro-brasileiro a mero agente figurante, incapaz de atuar com protagonismo no processo histórico em questão. O objetivo, se pertinente for, é produzir um discurso crítico que procura influenciar e alterar a forma como se interpreta o papel do indivíduo escravizado no século XVIII.