Fronteiras da Escravidão

A Editora do Senado Federal publica o livro Fronteiras da Escravidão: da África ao Cemitério de Pretos Novos de Santa Rita no Rio de Janeiro.

A obra reverencia a memória dos africanos que morreram durante a vinda forçada ao Brasil antes de serem vendidos e foram enterrados no cemitério do Largo de Santa Rita, zona central do Rio de Janeiro, que funcionou até 1774.

A história dos “pretos novos”, expressão que designa os recém-chegados trazidos pelo tráfico negreiro, é contada de forma transdisciplinar, integrando questões historiográficas, arqueológicas, geográficas, urbanas, filosóficas, teológicas e políticas.

O texto assume Santa Rita como um “des-lugar” que se mostra um proveitoso campo de estudo das fronteiras – étnicas, territoriais e outras que houver –, abrangendo diversos aspectos interdisciplinares ao contar a história dos pretos novos, desde suas origens na África até sua chegada ao Brasil.

Um legado enterrado

Os personagens do filme The Burial visitando um oculto cemitério de escravos

Já antes neste blogue compartilhei com vocês as impressões que me causaram alguns filmes, como A Escavação ou O Rei Perdido, em função de suas reflexões sobre a arqueologia e o respeito à memória dos mortos.

Hoje, gostaria de recomendar a história de Willie Gary, um renomado advogado especializado em litígios, que se fez conhecer como O Matador de Gigantes. Com uma carreira de sucesso de 30 anos, Gary é conhecido por sua abordagem agressiva e sua habilidade em vencer casos aparentemente impossíveis. No filme The Burial, que é baseado em fatos reais, o advogado tem de lidar com uma disputa milionária do mercado funerário.

A certa altura dessa história, alguns personagens vão até um campo vazio:

— Sabe o que é isso?

— Não sei.

— Isso é um cemitério. Embora não pareça à primeira vista, já que não há túmulos.

— Por que não?

— É um tipo diferente de cemitério. Um antigo cemitério de escravos. Todos sabem que eles não tinham dinheiro para enterrar entes queridos com uma lápide. Embora não possamos ver, toda a nossa história, a história dos negros no sul, a história dos negros nos EUA, dos nossos ancestrais escravizados, está enterrada por toda parte. Bem fundo, em quase todas as direções, é onde nossa história está. Nestes campos vastos e vazios. Em alguns lugares, foram erguidas estátuas. Sabe os monumentos confederados e estátuas que vemos em todos os lugares? Muitos foram colocados sobre cemitérios de pessoas escravizadas. Como pegar uma história e colocá-la em cima de outra. É como pegar o legado de um homem e colocá-lo sobre outro. Até que, um dia, ele será empurrado para tão longe, enterrado tão fundo, que ninguém poderá encontrá-lo.

A descrição do esquecimento cemiterial me tocou muito em função de minha longa pesquisa sobre o Cemitério de Pretos Novos de Santa Rita. Está certo que os nossos pretos novos não são antepassados ou ancestrais em sentido próprio; ou que a história e a arqueologia da escravidão americana são bem distintas da brasileira. No entanto, o problema da sobreposição de memórias sobre o legado humano ainda é bastante vivo, tanto em nossa sociedade, quanto na americana.

Que a celebração do dia da Consciência Negra sirva para que aprendamos a não repetir esses esquecimentos.

Ao encontro de um rei perdido

The Lost King é um filme biográfico britânico de 2022, dirigido por Stephen Frears. Escrito por Steve Coogan e Jeff Pope, baseia-se no livro The King’s Grave: The Search for Richard III de Philippa Langley e Michael Jones.

A obra é uma dramatização da vida de Philippa Langley, interpretada pela atriz Sally Hawkins, a mulher que iniciou a busca pelos restos mortais do rei Ricardo III debaixo de um estacionamento em Leicester.

A história ajuda a pensar o quanto o financiamento dos trabalhos arqueológicos, a vaidade acadêmica e os preconceitos históricos influem nas pesquisas.

Existem outros filmes que também ajudam a refletir. Veja aqui outro exemplo.

Sacralidade, ciência, memória e reparação

A próxima palestra online no Instituto Pretos Novos ser´a sobre o debate atual em torno ao conceito de sagrado.

Também se falará do papel da história e da arqueologia na construção da identidade, da invenção da memória e da sua difusão.

Por fim, se discutirá como tem sido a prática da reparação nos dois Cemitérios de Pretos Novos do Rio de Janeiro.

Inscreva-se aqui!

Audiência pública sobre o Cais do Valongo

Depois da caótica audiência de 2018, em que o destino das Docas Pedro II roubou a atenção do Cais do Valongo, o Ministério Público Federal convida a uma outra audiência, esta a ser realizada através da plataforma Zoom, no dia 12 de maio próximo.

O objetivo é tratar das medidas adotadas pelos órgãos públicos federais e municipais em relação à conservação e valorização do sítio arqueológico do Cais do Valongo, em cumprimento às obrigações assumidas em 2017, quando da inclusão do sítio na lista do Patrimônio Mundial da Unesco.

Como (quase) sempre, o Estado do Rio estará ausente, apesar da Lei 8.105/2018, que versa do Circuito Histórico e Arqueológico da Pequena África.

INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES AQUI.

Navegar para outro mundo

A escavação do barco funerário, realizada por Basil Brown em Sutton Hoo, Inglaterra, em 1939.

A Escavação é um filme da Netflix (2021), dirigido por Simon Stone e baseado no romance do jornalista John Preston (2007), que reelabora a história real de uma das maiores descobertas arqueológicas do Reino Unido (1939): um barco funerário anglo-saxão com diversos tesouros hoje expostos no British Museum.

A adaptação põe em evidência o papel do escavador Basil Brown, que descobriu os artefatos na propriedade da viúva Edith Pretty, mas cujo mérito tardou a ser reconhecido pela academia pelo fato de não ter tido formação acadêmica como arqueólogo.

Para além do interesse histórico ou arqueológico do episódio, o filme pretende explorar o tema da fugacidade da vida por meio dos diversos personagens envolvidos na trama.

À certa altura, em função do impacto que sentiram diante dos traços deixados por pessoas de um passado recôndito, os protagonistas discutem sobre como deverão conduzir a pesquisa funerária. Edith Pretty indaga:

— Estou fazendo a coisa certa? É o túmulo de uma pessoa!

— É uma vida que foi revelada, e é por isso que escavamos — responde Basil Brown.

É muito interessante essa compreensão da arqueologia funerária como uma revelação da vida, não uma exposição da morte. Tal abordagem pode ajudar a pesquisa acadêmica de hoje a superar as aporias que cada vez mais a subjugam a compromissos políticos e ideológicos.

Em nome das estações do VLT

Por outro lado, a embarcação como figura da morte é uma constante religiosa universal que tem bastante implicação para a cultura africana. Se para os africanos dos séculos XV a XIX o oceano já encarnava imageticamente o “mundo dos mortos” (em fon: kútòmɛ̀), na prática acabou sendo o primeiro grande cemitério dos escravizados transportados para a América.

Os escravos de Angola associavam o mar ao deus incertus ac remotus, superior às demais divindades e identificado com o Deus dos brancos. Entre ganguelas, ambos, xindongas e hereros, o nome desse Deus é Kalunga. Depois, foi fácil que os cemitérios brasileiros passassem a ser denominados “calunga pequena”, do mesmo modo que o mar tinha sido chamado “calunga grande”.

As águas negras da calunga grande eram infestadas de espíritos aquáticos, os bisimbi, companheiros dos que eram ceifados pela morte prematura.

A morte na cultura africana

Não é coincidência que, para os daomeanos (do atual Benin), assim como para os gregos, o acesso ao além fosse concebido como a travessia de um rio. Com tino, suas cerimônias fúnebres definitivas se chamavam em fon “embarcar”, pôr o cadáver no barco”: cyɔ̀ɖòhŭn. Aliás, um dos portos do Golfo do Benin se chama precisamente Cotonou (Kútɔ̀nú), isto é, “foz do rio dos mortos”.

Árvore do esquecimento ou da memória?

No aperto dos porões, os relatos da terra natal eram como o sal e como o vinho, preservadores da memória e proféticos quanto ao futuro. Certamente seria evocado Hú, o vodum marinho cultuado em Ajudá (cidade de Benin), análogo ao Kalunga dos bantos.

Esse vodum se identificava com a “canoa” (hún) na que estavam presos os cativos, e parecia ser ao mesmo tempo o mar e o anzol que os pescara, pois em ewe o equivalente Ƒù pode significar simultaneamente mar, anzol ou linha. Chegou-se a dizer que os búzios (oriundos do Índico) eram pescados tendo os escravos como isca. Além disso, Àgbè é um dos voduns aquáticos associados ao panteão de Hú. Na língua ewe, àgbè significa vida, existência, energia; mas em fon, àgbè é o próprio mar, àgbètà é o curso das águas profundas, àgbètàwòyó é o grande oceano.

Os sobreviventes à travessia chamavam-se depois entre si “malungo”, um termo hoje aportuguesado no qual confluem sentidos primitivos de diversas línguas bantas: parente, companheiro de sofrimento, grande embarcação, colega da calunga, amigos do além.

À luz dessa fusão linguística, Robert Slenes explica “como os escravos da África bantu podiam encontrar-se, através das palavras, não apenas no mesmo ‘barco’ semântico, mas no mesmo ‘mar’ ontológico” (“Malungu, ngoma vem!”: África encoberta e descoberta no Brasil. São Paulo de Luanda: Museu Nacional da Escravatura; Instituto Nacional do Patrimônio Cultural, 1995, p. 9).

É comum às mitologias estabelecer paralelos entre as ruidosas divindades fluviais e as oceânicas. Por isso — do mesmo modo que os bantos tinham reconhecido em Dandalunda (a foz do rio Dande) a doce companheira de Kalunga —, Hú também devia possuir uma consorte.

Mais tarde, em todas as Américas, essa divindade feminina úmida e fecunda seria sincretizada com a orixá do rio Ògùn, Yemọjá (Iemanjá), que representa a gestação e a procriação.

Oficinas sobre Santa Rita no IPN

Três oficinas sobre Santa Rita serão apresentadas ao longo do ano no Instituto Pretos Novos (sempre às 19h):

15 de abril: Cemitério de Pretos Novos de Santa Rita (1741-1774)
PRETOS NOVOS: Quem eram? Fazer memória.
O CEMITÉRIO: Onde ficava? Tamanho e duração.
OS REMANESCENTES: Obras do VLT e pesquisas acadêmicas.

28 de Julho: Moléstias, medicinas e feitiços no Rio de Janeiro colonial
O século XVIII testemunhou transformações significativas para a relação das pessoas com a saúde física e espiritual. Serão abordados três aspectos intimamente relacionados no período: o processo de secularização, a desconfiança diante das terapias afro-brasileiras e os primórdios da medicina científica.

19 de agosto: Cemitério de Pretos Novos de Santa Rita: funeral, purificação e ancestralidade
Entre cerca de 1741 e 1774, antes de o tráfico escravagista carioca passar a funcionar no Valongo, os pretos novos eram enterrados no cemitério de Santa Rita. Só é possível captar o valor e o potencial desse lugar de memória com uma compreensão abrangente que integre arqueologia, antropologia e escatologia.

Guarde as datas para se inscrever!

O futuro das Docas Pedro II

Interior das Docas Pedro II

O Ministério Público Federal celebrou acordo para a instalação no Porto Maravilha, tanto do Centro de Referência do Cais do Valongo, quanto do Laboratório Aberto de Arqueologia Urbana. Ambas as instituições ficarão sediadas nas Docas Pedro II.

Para entender o alcance da notícia, é importante distinguir algumas coisas:

  • O imóvel das Docas Pedro II, construído pelo notável engenheiro André Rebouças, era utilizado pela Ação da Cidadania, responsável por sua restauração e conservação por cerca de 20 anos.
  • Tinha sido anunciado em uma controversa audiência pública em 2018 que a ONG seria desalojada, pois o imóvel das Docas Pedro II passaria à propriedade da Fundação Palmares.
  • O Centro de Referência do Cais do Valongo é uma das exigência da UNESCO para que o referido Cais, proclamado Patrimônio Mundial, possa cumprir o seu papel. A inexistência desse centro de interpretação inviabiliza a chancela recebida da UNESCO.
  • O Laboratório Aberto de Arqueologia Urbana era um projeto da Prefeitura do Rio de Janeiro durante a primeira gestão de Eduardo Paes. Problemas da equipe de arqueologia com a gestão do patrimônio escavado do Cais do Valongo fizeram com que o Laboratório não iniciasse. Note-se que o material retirado de cima do Cais é sedimento de aterro do Morro do Senado, desmontado no início do século XX para a construção do Porto, não tem a ver necessariamente com questões de reparação. 
  • Com a eleição de Marcelo Crivella, o discurso das políticas afirmativas migrou da celebração da cultura africana para a musealização da escravidão. As Docas Pedro II, que já estavam na mira do governo para sediar o Centro de Referência, passaram a estar também na mira da Prefeitura, que desejava sediar a ali seu novo museu municipal.
  • Embora o acervo do Laboratório Aberto de Arqueologia Urbana fosse referente à arqueologia da cidade do Rio de Janeiro, a Prefeitura anunciou que ele seria incorporado como acervo do Museu da Escravidão (?!).
  • O Ministério Público Federal tem tido papel ativo em diversas questões desse gênero, inclusive na da passagem da Linha 3 sobre o Cemitério de Santa Rita, em que se optou por não fazer o salvamento arqueológico dos remanescentes humanos sob os trilhos.
  • A Ação da Cidadania deverá ocupar, antes do fim de 2021, o espaço que tinha sido ocupado pelo acervo do Laboratório Aberto de Arqueologia Urbana.

Agora cabe aguardar o que fará Eduardo Paes em sua nova gestão.

Próximas palestras sobre o Cemitério de Pretos Novos de Santa Rita

Duas apresentações online sobre o Cemitério de Pretos Novos de Santa Rita serão realizadas em breve:

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search