Roteiro da Herança Africana no Rio de Janeiro

A obra, realizada por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura, traz uma lista com quinze espaços que mantêm viva a presença afro na cultura carioca.

São locais a serem visitados, onde estão representados aspectos históricos, manifestações culturais e práticas políticas e religiosas.

Obviamente, não esgotam todos os marcos do Circuito Histórico e Arqueológico da Pequena África.

Eis a lista dos capítulos e seus respectivos autores:

  • No fio mágico do cordão da memória (Milton Guran)
  • Cais do Valongo (Monica Lima e Souza)
  • Instituto Pretos Novos (Cláudio Honorato)
  • Docas Pedro II (Keila Grinberg)
  • Pedra do Sal (Martha Abreu)
  • Pequena África (Monica Lima e Souza)
  • Praça do Mercado (Juliana Barreto Farias)
  • Igreja de Santa Efigênia (Mariza de Carvalho Soares)
  • Quilombo do Leblon (Eduardo Silva)
  • Os povos de terreiro do Rio de Janeiro (Leon Araújo)
  • Capoeira (Maurício Barros de Castro)
  • “Abre caxambu, Saravá jongueiro” (Álvaro Nascimento)
  • Praça da Harmonia (Cláudio Honorato)
  • As vozes do samba: Um percurso de luta da comunidade Quilombola do Sacopã (Fábio Reis Mota)
  • Museu do Samba: espaço de memórias vivas (Nilcemar Nogueira)
  • O Réveillon de Iemanjá (Cristina Chacel)

Loja de escravos

A casa de venda de escravos é o sobrado do meio (detalhe do Mapa Arquitetural do Rio de Janeiro, 1874)

Em meio às escavações desenvolvidas pela Artefato Arqueologia durante as obras do VLT foram evidenciadas as fundações de uma loja em que se revenderam escravos por volta de 1860.

O imóvel ficava na antiga Rua dos Ourives, atual Miguel Couto, no trecho que foi demolido por Pereira Passos no início do século XX, para a abertura da Avenida Marechal Floriano.

Com base na cartografia de época, é possível conhecer a fachada do imóvel e recuperar a paisagem e a ambiência do Largo de Santa Rita na época em questão. A grande referência é o Mapa Arquitetural do Rio de Janeiro, de Rocha Fragoso (1874).

Patrimônio das águas

O INEPAC e o IHGB organizam nos dias 13 e 14 de agosto o seminário Águas e Patrimônio Cultural, na sede do IHGB, no bojo das comemorações do Ano do Patrimônio das Águas.

Na segunda mesa a arquiteta Vera Dias irá falar dos chafarizes históricos da Cidade do Rio de Janeiro, entre os quais se contava o chafariz do Largo de Santa Rita.

Maiores informações pelo e-mail patrimonioinepac@gmail.com.

Visita guiada à igreja de Santa Rita

Lavabo embrechado de Santa Rita

O Centro Loyola da PUC-Rio está organizando a seguinte visita:

Data: Sexta-feira, 31 de agosto de 2018, das 13h às 14h30.

Descrição: Nesta visita guiada iremos conhecer uma das mais belas Igrejas do Centro do Rio de Janeiro, que guarda elementos da primeira aparição do estilo rococó na América. Também descobriremos como a cidade colonial se expandiu para o Valongo e o papel dessa matriz paroquial em relação ao tráfico de escravos no Rio de Janeiro.

Palestrante: João Carlos Nara Júnior é Arquiteto e Urbanista, e Mestre em Arqueologia. Sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro, membro do Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos e do Laboratório de História das Experiências Religiosas do Instituto de História da UFRJ. Atualmente dirige a Divisão de Preservação do Museu Nacional no Escritório Técnico da UFRJ.

Local: Encontro às 12h45, em frente à Igreja de Santa Rita, no Largo de Santa Rita, próximo às ruas Marechal Floriano e Miguel Couto.

Investimento: R$ 30.

INSCREVA-SE AQUI.

ImagináRio | ImagineRio

Fonte: HRC Project | ImagineRio | Atlas (pt-br)

POSTAGEM ATUALIZADA!!!

Visite a plataforma criada por pesquisadores da Rice University Humanities Research Center, agora reformulada.

Ela consiste em um atlas dinâmico que ilustra a evolução urbana do Rio de Janeiro ao longo de toda a sua história, com base em cartografia de época, iconografia e dados arquitetônicos.

Em conformidade com algumas deduções do meu livro Arqueologia da Persuasão, a igreja de Santa Rita aparece no mapa a partir de 1702. No entanto, um estudo mais acurado dos dados fundiários permitiu constatar que o terreno da igreja só foi comprado em 1718 e que a sua primeira pedra foi lançada em 1719. A capela-mor foi doada à mitra em 1721 e a nave foi concluída em 1728.

Em breve desceremos a mais detalhes sobre a cronologia da edificação.

O passado e o futuro do patrimônio cultural carioca

Mesa sobre os novos marcos culturais do Rio de Janeiro, durante o workshop Caminhos da Memória: marcos da paisagem cultural carioca, realizado a 4/9/2017 no Arquivo Nacional:

Alterações e embargos: entraves no resgate de uma memória portuária
     Antônio Carlos Higino da Silva, historiador (PPGHC/UFRJ)
   Cidade Nova e HESFA, sobre rupturas e permanências
     Eliara Beck Souza, arquiteta e urbanista (DIPRIT/ETU/UFRJ)
   Vestígios da memória como vetores da cidade na Freguesia de Santa Rita
     João Carlos Nara Jr., arquiteto e arqueólogo (Museu Nacional/UFRJ)

Símbolos clássicos espalhados pelo Rio de Janeiro

Mesa sobre os marcos clássicos do Rio de Janeiro, durante o workshop Caminhos da Memória: marcos da paisagem cultural carioca, realizado a 4/9/2017 no Arquivo Nacional:

Signos da civilização: memória, patrimônio e instituições no Brasil Imperial
     Mariáh Martins, historiadora da ciência (Museu Nacional/UFRJ)
   De onde vem essa nação? Os fios e os rastros do projeto nacional brasileiro
     Leonardo Amatuzzi, arqueólogo (Museu Nacional/UFRJ)
   Patrimônio ressignificado e ação do poder público
     Andre Angulo, museólogo (Museu da República)

Marcos da paisagem cultural carioca

Caminhos da Memória: marcos da paisagem cultural carioca é uma atividade de extensão inserida no Projeto de Difusão das Geociências do Centro de Ciências Matemáticas e da Terra (CCMN) da UFRJ. O evento constará de duas partes:

  1. Uma trilha urbana por diferentes pontos do Centro histórico do Rio de Janeiro, relacionando patrimônio, geologia, arqueologia e paisagem (5 de setembro, terça-feira, às 13h na Carioca).
  2. Um simpósio interdisciplinar para vem passar em revista os marcos mais importantes da Cidade, seus usos e valores (4 de setembro, segunda-feira, das 9h às 17h no Arquivo Nacional).
Inscrições pelo e-mail pesquisa@narajr.net
PROGRAMAÇÃO DO SIMPÓSIO:

09h00: CORAL DUQUE MUSIC (Colégio Estadual Duque de Caxias)

09h30: CONFERÊNCIA DE ABERTURA

   Cais do Valongo, patrimônio histórico e reconstrução cultural
     Carlos Eugênio Líbano Soares, historiador (PPHR/UFRRJ)

10h30: Mesa 1 — MARCOS CLÁSSICOS | SÍMBOLOS ESPALHADOS

   Signos da civilização: memória, patrimônio e instituições no Brasil Imperial
     Mariáh Martins, historiadora da ciência (Museu Nacional/UFRJ)
   De onde vem essa nação? Os fios e os rastros do projeto nacional brasileiro
     Leonardo Amatuzzi, arqueólogo (Museu Nacional/UFRJ)
   Patrimônio ressignificado e ação do poder público
     Andre Angulo, museólogo (Museu da República)

12h00: ALMOÇO

14h00: Mesa 2 — MARCOS GEOGRÁFICOS | CARTOGRAFIA E TRANSFORMAÇÕES

   Fortificações militares e acidentes geográficos
     Francisco José Correa Martins, historiador (DEGEO/UFRRJ)
   Análise espaço-temporal e toponímica do Rio de Janeiro
     Paulo Márcio Leal de Menezes​, geógrafo (PPGG/UFRJ)
   Aplicação da geofísica para a reconstrução histórica do Rio de Janeiro
     Gleide Dias, geofísica (IGEO/UFRJ)

15h30: Mesa 3 — NOVOS MARCOS | POLÍTICAS URBANAS

   Alterações e embargos: entraves no resgate de uma memória portuária
     Antônio Carlos Higino da Silva, historiador (PPGHC/UFRJ)
   Cidade Nova e HESFA, sobre rupturas e permanências
     Eliara Beck Souza, arquiteta e urbanista (DIPRIT/ETU/UFRJ)
     João Carlos Nara Jr., arquiteto e arqueólogo (Museu Nacional/UFRJ)

Palestra sobre Santa Rita no IHGRJ

Na quinta-feira, 8 de junho, haverá no IHGRJ (sala CEPHAS) uma sessão temática sobre as igrejas do Rio de Janeiro.

Das 15h às 17h haverá duas comunicações:

  • O simbolismo rococó da matriz de Santa Rita, pelo Arquiteto João Carlos Nara Júnior.
  • Igreja Santo Antônio dos Pobres, pela Msc. Roselene de Cássia Coelho Martins.

Em seguida, no terraço haverá um lanche de congraçamento e feira de livros.

O endereço é Avenida Augusto Severo, 8/10º andar, Glória.

Como foi o lançamento na Livraria da Travessa

No início da noite de terça-feira (21/3), foi lançado o livro Arqueologia da Persuasão: O Simbolismo Rococó da Matriz de Santa Rita, na livraria da Travessa, em Botafogo, Zona Sul do Rio. O lançamento foi noticiado pelo Jornal do Brasil.

A obra, resultado de dois anos de pesquisa, oferece ao leitor uma abordagem polissêmica da arte sacra do Brasil Colonial, à luz do simbolismo empregado em sua decoração.

A decoração da igreja matriz da Freguesia de Santa Rita de Cássia, aliás, inaugura o estilo rococó na América.

Esse livro é o fruto de dois anos de pesquisas sobre a freguesia de Santa Rita, terceira paróquia urbana do Rio de Janeiro. Durante o tempo que estive em campo, procurei estabelecer um diálogo entre a arquitetura, a arte, a arqueologia e a história. À medida em que me debruçava sobre o tema, mergulhei em Santa Rita em três diferentes etapas, assim como faz um observador que cerra os olhos para enxergar melhor: sua igreja, seu tempo e seu simbolismo. (João Carlos Nara Jr.)

Inventário dos monumentos do Rio de Janeiro

Monumento a Zumbi dos Palmares

Monumento a Zumbi dos Palmares

Um site novinho em folha — http://inventariodosmonumentosrj.com.br/ —, mostra o trabalho da arquiteta Vera Dias, gerente de monumentos e chafarizes do Rio de Janeiro e apaixonada pela Cidade Maravilhosa.

Ali você encontra fontes e chafarizes, obras públicas, estátuas e bustos, representações religiosas, esculturas e marcos que enriquecem nossas ruas.

Entre outros monumentos, o site traz a fonte que houve no Largo de Santa Rita entre 1884 e 1904, e da qual há um cópia em operação no Rio Comprido.