O passado e o futuro do patrimônio cultural carioca

Mesa sobre os novos marcos culturais do Rio de Janeiro, durante o workshop Caminhos da Memória: marcos da paisagem cultural carioca, realizado a 4/9/2017 no Arquivo Nacional:

Alterações e embargos: entraves no resgate de uma memória portuária
     Antônio Carlos Higino da Silva, historiador (PPGHC/UFRJ)
   Cidade Nova e HESFA, sobre rupturas e permanências
     Eliara Beck Souza, arquiteta e urbanista (DIPRIT/ETU/UFRJ)
   Vestígios da memória como vetores da cidade na Freguesia de Santa Rita
     João Carlos Nara Jr., arquiteto e arqueólogo (Museu Nacional/UFRJ)

Símbolos clássicos espalhados pelo Rio de Janeiro

Mesa sobre os marcos clássicos do Rio de Janeiro, durante o workshop Caminhos da Memória: marcos da paisagem cultural carioca, realizado a 4/9/2017 no Arquivo Nacional:

Signos da civilização: memória, patrimônio e instituições no Brasil Imperial
     Mariáh Martins, historiadora da ciência (Museu Nacional/UFRJ)
   De onde vem essa nação? Os fios e os rastros do projeto nacional brasileiro
     Leonardo Amatuzzi, arqueólogo (Museu Nacional/UFRJ)
   Patrimônio ressignificado e ação do poder público
     Andre Angulo, museólogo (Museu da República)

Marcos da paisagem cultural carioca

Caminhos da Memória: marcos da paisagem cultural carioca é uma atividade de extensão inserida no Projeto de Difusão das Geociências do Centro de Ciências Matemáticas e da Terra (CCMN) da UFRJ. O evento constará de duas partes:

  1. Uma trilha urbana por diferentes pontos do Centro histórico do Rio de Janeiro, relacionando patrimônio, geologia, arqueologia e paisagem (5 de setembro, terça-feira, às 13h na Carioca).
  2. Um simpósio interdisciplinar para vem passar em revista os marcos mais importantes da Cidade, seus usos e valores (4 de setembro, segunda-feira, das 9h às 17h no Arquivo Nacional).
Inscrições pelo e-mail pesquisa@narajr.net
PROGRAMAÇÃO DO SIMPÓSIO:

09h00: CORAL DUQUE MUSIC (Colégio Estadual Duque de Caxias)

09h30: CONFERÊNCIA DE ABERTURA

   Cais do Valongo, patrimônio histórico e reconstrução cultural
     Carlos Eugênio Líbano Soares, historiador (PPHR/UFRRJ)

10h30: Mesa 1 — MARCOS CLÁSSICOS | SÍMBOLOS ESPALHADOS

   Signos da civilização: memória, patrimônio e instituições no Brasil Imperial
     Mariáh Martins, historiadora da ciência (Museu Nacional/UFRJ)
   De onde vem essa nação? Os fios e os rastros do projeto nacional brasileiro
     Leonardo Amatuzzi, arqueólogo (Museu Nacional/UFRJ)
   Patrimônio ressignificado e ação do poder público
     Andre Angulo, museólogo (Museu da República)

12h00: ALMOÇO

14h00: Mesa 2 — MARCOS GEOGRÁFICOS | CARTOGRAFIA E TRANSFORMAÇÕES

   Fortificações militares e acidentes geográficos
     Francisco José Correa Martins, historiador (DEGEO/UFRRJ)
   Análise espaço-temporal e toponímica do Rio de Janeiro
     Paulo Márcio Leal de Menezes​, geógrafo (PPGG/UFRJ)
   Aplicação da geofísica para a reconstrução histórica do Rio de Janeiro
     Gleide Dias, geofísica (IGEO/UFRJ)

15h30: Mesa 3 — NOVOS MARCOS | POLÍTICAS URBANAS

   Alterações e embargos: entraves no resgate de uma memória portuária
     Antônio Carlos Higino da Silva, historiador (PPGHC/UFRJ)
   Cidade Nova e HESFA, sobre rupturas e permanências
     Eliara Beck Souza, arquiteta e urbanista (DIPRIT/ETU/UFRJ)
     João Carlos Nara Jr., arquiteto e arqueólogo (Museu Nacional/UFRJ)

Palestra sobre Santa Rita no IHGRJ

Na quinta-feira, 8 de junho, haverá no IHGRJ (sala CEPHAS) uma sessão temática sobre as igrejas do Rio de Janeiro.

Das 15h às 17h haverá duas comunicações:

  • O simbolismo rococó da matriz de Santa Rita, pelo Arquiteto João Carlos Nara Júnior.
  • Igreja Santo Antônio dos Pobres, pela Msc. Roselene de Cássia Coelho Martins.

Em seguida, no terraço haverá um lanche de congraçamento e feira de livros.

O endereço é Avenida Augusto Severo, 8/10º andar, Glória.

Como foi o lançamento na Livraria da Travessa

No início da noite de terça-feira (21/3), foi lançado o livro Arqueologia da Persuasão: O Simbolismo Rococó da Matriz de Santa Rita, na livraria da Travessa, em Botafogo, Zona Sul do Rio. O lançamento foi noticiado pelo Jornal do Brasil.

A obra, resultado de dois anos de pesquisa, oferece ao leitor uma abordagem polissêmica da arte sacra do Brasil Colonial, à luz do simbolismo empregado em sua decoração.

A decoração da igreja matriz da Freguesia de Santa Rita de Cássia, aliás, inaugura o estilo rococó na América.

Esse livro é o fruto de dois anos de pesquisas sobre a freguesia de Santa Rita, terceira paróquia urbana do Rio de Janeiro. Durante o tempo que estive em campo, procurei estabelecer um diálogo entre a arquitetura, a arte, a arqueologia e a história. À medida em que me debruçava sobre o tema, mergulhei em Santa Rita em três diferentes etapas, assim como faz um observador que cerra os olhos para enxergar melhor: sua igreja, seu tempo e seu simbolismo. (João Carlos Nara Jr.)

Inventário dos monumentos do Rio de Janeiro

Monumento a Zumbi dos Palmares

Monumento a Zumbi dos Palmares

Um site novinho em folha — http://inventariodosmonumentosrj.com.br/ —, mostra o trabalho da arquiteta Vera Dias, gerente de monumentos e chafarizes do Rio de Janeiro e apaixonada pela Cidade Maravilhosa.

Ali você encontra fontes e chafarizes, obras públicas, estátuas e bustos, representações religiosas, esculturas e marcos que enriquecem nossas ruas.

Entre outros monumentos, o site traz a fonte que houve no Largo de Santa Rita entre 1884 e 1904, e da qual há um cópia em operação no Rio Comprido.

Conferências do Simpósio sobre Santa Rita (mesa 2)

Professores Rodrigo, Daniel e Raquel

Professores Rodrigo, Daniel e Raquel

MESA 2 (MÚSICA, ARQUITETURA, ANTROPOLOGIA)

  • Paulo Sá: Música carioca no século XVIII: modinha, lundu e a invenção do choro
  • Perguntas e comentários à mesa 2
Lançamento do livro Arqueologia da Transição (foto: Larissa Corrêa)

Lançamento do livro Arqueologia da Transição (foto: Larissa Corrêa)

Conferências do Simpósio sobre Santa Rita (mesa 3)

Professores Naylor, Maurício e Gleide

Professores Naylor, Maurício e Gleide

MESA 3 (GEOFÍSICA, URBANISMO)

  • Gleide Dias: Geofísica aplicada à Arqueologia histórica

img_3578

Simpósio: mesa Patrimônio

simposio-santa-rita-mesa-3-patrimonio-modelagem-arqueometriaNa terceira mesa do simpósio Antes do Valongo: Santa Rita falarão os professores Gleide Dias e Naylor Vilas Boas.

Gleide Dias, Física e Professora de geofísica, atuante nas áreas de Geociências e Petrofísica. Sua apresentação versará do uso de georradar para análises não invasivas do subsolo, como recurso para a Arqueologia.

Naylor Vilas BoasArquiteto Doutor em História do Urbanismo, é Professor e Coordenador do Laboratório de Análise Urbana e Representação Digital do Programa de Pós-Graduação em Urbanismo da UFRJ. Apresentará as recentes pesquisas desenvolvidas pelo Laboratório relacionadas com a exploração da representação gráfica digital na reconstrução histórica de espaços do centro do Rio de Janeiro. A partir de uma reflexão sobre os caminhos de pesquisa trilhados pelo grupo em diferentes estudos já elaborados, a produção atual e as possibilidades futuras serão discutidas a partir de suas contribuições, limites e possibilidades para a visualização e para o entendimento das dinâmicas de transformação urbana da cidade.

Simpósio: mesa Linguagens

simposio-santa-rita-mesa-2-musica-arquitetura-antropologia

Na segunda mesa do simpósio Antes do Valongo: Santa Rita falarão os professores Rodrigo Bastos, Paulo Sá e Raquel Lima.

Rodrigo Bastos, cantor, Arquiteto e Urbanista, Engenheiro Civil, Professor de Arquitetura da UFSC, recebeu diversos prêmios, entre eles por sua tese A maravilhosa fábrica de virtudes: o decoro na arquitetura religiosa de Vila Rica, Minas Gerais (1711-1822), publicada pela Edusp em 2013. Sua apresentação versará da retórica poética da Arquitetura.

Paulo Sá, professor de Música da UFRJ e Diretor Artístico do Momento Rio Bandolim, executará peças musicais populares no Rio de Janeiro do século XVIII, acompanhado do músico Adriano Palma Correa.

Raquel Lima, Historiadora, doutora em Antropologia Social e especialista em Ciência da Religião, é professora do Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Viçosa. Sua apresentação versará da devoção a Santa Rita em seu lugar pioneiro no Brasil.

Antes do Valongo: Santa Rita

simposio-antes-do-valongo-santa-ritaSerá realizado no Salão Nobre do IFCS/IH-UFRJ (Largo de São Francisco, nº 1, Centro do Rio), o Simpósio Antes do Valongo: Santa Rita.

O encontro, que ocorrerá dia 5 de dezembro, segunda-feira, das 14h às 19h, constará de três mesas transdisciplinares (História e Arqueologia, Arquitetura e Antropologia, Arqueometria e Patrimônio), com intervalos entre uma e outra.

Os palestrantes serão:

  • Raquel Lima: Antropologia da devoção à Santa Rita
  • Paulo Sá: Música carioca no século XVIII: modinha, lundu e a invenção do choro
  • Rodrigo Bastos: Arqueologia poética da Arquitetura

A mediação será feita pelos professores André Chevitarese, Daniel Pêcego e Maurício Marinho.

Ao fim do evento será lançado o livro Arqueologia da Persuasão: o simbolismo rococó da Matriz de Santa Rita.

 

Serendipismo na Arquitetura

Arco cruzeiro monumentalNos estudos sobre a arte e a arquitetura religiosa colonial carioca, aparece uma informação recorrente: a de que na igreja matriz de Santa Rita — pioneira americana da decoração em estilo rococó — sobressaem duas invenções operadas pelos seus anônimos construtores: o uso de colunas torsas nos retábulos e a decoração monumental do arco cruzeiro.

O primeiro invento antecipa em quase vinte anos a moda carioca que seria introduzida pelo Mestre Valentim. A segunda invenção pode ser reconhecida como um exemplo aproximado de “serendipismo”, ou seja, da capacidade de inovação do seu artífice, cuja genialidade o levou a um expediente criativo posteriormente reproduzido em outras igrejas da cidade.

Com efeito, quando, na primeira metade do século XVIII, a antiga e pequena ermida foi adossada à nova e elevada nave, resultou em um enorme flanco cego acima da capela-mor, decorrente da desproporção da mole. A solução de monumentalizar o arco cruzeiro, dotando-o de requintado desenho rocaille e outros ornatos, além da luneta e da pintura da empena em mármore fingido, causa forte impacto visual e integra panoramicamente a decoração dos diversos ambientes.

A percepção de tal serendipismo escapa ao escopo de análise convencional, típica da história da arte ou da crítica arquitetônica, mais preocupadas com o contexto cultural ou com o produto artístico final. No entanto, isto pode ser reconhecido pelo olhar treinado do arqueólogo quando atento ao processo criativo desenvolvido na confecção dos artefatos.

Representação decorativa dos querubins

IMG_9637

Queubim da capela-mor de Santa Rita

Os anjos barrocos, tradicionalmente chamados de “querubins”, costumavam ser representados como jovens cupidos ou putti (crianças aladas). Segundo Nancy Rabelo, o querubim de corpo inteiro foi mais recorrente no barroco do que no rococó; os artistas posteriores preferiram representar apenas rostos alados. À medida que o rococó infiltrava na cultura material, o querubim tornou-se uma parte importante do léxico decorativo: assim, a incorporação de símbolos clássicos alegóricos com o estilo naturalista de meados dos setecentos foi o epítome do gosto e da moda.

Os arqueólogos têm especulado acerca da conotação do emprego icônico dessas criaturas na arquitetura, usual desde o advento da Idade Moderna, embora menos frequente em tempos recentes. James Deetz, por exemplo, atribui à secularização que os anjos sejam representados com símbolos neoclássicos; outros estudos, porém, desabonam qualquer relação entre a moda artística e o fervor religioso. Tal discussão, porém, frequentemente se restringiu a âmbitos de cultura protestante, onde o uso de imagens sempre teve caráter problemático.

Para o arqueólogo Adam Heinrich, a figura alada tinha valor ambivalente e o seu significado dependeria do contexto. Por isso, o que os querubins ou os putti significavam para as pessoas do século XVIII é incerto: se foi visto como uma imagem alegórica clássica ou se representava um ser celestial judeo-cristão. Seu sentido provavelmente dependeria do tema da pintura ou da escultura: se religioso (sagrado), eles são querubins; se secular ou mítico (profano), eles são putti.

A questão não tem fácil solução, uma vez que certa linha da tradição judaica atribuiu um aspecto pueril aos querubins do Templo salomônico. Com efeito, uma aggadah (texto rabínico não jurídico) interpreta o termo “querubim” como “semelhante a uma criança” em aramaico (Talmud, Sukkah 5b). É possível, portanto, que os putti renascentistas fossem oriundos desta interpretação e não dos cupidos greco-romanos (ἔρωτες), os quatro filhos de Afrodite (Eros, Anteros, Himeros e Pothos).

No entanto, Flávio Josefo não conhecia tal tradição, afirmando que “dificilmente se poderia imaginar a forma desses querubins” (Antiguidades Judaicas, VIII, 2, 327). Além de tardia, a aggadah contradiz o próprio dado bíblico (cf. Ez 1,5-14.22-28; 10,8.14.20-22). Na Escritura, com efeito, o quarteto dos querubins é parecido ao quarteto dos serafins (Is 6,2s; Ap 4,6-8), a ponto de até um autor como Dante Alighieri confundir ambas as castas (cf. Commedia, Purgatorio, XXIX, 92-104).

O nome querubim parece provir, na verdade, do termo acádio karibu (literalmente, “ser próximo”: orante, intercessor) e faria referência ao gênio alado da mitologia babilônica com corpo de animal e rosto humano, guardião dos palácios e assessor dos deuses.

Na tradição cristã, ocupam o segundo dos nove coros angélicos, inferiores aos serafins e superiores aos ofanins ou tronos. Ezequiel (1,5b-7) afirma a respeito deles: “Este era seu aspecto: Tinham forma humana. Cada um apresentava quatro faces e tinha quatro asas. Quanto às pernas, tinham pernas retas e patas como as de bezerro; reluziam como o brilho do bronze polido”. Além disso, as faces eram de boi, de homem, de leão e de águia… — Nada parecidos com os putti das igrejas barrocas!

Arte sacra para quem?

Cartaz do SimpósioO evento Mundus Novus: Arqueologia no estado do Rio de Janeiro, promovido pelo Laboratório de História das Experiências Religiosas do Instituto de História da UFRJ, de 7 a 9 de junho, pretendeu debater a ocupação e a ressignificação do espaço fluminense, os grupos étnicos e as culturas diaspóricas que compuseram o quadro sócio cultural do Rio de Janeiro. Para isso, foram apresentadas pesquisas arqueológicas que se debruçam sobre os grupos que compõem o complexo quadro cultural e populacional do Estado do Rio. Os eixos temáticos foram quatro: a pré-história fluminense; a presença indígena tupi; o legado africano; e a presença do colonizador europeu.

Na primeira mesa do dia 9, dedicada à Presença, alteração da paisagem urbana e rural e as transformações do espaço a partir dos grupos europeus no Rio de Janeiro, a análise arqueológica da igreja de Santa Rita foi o tema da conferência Arte sacra para quem: a experiência religiosa da audiência. Eis os tópicos tratados:

Para além da mera iconografia ou da hermenêutica das alegorias religiosas, é possível detectar na decoração religiosa um caráter semiótico. O melhor modo de interpretar imagens consiste em abdicar de lê-las como se fossem ideogramas, pois a questão imagética versa menos sobre as mensagens, do que sobre os mensageiros.

De fato, o inventário dos aspectos funcionais do estilo rococó empregado na decoração da Matriz da Freguesia de Santa Rita, no Rio de Janeiro, evidencia a ambiguidade da simbologia decorativa, a despeito de sua eventual decodificação. As relações entre os símbolos, as variações formais, as conotações sociais, os diferentes níveis de percepção e de compreensão que exigem dos seus observadores, entre outros problemas, deixam claro que a materialidade da igreja contém enganos e ironias, é passível de ressignificação e traz no seu bojo a marca da historicidade.

Como outros arqueólogos que abordaram a ambivalência da cultura material em seus trabalhos, Christopher Tilley entende que tal ambivalência significativa é peculiar às “metáforas sólidas”. Contudo, ambivalência não quer dizer ilusão, mas amplidão. E no caso específico do simbolismo religioso, o símbolo — ao tentar saltar o abismo entre a representação artística e o conteúdo transcendente do numinoso — contém em si a consciência da própria insuficiência. Tal insuficiência, porém, não impede o numinoso de se fazer presente através de tão pobre acesso: por isso os símbolos dizem mais do que exprimem.

Essa discussão conduz a uma dupla questão: De que forma o mensageiro se vale da fragilidade do símbolo para persuadir sua audiência? E que audiência é essa, capaz de fazer da experiência estética uma experiência religiosa?

ImagináRio | ImagineRio

Fonte: HRC Project | ImagineRio | Atlas (pt-br)

Visite a plataforma criada por pesquisadores da Rice University Humanities Research Center.

Ela consiste em um atlas dinâmico que ilustra a evolução urbana do Rio de Janeiro ao longo de toda a sua história, com base em cartografia de época, iconografia e dados arquitetônicos.

A igreja de Santa Rita aparece no mapa no ano 1721. (No entanto, o arquivo da Santa Casa de Misericórdia já refere o templo como construído em 1719.)