Arte sacra para quem?

Cartaz do SimpósioO evento Mundus Novus: Arqueologia no estado do Rio de Janeiro, promovido pelo Laboratório de História das Experiências Religiosas do Instituto de História da UFRJ, de 7 a 9 de junho, pretendeu debater a ocupação e a ressignificação do espaço fluminense, os grupos étnicos e as culturas diaspóricas que compuseram o quadro sócio cultural do Rio de Janeiro. Para isso, foram apresentadas pesquisas arqueológicas que se debruçam sobre os grupos que compõem o complexo quadro cultural e populacional do Estado do Rio. Os eixos temáticos foram quatro: a pré-história fluminense; a presença indígena tupi; o legado africano; e a presença do colonizador europeu.

Na primeira mesa do dia 9, dedicada à Presença, alteração da paisagem urbana e rural e as transformações do espaço a partir dos grupos europeus no Rio de Janeiro, a análise arqueológica da igreja de Santa Rita foi o tema da conferência Arte sacra para quem: a experiência religiosa da audiência. Eis os tópicos tratados:

Para além da mera iconografia ou da hermenêutica das alegorias religiosas, é possível detectar na decoração religiosa um caráter semiótico. O melhor modo de interpretar imagens consiste em abdicar de lê-las como se fossem ideogramas, pois a questão imagética versa menos sobre as mensagens, do que sobre os mensageiros.

De fato, o inventário dos aspectos funcionais do estilo rococó empregado na decoração da Matriz da Freguesia de Santa Rita, no Rio de Janeiro, evidencia a ambiguidade da simbologia decorativa, a despeito de sua eventual decodificação. As relações entre os símbolos, as variações formais, as conotações sociais, os diferentes níveis de percepção e de compreensão que exigem dos seus observadores, entre outros problemas, deixam claro que a materialidade da igreja contém enganos e ironias, é passível de ressignificação e traz no seu bojo a marca da historicidade.

Como outros arqueólogos que abordaram a ambivalência da cultura material em seus trabalhos, Christopher Tilley entende que tal ambivalência significativa é peculiar às “metáforas sólidas”. Contudo, ambivalência não quer dizer ilusão, mas amplidão. E no caso específico do simbolismo religioso, o símbolo — ao tentar saltar o abismo entre a representação artística e o conteúdo transcendente do numinoso — contém em si a consciência da própria insuficiência. Tal insuficiência, porém, não impede o numinoso de se fazer presente através de tão pobre acesso: por isso os símbolos dizem mais do que exprimem.

Essa discussão conduz a uma dupla questão: De que forma o mensageiro se vale da fragilidade do símbolo para persuadir sua audiência? E que audiência é essa, capaz de fazer da experiência estética uma experiência religiosa?

A talha rococó da Matriz de Santa Rita

IMG_9574A matriz de Santa Rita de Cássia, outrora chamada “igreja dos malfeitores”, e em cujo Largo homônimo havia um cemitério de pretos-novos, é o único templo barroco da cidade do Rio de Janeiro que conserva intactas, como bem integrado, talhas rococós do século XVIII. Relacionadas ao surgimento das primeiras Irmandades cariocas, as singularidades decorativas da igreja de Santa Rita — cuja tipologia, integralmente preservada, permite seu estudo sistemático — disponibilizam indícios sobre o sentimento religioso popular vivido durante o período colonial e, concomitantemente, refletem o quotidiano setecentista do Rio de Janeiro.

A análise arquitetônica, tantas vezes negligenciada como fonte documental, contribui de forma determinante e significativa para a investigação de determinado período histórico e a compreensão da sociedade que nele incidiu, com suas ideologias. Sandra Poleshuck de Faria Alvim, ao estudar a arquitetura religiosa colonial no Rio de Janeiro, apontou como a análise da talha de madeira permite explicitar as mudanças da vida econômica, social e religiosa, assim como as tendências de gosto. Tratando-se as talhas como um “artefato remanescente de cultura material”, produz-se um aporte privilegiado para a compreensão antropológica e arqueológica do edifício, o qual reúne símbolos, registra tendências e conserva os traços das sucessivas intervenções.

► Leia o trabalho apresentado no XII Congresso Internacional de Reabilitação do Patrimônio Arquitetônico e Edificado — A dimensão cotidiana do patrimônio e desafios para sua preservação (outubro de 2014).

Santa Rita da Paraíba

O Brasil foi pioneiro na devoção à Santa Rita de Cássia, cuja canonização só ocorreria em 1900 e cuja memória só seria incluída no Calendário Romano em 2002.

O santuário da cidade de Santa Rita, na Paraíba, data de 1776, sendo posterior à do Rio de Janeiro por poucas décadas.

Conheça mais a respeito com o pesquisador Marcelo Gomes (estudante do Curso de Ciências das Religiões na UFPB):

A pequena Capela em honra de Santa Rita, hoje Santuário, foi construída quando um núcleo habitacional muito acanhado começava a surgir. Pode-se dizer que, em meados de 1776, Santa Rita não passava de um pequeno arraial, um simples povoado.

A respeito disso, Lapemberg Medeiros de Almeida informa (em um trabalho que infelizmente nunca chegou a ser publicado) que a parte urbana desta povoação é “produto do desenvolvimento de algum agrupamento de tropas, ponto de pernoite”. Segundo o autor, aquilo que hoje corresponde ao centro habitacional começou como acampamento de apoio para os viajantes que cruzavam a Paraíba, da capital ao sertão e vice-versa, encontrando em Santa Rita aprazível paragem onde aos poucos surgiram habitações no entorno do ponto originário.

A famosa obra Datas e notas parpedraa História da Paraíba, escrita em 1909 por Irineu Ferreira Pinto, registra que a Igreja de Santa Rita “foi edificada no presente ano (1776), segundo um dístico existente na fachada da dita Igreja”. Tal dístico encontra-se no interior da Igreja, ao lado esquerdo da porta principal, encravado na parede.

É com certeza um pequeno mimo dos tempos passados, que guardado com tanto carinho e em local adequado, continua a cumprir sua secular função de informar em tão precioso letreiro datas importantes para a história da cidade e de seu passado religioso. Tal cuidado é devido à sabedoria e zelo do saudoso Monsenhor Rafael de Barros Moreira, que o quis colocá-lo ali em 1932, no período da conclusão dos trabalhos da inauguração da torre que deu nova forma à fachada da igreja.

nossa igrejaNão há fontes que forneçam detalhes sobre como a devoção a Santa Rita de Cássia chegou à Paraíba colonial nem sobre quem construiu o templo primitivo. Lapemberg escreveu que a igreja de Santa Rita foi “inicialmente uma capela de pedra e cal, de estilo modesto, desprovida dos requintes da arte e do bom gosto, sem o cuidado arquitetônico, sem a perfeição da arte”. Com base nisto e desejosos de conhecer traços de sua construção original, nos arriscamos a desenhar este modesto estudo em nanquim, que representa um pouco da primeira fase arquitetônica desta Igreja, que vai de 1776 à década de 1920.

Quando a capela foi construída, a Diocese da Paraíba ainda não existia. A circunscrição pertencia antes de 1892 ao Bispado de Olinda. A Diocese estava então sob o comando de Dom Tomás da Encarnação da Costa e Lima, titular de 1774 a 1784. A Freguesia de Santa Rita foi criada aos 20 de fevereiro de 1839, por força da Lei Provincial nº 2, sendo a capela elevada a categoria de Matriz.

Hoje, ao admirarmos o templo que se destaca na praça central da cidade, fica quase que impossível compara-lo àquela capela inicial, que foi sendo ampliada e adornada ao longo dos anos e que viu nascer um povoado, uma freguesia, uma cidade chamada Santa Rita.

REFERÊNCIAS

  • ALMEIDA, Lapemberg Medeiros de. Santa Rita antes e depois de 1889. Apontamentos para a História do Município. [Inédito.] Santa Rita, 1948.
  • PINTO, Irineu Ferreira. Datas e Notas para a História da Paraíba. V. 1. João Pessoa: Editora Universitária UFPB, 1977.
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search