3 formas de interpretar a decoração

Monograma Auspice Maria no altar do retábulo de
Nossa Senhora da Graça (Matriz Santa Rita)

O inventário dos aspectos funcionais do estilo rococó empregado na decoração da Matriz de Santa Rita evidencia a ambiguidade da simbologia decorativa, a despeito de sua eventual decodificação.

A decoração religiosa é passível de ressignificação e traz no seu bojo a marca da historicidade. Contudo, ambivalência não quer dizer ilusão, mas amplidão, pois o símbolo — ao saltar o abismo entre a representação artística e o conteúdo transcendente do numinoso — traz consigo a marca da própria insuficiência, embora não impeça o numinoso de se fazer presente.

O melhor modo de interpretar imagens consiste em abdicar de lê-las como se fossem ideogramas, pois a questão imagética versa menos sobre as mensagens, do que sobre a eloquência dos mensageiros.

De que forma o mensageiro se vale da fragilidade do símbolo para persuadir sua a audiência? E que audiência é essa, capaz de fazer da experiência estética uma experiência religiosa?

Essa discussão vem tratada em pormenor no artigo Eloquência, ambivalência, audiência: Arqueologia da primeira decoração rococó religiosa nas Américas, publicado na Revista Imagem Brasileira, nº 9.

Segredos da arte sacra no Rio Antigo

A que servia a arte sacra no período colonial?

Uma primeira resposta prioriza os interesses pessoais, quer vaidosos (ostentação), quer políticos (representação). Mas tanto a ostentação quanto a representatividade são análises que ficam na exterioridade, no âmbito das aparências.

Outra linha frisa a função catequética da arte, muito embora tal ferramenta tenha serventia difusa, haja vista ser incapaz de esgotar o conteúdo dogmático que se pretende transmitir.

Uma nova via a ser explorada é a da existência de uma função da arte sacra precipuamente latrêutica, litúrgica, ou de oferta votiva.

Para saber mais, assista à nossa live na quarta-feira, 8 de julho, às 18h.

ACOMPANHE ESSAS E OUTRAS LIVES EM @jcnarajr

Conceição, Saúde, Valongo

A devoção à Virgem Maria, característica essencial do cristianismo, teve contornos típicos e específicos no Rio de Janeiro setecentista e especialmente na freguesia de Santa Rita.

Para tratar do assunto, um webinar foi promovido pelo Museu Arquidiocesano de Arte Sacra do Rio de Janeiro (MAAS), com o apoio do Projeto de Extensão e Cultura Igrejas Históricas no Rio de Janeiro: Descobrindo e Revelando seus acervos, da Pró-Reitoria de Extensão e Cultura da UNIRIO.

Nesse encontro, conheceremos as raízes das invocações marianas que deram nome ao Morro da Conceição (em frente ao Largo de Santa Rita) e à Ponta da Saúde (em cuja chácara ficava o cemitério do Valongo), as colinas extremas da freguesia.

Sábado, dia 30 de maio, às 15h, participe da roda de conversa (transmitida pelo ZOOM), da qual participam os seguintes especialistas:

Assista no YouTube à gravação do webinar

  • 00:08:30 a 00:42:00 → Imaculada Conceição, pelo Dr. João Carlos Nara Jr. (Arquiteto e Urbanista, Arqueólogo e Historiador).
  • 00:42:00 a 01:51:30 →Maria, Saúde dos Enfermos, pela Dr.ª Márcia Valéria Rosa (UNIRIO & Projeto Igrejas Históricas no Rio de Janeiro).
  • 01:51:30 a 02:32:00 → A igreja de Nossa Senhora da Saúde (no bairro da Gamboa, Rio de Janeiro), pela Prof.ª Lydia de Carvalho Coelho (historiadora, mestranda em Arqueologia).
  • 01:51:30 a 02:32:00 → As virgens negras, pela Prof.ª Marli de Assis (Museóloga do MAAS).

A mesma apresentação sobre a Imaculada Conceição foi apresentada, com alguma atualização, durante um seminário promovido pelo Centro Loyola, da PUC-Rio: