O futuro das Docas Pedro II

Interior das Docas Pedro II

O Ministério Público Federal celebrou acordo para a instalação no Porto Maravilha, tanto do Centro de Referência do Cais do Valongo, quanto do Laboratório Aberto de Arqueologia Urbana. Ambas as instituições ficarão sediadas nas Docas Pedro II.

Para entender o alcance da notícia, é importante distinguir algumas coisas:

  • O imóvel das Docas Pedro II, construído pelo notável engenheiro André Rebouças, era utilizado pela Ação da Cidadania, responsável por sua restauração e conservação por cerca de 20 anos.
  • Tinha sido anunciado em uma controversa audiência pública em 2018 que a ONG seria desalojada, pois o imóvel das Docas Pedro II passaria à propriedade da Fundação Palmares.
  • O Centro de Referência do Cais do Valongo é uma das exigência da UNESCO para que o referido Cais, proclamado Patrimônio Mundial, possa cumprir o seu papel. A inexistência desse centro de interpretação inviabiliza a chancela recebida da UNESCO.
  • O Laboratório Aberto de Arqueologia Urbana era um projeto da Prefeitura do Rio de Janeiro durante a primeira gestão de Eduardo Paes. Problemas da equipe de arqueologia com a gestão do patrimônio escavado do Cais do Valongo fizeram com que o Laboratório não iniciasse. Note-se que o material retirado de cima do Cais é sedimento de aterro do Morro do Senado, desmontado no início do século XX para a construção do Porto, não tem a ver necessariamente com questões de reparação. 
  • Com a eleição de Marcelo Crivella, o discurso das políticas afirmativas migrou da celebração da cultura africana para a musealização da escravidão. As Docas Pedro II, que já estavam na mira do governo para sediar o Centro de Referência, passaram a estar também na mira da Prefeitura, que desejava sediar a ali seu novo museu municipal.
  • Embora o acervo do Laboratório Aberto de Arqueologia Urbana fosse referente à arqueologia da cidade do Rio de Janeiro, a Prefeitura anunciou que ele seria incorporado como acervo do Museu da Escravidão (?!).
  • O Ministério Público Federal tem tido papel ativo em diversas questões desse gênero, inclusive na da passagem da Linha 3 sobre o Cemitério de Santa Rita, em que se optou por não fazer o salvamento arqueológico dos remanescentes humanos sob os trilhos.
  • A Ação da Cidadania deverá ocupar, antes do fim de 2021, o espaço que tinha sido ocupado pelo acervo do Laboratório Aberto de Arqueologia Urbana.

Agora cabe aguardar o que fará Eduardo Paes em sua nova gestão.

Disputas acadêmicas em torno ao Cais do Valongo

O Cais do Valongo foi aclamado como Patrimônio Mundial, na categoria de patrimônio sensível, por materializar um crime contra a humanidade.

O Cais do Valongo simboliza todo o sistema envolvido no tráfico em massa de escravos africanos para as Américas. E o Rio de Janeiro foi a cidade na qual esse sistema teve o mais amplo desenvolvimento.

No período do tráfico, isto é, até 1831, o sistema escravagista envolvia, pelo menos, fiscalização sanitária, quarentena, fiscalização alfandegária, lojas e cemitério.

A construção do Cais do Valongo foi uma iniciativa da monarquia e, portanto, era diferente de todos os demais trapiches privados que pagavam laudêmio no Rio de Janeiro. Foi construído com dinheiro público, levantado por meio de um imposto cobrado aos traficantes de escravos.

Algumas vozes se alçaram contra a celebrização do Cais, afirmando que são escassas as informações sobre ele. Os dados historiográficos de fato são mínimos. No entanto, a argumentação contrária ainda não apresentou argumentos sólidos contra a pesquisa arqueológica e a sua inserção na logística portuária escravagista.

Saiba mais a respeito na live da Casa das Artes, quarta-feira, 18 de novembro, às 19h.

Redescobrir a Pequena África na Zona Portuária do Rio de Janeiro

Ocorrerá, de 21 a 25 de outubro de 2019 na Universidade Veiga de Almeida:

2º Encontro Internacional História & Parcerias
6º Seminário Fluminense de Pós-Graduandos em História
5ª Jornada do Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde

No Simpósio Temático 47 (Residência Pedagógica: formação e prática a partir do chão da escola), coordenado pelo Professor Giovanni Codeça da Silva, em sessão do dia 25/10, das 13h30 às 17h30, será apresentada a comunicação sobre a freguesia de Santa Rita.

A comunicação é denominada Caminhos da memória. Eis o resumo:

O sistema escravagista no Rio de Janeiro se desenvolveu em distintos períodos, apoiando-se em diversos equipamentos urbanos hoje conservados como monumentos históricos. Até 1774, o tráfico funcionou na Rua Primeiro de Março. Crescendo a necessidade de espaço no século XVIII para o enterro de pretos novos, a igreja de Santa Rita, situada no Bairro da Vila Verde, assumiu a cura pastoral dos africanos escravizados recém-chegados ao Rio. Com os esforços da Câmara para transferir o tráfico para fora dos muros da cidade colonial, a urbanização se estendeu da Vila Verde para o subúrbio do Valongo, que passou a funcionar como “gueto” escravagista a partir de 1774 a 1831.

Desde os anos 1980, o território da freguesia de Santa Rita recobrou interesse político, histórico, turístico e religioso, passando por um processo de “reafricanização” que culminou com a declaração do Cais do Valongo Patrimônio Mundial em 2017.

Com o objetivo de ajudar estudantes do Ensino Médio a compreender o papel histórico desses marcos, foram organizadas aulas expositivas e atividades de campo no Colégio Estadual Antônio Prado Júnior. Além de aplicar a Lei nº 10.639/2003, a iniciativa serviu à difusão da história pública, graças à participação de estudantes do PIBID e residência.

Os alunos foram previamente instruídos com mapas e depois conduzidos pelas ruas. Posteriormente, outra vez em sala de aula, foi possível debater suas impressões. A avaliação consiste tanto no envolvimento dos em sala, quanto da capacidade de identificar os lugares estudados ao visitá-los.

Campo útil de discussão é a conceituação de “subúrbio”, denominação aplicada ao Valongo desde o século XVIII, e que antecipa em cem anos a problemática das periferias cariocas. Outra vantagem da atividade é ensinar como são construídas as narrativas de memória.

Símbolos do tráfico na Freguesia de Santa Rita

O Cais do Valongo é um dos tantos remanescentes do tráfico na Freguesia de Santa Rita. A proposta dessa conferência do Fórum de História e Artes é explicar como se articulam e são promovidos esses lugares de memória. No Museu do Ingá, em Niterói.

Matando fantasmas

The Economist acaba de publicar um interessante resumo das idas e vindas da preservação da memória negra no Porto Maravilha / Pequena África / Saúde-Gamboa / Freguesia de Santa Rita:

Giving up the ghosts: For some in Brazil, commemorating slavery is vital. Others are wary of a painful past.

O mote da reportagem é a divergência sobre o que comemorar e sobre como preservar.

Já se espera da revista a tradicional visão crítica na abordagem dos assuntos, mas o duro é que tudo o que se diz ali sobre a falta de conserto brasileiro para entender e lidar com a situação é a mais pura verdade.

Vale a leitura.

Passado mudo, memória cega

Washington Fajardo, antigo presidente do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH), escreveu um artigo em agosto de 2018, no Jornal O Globo, sobre a audiência pública organizada pelo Ministério Público Federal acerca da chancela de Patrimônio da Humanidade concedida pela UNESCO ao Cais do Valongo em 2017, mas que corria o risco de ser perdida caso o poder público não atender às exigências acordadas.

Fajardo explicava que o tema da audiência foi desviado pela questão da posse das Docas Pedro II, restauradas pela ONG Ação da Cidadania, que o antigo MinC propunha desalojar para criar ali o Centro de Referência do Valongo, uma das exigências da UNESCO.

Em seguida, apontava a necessidade de se criar ali um Museu Nacional do Valongo, obra de longo prazo; e também de não desprezar o desejo da Prefeitura do Rio de transformar toda a área relacionada com o tráfico negreiro (a Freguesia de Santa Rita) em um museu de território.

Finalmente, ele pontuava que a arqueologia tem sido o único meio de construir unanimidade entre os diversos atores sociais, mas que, apesar de o IRPH prometer abrir o Laboratório Aberto de Arqueologia Urbana em 2019, a falta de investimento público tem feito os importantes achados arqueológicos relacionados à diáspora africana permanecerem longe do conhecimento do grande público.

O artigo é bastante razoável no que tange à diversidade de atores envolvidos nas discussões sobre o futuro dos lugares de memória na zona portuária do Rio de Janeiro. No entanto, carece de informação quanto ao papel e aos interesses dos atores tácitos implicados.

Com efeito, o esquecimento da memória escrava na região tem sido solucionado de forma controversa e grande parte da população não capta a abrangência política da questão. Como dizia Michael Pollak,

um passado que permanece mudo é muitas vezes menos o produto do esquecimento do que de um trabalho de gestão da memória segundo as possibilidades de comunicação (Memória, Esquecimento, Silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, nº 3, 1989, p. 14).

Sem dúvida, o reconhecimento do Cais do Valongo como patrimônio sensível, semelhante a Auschwitz, pode ser um ótimo instrumento de política afirmativa, através da educação patrimonial, para a superação das desigualdades sociais oriundas da escravidão ocorrida no Brasil. O Cais, que resume emblematicamente todo o sistema escravagista que existiu na região e a pontilha hoje de monumentos, poderia ser mais bem utilizado, mas o poder público parece moroso em sua gestão e preservação.

Por outro lado, ao comentar a capacidade de divulgação do passado operado pela arqueologia, o autor poderia ter ido mais à fundo, indicando como a falta de investimento público nessa área afeta a ausência da arqueologia acadêmica, haja vista que praticamente todos os achados são realizados pela arqueologia de contrato, paga pelas empresas envolvidas nos empreendimentos.

Gestão e interpretação do Cais do Valongo

A Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro, a Representação da Unesco no Brasil e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional promovem o Seminário Internacional Cais do Valongo – Patrimônio Mundial desafios de Gestão e Interpretação, dia 23 de novembro, no Museu de Arte do Rio. As inscrições são gratuitas e devem ser feitas através do e-mail seminariointernacionalvalongo@gmail.com até o dia 20 de novembro.

A atividade pretende ampliar o diálogo com a população sobre o processo de construção da gestão compartilhada do Sítio Arqueológico Cais do Valongo e do seu museu de território – o Museu da História e da Cultura Afro-brasileira. Confira a programação:

9h – Credenciamento e Welcome Coffee

10h – Mesa de abertura e entrega do Título de Patrimônio Mundial – Cais do Valongo (pela UNESCO às autoridades federal, estadual, municipal e da sociedade civil organizada)

11h30 – Mesa 1 – Museus de Memória Sensível – Desafios e Perspectivas para o futuro. 

Mediador: Cristina Lodi (Secretaria Municipal de Cultura)

– O caso do Memorial ACTe de Guadalupe, França: Thiérry L’Etang

– O caso de Robben Island (RIM – Robben Island Museum), complexo prisional em Cape Town –  África do Sul – Patrimônio Mundial da UNESCO:  Deirdre Prins-Solani e  Vuyo Mfanekiso

13h – 14h – Intervalo para o Almoço

14h – Mesa 2 – Desafios da Interpretação de Sítios de Memória Sensível

Mediador: Marcelo Brito (diretor de Cooperação e Fomento do Iphan)

– Especialista em interpretação de sítios – Professor Associado da Universidad Pablo de Olavid – UPO, Sevilha, Espanha: Marcelo Martín

15h30 –  Mesa 3 – Projetos no território da Pequena África

Mediador: Mônica Lima (LABHOI e LeÁfrica)

– O caso do Museu da Escravidão e da Liberdade como interpretação do Cais do Valongo e seu território: Nilcemar Nogueira e Vinícius Natal (Secretaria Municipal de Cultura)

–  O território da Pequena África, seus circuitos, interpretações e pesquisas: Instituto Pretos Novos (Merced Guimarães), Quilombo da Pedra do Sal, Centro Cultural Pequena África (Rubem Confete), Remanescentes de Tia Ciata (Gracy Moreira) e Afoxé Filhos de Gandhi

– A interpretação do território através de seus personagens: Martha Abreu  (UFF-LABHOI)

16h30 – Mesa 4 – Projetos e Resultados da Gestão do Valongo

Mediador: Nilcemar Nogueira (Secretária Municipal de Cultura do Rio de Janeiro)

– O projeto do Laboratório Aberto de Arqueologia Urbana e o acervo arqueológico da região do Valongo: Claudia Escarlate (IRPH)

– O plano inicial de Gestão do Sítio Arqueológico Cais do Valongo, suas diretrizes e resultados: Representante do Comitê Gestor do Valongo – indicado pelo Comitê

–  Apresentação do projeto de consolidação e conservação do Cais do Valongo: Ricardo Piquet, Diretor-Presidente do IDG – Instituto de Desenvolvimento e Gestão

18h – Encerramento: Posse do Conselho Consultivo do Museu da História de da Cultura Afro-brasileira.

Fonte: http://www.rio.rj.gov.br/web/smc/exibeconteudo?id=8718292

Arqueologia e africanidade fluminense

Durante a exposição de cartografia da africanidade fluminense na Casa França-Brasil, ocorrerá, na quarta-feira dia 14 de novembro, das 14 às 19h, um workshop sobre arqueologia em que serão explicadas as pesquisas efetuadas na freguesia de Santa Rita: cais do Valongo, cemitérios da Gamboa e de Santa Rita, etc.

Não perca!

O evento reunirá alguns dos mais conhecidos pesquisadores sobre o tema da Africanidade e pretende apresentar e debater aspectos relacionados as culturas Africanas, bem como se deu o translado dos Africanos para o Brasil e as diversas formas de como eram tratados e escravizados, usados como instrumento de trabalho e de enriquecimento de outras pessoas.

As escavações arqueológicas conduzidas no Rio de Janeiro serão apresentadas ao publico de forma gratuita dentro da programação geral da exposição.

A ordem de fala no Workshop será:

  • MARCELO MONTEIRO: Professor, Pesquisador, Estudioso e Consultor das Tradições Culturais de Matriz Africana Yorubá; Olóyè Asògun Odearaoffa; Presidente Nacional e Fundador do CETRAB – Centro de Tradições Afro-Brasileiras; Diretor e Fundador do IPN – Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos.
  • CLAUDIO PRADO DE MELLO: Arqueólogo pela Universidade Estácio de Sá/UNESA (1986). Professo Mestre em História Antiga e Medieval pela Universidade Federal Fluminense/UFF (1994). Especialista em Arqueologia Funerária do Egito Antigo e Ex-Membro da Mission Archeologique Du Bubasteion – Saqqarah (1996-2002). Fundador (1990) e atual Presidente do Instituto de Pesquisa Histórica e Arqueológica do Rio de Janeiro/IPHARJ. Membro Fundador (1990) e Ex-Professor Convidado do Laboratório de História Antiga do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ (1990-2002). Artista Plástico e Membro da European Association of Archaeology e do British Council of Archaeology. Atual Diretor do Museu da Humanidade.Atual Conselheiro da Cadeira Territorialidade do Conselho Municipal de Cultura do Rio de Janeiro, e Membro do Conselho Estadual de Tombamento.
  • RODRIGO PEREIRA: Doutorando em Arqueologia (Museu Nacional/UFRJ) desde 2015. Mestre em Arqueologia (Museu Nacional/UFRJ). Mestre em Ciências Sociais (UERJ). Bacharel e Licenciado Pleno em CiênciaS Sociais (UFES). Pesquisador de religiões e religiosidades, em especial as afro-brasileiras. Em Antropologia pesquisa o candomblé debatendo micro política em terreiros, eventos de sucessão de lideranças e temas relacionados à liminaridade. Quanto a arqueologia pesquisa, pela etnoarqueologia, elementos da cultura material e espaços edificados em terreiros de candomblé, bem como a formação e expansão dessa religião no estado do Rio de Janeiro. Para tanto, realizou escavações no extinto Terreiro da Gomeia (Duque de Caxias/RJ). Possui ainda experiência na pesquisa de elementos ligados a etnicidade, rituais de passagem, história da imigração pomerana e alemã para o estado do Espírito Santo e historiografia do luteranismo no Brasil e Espírito Santo. Pesquisador do Laboratório de História das Experiências Religiosas (Instituto de História/UFRJ
  • JOÃO CARLOS NARA JÚNIOR: Arquiteto e Urbanista da Coordenação de Preservação de Imóveis Tombados do Escritório Técnico da UFRJ. Mestre em Arqueologia pelo Museu Nacional e doutorando em História Comparada pela UFRJ. Sócio do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro. Membro do Instituto Pretos Novos e do Laboratório de História das Experiências Religiosas do Instituto de História da UFRJ. Investiga a Freguesia de Santa Rita, cuja Matriz constitui a primeira aparição do rococó religioso na América e diante da qual se encontra o sítio arqueológico do primeiro cemitério de pretos novos do Rio de Janeiro.
  • REINALDO BERNARDO TAVARES: Licenciado em História pela Universidade Salgado de Oliveira (2008) e mestre e doutor em Arqueologia pelo Museu Nacional (2012 e 2018). Atualmente é técnico industrial em edificações da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, diretor do departamento de arqueologia do Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos (IPN), coordenador e professor da PROL ESTUDOS – Associação de Democratização do Conhecimento. Tem experiência na área de História, atuando principalmente nos temas: arqueologia da diáspora africana, patrimônio, arqueologia, cemitério dos pretos novos e arqueologia da paisagem.
  • MARCUS ANTONIO MONTEIRO NOGUEIRA: Colecionador particular de quase 40.000 itens históricos e arqueológicos. Formado em Direito e História é um grande conhecedor do Patrimônio Brasileiro e ocupa pela segunda vez a Direção Geral do INEPAC. Ele é o Curador da Exposição CARTOGRAFIA DA AFRICANIDADE FLUMINENSE.

O evento é gratuito e as inscrições são reservadas ao numero de assentos na sala de conferencias e as inscrições podem ser feitas pelo e-mail: pradodemello@hotmail.com.


Íntegra do seminário sobre Santa Rita no Arquivo Nacional

Assista ao Seminário Reparação da Escravidão e os Ancestrais de Santa Ritaorganizado pelo Instituto de Pesquisas e Estudos Afro-Brasileiros (IPEAFRO) no auditório do Arquivo Nacional a 20 de setembro passado.

  • 1h09min: Apresentação do seminário
  • 1h18min: Início da mesa de debates
  • 1h40min: Apresentação sobre Santa Rita (25min)
  • 2h37min: Intervenções do público

Conteúdo:

Milton Guran iniciou sua fala afirmando que “o Arquivo Nacional é por definição o repositório maior da memória nacional porque aqui são arquivados todos os documentos que marcam e sedimentam nosso percurso, então o fato de nós estarmos aqui reunidos para conversar sobre reparação aos povos de matriz africana e debater a situação de Santa Rita é uma conquista”. O antropólogo falou também sobre o “Projeto Rota do Escravo”, nascido há 25 anos e que compromete a UNESCO a debater profundamente, no campo político, cultural e científico a diáspora africana e o tráfico de escravizados. Ele ressaltou que considera esse nome é ruim porque perpetua a coisificação dos negros, mas que infelizmente não conseguem mudar. Por isso foi acrescentado ao projeto o subtítulo “Liberdade Resistência e Patrimônio” por demonstrar ser o legado da diáspora africana aos povos do mundo. Guran também comentou sobre a importância da candidatura e eleição do Cais do Valongo como Patrimônio da Humanidade.

João Carlos Nara Jr. fez uma apresentação sobre sua pesquisa a respeito de Santa Rita como um lugar de memória e abordou os temas: Freguesia de Santa Rita como subúrbio do século XVIII, a matriz de Santa Rita – a primeira igreja rococó da América, os pretos novos, o cemitério de pretos novos, o VLT e o futuro da região a partir da perspectiva de que se faz necessário o respeito à história dos escravizados que padeceram na região. O pesquisador explicou que “pretos novos” é a designação recebida pelos africanos que não foram abrasileirados porque faleceram ao chegar. Eles foram enterrados por perto da área de desembarque dando origem aos cemitérios de pretos novos.

Luiz Eduardo de Oliveira ressaltou que a Comissão Pequena África é composta majoritariamente por mulheres. Ele também apontou o fato de que quando começaram as obras do VLT na região de Santa Rita o movimento negro interveio com o intuito de parar as escavações para que eles pudessem ser ouvidos. A partir desse diálogo eles conseguiram entregar propostas e se posicionar. Eles vetaram determinados nomes para estações de VLT na região que homenageariam personalidades da história brasileira que o movimento considera racistas. Foram propostos nomes que tenham relação com a história da resistência negra. Também foi solicitado que seja construído um memorial na região, que o VLT tenha a obrigação de patrocinar os espaços e monumentos de valorização da cultura negra que existem na região e que dentro das estações passe a história da região da “pequena África” para a população usuária do serviço do VLT, entre outros pedidos.

Participantes:

  • Milton Guran: antropólogo e vice-presidente do Comitê Científico Internacional do Projeto Rota do Escravo da UNESCO
  • João Carlos Nara Jr.: arquiteto e urbanista da Coordenação de Preservação de Imóveis Tombados da UFRJ e especialista na história de Santa Rita
  • Luiz Eduardo Alves de Oliveira (Negrogun): presidente do Conselho de Direitos do Negro do Estado do Rio de Janeiro e membro da Comissão Pequena África.
  • Flávia Oliveira: jornalista e membro do Conselho de Matriz Africana do Museu do Amanhã.
  • Antonio Carlos Mendes Barbosa: presidente da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região Portuária (CDURP), representante da Prefeitura do Rio de Janeiro (não pôde comparecer)

Fontes das fotos e informações: