Reportagem sobre o Valongo

Saiu uma interessante reportagem sobre a situação do Cais do Valongo, que tem sido o pivô de grande desinteligência entre os órgãos públicos. Assista no link abaixo:

https://globoplay.globo.com/v/6730494/

Vale a pena rever a palestra Vestígios da memória como vetores da cidade na Freguesia de Santa Rita. Ali estão enumerados os compromissos assumidos pelo Rio de Janeiro para a manutenção da chancela de patrimônio mundial outorgada pela UNESCO ao Cais do Valongo.

Hodologia da diáspora africana no Rio de Janeiro

Durante o III SEMINÁRIO INTERNACIONAL EM MEMÓRIA SOCIAL (III SIM), que será realizado de 15 a 18 de maio de 2018 na UniRio, haverá o simpósio Hodologia da Diáspora Africana.

O simpósio será na sexta-feira, dia 18, das 14 às 16h, no Instituto Europeu de Design, sala M5.

Na mesa serão tratados os seguintes temas:

Caminhos do tráfico negreiro, por Carlos Eugênio Líbano Soares (UFRRJ). O tema da escravidão africana e da diáspora é dos mais comentados e pesquisados na história do ocidente. Mas ainda restam subtemas que tem grande importância e que foram negligenciados. Um deles o mercado de escravos africanos da região do Valongo. Entre 1774 e 1831 o litoral norte da cidade do Rio de Janeiro se tornou área exclusiva para o desembarque de escravos africanos, que eram revendidos, em grande maioria, para vastas áreas rurais do interior do pais. Nosso objeto é entender como este tráfico funcionava, principalmente no plano da microeconomia, dos pequenos mercadores do varejo da mercadoria humana. Esta economia tem de ser entendida na dimensão geográfica (a localização estratégica e a proximidade com o mercado consumidor em expansão, no caso a economia pecuária e cafeicultora da fronteira de Minas e do interior fluminense) e na econômica (a dilatação dos agentes econômicos urbanos fornecedores ao mercado rural consumidor). Este mercado da rua do Valongo ficava a meio caminho das rotas do sertão africano (notadamente o chamado sertão de Angola) e dos sertões brasílicos da fronteira agrícola em expansão. Ponto importante das relações internacionais da economia brasileira ele foi estabelecido pelo estado, responsável final pelo abastecimento da economia privada no âmbito da internacionalização do trabalho. Estado e mercado se complementam na lógica escravista. A ideia de nação também é diversa e difusa na África de então, não se confundindo com o Estado-Nação da modernidade, mas ligado a “identidade de nação” construída pelo mercado para nomear os africanos capturados pelo tráfico. Um milhão de africanos passaram pelo mercado do Valongo em 57 anos de funcionamento. Para onde foram estas pessoas? Qual era o mercado mais promissor para o trato negreiro? Qual papel da economia mineira, paulista, paranaense, de todo Brasil no complexo negreiro do Valongo? E as relações com a Bahia? Estas as perguntas que serão formuladas e as respostas (provisórias?) serão apresentadas.

Caminhos da diáspora africana na baía de Guanabara, por João Carlos Nara Júnior (UFRJ). A dinâmica do tráfico escravagista dialoga com a porosidade do Rio de Janeiro, cidade portuária cuja memória dos caminhos diaspóricos foi sepultada pelas águas da Guanabara, mas que ainda é perceptível em suas ilhas, cais, cemitérios de pretos novos e outros monumentos espalhados pela freguesia de Santa Rita. Tal abordagem dos caminhos do tráfico no Rio de Janeiro pode iluminar o uso político dos achados arqueológicos no contexto da revitalização do Porto Maravilha, assim como o enquadramento ideológico imposto pelo ativismo social sobre a materialidade da diáspora africana. Essa conceituação pode oferecer uma percepção mais robusta e coerente dos monumentos históricos e de sua relação com a paisagem e a temporalidade. Com efeito, o tráfico seguia um método, envolvendo fiscalização sanitária, quarentena, controle alfandegário, casas de recuperação, lojas de comércio e até cemitérios exclusivos. O primeiro deles, instalado no século XVIII no Largo de Santa Rita, tornou a terceira matriz paroquial do Rio de Janeiro um ponto nodal para a expansão urbana para além do termo da cidade, configurando a atual zona portuária. Tão intrincado sistema reclama uma narrativa mais complexa que supere as generalidades e aporias que perpetuam uma compreensão superficial da importância da região e seus monumentos, em especial o Cais do Valongo, aclamado Patrimônio Mundial pela UNESCO em 2017.

Expansão urbana carioca nos pés das Irmandades negras, por Marcos Coutinho (UFRJ). A historiografia referente às devoções, confrarias e irmandades de homens pretos e pardos é consubstanciada com a própria crônica social do Rio de Janeiro Setecentista. Compuseram, estes grêmios, a mais notável expressão social de vida fraterna em solo carioca, e, quiçá, em todo o Brasil-Colônia nesse período. Desse modo, busca-se o propósito de tomar como objeto de pesquisa a atuação das irmandades de homens pretos e pardos como uma das promotoras da expansão do território da cidade do Rio de Janeiro durante o século XVIII. Muito além de pautar a investigação no papel institucional da Igreja Católica, procura-se depreender o sentido e a forma de sua ação na seara que envolve o estabelecimento de políticas voltadas para o planejamento de vilas e cidades em terras luso-brasileiras. Ausente qualquer normativa civil destinada à implementação de políticas urbanas, preencheu, a Igreja, o lugar do Estado, assumindo os códigos e constituições eclesiásticos a função axial como leis definidoras e orientadoras do sentido que iriam tomar os terrenos das cidades portuguesas na América. E no Rio de Janeiro, esse processo não foi diferente. A ação desses sodalícios será analisada a partir de dois vieses: o primeiro, ampara-se no templo religioso como vetor e orientador da expansão da cidade; já o segundo, toma a ação do fiel de cor como agente que modela e “desenha” os caminhos desse que virá a se constituir como um novo território a ser urbanizado. Dentro dessa linha de pensamento, o trabalho pretende ampliar as formas interpretativas que inserem ou relegam o negro afro-brasileiro a mero agente figurante, incapaz de atuar com protagonismo no processo histórico em questão. O objetivo, se pertinente for, é produzir um discurso crítico que procura influenciar e alterar a forma como se interpreta o papel do indivíduo escravizado no século XVIII.

Seminário sobre Memória e Turismo

O III SEMINÁRIO INTERNACIONAL EM MEMÓRIA SOCIAL (III SIM) será realizado de 15 a 18 de maio de 2018, na Universidade Federal do Estado do Rio Janeiro (UNIRIO), com o tema “Memória e Turismo: roteiros, trajetórias, discursos e subjetividades em construção”. O evento se coloca como um fórum de discussões dos desdobramentos da relação entre Memória e Turismo tendo como tema provocador o caso do Cais do Valongo (Rio de Janeiro). Neste sentido, as temáticas abordadas nesta terceira edição abrangem a memória em relação à

1. Memória e Patrimônio

  • Diáspora Africana: Materialidade e Imaterialidade
  • Legislações
  • Gestão e Conservação
  • Arqueologia
  • Regimes de Patrimonialização e Novos Patrimônios
  • Processo de Memoração e Usos Turísticos
  • Políticas Culturais Para Bens Patrimonializados
  • Patrimônio Cultural e Patrimônio Natural

2. Memória e Espaço

  • Fluxos Diaspóricos
  • Políticas de Planejamento Urbano
  • Políticas Culturais e Manifestações Territoriais
  • Manifestações Socioespaciais da Religiosidade
  • Meio do Ambiente
  • Apropriação pelo Turismo
  • Conflitos Territoriais
  • Produção Audiovisual

3. Memória e Linguagem

  • Diáspora Africana
  • Turismo
  • Práticas Identitárias
  • Narrativas
  • Discurso e Trauma
  • Performatividade
  • Produção de Sentidos
  • Literatura

4. Memória e Subjetividade

  • Construção de Atravessamentos Religiosos
  • Memórias Traumáticas
  • Resistência à diferença e resistência da diferença
  • Movimentos Sociais
  • Processos de Turistificação
  • Singularidade e Criação
  • Corporeidade
  • Violência Urbana

Marcos da paisagem cultural carioca

Caminhos da Memória: marcos da paisagem cultural carioca é uma atividade de extensão inserida no Projeto de Difusão das Geociências do Centro de Ciências Matemáticas e da Terra (CCMN) da UFRJ. O evento constará de duas partes:

  1. Uma trilha urbana por diferentes pontos do Centro histórico do Rio de Janeiro, relacionando patrimônio, geologia, arqueologia e paisagem (5 de setembro, terça-feira, às 13h na Carioca).
  2. Um simpósio interdisciplinar para vem passar em revista os marcos mais importantes da Cidade, seus usos e valores (4 de setembro, segunda-feira, das 9h às 17h no Arquivo Nacional).
Inscrições pelo e-mail pesquisa@narajr.net
PROGRAMAÇÃO DO SIMPÓSIO:

09h00: CORAL DUQUE MUSIC (Colégio Estadual Duque de Caxias)

09h30: CONFERÊNCIA DE ABERTURA

   Cais do Valongo, patrimônio histórico e reconstrução cultural
     Carlos Eugênio Líbano Soares, historiador (PPHR/UFRRJ)

10h30: Mesa 1 — MARCOS CLÁSSICOS | SÍMBOLOS ESPALHADOS

   Signos da civilização: memória, patrimônio e instituições no Brasil Imperial
     Mariáh Martins, historiadora da ciência (Museu Nacional/UFRJ)
   De onde vem essa nação? Os fios e os rastros do projeto nacional brasileiro
     Leonardo Amatuzzi, arqueólogo (Museu Nacional/UFRJ)
   Patrimônio ressignificado e ação do poder público
     Andre Angulo, museólogo (Museu da República)

12h00: ALMOÇO

14h00: Mesa 2 — MARCOS GEOGRÁFICOS | CARTOGRAFIA E TRANSFORMAÇÕES

   Fortificações militares e acidentes geográficos
     Francisco José Correa Martins, historiador (DEGEO/UFRRJ)
   Análise espaço-temporal e toponímica do Rio de Janeiro
     Paulo Márcio Leal de Menezes​, geógrafo (PPGG/UFRJ)
   Aplicação da geofísica para a reconstrução histórica do Rio de Janeiro
     Gleide Dias, geofísica (IGEO/UFRJ)

15h30: Mesa 3 — NOVOS MARCOS | POLÍTICAS URBANAS

   Alterações e embargos: entraves no resgate de uma memória portuária
     Antônio Carlos Higino da Silva, historiador (PPGHC/UFRJ)
   Cidade Nova e HESFA, sobre rupturas e permanências
     Eliara Beck Souza, arquiteta e urbanista (DIPRIT/ETU/UFRJ)
     João Carlos Nara Jr., arquiteto e arqueólogo (Museu Nacional/UFRJ)

Audiência pública sobre a Pequena África

A Comissão Permanente de Cultura da CMRJ fará uma Audiência Pública para debater ações e políticas voltadas para a Pequena África (bairros da Saúde, Gamboa e Santo Cristo), áreas que guardam a memória da escravidão no Brasil e são essenciais para entender a história do país, a formação da nossa sociedade e a realidade atual.

Esse debate torna-se ainda mais urgente a partir do reconhecimento, pela Unesco, do Cais do Valongo como Patrimônio da Humanidade, na categoria memória e sofrimento, e dos debates em torno da proposta de criação do Museu da Escravidão e da Liberdade, pela Prefeitura.

A audiência será no dia 11 de agosto, sexta-feira, às 14h, no Plenário da Câmara Municipal do Rio de Janeiro.

Cais do Valongo: Patrimônio da Humanidade

A UNESCO inscreveu hoje o Cais do Valongo na lista de Patrimônio da Humanidade:

Valongo Wharf Archaeological Site (Brazil)

Valongo Wharf Archaeological Site is located in central Rio de Janeiro and encompasses the entirety of Jornal do Comércio Square. It is in the former harbour area of Rio de Janeiro in which the old stone wharf was built for the landing of enslaved Africans reaching the South American continent from 1811 onwards. An estimated 900,000 Africans arrived in South America via Valongo. The physical site is composed of several archaeological layers, the lowest of which consists of floor pavings in pé de moleque style, attributed to the original Valongo Wharf. It is the most important physical trace of the arrival of African slaves on the American continent.

Mauá 360

Antes da manifestação da UNESCO sobre a elevação do Cais do Valongo à categoria de Patrimônio da Humanidade, haverá no dia 27 de junho, no Museu do Amanhã, o Seminário Mauá 360 – Cais do Valongo. Essa edição tem como objetivo dar maior visibilidade às reflexões urgentes reforçadas pela candidatura carioca.

Inscrições e outras informações em https://museudoamanha.org.br/pt-br/maua-360-cais-do-valongo.

Impressões sobre o simpósio da herança africana

Foi um sucesso o Simpósio sobre Territorialização e herança africana no Rio de Janeiro, ocorrido nos dias 15 e 16 de maio, no Instituto de História da UFRJ. Com presença massiva de público (cerca de 200 pessoas) e a participação de gestores públicos e professores especialistas no tema, discutiu-se a musealização do território em que se encontra o Circuito da Herança Africana. Tal território corresponde ao da antiga Freguesia de Santa Rita, Bairro da Saúde, hoje Porto Maravilha.

Como indicava o título do evento — Espaços da História — a discussão versou tanto da espacialidade desses lugares quanto do trabalho historiográfico a ser feito sobre suas memórias. Há de se ressaltar, antes de mais nada, que ambos os termos — Espaço e História — estão em xeque na atual conjuntura intelectual.

Em primeiro lugar, o espaço. Conceito equívoco, espaço pode significar tanto a ideia clássica de lugar quanto a quantidade extensiva cartesiana. Enquanto mero âmbito dimensional, espaço é uma ideia eminentemente iluminista. Mas todas as tentativas contemporâneas de distinguir espaço e lugar fracassaram. Por exemplo, para o arquiteto Yi-Fu Tuan, espaço é campo de liberdade e lugar é espaço tornado seguro; para Michel de Certeau, pelo contrário, espaço é “lugar praticado”. Talvez seja unânime somente o esforço por temperar o conceito de espaço com a noção de temporalidade: o tempo cria espaços novos.

Em segundo lugar, a história. Para que serve? Pode ser reescrita? As antigas narrativas ainda conservam utilidade? Será necessário reescrevê-las? Abordagens antropológicas e culturais têm trazido novos enfoques que relativizam os monumentos do passado e pretendem transformá-los em bandeiras para o futuro. Sem dúvida, a história sempre serviu de bandeira a serviço de interesses nacionais ou sociais. Mas qual é o limite entre fato e pretexto? Parafraseando Pierre Nora, para quem os lugares de memória supõem uma consequente vontade de memória, o reconhecimento desses espaços historiográficos supõe um certo ativismo historiográfico.

Após sublinhar a fluidez teórica dos temas com que trabalha o mundo acadêmico, é justo também expor a fragilidade da questão em si. A discussão sobre a Zona Portuária do Rio de Janeiro é complexa e ainda merece muito aprofundamento. Em linhas gerais, se entrecruzam estratégias políticas, teorias sobre o patrimônio, o custo e o retorno dos investimentos, a sustentabilidade das iniciativas educacionais existentes, a mobilização popular, a legitimidade dos movimentos sociais que se apropriam dos lugares e os ressignificam, etc. A modo de exemplo, foi notável como, durante o Simpósio, a discussão esbarrou em tantas divergências e derivou até mesmo para a questão do chamado racismo reverso.

A recente mudança de prefeitura no Rio de Janeiro, com a sucessiva proposta do Museu da Escravidão e da Liberdade (DECRETO RIO Nº 42929 DE 10 DE MARÇO DE 2017), expôs o desacordo existente sobre a territorialização da herança africana. Será apenas uma questão de nomes — a musealização do território já era querida pela gestão anterior, e mesmo pela de César Maia, mas falar de escravidão remete a outras agendas —, ou de fato corre-se o risco de deitar a perder valores importantes para o restabelecimento da justiça social ou, por que não dizê-lo, da justiça histórica? Com feliz coincidência, um novo decreto (RIO Nº 43128 DE 12 DE MAIO DE 2017), publicado no mesmo dia do Simpósio, convoca uma audiência pública para escolher o nome definitivo da instituição.

Ainda há outra questão importante, embora paralela. A decisão de construir um Museu da Escravidão e da Liberdade partiu de um prefeito ligado a setores considerados intolerantes para com a cultura afro-brasileira. Daí a aceitação reticente e o desconforto diante da proposta, assim como o rechaço do nome original.

Com efeito, o atual prefeito do Rio costuma ser suspeito de clericalismo e incluído no grupo dos cristãos reacionários e puritanos, inimigos do progresso social, da liberdade moral e das religiões de matriz africana. No entanto, passa-se por alto que, embora os pastores da Igreja Universal se valham do tele-evangelismo, não podem ser assimilados aos pentecostais tradicionais, entre outros motivos pela apropriação de elementos africanos, por eles demonizados e incorporados a um discurso aparentemente cristão. E, acima de tudo, apesar de se autodenominarem bispos, não passam de leigos que nunca foram ordenados e agora tentam se legitimar criando uma liturgia inspirada no judaísmo. Portanto, não existe realmente uma disputa religiosa entre instituições, mas sim uma estratégia política de autoafirmação identitária que conseguiu triunfar em meio à crise cultural e partidária que o país atravessa.

O debate prosseguirá, ainda mais quando a UNESCO se pronunciar sobre a candidatura do Cais do Valongo à Patrimônio da Humanidade. No entanto, ao cabo desse Simpósio, convém sugerir que o espaço histórico como âmbito de engajamento social consiste em um tripé: sítio, protocolo e prática. Sítio geográfico, protocolo político e prática social. Do equilíbrio entre esses polos é que nascem os autênticos lugares de memória e os verdadeiros espaços da história.

Simpósio: mesa Linguagens

simposio-santa-rita-mesa-2-musica-arquitetura-antropologia

Na segunda mesa do simpósio Antes do Valongo: Santa Rita falarão os professores Rodrigo Bastos, Paulo Sá e Raquel Lima.

Rodrigo Bastos, cantor, Arquiteto e Urbanista, Engenheiro Civil, Professor de Arquitetura da UFSC, recebeu diversos prêmios, entre eles por sua tese A maravilhosa fábrica de virtudes: o decoro na arquitetura religiosa de Vila Rica, Minas Gerais (1711-1822), publicada pela Edusp em 2013. Sua apresentação versará da retórica poética da Arquitetura.

Paulo Sá, professor de Música da UFRJ e Diretor Artístico do Momento Rio Bandolim, executará peças musicais populares no Rio de Janeiro do século XVIII, acompanhado do músico Adriano Palma Correa.

Raquel Lima, Historiadora, doutora em Antropologia Social e especialista em Ciência da Religião, é professora do Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Viçosa. Sua apresentação versará da devoção a Santa Rita em seu lugar pioneiro no Brasil.

Simpósio: mesa histórico-arqueológica

simposio-santa-rita-mesa-1-historia-arqueologia

Na primeira mesa do simpósio Antes do Valongo: Santa Rita falarão os professores Ondemar Dias e Carlos Eugênio Soares.

Ondemar Dias, Livre Docente Titular do IH-UFRJ, é fundador e diretor presidente do Instituto de Arqueologia Brasileira. Sua apresentação versará da atuação do referido Instituto em prol da arqueologia carioca, percorrendo as seguintes pesquisas efetuadas:

  • Anos 60 – A Fábrica de Anil do “Vale do elefante”
  • Anos 70 – O metrô do Rio de Janeiro
  • Anos 80 – O “Apicum” de Guaratiba
  • Anos 90 – A picota da Pavuna
  • Anos 2000 – Antiga Sé, Forte do Campinho, Rua dos Inválidos, Rua Jardim Botânico e curadoria do Cais do Valongo.

Carlos Eugênio Soares, Professor de História na UFRRJ, pesquisa a escravidão africana urbana no Brasil, a capoeira, os africanos nas cidades do Rio de Janeiro e Salvador no século XVIII. Atuou nos estudos do cais do Valongo. Sua apresentação versará da Pequena África setecentista.

Pela ampliação da Paisagem Cultural do Rio de Janeiro

Cemitério do Valongo (fonte: portomaravilha.com.br/)

Zona Portuária (fonte: portomaravilha.com.br/)

Desde 2010, a região portuária do Rio de Janeiro, com 5 milhões de metros quadrados, tem passado por uma profunda reestruturação urbana através de uma operação consorciada com a iniciativa privada.

Em 2011, a municipalidade ali instituiu o “Circuito Histórico e Arqueológico da Celebração da Herança Africana”, ao qual foi integrado, no ano seguinte, o redescoberto cais do Valongo, por onde aportaram no Brasil mais de um milhão de africanos cativos até o século XIX.

Em 2013 o Valongo se tornou patrimônio cultural da cidade do Rio de Janeiro e, em março passado, teve sua candidatura homologada pelo Centro do Patrimônio Mundial da Unesco para ser reconhecido como Patrimônio da Humanidade, em função de seu valor excepcional como memória da violência.

Pesquisas arqueológicas ainda têm apontado novos marcos representativos da vida dos africanos nessa área, que poderão ser acrescentados ao Circuito, como é o caso do cemitério de pretos novos contíguo à igreja de Santa Rita, aliás o primeiro exemplar arquitetônico com decoração rococó nas Américas.

A revalorização de toda essa região — rica em bens patrimoniais, históricos e arqueológicos — é um convite a incluí-la entre os bens cariocas que compõem a paisagem cultural do Rio de Janeiro, atualmente restritos em sua maioria à Zona Sul da cidade.

Sem dúvida, a movimentada evolução da região portuária do Rio de Janeiro representa significativamente o processo de interação do homem com o meio natural, as estratégias de antropização do espaço brasileiro colonial e os vestígios deixados pela diáspora africana.

A inclusão do Circuito da Herança Africana na chancela de Paisagem Cultural poderia servir de estímulo para a valorização e a preservação da tão importante paisagem recém-recuperada.