Impacto da pandemia no patrimônio sacro

Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac) e a Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio (Sececrj) vão realizar um workshop sobre Patrimônio Religioso nesta quinta-feira (10), a partir das 10h, na Biblioteca Parque Estadual (Avenida Presidente Vargas, 1261, Centro do Rio).

Haverá debates sobre conservação, oficina de restauração e um esquete teatral.

Inscrições gratuitas pelo e-mail eventosinepac@gmail.com.

Mais informações aqui.

Purgatório: concepção e recepção

Em novembro será ministrado no Centro Dom Vital um minicurso em duas aulas sobre a história de um dos dogmas mais controversos e da sua interpretação ao longo do tempo: o Purgatório.

Serão vistos alguns correlatos em outras religiões e, especificamente, a sua importância no caso dos cemitérios de escravos do Rio de Janeiro (veja uma cronologia aqui).

O curso será ministrado online. As inscrições devem ser feitas pelo formulário do Centro Dom Vital.

Assista a uma introdução:

3 vetores de ocupação do Rio de Janeiro Colonial

O curso online, promovido pelo Centro Loyola da PUC-Rio, tratará dos três vetores da ocupação e urbanização do Rio de Janeiro durante o período colonial, com ênfase na participação da Igreja nessa dinâmica.

Para isso, serão explicadas as distintas categorias de fiéis católicos e o papel que cada uma delas desempenhou na implantação do Rio de Janeiro, a começar pela fundação da cidade no século XVI, com a disputa entre franceses e portugueses pela Guanabara.

O curso contemplará tanto a instalação das primeiras ordens religiosas nos quatro morros da ocupação original, quanto a atuação dos “padres fazendeiros” no século XVII.

Seguidamente, será abordada a criação das freguesias urbanas e rurais por parte da administração eclesiástica secular, durante o período setecentista, com particular atenção à questão escravagista na freguesia de Santa Rita.

Será esmiuçada, por fim, a participação das devoções e irmandades leigas na ocupação do velho rossio, para além do muro idealizado após as invasões francesas de 1710 e 1711.

QUANDO: Segundas-feiras. Dias 14, 21 e 28 de setembro e 5 de outubro de 2020, das 19h às 21h.

INSCRIÇÕES: http://www.centroloyola.puc-rio.br/cursos/curso-on-line-a-igreja-no-rio-de-janeiro-colonial-ocupacao-e-urbanizacao/

Segredos da arte sacra no Rio Antigo

A que servia a arte sacra no período colonial?

Uma primeira resposta prioriza os interesses pessoais, quer vaidosos (ostentação), quer políticos (representação). Mas tanto a ostentação quanto a representatividade são análises que ficam na exterioridade, no âmbito das aparências.

Outra linha frisa a função catequética da arte, muito embora tal ferramenta tenha serventia difusa, haja vista ser incapaz de esgotar o conteúdo dogmático que se pretende transmitir.

Uma nova via a ser explorada é a da existência de uma função da arte sacra precipuamente latrêutica, litúrgica, ou de oferta votiva.

Para saber mais, assista à nossa live na quarta-feira, 8 de julho, às 18h.

ACOMPANHE ESSAS E OUTRAS LIVES EM @jcnarajr

Formas de enterrar, modos de morrer

Duas lives esta semana abordarão a prática cemiterial no Brasil colonial.

A primeira, que ocorrerá na quarta-feira, dia 24 de junho, às 18h, será com a historiadora Elisiana Trilha Castro, presidente da Associação Brasileira de Estudos Cemiteriais (ABEC). A live abordará a dinâmica e a perenidade dos espaços cemiteriais, desde a época colonial até hoje.

A outra será EM BREVE, no mesmo horário, com Marcos Coutinho, pesquisador do IPPUR/UFRJ. Versará sobre o o impacto cultural das crenças escatológicas, mas também do protagonismo das irmandades leigas de afro-brasileiros na expansão urbana do Rio de Janeiro do século XVIII.

ACOMPANHE ESSAS E OUTRAS LIVES EM @jcnarajr

Conceição, Saúde, Valongo

A devoção à Virgem Maria, característica essencial do cristianismo, teve contornos típicos e específicos no Rio de Janeiro setecentista e especialmente na freguesia de Santa Rita.

Para tratar do assunto, um webinar foi promovido pelo Museu Arquidiocesano de Arte Sacra do Rio de Janeiro (MAAS), com o apoio do Projeto de Extensão e Cultura Igrejas Históricas no Rio de Janeiro: Descobrindo e Revelando seus acervos, da Pró-Reitoria de Extensão e Cultura da UNIRIO.

Nesse encontro, conheceremos as raízes das invocações marianas que deram nome ao Morro da Conceição (em frente ao Largo de Santa Rita) e à Ponta da Saúde (em cuja chácara ficava o cemitério do Valongo), as colinas extremas da freguesia.

Sábado, dia 30 de maio, às 15h, participe da roda de conversa (transmitida pelo ZOOM), da qual participam os seguintes especialistas:

Assista no YouTube à gravação do webinar

  • 00:08:30 a 00:42:00 → Imaculada Conceição, pelo Dr. João Carlos Nara Jr. (Arquiteto e Urbanista, Arqueólogo e Historiador).
  • 00:42:00 a 01:51:30 →Maria, Saúde dos Enfermos, pela Dr.ª Márcia Valéria Rosa (UNIRIO & Projeto Igrejas Históricas no Rio de Janeiro).
  • 01:51:30 a 02:32:00 → A igreja de Nossa Senhora da Saúde (no bairro da Gamboa, Rio de Janeiro), pela Prof.ª Lydia de Carvalho Coelho (historiadora, mestranda em Arqueologia).
  • 01:51:30 a 02:32:00 → As virgens negras, pela Prof.ª Marli de Assis (Museóloga do MAAS).

A mesma apresentação sobre a Imaculada Conceição foi apresentada, com alguma atualização, durante um seminário promovido pelo Centro Loyola, da PUC-Rio:

Tese sobre o Cemitério de pretos novos de Santa Rita

O tráfico negreiro pressupôs a instalação de um complexo escravagista no Rio de Janeiro colonial, o qual incluía, entre outras instâncias (controle sanitário, aduana, lojas etc.), um cemitério exclusivo para os africanos recém-chegados ao Brasil (“pretos novos”) que não resistissem ao translado para a América.

Essas pessoas anônimas, cuja história se desconhecia, representam fronteiras étnicas, geográficas e escatológicas. Mas por meio de seus remanescentes arqueológicos, presentes nos cemitérios da freguesia de Santa Rita, os pretos novos podem alçar a sua voz silenciosa para fazer parte, pela primeira vez, da memória brasileira.

LEIA A TESE AQUI

Observar a flora

Detalhe do intradorso do arco-cruzeiro da matriz de Santa Rita. Foto de Mateus Rosada (2014).

É preciso observar a flora.

Nenhum artista verdadeiro pintaria ou cinzelaria uma determinada flor ou árvore sem que ela alargasse o sentido e o alcance do seu trabalho.

Nenhuma planta é posta em uma tela ou em uma talha apenas para ocupar um espaço vazio.

Alegoria, tradição, exegese e espiritualidade se cruzam na iconografia, na imaginária, na pintura, na tapeçaria. Essa interpenetração conceitual produz um verdadeiro mosaico pedagógico, catequético, cultural e místico, útil para gerações inteiras.

Frei Clarêncio Neotti escreveu um singelo livro sobre o espaço ocupado pela zoologia na arte sacra. Como bom franciscano, soube ver como os animais acompanham o homem desde a primeira página do Gênesis até o Apocalipse.

Suas considerações, que reproduzo aqui, me estimularam a trilhar um caminho similar ao seu, mas pelo reino vegetal.

Nenhuma religião dispensa o símbolo: a melhor linguagem para expressar o numinoso é o símbolo.

As gerações que desprezaram o símbolo foram pobres em humanidade e socialmente desequilibradas.

A visão ecossistêmica contemporânea se purificada do panteísmo, da misantropia e do relativismo rasos, que a tornam a hipocrisia do momento bem pode recuperar a necessária linguagem de respeito ao mundo animal, vegetal e mineral.

É preciso observar a flora.

5 formas de utilizar o conceito de fronteira

A “Universidade Livre do Leme”, com seu curso contínuo e aberto de Filosofia na Praia, apresentará as diversas “fronteiras filosóficas” com que o Rio de Janeiro setecentista pode ser analisado e explicado.

A atividade, regularmente realizada em um quiosque da Praia do Leme, procura divulgar temas filosóficos para o grande público.

No sábado dia 23 de novembro, das 11 às 12h, a pauta será a freguesia de Santa Rita.

A palestra terá por título Rio Colonial: Fronteiras Filosóficas. O objetivo é indicar cinco abordagens diferentes do Rio de Janeiro colonial, por meio do conceito de fronteira:

Cemitério de Rosas Negras

A segunda edição do Seminário Morte, Arte Fúnebre e Patrimônio: interlocuções, lugares e documentos post mortem ocorrerá nos dias 16 e 17 de outubro de 2019 no Centro Cultural de Ciência e Tecnologia da UFRJ, uma realização do Grupo de Pesquisas Paisagens Híbridas (EBA/UFRJ), do Grupo de Estudos de Arquitetura Cemiterial (EAU/UFF) e do Laboratório de Ensino de História (Universidade Federal de Pelotas).

O Seminário pretende alinhar argumentos que estruturam as reflexões gerais em torno da natureza e limites do conhecimento humano no que diz respeito à morte, aos ritos, às práticas culturais dos cuidados dados aos mortos, à certificação do cadáver como documento e às paisagens constituídas com base nos fatos que definem o universo físico e metafísico no âmbito da finitude humana.

Na mesa do dia 17, às 10h, será apresentada a comunicação As Rosas Negras do Cemitério de Pretos Novos de Santa Rita: sinais de um patrimônio invisível, que tem o seguinte resumo:

No Largo de Santa Rita, no Centro do Rio de Janeiro, houve durante o século XVIII um cemitério para africanos escravizados recém-chegados, que morreram antes de ser vendidos. Em 1774 o tráfico negreiro e seu respectivo cemitério foram transferidos ao Valongo, subúrbio pertencente à mesma freguesia de Santa Rita. O antigo cemitério foi esquecido, mas a recente instalação do VLT carioca no Largo de Santa Rita ocasionou uma contestação dos movimentos sociais sobre a legitimidade das pesquisas arqueológicas na região. Como sucedâneo à necessária rememoração desses mortos, o IPHAN propôs a representação de rosas negras no chão do cemitério, que continua servindo de logradouro público. A análise das contradições políticas do episódio e o estranhamento diante da não-paisagem de Santa Rita reclamam da academia e das instituições públicas respostas mais robustas, cujas linhas serão sugeridas na conclusão.

Livro, arte, devoção

  • A Faculdade de São Bento do Rio de Janeiro abre suas portas para o Seminário Permanente sobre Arte e Devoção. A proposta é difundir o conhecimento científico em diálogo com os diversos ramos do conhecimento humano.

Nos meses de setembro e outubro as comunicações desse evento gratuito serão voltadas para a história do livro, na sua dupla acepção de livros civis e litúrgicos.

Os interessados deverão confirmar presença por e-mail.

No dia 30 de setembro, às 16h20, a apresentação será O Breve apostólico dos privilégios de Santa Rita.

A palestra abordará a análise paleográfica de um documento pontifício de 1726 sobre o uso permitido da capela de Santa Rita, que afetou a urbanização do sítio do Valverde, no atual Centro do Rio.