Livro sobre o fundador de Santa Rita: no prelo!

Em novembro será lançado o livro O Rio de Janeiro entre conquistadores e comerciantes: a história do fidalgo que fundou a freguesia de Santa Rita.

A microanálise da vida de Manoel Nascentes Pinto (1672-1731), meirinho da Alfândega do Rio de Janeiro, permite conhecer como se cruzavam aspectos distintos da vida política fluminense no início do século XVIII, mediante a descrição das relações sociais desse fidalgo português, de suas pretensões religiosas e do papel desempenhado por ele na conjuntura econômica de então.

Paralelamente, ilumina pontos obscuros dos começos do sistema escravagista carioca, que seria fixado na freguesia de Santa Rita, primitivo subúrbio do Rio de Janeiro Colonial, cuja matriz foi por ele fundada.

Profanando Giorgio Agamben

O grande paradoxo da escatologia contemporânea pode ser encontrado na filosofia pós-marxista de Giogio Agamben, para quem o tempo messiânico — designado por ele como “a comunidade que vem” — se identifica com a realização da utopia anarquista.

Só incautos veem sentido em que a Universidade suíça de Friburg tenha laureado esse filósofo com o doutorado honoris causa em Teologia em 2012. Com efeito, em sua crítica do poder, o uso que Giorgio Agamben faz da teologia em geral e da escatologia em particular é claramente pós-cristã e inclusive a-teológica.

Em seu pensamento apocalíptico, Agamben alimenta a expectativa de que a profanação do “trono”, símbolo da “Glória”, será o caminho para o advento do “Reino” na terra.

Mas Agamben tem uma noção bastante peculiar de “profanação”: profanar consistiria em neutralizar, em tornar inoperante, em desativar o aparato de poder que tinha isolado os objetos na esfera do sagrado através do sacrifício. A profanação seria, portanto, distinta da secularização, que é a mera transferência de poder do espaço sagrado para o espaço profano, fenômeno pelo qual a estrutura sacramental da Igreja serviu de modelo à construção no Estado moderno. Em suas próprias palavras:

A profanação implica […] uma neutralização daquilo que profana. Depois de ter sido profanado, o que estava indisponível e separado perde a sua aura e acaba restituído ao uso. [A profanação] desativa os dispositivos do poder e devolve ao uso comum os espaços que ele havia confiscado. (Profanações. São Paulo: Boitempo Editorial, 2007, p. 61)

Convém deixar claro que a filosofia de Agamben faz da prática e do pensamento cristãos um sucedâneo crítico para o esgotamento do marxismo. Seu equívoco consiste em reduzir o sagrado a um conceito meramente jurídico, não primariamente religioso. O filósofo estabelece o sagrado em oposição ao profano, como se a categoria da sacralidade fosse privada de entidade própria. Para ele, a valência do sagrado procede exclusivamente do arbítrio que estabelece a separação entre a esfera sacral e a esfera mundana, com independência do sujeito que o imponha, quer seja a Igreja, quer seja o Estado. Assim, a religião não implicaria em uma religação com o divino, mas se concentraria na própria construção da fronteira que torna inacessível os objetos sacralizados:

Pode-se definir como religião aquilo que subtrai coisas, lugares, animais ou pessoas ao uso comum e as transfere para uma esfera separada. Não só não há religião sem separação, como toda separação contém ou conserva em si um núcleo genuinamente religioso. O dispositivo que realiza e regula a separação é o sacrifício. (Ibidem, p. 58)

Entretanto, Agamben entende o sagrado simultaneamente como excluído do âmbito divino. O sagrado estaria, portanto, encerrado em um limbo no qual se entra mediante uma “violência que excede tanto a esfera do direito quanto a do sacrifício” (idem, Homo sacer: o poder soberano e a vida nua, I. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007, p. 93), e o coloca numa zona de fronteira entre o divino e o mundano.

Chega-se a tais conclusões, entre outros motivos, quando não se atribui personalidade à divindade, quando não se atina que entre Deus e as coisas possa haver relação de pertencimento. Pois “pessoa” é, precisamente, “relação”: pessoa é relação subsistente.

A bem da verdade, algo é santo ou sagrado não tanto em sua contraposição ao profano, mas sim por sua relação com Deus, por sua pertença a Deus. Nesse sentido, é possível afirmar que o sagrado não é inacessível; antes se revela como o elemento mais dinâmico e atuante na vida dos seres humanos, tornando-lhes presente o mistério divino e conferindo um sentido numinoso à sua existência. Ao mesmo tempo, o profano ou secular não será inoperante na medida em que se deixar fecundar pela presença e o sentido do sagrado.

Seminário Internacional de Patrimônio da Igreja no Rio de Janeiro

A recém-criada Comissão arquidiocesana de Patrimônio Cultural dará início às suas atividades com um seminário internacional de 3 a 7 de junho no Auditório do Museu Histórico Nacional.

Cada dia terá sua ênfase, com conferências especiais e mesas de debate. Em linhas gerais serão tratados os seguintes temas, com o nome de alguns convidados:

Segunda, dia 3: Tipologia religiosa como herança da fé. Convidado especial: Prof. João Brigola (Évora).

Terça, dia 4: Proteção do Patrimônio Cultural. Convidados: Joaquim de Arruda Falcão Neto (ABL), Ellen Gracie Northfleet (STF), Kátia Bogea (IPHAN).

Quarta, dia 5: Métodos de preservação.

Quinta, dia 6: Gestão e recursos.

Sexta, dia 7: Estudos de caso. Visita guiada ao Museu Arquidiocesano de Arte Sacra.

Veja a programação completa.

Dia de Santa Rita: a coroa da humildade

Sarcófago de Santa Rita, com seu corpo incorrupto, em Cássia, na Úmbria, Itália

Hoje, 22 de maio, é a memória litúrgica da taumaturga italiana Margherita Loti, conhecida como Rita de Cássia. Em sua cidade, Cascia, na igreja de seu mosteiro, é possível visitar seu túmulo. Nele vai escrito:

POSVISTI IN CAPITE EIVS CORONAM

Essa divisa, puseste uma coroa em sua cabeça, alude ao estigma de um espinho da coroa de Cristo que ela recebeu na fronte após pedir em suas orações que pudesse participar das dores da sua Paixão.

Palma triplamente coroada, no intradorso do arco cruzeiro da Matriz de Santa Rita

O singular fenômeno místico fez com que, na iconografia, Rita passasse a ser representada com a palma, atributo típico dos mártires.

Ou seja: mesmo sem ter passado pelo martírio, ela recebe na Igreja a honra dos mártires, pois se tornou partícipe da Paixão, isto é, sofreu a compaixão, como aquelas Santas Mulheres que estiveram ao pé da cruz do Salvador, ao lado de São João Apóstolo e Maria Santíssima.

Seu atributo vem completado por três coroas, representação de seu matrimônio e dois filhos, mas também dos três estados de vida pelos que passou: donzela, esposa e religiosa.

A oração coleta da memória de Santa Rita faz menção justamente à lógica sobrenatural que subverte os valores humanos:

Ó Deus, grandeza dos humildes, que fizestes santa Rita de Cássia distinguir-se pela caridade e paciência, dai-nos, por suas preces e méritos, a graça de amar-vos sempre, carregando a cruz de cada dia.

Minicurso Religiões em Contato

O Instituto Pretos Novos apresenta um novo minicurso, dado por João Carlos Nara Jr., sobre temas sensíveis no encontro entre as tradições religiosas africanas e cristãs.

O funeral católico extensivamente praticado no Brasil colonial e a existência de cemitérios de pretos novos no Rio de Janeiro levantam a indagação sobre o contato entre as religiões tradicionais africanas e o cristianismo na prática dos enterramentos. O minicurso apresentará pontos de convergência e contrastes existentes na visão do além-túmulo e na participação dos vivos no descanso dos mortos.

Serão seis aulas com o seguinte conteúdo:

  1. Introdução • 28/3
    • Conceito de religião
    • Classificação das religiões
    • Religião e política
  2. Ar • 4/4
    • Fé e crença
    • Teogonia e cosmogonia
    • Espaço sagrado
  3. Fogo • 11/4
    • Rito e sacrifício
    • Sacerdócio e trabalho
    • Tempo sagrado
  4. Terra • 25/4
    • Mito
    • Corpus literário sagrado
    • Arte sacra
  5. Água • 2/5
    • Emoção e experiência
    • Dogma e autoridade
    • Ortodoxia e heterodoxia
  6. Conclusão • 9/5
    • Antropologia
    • Escatologia
    • Secularização

Sempre às quintas-feiras, 18h. Investimento: R$ 130.

Local: CDURP, Auditório André Rebouças. Rua Sacadura Cabral, 133, Saúde.

Visita guiada à igreja de Santa Rita

Lavabo embrechado de Santa Rita

O Centro Loyola da PUC-Rio está organizando a seguinte visita:

Data: Sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019, das 13h às 15h.

Descrição: Nesta visita guiada iremos conhecer uma das mais belas Igrejas do Centro do Rio de Janeiro, que guarda elementos da primeira aparição do estilo rococó na América. Também descobriremos como a cidade colonial se expandiu para o Valongo e o papel dessa matriz paroquial em relação ao tráfico de escravos no Rio de Janeiro.

Palestrante: João Carlos Nara Júnior é Arquiteto e Urbanista da Coordenação de Preservação de Imóveis Tombados do Escritório Técnico da UFRJ. Historiador e Mestre em Arqueologia, é sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro, membro do Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos e do Laboratório de História das Experiências Religiosas do Instituto de História da UFRJ.

Local: Encontro às 12h45, em frente à Igreja de Santa Rita, no Largo de Santa Rita, próximo às ruas Marechal Floriano e Miguel Couto.

Investimento: R$ 30.

INSCREVA-SE AQUI.

Evento “Quilombolas”

Na sede do TRF2, à Rua Acre, 80, haverá a seguinte programação:

21/11, 15h: Exposição

23/11, das 9h às 17h: Seminário Quilombolas: aspectos políticos, jurídicos e políticas públicas inclusivas consequentes à edição do Decreto nº 4887/2003 e do julgamento da ADI nº 3239.

24/11, 10h: Ato inter-religioso e descerramento de placa alusiva ao reconhecimento de vestígios de ancestrais africanos na região da Pequena África.

Atunwaye: o retorno dos ancestrais

Segundo a crença iorubá, os ancestrais têm liberdade para retornar à terra.

Esse “retorno” (atunwaye) admitia simultaneamente três modalidades bastante diferentes:

  • ipadawaye (“renascimento do ancestral”)
  • akudaaya (“reaparição”)
  • abiku (“nascer para morrer”)

O primeiro caso (atunwaye ipadawaye) vem inferido dos nomes que se dão às crianças natas logo após o falecimento dos avós: Babátúndé (“o pai retornou”) ou Yétúndé (“a mãe retornou”).

O segundo caso (atunwaye akudaaya) se refere a manifestações físicas de mortos cuja missão na terra teria ficado inconclusa.

A última modalidade (atunwaye abiku) explicaria a tentativa reiterada de sobrevivência da prole quando muitas crianças falecem sucessivamente em uma família, desgraça atribuída à atuação de espíritos malignos; porém essa crença praticamente desapareceu quando o advento da medicina científica evidenciou as causas naturais do óbito infantil.

São erros comuns interpretar:

  • atunwaye ipadawaye (“renascimento do ancestral”) como metempsicose
  • atunwaye akudaaya (“reaparição”) como metassomose
  • atunwaye abiku (“nascer para morrer”) como palingenesia

Por desgraça, é frequente traduzir erroneamente o termo iorubá atunwaye por “reencarnação”.

O verbete “reencarnação” costuma ser utilizado de forma imprópria — mesmo em publicações científicas — para aludir à transmigração das almas dos mortos a novos corpos que seriam reanimados por elas (palingenesia), ou à transferência de caracteres psico-físicos de um morto a outrem (metempsicose e metassomatose).

O neologismo reincarnatio — “reentrada (de uma alma) no corpo” — deve ser rechaçado pois foi construído de forma artificial depois do século XVI sobre o antiquíssimo conceito da Encarnação, radicalmente diverso. Aliás, conforme o Dicionário Houaiss, o vocábulo português “reencarnação” é datado de 1899.

Por Encarnação se expressa a união hipostática do “Verbo” (λόγος) divino com a “carne” (σάρξ, em hebraico: basar) humana (cf. Jo 1,1-18; 1Jo 4,2; 2Jo 2,7). Na Bíblia a “carne” não designa o corpo, mas a substância muscular do homem e do animal diversa dos ossos e do sangue (cf. Ex 4,7; 9,4; 30,25; 41,2), e que define o parentesco esponsal, familiar ou tribal, popular ou racial (cf. Gn 2,23s; 29,14; 2Sm 5,1; Rm 11,14); designa também tudo o que é terreno, distinto do espírito e, por isso, incapaz de herdar a glória (cf. Jo 3,3-6; 6,63; 1Cor 15,39.50; Cl 3,22).

O retorno (atunwaye) dos ancestrais consiste na presença revigorante, junto à sua linhagem, de sua força ou sopro vital (ẹ̀mí). Mas os ancestrais continuam a viver no “céu” (ọ̀run-odò), enquanto seus descendentes vivem na “terra” (ayé). Traduzir atunwaye como “reencarnação” seria, portanto, colonialismo cultural europeu do século XIX (ao estilo espírita).