Escravizados: banco de dados sobre as vítimas do tráfico transatlântico

Acaba de ser lançado o site Enslaved: Peoples of the Historic Slave Trade. É um banco de dados gratuito que permite a busca por africanos escravizados ao redor do mundo.

O recurso vem à luz no contexto norte-americano de comemoração dos 400 anos da chegada dos primeiros escravos à colônia inglesa da Virgínia em 1619.

O projeto, dirigido por cientistas da Michigan State University, estreou com informações sobre 500.000 africanos, cujos nomes e circunstâncias foram coletados por grandes historiadores da escravidão. Proximamente serão agregados novos registros étnicos, populacionais e geográficos.

Salve o link!

Projeto Salvador Escravista

Mapa do projeto, feito na plataforma Esri

Como a cidade de Salvador lida com as memórias da escravidão e do tráfico transatlântico de pessoas escravizadas?

O assassinato de George Floyd nos EUA, a derrubada da estátua do traficantes de africanos escravizados Edward Colston na Inglaterra, e a atuação do movimento Black Lives Matter criaram um ambiente propício para a discussão do impacto do racismo e da desigualdade na organização das sociedades.

O assunto sempre esteve no radar dos movimentos sociais e na agenda dos historiadores da África, do tráfico transatlântico e da escravidão, mas a repercussão social e política permitiu que o tema ganhasse relevância midiática.

Em tal contexto, o projeto SALVADOR ESCRAVISTA busca promover saberes históricos em afinidade com esses valores e com a difusão do saber acadêmico. Pretende assim contribuir para o ensino de história nos níveis fundamental e médio, servindo como uma ferramenta de pesquisa sobre a história da cidade de Salvador e o impacto da escravidão na sociedade soteropolitana, representada, entre outros aspectos, pelas homenagens em estátuas, prédios e nomes de ruas.

Os locais estão identificados no site na seção “MAPA” através de marcadores e verbetes. Cada um dos verbetes vem acompanhado por textos curtos e indicação de leitura para aqueles que desejam aprofundar em determinados temas.

SALVADOR ESCRAVISTA é um projeto colaborativo e incremental que conta com a participação de especialistas em diversas áreas: história da África, comércio transatlântico de pessoas escravizadas, escravidão atlântica e pós-abolição nas Américas etc.

Perguntas, sugestões e informações podem ser enviadas a ssaescravista@gmail.com.

Instagram: instagram.com/ssaescravista
Facebook: facebook.com/ssaescravista
Twitter: twitter.com/ssaescravista

Informações arqueológicas oficiais sobre Santa Rita

Em verde, a área do cemitério de pretos novos de Santa Rita.

Em novembro de 2019, durante o V Seminário de Preservação de Patrimônio Arqueológico, realizado no Museu de Astronomia e Ciências Afins, a equipe do programa de gestão do patrimônio arqueológico e histórico na área de instalação da linha do VLT em Santa Rita apresentou uma comunicação sobre o material ósseo coletado. Tornou-se público que, com o objetivo de delimitar o cemitério, foram feitas 17 sondagens sob o leito dos trilhos e outras 22 sondagens em pontos estratégicos ao redor. Oito delas forneceram resultados positivos para a presença de contexto cemiterial. No total, foram resgatados 2.319 elementos ósseos em elevado grau de fragmentação, grande parte com menos de três centímetros.

A monumental documentação de encerramento do processo, porém, só seria publicada a 13 de maio passado, perfazendo mais de duas mil páginas:

GASPAR, Maria Dulce (coord.). Programa de Gestão do Patrimônio Arqueológico e Histórico da Área de Implantação do Sistema Veículo Leve Sobre Trilhos – VLT e Respectivas Paradas para Acesso de Passageiros – Trecho L900 – Centro, Rio de Janeiro/RJ e Área de Ampliação. Relatório Final – 8 volumes. Artefato Arqueologia, processo nº 01500.002422/2017‐06. Rio de Janeiro: 13/5/2020.

O sítio de Santa Rita representa uma parte significativa dos oito volumes de informação sobre as áreas afetadas pela implantação do VLT. O relatório final sublinha que os “ossos humanos, quando evidenciados em contexto, foram identificados pela equipe de bioarqueólogos, registrados em fichas específicas e croquis e protegidos, encerrando-se as escavações”.

Remanescentes humanos em contexto anatômico apenas foram encontrados em uma caixa e em duas sondagens. Por outro lado, os demais ossos dispersos por interferências recentes, encontrados no Largo de Santa Rita entre 40 e 70 centímetros de profundidade, apresentavam tal grau de fragmentação que se tornou impraticável estimar o número, a idade e o sexo dos indivíduos. No entanto, graças à presença de restos dentários, foi possível compor uma amostra de pelo menos nove pessoas jovens, entre 8 e 17 anos. Alguns eram modificados, ao estilo “dente de piranha”, típico da África Centro-ocidental. A análise das escavações levou à conclusão de que “o contexto do cemitério estava à ‘flor da terra’” e de que “havia densidade significativa de sepultamentos”.

Além de descrever em pormenor os demais sítios afetados pelo empreendimento, o relatório também contém dados interessantíssimos sobre a configuração da antiga vala da Cidade, cuja contenção em alvenaria de rochas e arco de tijolo maciço condiz com as descrições de época.

O documento tem dificuldade para articular com clareza os dados arqueológicos com a narrativa histórica do bairro da Vila Verde. Mesmo assim, as imprecisões costumeiras sobre o Largo de Santa Rita — supô-lo não urbanizado, reduzido ou inabitado no período de operação do cemitério — são definitivamente contraditadas pela aparição de porcelana chinesa do século XVII nas casas de seu entorno. Portanto, o Terreiro da Prainha já era então bem delimitado e ocupava uma área de 1.398,24 m². Aliás, o testemunho residual de um sambaqui e presença de material lítico e cerâmico pré-colonial atestam que a presença humana nessa região vem de longa data.

5 formas de utilizar o conceito de fronteira

A “Universidade Livre do Leme”, com seu curso contínuo e aberto de Filosofia na Praia, apresentará as diversas “fronteiras filosóficas” com que o Rio de Janeiro setecentista pode ser analisado e explicado.

A atividade, regularmente realizada em um quiosque da Praia do Leme, procura divulgar temas filosóficos para o grande público.

No sábado dia 23 de novembro, das 11 às 12h, a pauta será a freguesia de Santa Rita.

A palestra terá por título Rio Colonial: Fronteiras Filosóficas. O objetivo é indicar cinco abordagens diferentes do Rio de Janeiro colonial, por meio do conceito de fronteira:

Cemitério de Rosas Negras

A segunda edição do Seminário Morte, Arte Fúnebre e Patrimônio: interlocuções, lugares e documentos post mortem ocorrerá nos dias 16 e 17 de outubro de 2019 no Centro Cultural de Ciência e Tecnologia da UFRJ, uma realização do Grupo de Pesquisas Paisagens Híbridas (EBA/UFRJ), do Grupo de Estudos de Arquitetura Cemiterial (EAU/UFF) e do Laboratório de Ensino de História (Universidade Federal de Pelotas).

O Seminário pretende alinhar argumentos que estruturam as reflexões gerais em torno da natureza e limites do conhecimento humano no que diz respeito à morte, aos ritos, às práticas culturais dos cuidados dados aos mortos, à certificação do cadáver como documento e às paisagens constituídas com base nos fatos que definem o universo físico e metafísico no âmbito da finitude humana.

Na mesa do dia 17, às 10h, será apresentada a comunicação As Rosas Negras do Cemitério de Pretos Novos de Santa Rita: sinais de um patrimônio invisível, que tem o seguinte resumo:

No Largo de Santa Rita, no Centro do Rio de Janeiro, houve durante o século XVIII um cemitério para africanos escravizados recém-chegados, que morreram antes de ser vendidos. Em 1774 o tráfico negreiro e seu respectivo cemitério foram transferidos ao Valongo, subúrbio pertencente à mesma freguesia de Santa Rita. O antigo cemitério foi esquecido, mas a recente instalação do VLT carioca no Largo de Santa Rita ocasionou uma contestação dos movimentos sociais sobre a legitimidade das pesquisas arqueológicas na região. Como sucedâneo à necessária rememoração desses mortos, o IPHAN propôs a representação de rosas negras no chão do cemitério, que continua servindo de logradouro público. A análise das contradições políticas do episódio e o estranhamento diante da não-paisagem de Santa Rita reclamam da academia e das instituições públicas respostas mais robustas, cujas linhas serão sugeridas na conclusão.

O que é diáspora

Diáspora vem do grego δια + σπείρω, “semear através”, ou seja, dispersar.

Três enfoques podem ser dados ao termo, e que devem ser utilizados com rigor:

Exílio

Diáspora foi originalmente um conceito exclusivo da experiência judaica de expatriação e dispersão por vários países. Subjaz a ideia de deslocamento forçado, com todos os seus traumas.

Sonho do retorno

Violências alimentam o desejo de recuperar a pátria perdida. Com esse tipo de abordagem, diáspora pôde ser aplicada analogicamente, por exemplo, às populações armênias e africanas.

Comunidade transnacional

O uso impróprio e sub-acadêmico do termo diáspora fez com que o conceito designasse qualquer grupo cujas relações sociais, econômicas e políticas atravessem as fronteiras nacionais: imigrantes, trabalhadores temporários, minorias, refugiados, peregrinos.

Árvore do esquecimento ou da memória?

Laurentino Gomes lança sua nova sequência de livros sobre história do Brasil, dessa vez sobre a escravidão.

Um tema que ele recordou recentemente foi a Árvore do Esquecimento em Ajudá (Ouidah), atual Benin.

Sabemos que a memória muitas vezes inventa a história.

No caso em questão, a tradição sobre tal árvore foi criada em 1992, durante o Festival Ouidah 1992, cujo objetivo foi valorizar a tradição vodu do país.

Logotipo do Festival Ouidah 1992

A bem da verdade, nenhuma fonte de época fala das Árvores do Esquecimento e do Retorno. O que sim existe é uma referência às três voltas que o Yovogan da cidade e os seus oficiais davam a uma árvore, a título de boas-vindas, quando recebiam os traficantes europeus.

Também se recorda a árvore sob a qual o rei Agajá de Daomé (1673-1740) bebeu gim europeu pela primeira vez, após destruir o reino de Hueda e arrebatar a cidade de Ajudá em 1727.

Árvore do Retorno em Ajudá (Ouidah), Benin.

Mais do que históricos, esses monumentos de memória são um modo contemporâneo de a população do Benin lidar com o triste passado de Daomé, um Estado predatório que exportou milhares de pessoas escravizadas para o Brasil, especialmente para o Recôncavo Baiano (os jejes), nos séculos XVIII e XIX.

Alguns poucos navios oriundos de Ajudá também vieram ao Rio de Janeiro. É o caso, por exemplo, da corveta do capitão Francisco Antônio de Etrê, morador da rua dos Ourives (atual Miguel Couto), que trouxe consigo 306 cativos em 1766. Dessas pessoas, estima-se que uma delas morreu durante a viagem. É provável que outras 12 tenham falecido no Rio de Janeiro antes de serem vendidas, sendo então enterradas no cemitério de Santa Rita.

Gestão do patrimônio

Diversos eventos agitam nos próximos dias o Rio de Janeiro sobre a temática do patrimônio:

  • Heranças da Escravatura, sobre a gestão de sítios (21 de maio)
  • Patrimônio Cultural em Debate, sobre a gestão de imóveis (22 de maio)
  • Seminário de Patrimônio Histórico, sobre a preservação dos bens culturais da Arquidiocese (3 a 7 de junho)

Letras e gastronomia

Na Semana da Consciência Negra, o Saberes e Sabores convida para uma viagem pela literatura brasileira, angolana e moçambicana, temperada com os aromas da gastronomia dos três países.

O encontro será quarta-feira, 21 de novembro, 19h, e começa com uma conversa sobre as aproximações entre os escritores do Brasil, Angola e Moçambique em meio às tensões e desafios nacionais do século XX. 

O tema será apresentado pelo professor Alexandre Montaury, Diretor do Departamento de Letras da PUC-Rio, que irá abordar a proximidade dos projetos literários de escritores comprometidos com as lutas anticoloniais na África, anti-Salazarista em Portugal e de esquerda no Brasil. Serão tratados textos de José Luandino Vieira, Ruy Duarte de Carvalho, Rui Knopfli, Noémia de Sousa, Costa Andrade, Mia Couto, entre outros.

Após a palestra, será o momento de degustar pratos preparados pela chef Dida Nascimento, uma brasileira apaixonada pela cozinha africana, que há anos pesquisa os ingredientes, receitas e hábitos alimentares de vários países da África.

O encontro será  na sede do Centro Loyola PUC-Rio, na Estrada da Gávea, 1.

O valor da inscrição para palestra+degustação é de R$ 60. Estudantes de graduação de qualquer curso ou universidade pagam R$ 40.

Inscrições aqui.