Escravizados: banco de dados sobre as vítimas do tráfico transatlântico

Acaba de ser lançado o site Enslaved: Peoples of the Historic Slave Trade. É um banco de dados gratuito que permite a busca por africanos escravizados ao redor do mundo.

O recurso vem à luz no contexto norte-americano de comemoração dos 400 anos da chegada dos primeiros escravos à colônia inglesa da Virgínia em 1619.

O projeto, dirigido por cientistas da Michigan State University, estreou com informações sobre 500.000 africanos, cujos nomes e circunstâncias foram coletados por grandes historiadores da escravidão. Proximamente serão agregados novos registros étnicos, populacionais e geográficos.

Salve o link!

Disputas acadêmicas em torno ao Cais do Valongo

O Cais do Valongo foi aclamado como Patrimônio Mundial, na categoria de patrimônio sensível, por materializar um crime contra a humanidade.

O Cais do Valongo simboliza todo o sistema envolvido no tráfico em massa de escravos africanos para as Américas. E o Rio de Janeiro foi a cidade na qual esse sistema teve o mais amplo desenvolvimento.

No período do tráfico, isto é, até 1831, o sistema escravagista envolvia, pelo menos, fiscalização sanitária, quarentena, fiscalização alfandegária, lojas e cemitério.

A construção do Cais do Valongo foi uma iniciativa da monarquia e, portanto, era diferente de todos os demais trapiches privados que pagavam laudêmio no Rio de Janeiro. Foi construído com dinheiro público, levantado por meio de um imposto cobrado aos traficantes de escravos.

Algumas vozes se alçaram contra a celebrização do Cais, afirmando que são escassas as informações sobre ele. Os dados historiográficos de fato são mínimos. No entanto, a argumentação contrária ainda não apresentou argumentos sólidos contra a pesquisa arqueológica e a sua inserção na logística portuária escravagista.

Saiba mais a respeito na live da Casa das Artes, quarta-feira, 18 de novembro, às 19h.

Próximas palestras sobre o Cemitério de Pretos Novos de Santa Rita

Duas apresentações online sobre o Cemitério de Pretos Novos de Santa Rita serão realizadas em breve:

Projeto Salvador Escravista

Mapa do projeto, feito na plataforma Esri

Como a cidade de Salvador lida com as memórias da escravidão e do tráfico transatlântico de pessoas escravizadas?

O assassinato de George Floyd nos EUA, a derrubada da estátua do traficantes de africanos escravizados Edward Colston na Inglaterra, e a atuação do movimento Black Lives Matter criaram um ambiente propício para a discussão do impacto do racismo e da desigualdade na organização das sociedades.

O assunto sempre esteve no radar dos movimentos sociais e na agenda dos historiadores da África, do tráfico transatlântico e da escravidão, mas a repercussão social e política permitiu que o tema ganhasse relevância midiática.

Em tal contexto, o projeto SALVADOR ESCRAVISTA busca promover saberes históricos em afinidade com esses valores e com a difusão do saber acadêmico. Pretende assim contribuir para o ensino de história nos níveis fundamental e médio, servindo como uma ferramenta de pesquisa sobre a história da cidade de Salvador e o impacto da escravidão na sociedade soteropolitana, representada, entre outros aspectos, pelas homenagens em estátuas, prédios e nomes de ruas.

Os locais estão identificados no site na seção “MAPA” através de marcadores e verbetes. Cada um dos verbetes vem acompanhado por textos curtos e indicação de leitura para aqueles que desejam aprofundar em determinados temas.

SALVADOR ESCRAVISTA é um projeto colaborativo e incremental que conta com a participação de especialistas em diversas áreas: história da África, comércio transatlântico de pessoas escravizadas, escravidão atlântica e pós-abolição nas Américas etc.

Perguntas, sugestões e informações podem ser enviadas a ssaescravista@gmail.com.

Instagram: instagram.com/ssaescravista
Facebook: facebook.com/ssaescravista
Twitter: twitter.com/ssaescravista

3 vetores de ocupação do Rio de Janeiro Colonial

O curso online, promovido pelo Centro Loyola da PUC-Rio, tratará dos três vetores da ocupação e urbanização do Rio de Janeiro durante o período colonial, com ênfase na participação da Igreja nessa dinâmica.

Para isso, serão explicadas as distintas categorias de fiéis católicos e o papel que cada uma delas desempenhou na implantação do Rio de Janeiro, a começar pela fundação da cidade no século XVI, com a disputa entre franceses e portugueses pela Guanabara.

O curso contemplará tanto a instalação das primeiras ordens religiosas nos quatro morros da ocupação original, quanto a atuação dos “padres fazendeiros” no século XVII.

Seguidamente, será abordada a criação das freguesias urbanas e rurais por parte da administração eclesiástica secular, durante o período setecentista, com particular atenção à questão escravagista na freguesia de Santa Rita.

Será esmiuçada, por fim, a participação das devoções e irmandades leigas na ocupação do velho rossio, para além do muro idealizado após as invasões francesas de 1710 e 1711.

QUANDO: Segundas-feiras. Dias 14, 21 e 28 de setembro e 5 de outubro de 2020, das 19h às 21h.

INSCRIÇÕES: http://www.centroloyola.puc-rio.br/cursos/curso-on-line-a-igreja-no-rio-de-janeiro-colonial-ocupacao-e-urbanizacao/

Informações arqueológicas oficiais sobre Santa Rita

Em verde, a área do cemitério de pretos novos de Santa Rita.

Em novembro de 2019, durante o V Seminário de Preservação de Patrimônio Arqueológico, realizado no Museu de Astronomia e Ciências Afins, a equipe do programa de gestão do patrimônio arqueológico e histórico na área de instalação da linha do VLT em Santa Rita apresentou uma comunicação sobre o material ósseo coletado. Tornou-se público que, com o objetivo de delimitar o cemitério, foram feitas 17 sondagens sob o leito dos trilhos e outras 22 sondagens em pontos estratégicos ao redor. Oito delas forneceram resultados positivos para a presença de contexto cemiterial. No total, foram resgatados 2.319 elementos ósseos em elevado grau de fragmentação, grande parte com menos de três centímetros.

A monumental documentação de encerramento do processo, porém, só seria publicada a 13 de maio passado, perfazendo mais de duas mil páginas:

GASPAR, Maria Dulce (coord.). Programa de Gestão do Patrimônio Arqueológico e Histórico da Área de Implantação do Sistema Veículo Leve Sobre Trilhos – VLT e Respectivas Paradas para Acesso de Passageiros – Trecho L900 – Centro, Rio de Janeiro/RJ e Área de Ampliação. Relatório Final – 8 volumes. Artefato Arqueologia, processo nº 01500.002422/2017‐06. Rio de Janeiro: 13/5/2020.

O sítio de Santa Rita representa uma parte significativa dos oito volumes de informação sobre as áreas afetadas pela implantação do VLT. O relatório final sublinha que os “ossos humanos, quando evidenciados em contexto, foram identificados pela equipe de bioarqueólogos, registrados em fichas específicas e croquis e protegidos, encerrando-se as escavações”.

Remanescentes humanos em contexto anatômico apenas foram encontrados em uma caixa e em duas sondagens. Por outro lado, os demais ossos dispersos por interferências recentes, encontrados no Largo de Santa Rita entre 40 e 70 centímetros de profundidade, apresentavam tal grau de fragmentação que se tornou impraticável estimar o número, a idade e o sexo dos indivíduos. No entanto, graças à presença de restos dentários, foi possível compor uma amostra de pelo menos nove pessoas jovens, entre 8 e 17 anos. Alguns eram modificados, ao estilo “dente de piranha”, típico da África Centro-ocidental. A análise das escavações levou à conclusão de que “o contexto do cemitério estava à ‘flor da terra’” e de que “havia densidade significativa de sepultamentos”.

Além de descrever em pormenor os demais sítios afetados pelo empreendimento, o relatório também contém dados interessantíssimos sobre a configuração da antiga vala da Cidade, cuja contenção em alvenaria de rochas e arco de tijolo maciço condiz com as descrições de época.

O documento tem dificuldade para articular com clareza os dados arqueológicos com a narrativa histórica do bairro da Vila Verde. Mesmo assim, as imprecisões costumeiras sobre o Largo de Santa Rita — supô-lo não urbanizado, reduzido ou inabitado no período de operação do cemitério — são definitivamente contraditadas pela aparição de porcelana chinesa do século XVII nas casas de seu entorno. Portanto, o Terreiro da Prainha já era então bem delimitado e ocupava uma área de 1.398,24 m². Aliás, o testemunho residual de um sambaqui e presença de material lítico e cerâmico pré-colonial atestam que a presença humana nessa região vem de longa data.

Tese sobre o Cemitério de pretos novos de Santa Rita

O tráfico negreiro pressupôs a instalação de um complexo escravagista no Rio de Janeiro colonial, o qual incluía, entre outras instâncias (controle sanitário, aduana, lojas etc.), um cemitério exclusivo para os africanos recém-chegados ao Brasil (“pretos novos”) que não resistissem ao translado para a América.

Essas pessoas anônimas, cuja história se desconhecia, representam fronteiras étnicas, geográficas e escatológicas. Mas por meio de seus remanescentes arqueológicos, presentes nos cemitérios da freguesia de Santa Rita, os pretos novos podem alçar a sua voz silenciosa para fazer parte, pela primeira vez, da memória brasileira.

LEIA A TESE AQUI

Mother Bethel Burying Ground, 1810-1864

Foto de Patrice L. Jeppson (PAF ), 24/7/2014

O African Burial Ground de Nova Iorque não é o único cemitério de escravizados pesquisado nos Estados Unidos. Além da necrópole encontrada no Harlem, também há outra na Pensilvânia. Vale a pena conhecer o projeto Queen Village Weccacoe Park & the Bethel Burying Ground.

Após a controvérsia que levou a não se fazer o salvamento arqueológico do Cemitério de Pretos Novos de Santa Rita, sobre o qual passou a linha 3 do VLT, vale a pena recordar que os estudos arqueológicos realizados no African Burial Ground de Nova Iorque foram muito benéficos, pois

[…] expandiram nossa visão das lesões violentas (fraturas em espiral), trabalho extenuante (inserção do músculo robusto e degeneração das articulações dos ossos) e doenças. Uma bala de mosquete encravada em um esqueleto indica um crime letal ou para uma execução. Uma mãe foi enterrada com sua criança no útero. Abotoaduras ilustram a natureza das posses enterradas com os corpos. Um arranjo de tachas em forma de coração em um ataúde do African Burial Ground se parece com um símbolo adinkra encontrado em Gana, na África Ocidental, chamado Nya Akoma (‘‘paciência, resistência”). Elementos da cultura ganense, como os nomes dos dias, são bem documentados nos casos de influência africana, sobrevivência e transformação nas Américas. Pesquisas cranianas e de DNA (ácido desoxirribonucleico) ligaram os enterramentos às populações axântis, iorubás, senegambianas e ibo, entre outras. O estudo do cemitério nova-iorquino tornou-se um projeto altamente politizado à medida que pessoas descendentes de africanos lutaram por representação no projeto e pelo direito de estipular o que eles sentiam que eram cerimônias comemorativas apropriadas.

FÁLO̩LÁ, Tóyìn; WARNOCK, Amanda (ed.).
Encyclopedia of the Middle Passage.
Westport: Greenwood Press, 2007, p. 42.

Harlem’s African Burial Ground

A descoberta do African Burial Ground no centro cívico de Manhattan em 1991 foi um marco para a memória afro-americana nos EUA. Transformado em Monumento Nacional em 2006, esse cemitério não é, porém, o único que tem sido pesquisado.

Na própria cidade de Nova Iorque outra experiência semelhante gira em torno a uma recém-descoberta necrópole do século XVII, situada no Harlem.

Vale a pena conhecer o 126th Street Harlem African Burial Ground Memorial and Mixed-Use Project.

Seria muito bom que iniciativas como essa norteassem as decisões políticas e ampliasse a visão científica e religiosa no que tange ao Cemitério de Pretos Novos de Santa Rita.

Cemitério de Rosas Negras

A segunda edição do Seminário Morte, Arte Fúnebre e Patrimônio: interlocuções, lugares e documentos post mortem ocorrerá nos dias 16 e 17 de outubro de 2019 no Centro Cultural de Ciência e Tecnologia da UFRJ, uma realização do Grupo de Pesquisas Paisagens Híbridas (EBA/UFRJ), do Grupo de Estudos de Arquitetura Cemiterial (EAU/UFF) e do Laboratório de Ensino de História (Universidade Federal de Pelotas).

O Seminário pretende alinhar argumentos que estruturam as reflexões gerais em torno da natureza e limites do conhecimento humano no que diz respeito à morte, aos ritos, às práticas culturais dos cuidados dados aos mortos, à certificação do cadáver como documento e às paisagens constituídas com base nos fatos que definem o universo físico e metafísico no âmbito da finitude humana.

Na mesa do dia 17, às 10h, será apresentada a comunicação As Rosas Negras do Cemitério de Pretos Novos de Santa Rita: sinais de um patrimônio invisível, que tem o seguinte resumo:

No Largo de Santa Rita, no Centro do Rio de Janeiro, houve durante o século XVIII um cemitério para africanos escravizados recém-chegados, que morreram antes de ser vendidos. Em 1774 o tráfico negreiro e seu respectivo cemitério foram transferidos ao Valongo, subúrbio pertencente à mesma freguesia de Santa Rita. O antigo cemitério foi esquecido, mas a recente instalação do VLT carioca no Largo de Santa Rita ocasionou uma contestação dos movimentos sociais sobre a legitimidade das pesquisas arqueológicas na região. Como sucedâneo à necessária rememoração desses mortos, o IPHAN propôs a representação de rosas negras no chão do cemitério, que continua servindo de logradouro público. A análise das contradições políticas do episódio e o estranhamento diante da não-paisagem de Santa Rita reclamam da academia e das instituições públicas respostas mais robustas, cujas linhas serão sugeridas na conclusão.

Redescobrir a Pequena África na Zona Portuária do Rio de Janeiro

Ocorrerá, de 21 a 25 de outubro de 2019 na Universidade Veiga de Almeida:

2º Encontro Internacional História & Parcerias
6º Seminário Fluminense de Pós-Graduandos em História
5ª Jornada do Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde

No Simpósio Temático 47 (Residência Pedagógica: formação e prática a partir do chão da escola), coordenado pelo Professor Giovanni Codeça da Silva, em sessão do dia 25/10, das 13h30 às 17h30, será apresentada a comunicação sobre a freguesia de Santa Rita.

A comunicação é denominada Caminhos da memória. Eis o resumo:

O sistema escravagista no Rio de Janeiro se desenvolveu em distintos períodos, apoiando-se em diversos equipamentos urbanos hoje conservados como monumentos históricos. Até 1774, o tráfico funcionou na Rua Primeiro de Março. Crescendo a necessidade de espaço no século XVIII para o enterro de pretos novos, a igreja de Santa Rita, situada no Bairro da Vila Verde, assumiu a cura pastoral dos africanos escravizados recém-chegados ao Rio. Com os esforços da Câmara para transferir o tráfico para fora dos muros da cidade colonial, a urbanização se estendeu da Vila Verde para o subúrbio do Valongo, que passou a funcionar como “gueto” escravagista a partir de 1774 a 1831.

Desde os anos 1980, o território da freguesia de Santa Rita recobrou interesse político, histórico, turístico e religioso, passando por um processo de “reafricanização” que culminou com a declaração do Cais do Valongo Patrimônio Mundial em 2017.

Com o objetivo de ajudar estudantes do Ensino Médio a compreender o papel histórico desses marcos, foram organizadas aulas expositivas e atividades de campo no Colégio Estadual Antônio Prado Júnior. Além de aplicar a Lei nº 10.639/2003, a iniciativa serviu à difusão da história pública, graças à participação de estudantes do PIBID e residência.

Os alunos foram previamente instruídos com mapas e depois conduzidos pelas ruas. Posteriormente, outra vez em sala de aula, foi possível debater suas impressões. A avaliação consiste tanto no envolvimento dos em sala, quanto da capacidade de identificar os lugares estudados ao visitá-los.

Campo útil de discussão é a conceituação de “subúrbio”, denominação aplicada ao Valongo desde o século XVIII, e que antecipa em cem anos a problemática das periferias cariocas. Outra vantagem da atividade é ensinar como são construídas as narrativas de memória.