Lançamento virtual

Sábado 25 de abril, a partir das 11h, participe de um bate-papo de lançamento virtual do livro O Rio de Janeiro entre conquistadores e comerciantes.

Além do autor, João Carlos Nara Jr., também falarão o historiador e jurista Daniel Pêcego e o historiador da arte Daniel Forain.

Conheça detalhes insuspeitados do Rio de Janeiro colonial e adquira o cupom de desconto se quiser comprar o livro!

Rio de Janeiro setecentista

Compre aqui. A imagem é simbólica, pois o livro só tem 100 páginas!

Uma boa história contém rostos com nome e sobrenome. Estamos fartos daquelas narrativas sobre classes, coletivos, causas e efeitos, bons e maus, oprimidos e vencedores, feita de uma massa de anônimos. Também ansiamos por uma história abrangente, que contemple não apenas os colonizadores europeus, os caciques derrotados e os potentados africanos, mas também a gente da rua, o proprietário da esquina, a pessoa de carne e osso.

Encontramos isso ao estudar a freguesia de Santa Rita. Na época em que o Rio de Janeiro colonial ainda possuía uma muralha na altura da atual Rua Uruguaiana, um fidalgo resolveu construir uma capela familiar para a sua santa de devoção, a italiana Rita de Cássia, então recém-beatificada. A igrejinha, próxima da muralha, viria a se tornar a matriz dessa bela região exterior, pontilhada de chácaras, a que hoje damos o nome de Porto Maravilha. Berço do samba, útero da Pequena África, mãe da alma carioca, ali se instalou o sistema escravagista até a abolição do tráfico em 1831.

Mas quem foi Manoel Nascentes Pinto (1672-1731), esse fidalgo que construiu a matriz de Santa Rita? Qual era a sua função na Alfândega do Rio de Janeiro, onde trabalhava? Quem eram seus parentes? Que rede de relações sociais construíram? — Por meio dessas e doutras indagações, é possível fazer uma instigante aproximação a um período pouco explorado da história do Brasil, quando os conquistadores do século XVII cediam seu espaço político para a ascensão dos comerciantes do século XVIII.

Patrimônio imaterial fluminense

SEMINÁRIO DE PATRIMÔNIO IMATERIAL DO INEPAC

O Instituto Estadual do Patrimônio Cultural promove no dia 17 de dezembro, das 14h às 19h, na Biblioteca Parque, o I SEMINÁRIO DE PATRIMÔNIO IMATERIAL DO INEPAC.

PROGRAMAÇÃO:
14h Abertura
Secretária de Estado de Cultura e Economia Criativa Dra. Danielle Barros
Diretor-geral do INEPAC Prof. Claudio Prado de Mello

14h20 Palestra: “A Implantação dos Procedimentos da Política Estadual do Patrimônio Cultural Imaterial no Rio de Janeiro”. Prof. Leon Araújo (Diretor do DPI-INEPAC)

14h50 Palestra: “O histórico das Folias de Reis no Estado do Rio de Janeiro”. Prof. Afonso Furtado.

15h30 Coffee-break e abertura da exposição “Toy Art Mascarados / Série Bate-Bolas Pirulito”.

16h Palestra: “As Celebrações do Dia de São Jorge no Estado do Rio de Janeiro”.
Assessor Sandro Capadócia (SETUR).

16h40 Palestra: “A história do fidalgo que trouxe ao Brasil a devoção a Santa Rita: religiosidade popular, rede de influências e casamentos estratégicos no Rio de Janeiro do século XVIII”. Lançamento do livro: “O Rio de Janeiro entre conquistadores e comerciantes”. Prof. João Carlos Nara Júnior.

17h20 Mesa Redonda: “A Cultura Batebolesca e de Clóvis Fluminense”.
Marcelo Índio (Turma do Índio)
Everton Miranda (Turma Animação)
Profa. Monique Bezerra da Silva (LTDS/COPPE/UFRJ)
Profa. Priscila Andrade (PUC-RJ)
Prof. Nilton Gamba Jr. (PUC-RJ)
Profa. Paula Cruz (PUC-RJ)
Prof. Humberto Barros (PUC-RJ)

18h “Apresentação da Cultura das turmas de carnaval: Clóvis e Bate-bolas”.
Turma Animação.

INFORMAÇÕES E RESERVAS:
eventosinepac@gmail.com (lotação 70 pessoas)

Livro, arte, devoção

  • A Faculdade de São Bento do Rio de Janeiro abre suas portas para o Seminário Permanente sobre Arte e Devoção. A proposta é difundir o conhecimento científico em diálogo com os diversos ramos do conhecimento humano.

Nos meses de setembro e outubro as comunicações desse evento gratuito serão voltadas para a história do livro, na sua dupla acepção de livros civis e litúrgicos.

Os interessados deverão confirmar presença por e-mail.

No dia 30 de setembro, às 16h20, a apresentação será O Breve apostólico dos privilégios de Santa Rita.

A palestra abordará a análise paleográfica de um documento pontifício de 1726 sobre o uso permitido da capela de Santa Rita, que afetou a urbanização do sítio do Valverde, no atual Centro do Rio.

Livro sobre o fundador de Santa Rita!

Em dezembro será lançado o livro O Rio de Janeiro entre conquistadores e comerciantes: Manoel Nascentes Pinto (1672-1731) e fundação da freguesia de Santa Rita.

A microanálise da vida de Manoel Nascentes Pinto (1672-1731), meirinho da Alfândega do Rio de Janeiro, permite conhecer como se cruzavam aspectos distintos da vida política fluminense no início do século XVIII, mediante a descrição das relações sociais desse fidalgo português, de suas pretensões religiosas e do papel desempenhado por ele na conjuntura econômica de então.

Paralelamente, ilumina pontos obscuros dos começos do sistema escravagista carioca, que seria fixado na freguesia de Santa Rita, primitivo subúrbio do Rio de Janeiro Colonial, cuja matriz foi por ele fundada.

ATUALIZAÇÃO: COMPRE O LIVRO AQUI.

300 anos da igreja de Santa Rita

Thomas Ender – Pfarre Sa. Rita in der Rua dos Pescadores (1817)

Em 2019 a Matriz de Santa Rita comemora 300 anos do lançamento de sua pedra fundamental.

Os documentos disponíveis permitem estabelecer com fundamentada segurança a seguinte cronologia para a igreja:

1710: Início da novena a Santa Rita

Isso se comprova pela tradição constante mantida anualmente. Com efeito, em 2019 será realizada a 309ª novena.


1718: Compra do terreno pela família Nascentes Pinto

A compra do terreno é atestada em uma escritura de venda de chão para a Irmandade de Santa Rita, de 2/12/1718, conservada no Arquivo Nacional. Ali se diz que o chão da capela tinha sido adquirido “recentemente”, provavelmente no mesmo ano.


1719: Lançamento da pedra fundamental

Diz o Resumo histórico, dados e informações sobre a Egreja Matriz de Santa Rita, conservado no Arquivo da Cúria Metropolitana da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro:

A primeira pedra [da igreja] foi lançada pelo Ex.mo Senhor Bispo D. Francisco de S. Jerônimo, antes de 1720, como algum [sic] tanto vagamente diz o Dr. Mello Moraes, em a Chronica geral e minuciosa do Império do Brasil [1879, p. 130].

O lançamento da pedra fundamental provavelmente ocorreu em 1719, ano em que o templo é mencionado pela primeira vez em cartas de aforamento do Arquivo da Santa Casa de Misericórdia.


1721: Doação da capela-mor

O documento de doação é conservado pelo Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro.


1728: Conclusão da nave da igreja

Como consta da fachada.


1751: Criação da Freguesia

A capela tornou-se sede da freguesia desmembrada da de Nossa Senhora da Candelária a 29 de janeiro de 1751.

A Alfândega do Rio de Janeiro

Thomas Ender, Hauptmauth / Alfândega, 1817.

A Alfândega do Rio de Janeiro foi criada como parte da Provedoria da Fazenda Real da capitania em 1566.

O edifício da Alfândega era vizinho ao Palácio dos Governadores, uma antiga propriedade do Provedor da Fazenda Real Pedro de Sousa Pereira, adquirida pela capitania em 1699. Esse palácio ficava onde hoje está o Centro Cultural Banco do Brasil, na rua Primeiro de Março. Entre 1743 e 1815, o edifício sediou o Erário Régio e a Junta Real da Fazenda, sendo por isso denominado “Casa dos Contos”. Em seguida abrigou, passando sucessivamente ao Banco do Brasil, Correios e Caixa de Amortização.

O trabalho fiscal aumentou significativamente com o ciclo aurífero a ponto de que fosse instituído em 1703 o novo ofício de Juiz e Ouvidor da Alfândega, distinto do de Provedor da Fazenda Real.

A descoberta das minas e a necessidade de um novo caminho para ouro transformaram o Rio de Janeiro em um entreposto estratégico para a Metrópole, mas também em um alvo para os aventureiros estrangeiros, particularmente os franceses.

Durante a invasão perpetrada por Jean Francois Du Clerc em 1710, tanto o Palácio dos Governadores quanto a antiga Alfândega sofreram sérias avarias por ocasião da explosão da Casa da Pólvora, que ficava próxima, vindo a falecer durante o incêndio o almoxarife Francisco Moreira da Costa, colega de Manoel Nascentes Pinto, o fundador da freguesia de Santa Rita.

O edifício seria depois reformado; mas, embora o serviço crescesse e o quadro funcional aumentasse, a Alfândega passou quedas na arrecadação tão graves que o prédio chegou a 1748 definitivamente arruinado.

Existe uma importante planta, anexa à solicitação de um novo edifício ao Conselho Ultramarino , feita a 14 de junho de 1748, pelo tenente-general engenheiro José Fernandes Pinto Alpoim.

A nova sede foi levantada em 1752, de cujo complexo existem algumas raras aquarelas do pintor vienense Thomas Ender (1793-1875). Corresponde à atual Casa França-Brasil, que também já serviu de sede do Tribunal do Júri.

Por esses edifícios passavam os escravos chegados ao Brasil após a quarentena, a fim de que se pagasse o fisco.

.

Administração colonial na primeira metade do século XVIII

O Arquivo Nacional publicou em 1985 uma importante obra coordenada por Graça Salgado:

SALGADO, Graça (coord.). Fiscais e meirinhos: a administração no Brasil colonial. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

A obra vem acompanhada de organogramas da gestão pública, o que facilita a compreensão dos cargos vigentes à época da criação da Freguesia de Santa Rita.

Como ilustração, vai a situação entre 1640 e 1750, quando Dom Manoel Nascentes Pinto trabalhava na Alfândega.