Docas Pedro II: prossegue o litígio

Cais do Valongo e Docas Pedro II (Foto: MPF)

O Ministério Público Federal no Rio de Janeiro solicitou à Justiça Federal que obrigue a União a cumprir seu compromisso de implementar o Centro de Interpretação do Cais do Valongo e o Memorial da Herança Africana nas dependências das Docas Pedro II.

O pedido tinha sido feito em uma ação civil pública contra a União e a Fundação Cultural Palmares em 2018. A instalação do Centro de Interpretação e do Memorial no Galpão Docas Pedro II é uma obrigação estabelecida pela Unesco e deveria ter sido cumprida até 2019. Novos prazos foram concedidos pela Justiça, porém não foram cumpridos pelo governo federal.

O projeto executivo, já concluído e debatido pelo Comitê Gestor do Cais do Valongo, custou R$ 2,2 milhões aos cofres públicos. O imóvel prossegue fechado desde 2021 e ainda não conta com proteção contra incêndio. A União alega que o problema é mais complexo do que a simples contratação de uma empresa para executar a obra, e que seria necessário contratar uma nova consultoria, adiando a obra eventualmente para o segundo semestre de 2025. Mas os procuradores da República consideram essa demora inaceitável.

Três questões se entrelaçam nesta disputa.

A primeira é a necessidade de dar ao Cais do Valongo um centro de referência, isto é, um instrumento que auxilie a sua interpretação, voltado para as pessoas que o visitam. De fato, o Cais do Valongo tinha sido proclamado Patrimônio Mundial com a condição de que fossem atendidas cinco recomendações emanadas pelo Comitê da UNESCO, e de que se cumprissem quatro compromissos visando à implementação do título de Patrimônio da Humanidade. Estamos atrasados, e a criação do Centro de Interpretação era um desses compromissos. De fato, é difícil para o cidadão comum, que chega ao sítio arqueológico, compreender que aquilo é um cais, pois a região está toda aterrada. Por outro lado, faz falta explicar a importância do Cais do Valongo como obra pública escravagista do reinado de D. João VI, construído com recursos oriundos de um imposto cobrado aos traficantes. São informações que o visitante precisa receber dentro do Centro de Interpretação.

A segunda questão é a instalação de um “Memorial da Herança Africana”. Esta iniciativa, surgida durante a gestão do prefeito Marcelo Crivella, foi muitas vezes confundida com o “Laboratório Aberto de Arqueologia Urbana”, projeto da primeira gestão do prefeito Eduardo Paes. Mas não são a mesma coisa, pois o Laboratório, originalmente, não seria restrito à cultura afro-brasileira.

A terceira questão é a restauração das Docas Pedro II para que possa ser a sede tanto do Centro de Interpretação quanto do Memorial. Pelo que consta da notícia, o projeto executivo foi concluído, mas o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional apontou algum entrave para autorizar a execução da obra.

Conclusão: enquanto debatemos possibilidades, projetos e responsabilidades, o Cais do Valongo prossegue esperando há sete anos, desde que foi reconhecido Patrimônio da Humanidade, a 1º de março de 2017.

Santa Rita, padroeira do Centro do Rio

Santa Rita no Largo de Santa Rita,
como representada por Alfred Martinet (detalhe)

O dia da memória litúrgica de Santa Rita, 22 de maio, foi incluído no calendário oficial do município do Rio de Janeiro, que a proclamou padroeira do Centro da Cidade pela Lei Ordinária 7.187, de 13 de dezembro de 2021. O projeto, de autoria dos vereadores Rafael Aloisio Freitas, Carlo Caiado e Cesar Maia, apela tão somente à importância religiosa de Santa Rita, cujos devotos se mobilizaram, em 2021, para colher assinaturas em prol de sua proclamação como padroeira. A partir de agora, a cidade se compromete, por meio da Lei, a dar mais suporte para a realização da festa de Santa Rita.

Centro de Memória do Projeto Resgate Barão do Rio Branco

Há 25 anos, as Repúblicas do Brasil e de Portugal pactuaram o Plano luso-brasileiro de microfilmagem. À época, o Plano foi um instrumento essencial para a sistematização, ampliação e difusão do acervo compulsado por meio do Projeto Resgate de documentação histórica “Barão do Rio Branco”.

Tal acervo documental, cujos primeiros elementos começaram a ser compilados em 1839 — a pedido do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro — pelo diplomata Antônio Menezes Vasconcelos de Drummond, consiste em um monumento para a memória nacional do Brasil e de Portugal.

Como consequência, o Tratado de Amizade, Cooperação e Consulta entre a República Federativa do Brasil e a República Portuguesa consagrou expressamente, em seu artigo 30, a praxe da nossa cooperação arquivística.

O hercúleo trabalho de catalogação, reprodução e disseminação do patrimônio documental comum entre Brasil, Portugal e outros países constitui um exemplo bem-sucedido de cooperação internacional. Aliás, vai perfeitamente ao encontro das recomendações da Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) de que seus Estados membros reflitam sobre a possibilidade de transferência documental entre países de mesma tradição (cf. Atas da 18ª Sessão de Paris, 17 de outubro a 23 de novembro de 1974, nº 4.212, recomendação nº 1 [p. 68]).

Com a perspectiva das comemorações do bicentenário da Independência do Brasil no
próximo 7 de Setembro, a Fundação Biblioteca Nacional criou, por portaria de 22 de julho de 2022, o Centro de Memória do Projeto Resgate, responsável tanto pela guarda do rico acervo de catálogos, instrumentos de pesquisa e reproduções documentais, quanto pela promoção da historiografia produzida a partir dos documentos custodiados.

Navegar para outro mundo

A escavação do barco funerário, realizada por Basil Brown em Sutton Hoo, Inglaterra, em 1939.

A Escavação é um filme da Netflix (2021), dirigido por Simon Stone e baseado no romance do jornalista John Preston (2007), que reelabora a história real de uma das maiores descobertas arqueológicas do Reino Unido (1939): um barco funerário anglo-saxão com diversos tesouros hoje expostos no British Museum.

A adaptação põe em evidência o papel do escavador Basil Brown, que descobriu os artefatos na propriedade da viúva Edith Pretty, mas cujo mérito tardou a ser reconhecido pela academia pelo fato de não ter tido formação acadêmica como arqueólogo.

Para além do interesse histórico ou arqueológico do episódio, o filme pretende explorar o tema da fugacidade da vida por meio dos diversos personagens envolvidos na trama.

À certa altura, em função do impacto que sentiram diante dos traços deixados por pessoas de um passado recôndito, os protagonistas discutem sobre como deverão conduzir a pesquisa funerária. Edith Pretty indaga:

— Estou fazendo a coisa certa? É o túmulo de uma pessoa!

— É uma vida que foi revelada, e é por isso que escavamos — responde Basil Brown.

É muito interessante essa compreensão da arqueologia funerária como uma revelação da vida, não uma exposição da morte. Tal abordagem pode ajudar a pesquisa acadêmica de hoje a superar as aporias que cada vez mais a subjugam a compromissos políticos e ideológicos.

Em nome das estações do VLT

Por outro lado, a embarcação como figura da morte é uma constante religiosa universal que tem bastante implicação para a cultura africana. Se para os africanos dos séculos XV a XIX o oceano já encarnava imageticamente o “mundo dos mortos” (em fon: kútòmɛ̀), na prática acabou sendo o primeiro grande cemitério dos escravizados transportados para a América.

Os escravos de Angola associavam o mar ao deus incertus ac remotus, superior às demais divindades e identificado com o Deus dos brancos. Entre ganguelas, ambos, xindongas e hereros, o nome desse Deus é Kalunga. Depois, foi fácil que os cemitérios brasileiros passassem a ser denominados “calunga pequena”, do mesmo modo que o mar tinha sido chamado “calunga grande”.

As águas negras da calunga grande eram infestadas de espíritos aquáticos, os bisimbi, companheiros dos que eram ceifados pela morte prematura.

A morte na cultura africana

Não é coincidência que, para os daomeanos (do atual Benin), assim como para os gregos, o acesso ao além fosse concebido como a travessia de um rio. Com tino, suas cerimônias fúnebres definitivas se chamavam em fon “embarcar”, pôr o cadáver no barco”: cyɔ̀ɖòhŭn. Aliás, um dos portos do Golfo do Benin se chama precisamente Cotonou (Kútɔ̀nú), isto é, “foz do rio dos mortos”.

Árvore do esquecimento ou da memória?

No aperto dos porões, os relatos da terra natal eram como o sal e como o vinho, preservadores da memória e proféticos quanto ao futuro. Certamente seria evocado Hú, o vodum marinho cultuado em Ajudá (cidade de Benin), análogo ao Kalunga dos bantos.

Esse vodum se identificava com a “canoa” (hún) na que estavam presos os cativos, e parecia ser ao mesmo tempo o mar e o anzol que os pescara, pois em ewe o equivalente Ƒù pode significar simultaneamente mar, anzol ou linha. Chegou-se a dizer que os búzios (oriundos do Índico) eram pescados tendo os escravos como isca. Além disso, Àgbè é um dos voduns aquáticos associados ao panteão de Hú. Na língua ewe, àgbè significa vida, existência, energia; mas em fon, àgbè é o próprio mar, àgbètà é o curso das águas profundas, àgbètàwòyó é o grande oceano.

Os sobreviventes à travessia chamavam-se depois entre si “malungo”, um termo hoje aportuguesado no qual confluem sentidos primitivos de diversas línguas bantas: parente, companheiro de sofrimento, grande embarcação, colega da calunga, amigos do além.

À luz dessa fusão linguística, Robert Slenes explica “como os escravos da África bantu podiam encontrar-se, através das palavras, não apenas no mesmo ‘barco’ semântico, mas no mesmo ‘mar’ ontológico” (“Malungu, ngoma vem!”: África encoberta e descoberta no Brasil. São Paulo de Luanda: Museu Nacional da Escravatura; Instituto Nacional do Patrimônio Cultural, 1995, p. 9).

É comum às mitologias estabelecer paralelos entre as ruidosas divindades fluviais e as oceânicas. Por isso — do mesmo modo que os bantos tinham reconhecido em Dandalunda (a foz do rio Dande) a doce companheira de Kalunga —, Hú também devia possuir uma consorte.

Mais tarde, em todas as Américas, essa divindade feminina úmida e fecunda seria sincretizada com a orixá do rio Ògùn, Yemọjá (Iemanjá), que representa a gestação e a procriação.

O Canto dos Escravos

O álbum O Canto dos Escravos, publicado pela gravadora Eldorado em 1982, é uma obra antológica da música popular brasileira, que colocou o vissungo, isto é, o canto dos escravos benguelas mineiros do século XVIII na cena musical contemporânea.

Tia Doca da Portela, Geraldo Filme e Clementina de Jesus interpretam quatorze vissungos recolhidos na década de 1930 pelo folclorista Aires da Mata Machado Filho em Diamantina, Minas Gerais.

Imperdível estética musical ancorada na cultura centro-africana, eco profundo da herança afro-brasileira.

O futuro das Docas Pedro II

Interior das Docas Pedro II

O Ministério Público Federal celebrou acordo para a instalação no Porto Maravilha, tanto do Centro de Referência do Cais do Valongo, quanto do Laboratório Aberto de Arqueologia Urbana. Ambas as instituições ficarão sediadas nas Docas Pedro II.

Para entender o alcance da notícia, é importante distinguir algumas coisas:

  • O imóvel das Docas Pedro II, construído pelo notável engenheiro André Rebouças, era utilizado pela Ação da Cidadania, responsável por sua restauração e conservação por cerca de 20 anos.
  • Tinha sido anunciado em uma controversa audiência pública em 2018 que a ONG seria desalojada, pois o imóvel das Docas Pedro II passaria à propriedade da Fundação Palmares.
  • O Centro de Referência do Cais do Valongo é uma das exigência da UNESCO para que o referido Cais, proclamado Patrimônio Mundial, possa cumprir o seu papel. A inexistência desse centro de interpretação inviabiliza a chancela recebida da UNESCO.
  • O Laboratório Aberto de Arqueologia Urbana era um projeto da Prefeitura do Rio de Janeiro durante a primeira gestão de Eduardo Paes. Problemas da equipe de arqueologia com a gestão do patrimônio escavado do Cais do Valongo fizeram com que o Laboratório não iniciasse. Note-se que o material retirado de cima do Cais é sedimento de aterro do Morro do Senado, desmontado no início do século XX para a construção do Porto, não tem a ver necessariamente com questões de reparação. 
  • Com a eleição de Marcelo Crivella, o discurso das políticas afirmativas migrou da celebração da cultura africana para a musealização da escravidão. As Docas Pedro II, que já estavam na mira do governo para sediar o Centro de Referência, passaram a estar também na mira da Prefeitura, que desejava sediar a ali seu novo museu municipal.
  • Embora o acervo do Laboratório Aberto de Arqueologia Urbana fosse referente à arqueologia da cidade do Rio de Janeiro, a Prefeitura anunciou que ele seria incorporado como acervo do Museu da Escravidão (?!).
  • O Ministério Público Federal tem tido papel ativo em diversas questões desse gênero, inclusive na da passagem da Linha 3 sobre o Cemitério de Santa Rita, em que se optou por não fazer o salvamento arqueológico dos remanescentes humanos sob os trilhos.
  • A Ação da Cidadania deverá ocupar, antes do fim de 2021, o espaço que tinha sido ocupado pelo acervo do Laboratório Aberto de Arqueologia Urbana.

Agora cabe aguardar o que fará Eduardo Paes em sua nova gestão.

Disputas acadêmicas em torno ao Cais do Valongo

O Cais do Valongo foi aclamado como Patrimônio Mundial, na categoria de patrimônio sensível, por materializar um crime contra a humanidade.

O Cais do Valongo simboliza todo o sistema envolvido no tráfico em massa de escravos africanos para as Américas. E o Rio de Janeiro foi a cidade na qual esse sistema teve o mais amplo desenvolvimento.

No período do tráfico, isto é, até 1831, o sistema escravagista envolvia, pelo menos, fiscalização sanitária, quarentena, fiscalização alfandegária, lojas e cemitério.

A construção do Cais do Valongo foi uma iniciativa da monarquia e, portanto, era diferente de todos os demais trapiches privados que pagavam laudêmio no Rio de Janeiro. Foi construído com dinheiro público, levantado por meio de um imposto cobrado aos traficantes de escravos.

Algumas vozes se alçaram contra a celebrização do Cais, afirmando que são escassas as informações sobre ele. Os dados historiográficos de fato são mínimos. No entanto, a argumentação contrária ainda não apresentou argumentos sólidos contra a pesquisa arqueológica e a sua inserção na logística portuária escravagista.

Saiba mais a respeito na live da Casa das Artes, quarta-feira, 18 de novembro, às 19h.

Xadrez da morte

Cena do filme Sétimo Selo (1957), de Ingmar Bergman.

Ninguém escapa

Ingmar Bergman se consagrou no cenário cinematográfico internacional em 1957 com o filme “Sétimo Selo”. O drama serve de parábola dos tempos do pós-guerra, ainda atormentados pela memória das recentes atrocidades bélicas e pelo medo das possíveis consequências da Guerra Fria. 

Antonius Block, um cruzado que sobrevivera a perigosas batalhas pela fé, tenta furtar-se à Morte que o espreitava sob a máscara da peste quando regressava à sua terra. Para isso, inutilmente joga xadrez com essa exímia estrategista, numa tentativa desesperada de adiar o desenlace.

A certa altura, ao distrair-se da partida, a Morte lhe pergunta: 

— Você perdeu o interesse? 

— Perder o interesse? Pelo contrário! 

— Você parece preocupado. Está escondendo alguma coisa? 

— Nada lhe escapa! 

— Nada me escapa. Ninguém me escapa.

Rito de passagem

O filme costuma ser lido pelos historiadores como uma alegoria do ciclo devorador do tempo. Com efeito, no final apenas sobrevive uma família de artistas, que representaria o Renascimento sucedendo à Idade Média decadente. A Morte seria o tempo, pelo qual a história se desdobra: pois o tempo é o rito de passagem que revelaria a identidade de quem o vivencia.

Embora essa leitura seja válida, não há motivo suficiente para desviar a atenção de que a Morte alcança a cada homem em particular, a você e a mim. É um pedágio ao qual ninguém escapa. A morte, sem dúvida, é o primeiro passo desse obrigatório rito de passagem do tempo para a eternidade. Tanto mais assustadora quanto menos se conhecem os passos ulteriores.

Por exemplo, nas tradições religiosas africanas o tema da morte sempre foi importante; mas geralmente não há, no corpus de sua literatura oral, nem traços de orfismo elisiano (ou libertação da alma pela ascese), nem da crença em um juízo final, nem em uma apocatástase (ou restauração universal). Só lhe são recorrentes a nostalgia da era dourada do glorioso passado de seu país ou a convicção de que os mortos deverão prestar contas aos ancestrais sobre como conduziram e sustentaram a sua linhagem sobre a terra, após uma vida longa, honrada e fecunda.

Mas as tradições também afirmam que as pessoas que morrem em virtude de causas prematuras, inaturais ou violentas (acidentes, patologias, suicídio etc.), teriam sido vitimadas pelo mal que emana de forças preternaturais malignas. Os mortos nessas circunstâncias infaustas são impedidos tanto de se unir aos ancestrais quanto de se associarem aos que vivem na terra. Passam antes a residir nas florestas, montanhas ou rios, em companhia dos demônios desses lugares. Seria o caso típico dos pretos novos falecidos no Rio de Janeiro.

Nesse ponto, porém, a fé cristã é radicalmente diferente, pois olha para a morte de forma otimista: “Aos ‘outros’, a morte os paralisa e assusta. A nós, a morte — a Vida — dá‑nos coragem e impulso. Para eles, é o fim; para nós, o princípio” (São Josemaria, Caminho, 738). Com efeito, a fé cristã é clara quanto à ressurreição final de todos os mortos, com a respectiva retribuição pelo que livremente se praticou em vida. Não há espaço para o fado. A vida eterna ou a condenação eterna dependem do uso que cada um fez da própria liberdade. E, além disso, todos hão de ressuscitar.

Tal doutrina da ressurreição dos mortos é exclusiva do cristianismo e, portanto, está em radical de divergência com as tradições religiosas africanas. Nessas tradições, fala-se apenas de um eventual retorno espiritual dos ancestrais, que alimenta o ciclo social da vida, mas não existe uma perspectiva de esperança pessoal diante da morte.

Mas o que diz a fé cristã acerca do que sucede no período intermediário entre a morte e a ressurreição? É importante compreendê-lo, pois foi um tópico importante de troca cultural entre africanos e europeus no contexto do Brasil colonial.

Justiça misericordiosa

O sentir da Igreja ao longo da história foi unânime em afirmar a necessidade de uma reparação por parte dos defuntos que, merecendo a salvação por terem tido uma derradeira abertura interior para a verdade, sepultaram-na sob repetidos compromissos com o mal. Essa reparação se chama, genericamente, purgatório

De modo específico, fala-se, no Ocidente, de um sofrimento purificador e expiatório das almas no além; no Oriente, fala-se de diversos graus de sofrimento na condição intermédia. É desnecessário tratar aqui da ideologia protestante, que contrariou essa multissecular tradição em nome da elaboração tardia da tese luterana da justificação, na qual o purgatório não tem cabida.

A percepção da graduação da purificação ultratumular, compartilhada pelo Ocidente e pelo Oriente, tradicionalmente admite pelo menos dois níveis de “purgatório”. Assim o atesta São Tomás de Aquino na Summa theologiæ:

Do lugar do purgatório nada se encontra expressamente dito na Escritura, nem se podem aduzir razões eficazes que o determinem. Contudo provavelmente, segundo o mais concorde com o ensino dos santos Padres e a revelação feita a muitos, o purgatório ocupa um duplo lugar. (Apêndice, solução ao art. 2)

É muito provável que o primeiro nível seja o do purgatório tradicional, incluído na proclamação dogmática de Bento XII acerca da sorte póstuma, mediante a Constituição Benedictus Deus de 1336. Nela, o Pontífice fala do que ocorre às almas segundo “a comum ordenação divina” (Denzinger-Hünermann, nº 1000).

Quanto ao segundo nível ou nível inferior do purgatório, esse corresponderia ao das “almas penadas” ou “almas perdidas”, cuja existência é atestada pelas orações litúrgicas, pelos exorcistas e por algumas revelações privadas. O sufrágio por essas almas pode ter sido um remédio consolador para o terror sagrado dos africanos diante dos mortos impedidos, segundo a sua sensibilidade religiosa, de alcançar a ancestralidade.

Não buscar consolo, mas ajudar

Contudo, mais importante do que essas especulações, é que se possa contribuir para o refrigério dessas almas por meio dos sufrágios.

Talvez isso pareça inusitado ao homem de hoje, tão desligado dos seus, vitimado de individualismo e mais desejoso de encontrar nos cultos fúnebres consolo para as suas saudades do que formas de contribuir para a salvação dos que se foram. Nesse sentido, são alentadoras as palavras de Bento XVI: 

Aqui levantar-se-ia uma nova questão: se o «purgatório» consiste simplesmente em ser purificados pelo fogo no encontro com o Senhor, Juiz e Salvador, como pode então intervir uma terceira pessoa ainda que particularmente ligada à outra? Ao fazermos esta pergunta, deveremos dar-nos conta de que nenhum homem é uma mônada fechada em si mesma. As nossas vidas estão em profunda comunhão entre si; através de numerosas interações, estão concatenadas uma com a outra. Ninguém vive só. Ninguém peca sozinho. Ninguém se salva sozinho. Continuamente entra na minha existência a vida dos outros: naquilo que penso, digo, faço e realizo. E, vice-versa, a minha vida entra na dos outros: tanto para o mal como para o bem. Deste modo, a minha intercessão pelo outro não é de forma alguma uma coisa que lhe é estranha, uma coisa exterior, nem mesmo após a morte. Na trama do ser, o meu agradecimento a ele, a minha oração por ele pode significar uma pequena etapa da sua purificação. E, para isso, não é preciso converter o tempo terreno no tempo de Deus: na comunhão das almas fica superado o simples tempo terreno. Nunca é tarde demais para tocar o coração do outro, nem é jamais inútil. Assim se esclarece melhor um elemento importante do conceito cristão de esperança. A nossa esperança é sempre essencialmente também esperança para os outros; só assim é verdadeiramente esperança também para mim. Como cristãos, não basta perguntarmo-nos: como posso salvar-me a mim mesmo? Deveremos antes perguntar-nos: o que posso fazer a fim de que os outros sejam salvos e nasça também para eles a estrela da esperança? Então terei feito também o máximo pela minha salvação pessoal. (Bento XVI, Encíclica Spe salvi 48). 

Sadio realismo

As comemorações com que se inicia o mês de novembro — Todos os Santos e Finados — são muito oportunas para tornar a essas ideias e pensar na única coisa de que temos certeza na vida: a de que morreremos. Pois todos desejamos viver bem, mas nem todos procuram preparar-se para bem morrer.

Ou, como dizia a Morte no filme de Ingmar Bergman:

— A maioria das pessoas nunca reflete, nem sobre a morte, nem sobre a futilidade da vida.

Retrospectiva de 2019

Fim de ano é momento de balanço. E ao fazer nosso balanço de fim de ano e ao dar início ao novo, a palavra de ordem deve ser otimismo!

Otimismo é saber sonhar. Sonhemos, pois ficaremos aquém!

Vejam quanta coisa legal aconteceu no tricentenário de Santa Rita:

  • Apesar de terem “sepultado” novamente os pretos novos com o VLT, a nova estação da Linha 3, chamada Santa Rita Pretos Novos, está servindo de uma baita propaganda para a população carioca.
  • Assumi a editoria da Revista do IHGRJ junto com Nelson Senra.
  • Lancei o novo livro O Rio de Janeiro entre conquistadores e comerciantes.
  • Licenciei-me em História.
  • Defendi a tese de doutorado sobre O Cemitério de Pretos Novos de Santa Rita.
  • Diversos grupos puderam conhecer a freguesia de Santa Rita por meio de inúmeras visitas guiadas.
  • Centenas de pessoas assistiram a importantes conferências ao longo do ano sobre o tema da escravidão na freguesia de Santa Rita.

Desejo a todos os meus leitores que 2020 venha repleto de novas conquistas! Vale lembrar que em 2020 o Rio de Janeiro é a Capital Mundial da Arquitetura e a sede do UIARio2020 e do Fórum Mundial de Cidades.

Salve, Santa Rita!

Um Feliz e Santo Natal para todos!

Tese defendida!

Agradecer é para mim a mais alegre das tarefas, com a qual concluo seis felizes anos de estudo. Em primeiríssimo lugar, devo um tributo àqueles que foram capazes de apostar no trabalho de um arquiteto e urbanista que começava a se aventurar pela Arqueologia e pela História. Pois foi graças à coragem de Flávio Gomes e André Chevitarese que pude me especializar nesses campos.

Muitas outras pessoas também depositaram confiança nesse projeto, a ponto de contribuir decisivamente — inclusive com auxílio financeiro — para a sua execução.

Salve Santa Rita de Cássia!

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search