Passado mudo, memória cega

Washington Fajardo, antigo presidente do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH), escreveu um artigo em agosto de 2018, no Jornal O Globo, sobre a audiência pública organizada pelo Ministério Público Federal acerca da chancela de Patrimônio da Humanidade concedida pela UNESCO ao Cais do Valongo em 2017, mas que corria o risco de ser perdida caso o poder público não atender às exigências acordadas.

Fajardo explicava que o tema da audiência foi desviado pela questão da posse das Docas Pedro II, restauradas pela ONG Ação da Cidadania, que o antigo MinC propunha desalojar para criar ali o Centro de Referência do Valongo, uma das exigências da UNESCO.

Em seguida, apontava a necessidade de se criar ali um Museu Nacional do Valongo, obra de longo prazo; e também de não desprezar o desejo da Prefeitura do Rio de transformar toda a área relacionada com o tráfico negreiro (a Freguesia de Santa Rita) em um museu de território.

Finalmente, ele pontuava que a arqueologia tem sido o único meio de construir unanimidade entre os diversos atores sociais, mas que, apesar de o IRPH prometer abrir o Laboratório Aberto de Arqueologia Urbana em 2019, a falta de investimento público tem feito os importantes achados arqueológicos relacionados à diáspora africana permanecerem longe do conhecimento do grande público.

O artigo é bastante razoável no que tange à diversidade de atores envolvidos nas discussões sobre o futuro dos lugares de memória na zona portuária do Rio de Janeiro. No entanto, carece de informação quanto ao papel e aos interesses dos atores tácitos implicados.

Com efeito, o esquecimento da memória escrava na região tem sido solucionado de forma controversa e grande parte da população não capta a abrangência política da questão. Como dizia Michael Pollak,

um passado que permanece mudo é muitas vezes menos o produto do esquecimento do que de um trabalho de gestão da memória segundo as possibilidades de comunicação (Memória, Esquecimento, Silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, nº 3, 1989, p. 14).

Sem dúvida, o reconhecimento do Cais do Valongo como patrimônio sensível, semelhante a Auschwitz, pode ser um ótimo instrumento de política afirmativa, através da educação patrimonial, para a superação das desigualdades sociais oriundas da escravidão ocorrida no Brasil. O Cais, que resume emblematicamente todo o sistema escravagista que existiu na região e a pontilha hoje de monumentos, poderia ser mais bem utilizado, mas o poder público parece moroso em sua gestão e preservação.

Por outro lado, ao comentar a capacidade de divulgação do passado operado pela arqueologia, o autor poderia ter ido mais à fundo, indicando como a falta de investimento público nessa área afeta a ausência da arqueologia acadêmica, haja vista que praticamente todos os achados são realizados pela arqueologia de contrato, paga pelas empresas envolvidas nos empreendimentos.

O cemitério de pretos novos de Santa Rita

Primeiros testes da Linha 3 do VLT sobre o cemitério de Santa Rita. Fonte: Porto Maravilha.

Em janeiro de 2019 o repórter Caetano Manenti publicou em The Intercept Brasil o artigo ESTÁ AQUI, SOB O VLT, O CEMITÉRIO DE ESCRAVOS QUE A PREFEITURA DO RIO DIZIA SER ‘ESPECULAÇÃO’.

O artigo causou um pouco polêmica ao abordar questões controversas acerca da conveniência do projeto e da obra do VLT e do papel da Prefeitura e dos órgãos de tutela na gestão do patrimônio.

Caetano Manenti também alude à reivindicação de movimentos sociais organizados de que não se realizasse o salvamento arqueológico dos remanescentes humanos sob os trilhos.

Essa decisão (que respeito, mas da qual discordo) presume uma intenção profanadora daqueles que, almejando conservar a memória e a dignidade dos sepultados sob o asfalto do Largo de Santa Rita, fariam o resgate dos corpos.

Vale a pena a leitura, pois foi a única reportagem que tratou o tema do cemitério de pretos novos de Santa Rita de forma profunda e abrangente após a intervenção na área.

 

Fazer nosso o Porto do Rio

Dodô Azevedo, escritor e colunista do G1, a historiadora Jéssika Rezende e Felipe Nin, que está à frente do movimento Ocupa Dops, serão entrevistados ao vivo sobre a importância de preservar a memória da região portuária carioca.

A conversa será liderada por Natalia Viana, codiretora da Agência Pública e idealizadora do Museu do Ontem, aplicativo que torna possível a exploração de histórias da zona portuária do Rio.

A entrada é franca e o evento será transmitido ao vivo pelas redes sociais.

Santa Rita no Instituto Pretos Novos

Santa Rita - IPN

O Instituto Pretos Novos abriu sua sede (a três quadras da estação Utopia/AquaRio do VLT), onde se encontra o cemitério do Valongo, para uma conversa sobre a Matriz de Santa Rita.

Discurso de encerramento do Simpósio sobre Santa Rita

img-20161207-wa0011

Neste breve encerramento, desejo dizer três palavras.

Primeiramente: OBRIGADO.

Quero externar meu mais sentido agradecimento a todos vocês que me acompanharam com generosidade e paciência ao longo dos últimos quatro anos. Em particular, todos os ilustres Professores que falaram no Simpósio têm importante papel nesta caminhada:

Ondemar Dias é um verdadeiro mestre que me transmite profissionalismo e espírito de equipe. Carlos Eugênio Soares é um grande colaborar, que demonstra grande finura, senso de humor e coragem nas adversidades. Paulo Sá me ensinou a ouvir o século XVIII, a perceber que o tempo é feito também de arte e sentimento. Daniel Pêcego é como um braço direito e um arrimo. Versátil, comunica experiência e sabedoria. Raquel Lima foi a primeira colega do Museu Nacional a me ajudar na pesquisa, tão logo comecei o mestrado, “apresentando-me” à Rita de Cássia. Rodrigo Bastos me ajudou — parafraseando Emmanuel Kant em seu tributo a David Hume — a “despertar do sonho dogmático” acerca da espacialidade arquitetônica (desde quando o conheci em um curso ministrado na Casa de Rui Barbosa). Gleide Dias é minha fiel escudeira para todas as horas, daquelas pessoas que nunca duvidam de você e sempre topam generosamente ajudar com entusiasmo. Naylor Vilas Boas demonstrou abertura e disponibilidade sem iguais, facilitando ferramentas cujo uso superam minhas possibilidades. Maurício Marinho, meu coordenador de Preservação de Imóveis Tombados no Escritório Técnico da UFRJ, foi muito acolhedor e compreensivo em uma fase crítica pela qual passei, fazendo-me apreciar ainda mais o campo do Patrimônio.

Evidentemente, deveria citar muitos outros que poderiam ter estado à mesa e que, de antemão, convido para uma próxima ocasião. Entre eles, destaco alguns nomes como Nireu Cavalcanti, Pe. Marcelo Nascimento, Jandira Neto, Helder Viana, Simone Mesquita, André Perlingeiro, Vera Dias, Alejandra Saladino, Mateus Rosada, Alberto Gomes.

O segundo ponto que desejo compartilhar com vocês é uma LIÇÃO.

Aprendi ao longo dos últimos anos que é possível fazer pesquisa no Brasil. Recordo com carinho o dia em que, já desiludido com tantas negativas recebidas na pós-graduação, animado mais uma vez pelos Professores Jorge Cintra e Renato Moraes vim ao Instituto de História me entrevistar com André Chevitarese. Como não o encontrasse em sua sala, indaguei a dois Professores que conversavam animadamente na escadaria do edifício se saberiam onde ele se encontrava. Logo percebi que falava com o próprio, o qual jocosamente indicava Flávio Gomes, que estava a seu lado, dizendo-me para ter cuidado com ele.

A partir de então começamos uma caminhada acadêmica surpreendente. Ingressei no mestrado em Arqueologia do Museu Nacional e me debrucei sobre o simbolismo da matriz de Santa Rita. Sendo amante da história do Rio, Santa Rita revelou-se uma joia despercebida, um ponto de encontro de interesses e um nó de perguntas ainda sem resposta. Situada no limite da Cidade no início do século XVIII, Santa Rita abriu o caminho para o sertão carioca e permaneceu incólume às agruras do tempo e das reformas urbanas, quer infelizes quer felizes.

Após concluir no Museu Nacional o estudo da Arqueologia da Persuasão — isto é, do uso retórico da arte rococó na Matriz —, iniciei no Instituto de História o estudo da Arqueologia da Transição — ou seja, da sua função no sistema da diáspora africana na América, especialmente através do seu cemitério de pretos novos.

André Chevitarese e Flávio Gomes são acadêmicos exemplares. Ensinaram-me com a sua conduta e as suas palavras que, apesar dos problemas da Universidade brasileira, é possível fazer pesquisa de alto nível. Sem dúvida há obstáculos burocráticos, acadêmicos, teóricos, financeiros. De fato, vemos a Universidade — especialmente a área de humanas — gerida de forma precária, convulsionada por reivindicações irracionais, contaminada por dogmatismos deletérios e carente de recursos econômicos. Em outras palavras, padecemos com artifícios administrativos, agendas pseudopolíticas com presunção de tolerância, preconceito religioso disfarçado de cientificidade, dificuldade de acesso à informação e reserva de mercado.

No entanto, mais fortes são aqueles que perseveram apesar das barreiras; que tentam de novo, apesar das injustiças; que não se calam, a despeito do patrulhamento ideológico; que investem, mesmo sem apoio institucional. Esta pesquisa precisou superar tudo isso. Com o auxílio financeiro de amigos, integrando perspectivas teóricas rechaçadas, evitando altercações inúteis e correndo contra o relógio, creio que chegamos, nesta primeira fase, a bom termo!

Por fim, a terceira ideia que gostaria de lhes dirigir consiste em um CONVITE.

Recomendo que se estude e se valorize mais Santa Rita. Que ela não passe despercebida na Paisagem Cultural do Rio de Janeiro, nem fique à margem da atenção dada ao Porto Maravilha. Que mais alunos se sintam estimulados a se debruçar sobre esse microcosmo carioca. Que a memória de nossos “ancestrais” e irmãos africanos — cativos no corpo, mas livres na alma — seja reverenciada e celebrada, especialmente em Santa Rita, por onde passaram há 300 anos atrás.

Muito boa noite, e obrigado a todos os presentes!

João Carlos Nara Júnior, 5/12/16

whatsapp-image-2016-12-07-at-21-31-59-1