Hodologia: estudo dos caminhos

Vídeo do debate entre os pesquisadores Joseph Rykwert (Londres) e Francesco Pellizzi (Nova Iorque) durante o congresso internacional de hodologia organizado pelo Kunsthistorisches Institut in Florenz – Max Planck Institute e pelo eikones NCCR Iconic Criticism da Universidade da Basileia, em maio de 2017.

Joseph Rykwert and Francesco Pellizzi: A Conversation from KHI Florenz on Vimeo.

Rio de Janeiro, cidade porosa

Bruno Carvalho é professor de cultura hispano-portuguesa na Princeton University. Carioca da gema, escreveu um delicioso livro — premiado no exterior, mas não traduzido aqui — em que descreve a história cultural da Cidade Maravilhosa à luz da Praça Onze.

A “imortal” Praça Onze do samba-enredo Bum Bum Praticumbum Prugurundum da Império Serrano é um desses “poros” explorados pelo autor para adentrar na fronteira da Cidade Nova, onde a Pequena África encontrava o Bairro Judeu.

Πόρος é um termo grego que significa vau, fiorde, travessia; estreito; rota marítima; ponte; caminho; duto, abertura; aqueduto; porto; jornada, viagem. Terá sido mera coincidência que a Guanabara tenha sido chamada, em português castiço, “Ria de Janeiro”, isto é, “abertura da porta (ianua)”?

Leitura obrigatória para repensar o Rio de Janeiro não como cidade dividida, mas como cidade porosa, a partir do rico acervo de fontes históricas, teóricas e literárias trazidas ao debate sobre a urbanização e a modernidade cariocas. Excelente modelo metodológico para as pesquisas acadêmicas sobre a Cidade Nova e Cidade Velha, o Rio de antes e o Rio de sempre.

CARVALHO, Bruno. Porous city: a cultural history of Rio de Janeiro (from 1810s onward). Princeton: Princeton University Press, 2013.

Inventário dos monumentos do Rio de Janeiro

Monumento a Zumbi dos Palmares

Monumento a Zumbi dos Palmares

Um site novinho em folha — http://inventariodosmonumentosrj.com.br/ —, mostra o trabalho da arquiteta Vera Dias, gerente de monumentos e chafarizes do Rio de Janeiro e apaixonada pela Cidade Maravilhosa.

Ali você encontra fontes e chafarizes, obras públicas, estátuas e bustos, representações religiosas, esculturas e marcos que enriquecem nossas ruas.

Entre outros monumentos, o site traz a fonte que houve no Largo de Santa Rita entre 1884 e 1904, e da qual há um cópia em operação no Rio Comprido.

Conferências do Simpósio sobre Santa Rita (mesa 3)

Professores Naylor, Maurício e Gleide

Professores Naylor, Maurício e Gleide

MESA 3 (GEOFÍSICA, URBANISMO)

  • Gleide Dias: Geofísica aplicada à Arqueologia histórica

img_3578

Simpósio: mesa Patrimônio

simposio-santa-rita-mesa-3-patrimonio-modelagem-arqueometriaNa terceira mesa do simpósio Antes do Valongo: Santa Rita falarão os professores Gleide Dias e Naylor Vilas Boas.

Gleide Dias, Física e Professora de geofísica, atuante nas áreas de Geociências e Petrofísica. Sua apresentação versará do uso de georradar para análises não invasivas do subsolo, como recurso para a Arqueologia.

Naylor Vilas BoasArquiteto Doutor em História do Urbanismo, é Professor e Coordenador do Laboratório de Análise Urbana e Representação Digital do Programa de Pós-Graduação em Urbanismo da UFRJ. Apresentará as recentes pesquisas desenvolvidas pelo Laboratório relacionadas com a exploração da representação gráfica digital na reconstrução histórica de espaços do centro do Rio de Janeiro. A partir de uma reflexão sobre os caminhos de pesquisa trilhados pelo grupo em diferentes estudos já elaborados, a produção atual e as possibilidades futuras serão discutidas a partir de suas contribuições, limites e possibilidades para a visualização e para o entendimento das dinâmicas de transformação urbana da cidade.

Simpósio: mesa Linguagens

simposio-santa-rita-mesa-2-musica-arquitetura-antropologia

Na segunda mesa do simpósio Antes do Valongo: Santa Rita falarão os professores Rodrigo Bastos, Paulo Sá e Raquel Lima.

Rodrigo Bastos, cantor, Arquiteto e Urbanista, Engenheiro Civil, Professor de Arquitetura da UFSC, recebeu diversos prêmios, entre eles por sua tese A maravilhosa fábrica de virtudes: o decoro na arquitetura religiosa de Vila Rica, Minas Gerais (1711-1822), publicada pela Edusp em 2013. Sua apresentação versará da retórica poética da Arquitetura.

Paulo Sá, professor de Música da UFRJ e Diretor Artístico do Momento Rio Bandolim, executará peças musicais populares no Rio de Janeiro do século XVIII, acompanhado do músico Adriano Palma Correa.

Raquel Lima, Historiadora, doutora em Antropologia Social e especialista em Ciência da Religião, é professora do Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Viçosa. Sua apresentação versará da devoção a Santa Rita em seu lugar pioneiro no Brasil.

Santa Rita na paisagem cultural carioca

pampulha

São Francisco da Pampulha

Realizou-se em setembro, na UFMG, o 4º Colóquio Ibero-Americano sobre Paisagem Cultural. Foi uma oportunidade de se falar da importância de Santa Rita na paisagem cultural carioca.

Como explica o site do evento:

Nos últimos anos tem se acentuado a discussão em torno da categoria “paisagem cultural”, apesar de ela ter sido incluída há mais de vinte anos na Convenção do Patrimônio Mundial da UNESCO e de dezenas de paisagens já terem sido nela inscritas, inclusive o Rio de Janeiro em 2012. Ao lado do desafio colocado pelo próprio conceito de “paisagem cultural”, uma das questões que mais tem preocupado os pesquisadores e órgãos do patrimônio ao redor do mundo tem sido a da sua gestão. Afinal, como tratar essa nova dimensão – tão complexa e ampla – e que envolve sempre múltiplos – e muitas vezes conflitantes – interesses e atores?

Ao mesmo tempo em que essa categoria dá margem à polêmica, ela tem sido cada vez mais utilizada ao redor do mundo por pesquisadores, profissionais e órgãos de preservação. O fato é que a ideia de “paisagem cultural” tem aberto novas possibilidades para a área do patrimônio, combinando aspectos materiais e imateriais do conceito, que tradicionalmente foram operados separadamente, e indicando haver porções territoriais cujo valor cultural se expressa pelas interrelações intrínsecas e de longa data entre grupos sociais e o meio ambiente natural. Com isso, recoloca-se o próprio campo do patrimônio cultural, abrindo-se uma perspectiva contemporânea para, ao lado das novas contribuições se pensar também de forma mais integrada diversas ideias tradicionais do campo da preservação.

Diante dos desafios colocados pelo conceito de paisagem cultural especialmente no que tange à necessária interdisciplinaridade para a construção de políticas públicas de modo participativo e com incidência no território, faz-se necessário aprofundar o debate sobre a gestão do patrimônio cultural, de modo ampliado, e, ao mesmo tempo, reconhecer as limitações do campo do patrimônio para a condução dos trabalhos, implicando articulação, (re)definição de papéis e construção de novas estratégias para a ação preservacionista, com vistas ao desenvolvimento.

É frente a este quadro que acontece em 2016 a quarta edição do já tradicional “Colóquio Ibero-americano Paisagem Cultural, patrimônio e projeto”, promovido pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e pelo Instituto de Estudos do Desenvolvimento Sustentável (IEDS), aos quais este ano vem se juntar o Comitê Brasileiro do Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (ICOMOS-BRASIL).

Nesse colóquio vão se aprofundar as discussões iniciadas nas edições anteriores, fazendo-se uma avaliação das diversas dimensões da ideia da paisagem cultural, tanto aquelas de natureza conceitual, metodológica e projetual, quanto suas implicações para as políticas de preservação,intervenção e gestão do patrimônio, com vistas ao desenvolvimento.

Olhos-d’água

M: São Bento. N: Alfândega. O: Prainha. Q: Fortaleza da Conceição. R: Palácio episcopal. S: muro da cidade (Massé, 1714)

M: São Bento. N: Alfândega. O: Prainha. Q: Fortaleza da Conceição. R: Palácio episcopal. S: muro da cidade (Massé, 1714)

A região do Sítio Valverde, em que se localiza Santa Rita, era uma área extremamente encharcada no século XVII. Conta-se até que, quando as chuvas coincidiam com as cheias, o morro de São Bento chegava a ficar ilhado.

Nessa época havia um olho-d’água no atual Largo de Santa Rita, correndo o riacho diretamente até à praia. Os beneditinos assorearam o leito, trazendo o córrego para junto do morro de São Bento. O leito seco passou a se chamar da travessa dos Pescadores, hoje rua Visconde de Inhaúma.

Resquícios dessas águas são os poços que havia na região. No quintal da chácara de dom Manoel Nascentes Pinto, o fundador de Santa Rita, havia um lindo poço. A poucos metros de distância, outro aquífero servia à igreja. Suas águas, então consideradas milagrosas pela piedade popular, atualmente estão seladas.

A ironia da história é a secura da região em inícios do século XIX, que fez o governo mandar construir um chafariz, com águas advindas da Carioca…

Pela ampliação da Paisagem Cultural do Rio de Janeiro

Cemitério do Valongo (fonte: portomaravilha.com.br/)

Zona Portuária (fonte: portomaravilha.com.br/)

Desde 2010, a região portuária do Rio de Janeiro, com 5 milhões de metros quadrados, tem passado por uma profunda reestruturação urbana através de uma operação consorciada com a iniciativa privada.

Em 2011, a municipalidade ali instituiu o “Circuito Histórico e Arqueológico da Celebração da Herança Africana”, ao qual foi integrado, no ano seguinte, o redescoberto cais do Valongo, por onde aportaram no Brasil mais de um milhão de africanos cativos até o século XIX.

Em 2013 o Valongo se tornou patrimônio cultural da cidade do Rio de Janeiro e, em março passado, teve sua candidatura homologada pelo Centro do Patrimônio Mundial da Unesco para ser reconhecido como Patrimônio da Humanidade, em função de seu valor excepcional como memória da violência.

Pesquisas arqueológicas ainda têm apontado novos marcos representativos da vida dos africanos nessa área, que poderão ser acrescentados ao Circuito, como é o caso do cemitério de pretos novos contíguo à igreja de Santa Rita, aliás o primeiro exemplar arquitetônico com decoração rococó nas Américas.

A revalorização de toda essa região — rica em bens patrimoniais, históricos e arqueológicos — é um convite a incluí-la entre os bens cariocas que compõem a paisagem cultural do Rio de Janeiro, atualmente restritos em sua maioria à Zona Sul da cidade.

Sem dúvida, a movimentada evolução da região portuária do Rio de Janeiro representa significativamente o processo de interação do homem com o meio natural, as estratégias de antropização do espaço brasileiro colonial e os vestígios deixados pela diáspora africana.

A inclusão do Circuito da Herança Africana na chancela de Paisagem Cultural poderia servir de estímulo para a valorização e a preservação da tão importante paisagem recém-recuperada.

ImagináRio | ImagineRio

Fonte: HRC Project | ImagineRio | Atlas (pt-br)

Visite a plataforma criada por pesquisadores da Rice University Humanities Research Center.

Ela consiste em um atlas dinâmico que ilustra a evolução urbana do Rio de Janeiro ao longo de toda a sua história, com base em cartografia de época, iconografia e dados arquitetônicos.

A igreja de Santa Rita aparece no mapa no ano 1721. (No entanto, o arquivo da Santa Casa de Misericórdia já refere o templo como construído em 1719.)

Santa Rita no palimpsesto da paisagem

Santa Rita (Hagedorn)

Figura 1: Friedrich Hagedorn. Vista do Rio de Janeiro tomada do Morro da Conceição (1854). Distingue-se claramente a igreja de Santa Rita, com a Candelária atrás. À direita é possível divisar as formas curvas da já inexistente igreja de São Pedro dos Clérigos e, à esquerda, o mosteiro de São Bento.

A paisagem é “uma sequência de traços do passado que foi construído, redesenhado e reescrito ao longo das décadas, séculos e milênios” (HOLTORF; WILLIAMS, 2006, p. 237). E no borrão do Rio de Janeiro, muita coisa já foi rasurada. Convém proceder como os restauradores em busca das pinturas parietais originais, como os apreciadores da alcachofra, que pacientemente a descascam em busca do miolo saboroso. Na paisagem acumulada é preciso distinguir o rastro dos homens e os efeitos das forças naturais. Sem tal prospecção, sem este olhar retrospectivo, torna-se impossível aspirar ao futuro, elaborar uma “memória prospectiva”, isto é, criar lugares de memória. Para Pierre Nora, três são os aspectos que devem concorrer para concretizar os lugares de memória: materialidade, função e simbolismo.

Mesmo um lugar de aparência puramente material […] só é lugar de memória se a imaginação o investe de aura simbólica. Mesmo um lugar puramente funcional […] só entra na categoria se for objeto de um ritual. (NORA, 1993, p. 21)

Portanto, é preciso haver uma vontade de memória para que os lugares de memória sejam caracterizados. Se a História é reconstrução, memória é experiência voluntária do passado nos remanescentes materiais herdados:

Os lugares de memória nascem e vivem do sentimento de que não existe memória espontânea, que é preciso criar arquivos […]. Se vivêssemos verdadeiramente as lembranças que eles envolvem, eles seriam inúteis. E se em compensação, a história não se apoderasse deles para deformá-los, transformá-los, sová-los e petrificá-los eles não se tornariam lugares de memória. É este vai-e-vem que os constitui: momentos de história arrancados do movimento de história, mas que lhe são devolvidos. (NORA 1993, p. 13)

Os edifícios históricos reúnem símbolos, registram tendências, apontam indícios da cultura citadina e indiretamente refletem a evolução urbana. Em suma, são simultaneamente documento e signo. Nesse sentido, o Manual de Arqueologia Histórica em Projetos de Restauração (2000, p. 11) indica:

Quando um bem cultural é tombado pelo Poder Público, isto se dá devido ao seu valor (histórico, artístico, arqueológico, etnográfico, paisagístico, etc.), que foi reconhecido como merecedor de destaque e, portanto, de ações que o preservem, para que cumpra seu papel de transmitir à sociedade sua participação na construção do Brasil. Assim, um projeto de Restauração / Conservação de um bem cultural da Nação deve ter como objetivo, dentre outros, a recuperação e a socialização da história deste bem. […] As edificações são, assim, produto e produtoras de relações sociais, as quais pretendemos desvelar para melhor conhecermos o bem que temos o dever de preservar. A partir deste conhecimento, poderemos melhor realizar o nosso papel de contadores da história do Brasil.

Sob esta ótica, a igreja de Santa Rita — que fez parte do primeiro registro nacional de tombamento em 1938 — reveste-se de enorme interesse por conta de suas inúmeras singularidades. Estando em tormentosa articulação com um entorno tão descaracterizado (Figuras 1 e 2), surpreende sua sobrevivência apesar das transformações operadas pelo prefeito Pereira Passos no início do século XX, seguidas do desenfreado adensamento da área histórica do Rio de Janeiro.

Santa Rita desde o Conceição

Figura 2: A igreja de Santa Rita vista atualmente do Morro da Conceição. É chocante a degradação do seu entorno, comparando-se com a litografia anterior, feita aproximadamente do mesmo ângulo visual.

Afinal, o que é um monumento sem sua paisagem? Para Gustavo Giovannoni (1925, p. 172), as condições ambientais têm “tal importância, que ‘alterar a perspectiva’ de um monumento equivale quase à sua completa destruição”. Por isso, a administração pública realiza uma “eutanásia” patrimonial quando trabalha unicamente na escala arquitetônica, ignorando a escala territorial. O parâmetro não pode ser a metragem quadrada — aliás quantificação de uma extensão abstrata —; a referência precisa ser a escala visual. Com efeito, a paisagem urbana não é capricho estético, mas um direito do cidadão, frequentemente defraudado pela falta de governança territorial, pois é comum que a percepção visual da cidade histórica na paisagem sofra de descontinuidade. Se a prática espacial das instâncias governamentais pretende estabelecer representações espaciais, deve respeitar os espaços de representação da população. Tomo estes conceitos do sociólogo francês Henry Lefebvre, que definia “prática espacial” como o lugar em que espaços são gerados e usados (geralmente por quem detém o poder); “representações espaciais” como a retórica da prática espacial; e “espaços de representação” como os lugares vivos produzidos e modificados por seus habitantes (eventualmente espaços de resistência).