Quando começou o Cemitério do Valongo?

O recurso aos dados fundiários do Rio de Janeiro, conservados no Arquivo Nacional, elucidou questões abertas desde a descoberta do Cemitério de Pretos Novos do Valongo em 1996, com destaque para sua data de início, dimensões, situação urbana e relação com a freguesia de Santa Rita.

Leia a respeito no v. 34, nº 3, da Revista Acervo do Arquivo Nacional, no artigo intitulado Análise do arrendamento do imóvel do Cemitério de Pretos Novos do Valongo (30 de abril de 1774).

O artigo vem acompanhado da transcrição paleográfica do contrato de arrendamento original do imóvel.

O que havia de África no Brasil da Independência?

Entre nós, esquecemos o quanto nossa história está impregnada da contribuição africana e de afrodescendentes. Em mais uma Live da Biblioteca Nacional, comemorativa dos 200 anos da Independência do Brasil, Antonio Carlos Higino da Silva e Carlos Eugênio Líbano Soares tratarão um pouco mais sobre o tema.

Carlos Eugênio discorrerá sobre a importância do complexo negreiro do Valongo, particularmente do Cais do Valongo, durante o ano decisivo de 1822 para o processo da independência e formação do Estado Nacional. Neste ano, com toda propaganda política pelas ruas, o mercado de escravos no Rio estava a todo vapor, contradizendo alguns atores políticos que anteviam mudanças sociais profundas no após 7 de setembro.

Já o professor Antonio Higino conduzirá reflexões acerca das lutas do Conselheiro Antônio Pereira Rebouças, em favor da consolidação dos direitos civis, no contexto dos primeiros anos da emancipação do país. A adoção da perspectiva de análise desse afrodescendente pretende ampliar e renovar os olhares sobre este evento, problematizando a não implementação de relevantes pressupostos a inauguração do Estado Nacional brasileiro.

Os comentários ficarão por conta de João Carlos Nara Jr., Coordenador de Cooperação Institucional da Fundação Biblioteca Nacional.

Antonio Carlos Higino da Silva possui Graduação e Licenciatura Plena em História pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2005), fez o Mestrado (2009) e o Doutorado (2020) em História Comparada no Programa de Pós-Graduação de História Comparada da UFRJ (2009). Em 2019 realizou intercâmbio em nível de doutorado pelo Programa Erasmus +, integrando-se ao Laboratório do Centre de la Méditerranée Moderne et Contemporaine da Université Nice Sophia, atual Université Cotê d’Azur. Atualmente é Pós-doutorando no Programa de Pós-graduação de História da Universidade Federal do Ceará.

Carlos Eugênio Líbano Soares estudou História na UFOP e Antropologia e História na UFRJ, onde se formou em História em 1988. Em 1993 defendeu Mestrado em História na UNICAMP com dissertação premiada pelo Arquivo Municipal do Rio de Janeiro no Concurso Prêmio Carioca de Monografia 1994 intitulada A Negregada instituição: os Capoeiras na Corte Imperial do Rio de Janeiro 1850-1890. Em 1998 defendeu tese de doutorado também na UNICAMP que foi premiada pela coleção do CECULT (Centro de Pesquisa em Cultura) da mesma universidade intitulada A Capoeira Escrava e Outras Tradições Rebeldes do Rio de Janeiro 1808-1850. Em 1998 foi premiado pelo Arquivo Estadual do Rio de Janeiro no concurso Memória Fluminense com o livro Zungu: rumor de muitas Vozes. Em 2003 foi premiado pelo Arquivo Nacional com o livro intitulado No Labirinto das Nações: Africanos e Suas Identidades, Rio de Janeiro Século XIX, escrita conjuntamente com Flávio dos Santos Gomes e Juliana Barreto. Publicou o relatório de pós-doutorado em Arqueologia em 2013 pela UFRJ intitulado Valongo: cais dos escravos, publicada digitalmente pela CDURP (Companhia de Desenvolvimento do Porto Maravilha). Apresentou palestras em eventos internacionais como LASA (Latin American Studies Association) 2001, (Washington DC) e BRASAS (Brazilian Studies Association) 2012 (Illinois, EUA) e Sorbonne 2008 (COFECUBE). Atualmente cursa doutorado em Arqueologia na UFRJ (Museu Nacional) com projeto sobre o mercado de escravos do Valongo no Rio de Janeiro.

O futuro das Docas Pedro II

Interior das Docas Pedro II

O Ministério Público Federal celebrou acordo para a instalação no Porto Maravilha, tanto do Centro de Referência do Cais do Valongo, quanto do Laboratório Aberto de Arqueologia Urbana. Ambas as instituições ficarão sediadas nas Docas Pedro II.

Para entender o alcance da notícia, é importante distinguir algumas coisas:

  • O imóvel das Docas Pedro II, construído pelo notável engenheiro André Rebouças, era utilizado pela Ação da Cidadania, responsável por sua restauração e conservação por cerca de 20 anos.
  • Tinha sido anunciado em uma controversa audiência pública em 2018 que a ONG seria desalojada, pois o imóvel das Docas Pedro II passaria à propriedade da Fundação Palmares.
  • O Centro de Referência do Cais do Valongo é uma das exigência da UNESCO para que o referido Cais, proclamado Patrimônio Mundial, possa cumprir o seu papel. A inexistência desse centro de interpretação inviabiliza a chancela recebida da UNESCO.
  • O Laboratório Aberto de Arqueologia Urbana era um projeto da Prefeitura do Rio de Janeiro durante a primeira gestão de Eduardo Paes. Problemas da equipe de arqueologia com a gestão do patrimônio escavado do Cais do Valongo fizeram com que o Laboratório não iniciasse. Note-se que o material retirado de cima do Cais é sedimento de aterro do Morro do Senado, desmontado no início do século XX para a construção do Porto, não tem a ver necessariamente com questões de reparação. 
  • Com a eleição de Marcelo Crivella, o discurso das políticas afirmativas migrou da celebração da cultura africana para a musealização da escravidão. As Docas Pedro II, que já estavam na mira do governo para sediar o Centro de Referência, passaram a estar também na mira da Prefeitura, que desejava sediar a ali seu novo museu municipal.
  • Embora o acervo do Laboratório Aberto de Arqueologia Urbana fosse referente à arqueologia da cidade do Rio de Janeiro, a Prefeitura anunciou que ele seria incorporado como acervo do Museu da Escravidão (?!).
  • O Ministério Público Federal tem tido papel ativo em diversas questões desse gênero, inclusive na da passagem da Linha 3 sobre o Cemitério de Santa Rita, em que se optou por não fazer o salvamento arqueológico dos remanescentes humanos sob os trilhos.
  • A Ação da Cidadania deverá ocupar, antes do fim de 2021, o espaço que tinha sido ocupado pelo acervo do Laboratório Aberto de Arqueologia Urbana.

Agora cabe aguardar o que fará Eduardo Paes em sua nova gestão.

Impacto da pandemia no patrimônio sacro

Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac) e a Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio (Sececrj) vão realizar um workshop sobre Patrimônio Religioso nesta quinta-feira (10), a partir das 10h, na Biblioteca Parque Estadual (Avenida Presidente Vargas, 1261, Centro do Rio).

Haverá debates sobre conservação, oficina de restauração e um esquete teatral.

Inscrições gratuitas pelo e-mail eventosinepac@gmail.com.

Mais informações aqui.

Disputas acadêmicas em torno ao Cais do Valongo

O Cais do Valongo foi aclamado como Patrimônio Mundial, na categoria de patrimônio sensível, por materializar um crime contra a humanidade.

O Cais do Valongo simboliza todo o sistema envolvido no tráfico em massa de escravos africanos para as Américas. E o Rio de Janeiro foi a cidade na qual esse sistema teve o mais amplo desenvolvimento.

No período do tráfico, isto é, até 1831, o sistema escravagista envolvia, pelo menos, fiscalização sanitária, quarentena, fiscalização alfandegária, lojas e cemitério.

A construção do Cais do Valongo foi uma iniciativa da monarquia e, portanto, era diferente de todos os demais trapiches privados que pagavam laudêmio no Rio de Janeiro. Foi construído com dinheiro público, levantado por meio de um imposto cobrado aos traficantes de escravos.

Algumas vozes se alçaram contra a celebrização do Cais, afirmando que são escassas as informações sobre ele. Os dados historiográficos de fato são mínimos. No entanto, a argumentação contrária ainda não apresentou argumentos sólidos contra a pesquisa arqueológica e a sua inserção na logística portuária escravagista.

Saiba mais a respeito na live da Casa das Artes, quarta-feira, 18 de novembro, às 19h.

Informações arqueológicas oficiais sobre Santa Rita

Em verde, a área do cemitério de pretos novos de Santa Rita.

Em novembro de 2019, durante o V Seminário de Preservação de Patrimônio Arqueológico, realizado no Museu de Astronomia e Ciências Afins, a equipe do programa de gestão do patrimônio arqueológico e histórico na área de instalação da linha do VLT em Santa Rita apresentou uma comunicação sobre o material ósseo coletado. Tornou-se público que, com o objetivo de delimitar o cemitério, foram feitas 17 sondagens sob o leito dos trilhos e outras 22 sondagens em pontos estratégicos ao redor. Oito delas forneceram resultados positivos para a presença de contexto cemiterial. No total, foram resgatados 2.319 elementos ósseos em elevado grau de fragmentação, grande parte com menos de três centímetros.

A monumental documentação de encerramento do processo, porém, só seria publicada a 13 de maio passado, perfazendo mais de duas mil páginas:

GASPAR, Maria Dulce (coord.). Programa de Gestão do Patrimônio Arqueológico e Histórico da Área de Implantação do Sistema Veículo Leve Sobre Trilhos – VLT e Respectivas Paradas para Acesso de Passageiros – Trecho L900 – Centro, Rio de Janeiro/RJ e Área de Ampliação. Relatório Final – 8 volumes. Artefato Arqueologia, processo nº 01500.002422/2017‐06. Rio de Janeiro: 13/5/2020.

O sítio de Santa Rita representa uma parte significativa dos oito volumes de informação sobre as áreas afetadas pela implantação do VLT. O relatório final sublinha que os “ossos humanos, quando evidenciados em contexto, foram identificados pela equipe de bioarqueólogos, registrados em fichas específicas e croquis e protegidos, encerrando-se as escavações”.

Remanescentes humanos em contexto anatômico apenas foram encontrados em uma caixa e em duas sondagens. Por outro lado, os demais ossos dispersos por interferências recentes, encontrados no Largo de Santa Rita entre 40 e 70 centímetros de profundidade, apresentavam tal grau de fragmentação que se tornou impraticável estimar o número, a idade e o sexo dos indivíduos. No entanto, graças à presença de restos dentários, foi possível compor uma amostra de pelo menos nove pessoas jovens, entre 8 e 17 anos. Alguns eram modificados, ao estilo “dente de piranha”, típico da África Centro-ocidental. A análise das escavações levou à conclusão de que “o contexto do cemitério estava à ‘flor da terra’” e de que “havia densidade significativa de sepultamentos”.

Além de descrever em pormenor os demais sítios afetados pelo empreendimento, o relatório também contém dados interessantíssimos sobre a configuração da antiga vala da Cidade, cuja contenção em alvenaria de rochas e arco de tijolo maciço condiz com as descrições de época.

O documento tem dificuldade para articular com clareza os dados arqueológicos com a narrativa histórica do bairro da Vila Verde. Mesmo assim, as imprecisões costumeiras sobre o Largo de Santa Rita — supô-lo não urbanizado, reduzido ou inabitado no período de operação do cemitério — são definitivamente contraditadas pela aparição de porcelana chinesa do século XVII nas casas de seu entorno. Portanto, o Terreiro da Prainha já era então bem delimitado e ocupava uma área de 1.398,24 m². Aliás, o testemunho residual de um sambaqui e presença de material lítico e cerâmico pré-colonial atestam que a presença humana nessa região vem de longa data.

Formas de enterrar, modos de morrer

Duas lives esta semana abordarão a prática cemiterial no Brasil colonial.

A primeira, que ocorrerá na quarta-feira, dia 24 de junho, às 18h, será com a historiadora Elisiana Trilha Castro, presidente da Associação Brasileira de Estudos Cemiteriais (ABEC). A live abordará a dinâmica e a perenidade dos espaços cemiteriais, desde a época colonial até hoje.

A outra será EM BREVE, no mesmo horário, com Marcos Coutinho, pesquisador do IPPUR/UFRJ. Versará sobre o o impacto cultural das crenças escatológicas, mas também do protagonismo das irmandades leigas de afro-brasileiros na expansão urbana do Rio de Janeiro do século XVIII.

ACOMPANHE ESSAS E OUTRAS LIVES EM @jcnarajr

Patrimônio imaterial fluminense

SEMINÁRIO DE PATRIMÔNIO IMATERIAL DO INEPAC

O Instituto Estadual do Patrimônio Cultural promove no dia 17 de dezembro, das 14h às 19h, na Biblioteca Parque, o I SEMINÁRIO DE PATRIMÔNIO IMATERIAL DO INEPAC.

PROGRAMAÇÃO:
14h Abertura
Secretária de Estado de Cultura e Economia Criativa Dra. Danielle Barros
Diretor-geral do INEPAC Prof. Claudio Prado de Mello

14h20 Palestra: “A Implantação dos Procedimentos da Política Estadual do Patrimônio Cultural Imaterial no Rio de Janeiro”. Prof. Leon Araújo (Diretor do DPI-INEPAC)

14h50 Palestra: “O histórico das Folias de Reis no Estado do Rio de Janeiro”. Prof. Afonso Furtado.

15h30 Coffee-break e abertura da exposição “Toy Art Mascarados / Série Bate-Bolas Pirulito”.

16h Palestra: “As Celebrações do Dia de São Jorge no Estado do Rio de Janeiro”.
Assessor Sandro Capadócia (SETUR).

16h40 Palestra: “A história do fidalgo que trouxe ao Brasil a devoção a Santa Rita: religiosidade popular, rede de influências e casamentos estratégicos no Rio de Janeiro do século XVIII”. Lançamento do livro: “O Rio de Janeiro entre conquistadores e comerciantes”. Prof. João Carlos Nara Júnior.

17h20 Mesa Redonda: “A Cultura Batebolesca e de Clóvis Fluminense”.
Marcelo Índio (Turma do Índio)
Everton Miranda (Turma Animação)
Profa. Monique Bezerra da Silva (LTDS/COPPE/UFRJ)
Profa. Priscila Andrade (PUC-RJ)
Prof. Nilton Gamba Jr. (PUC-RJ)
Profa. Paula Cruz (PUC-RJ)
Prof. Humberto Barros (PUC-RJ)

18h “Apresentação da Cultura das turmas de carnaval: Clóvis e Bate-bolas”.
Turma Animação.

INFORMAÇÕES E RESERVAS:
eventosinepac@gmail.com (lotação 70 pessoas)

Arqueologia histórica e museologia das Américas

As pesquisas arqueológicas em terras americanas abrangem, além do período pré-colombiano, todo o período chamado histórico. Isto é, a Idade Moderna americana também deixou seus vestígios, que podem ser trabalhados cientificamente pela arqueologia, em paralelo às narrativas historiográficas sobre o período.

Para ilustrar algumas questões inerentes a esse tema, será dada uma aula aos alunos de museologia da UniRio (Av. Pasteur 458, Prédio CCHS), 3ª-feira, 26 de novembro, das 14h às 17h.

O título é Disputa por monumentos: Museus, Cidades e Cemitérios. Nessa exposição serão analisadas questões como:

  • diferença entre ossada, remanescente, fóssil, esqueleto;
  • exposição e ocultação do corpo humano como denúncia;
  • gestão do patrimônio funerário à luz do caso do cemitério de Santa Rita.

5 formas de utilizar o conceito de fronteira

A “Universidade Livre do Leme”, com seu curso contínuo e aberto de Filosofia na Praia, apresentará as diversas “fronteiras filosóficas” com que o Rio de Janeiro setecentista pode ser analisado e explicado.

A atividade, regularmente realizada em um quiosque da Praia do Leme, procura divulgar temas filosóficos para o grande público.

No sábado dia 23 de novembro, das 11 às 12h, a pauta será a freguesia de Santa Rita.

A palestra terá por título Rio Colonial: Fronteiras Filosóficas. O objetivo é indicar cinco abordagens diferentes do Rio de Janeiro colonial, por meio do conceito de fronteira:

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search