A busca da verdade como questão de memória

Um pequeno trecho da Carta encíclica Lumen fidei (nº 25), escrita a quatro mãos pelos papas Francisco e Bento XVI, traz ideias importantes reflexões para o conceito de memória e o seu lugar para a sociedade e a história:

Na cultura contemporânea, tende-se frequentemente a aceitar como verdade apenas a da tecnologia: é verdadeiro aquilo que o homem consegue construir e medir com a sua ciência; é verdadeiro porque funciona, e assim torna a vida mais cômoda e aprazível. Esta verdade parece ser, hoje, a única certa, a única partilhável com os outros, a única sobre a qual se pode conjuntamente discutir e comprometer-se; depois haveria as verdades do indivíduo, como ser autêntico face àquilo que cada um sente no seu íntimo, válidas apenas para o sujeito mas que não podem ser propostas aos outros com a pretensão de servir o bem comum. A verdade grande, aquela que explica o conjunto da vida pessoal e social, é vista com suspeita. Porventura não foi esta — perguntam-se — a verdade pretendida pelos grandes totalitarismos do século passado, uma verdade que impunha a própria concepção global para esmagar a história concreta do indivíduo? No fim, resta apenas um relativismo, no qual a questão sobre a verdade de tudo — que, no fundo, é também a questão de Deus — já não interessa. Nesta perspectiva, é lógico que se pretenda eliminar a ligação da religião com a verdade, porque esta associação estaria na raiz do fanatismo, que quer emudecer quem não partilha da crença própria. A este respeito, pode-se falar de uma grande obnubilação da memória no nosso mundo contemporâneo; de fato, a busca da verdade é uma questão de memória, de memória profunda, porque visa algo que nos precede e, desta forma, pode conseguir unir-nos para além do nosso «eu» pequeno e limitado; é uma questão relativa à origem de tudo, a cuja luz se pode ver a meta e também o sentido da estrada comum.

O passado e o futuro do patrimônio cultural carioca

Mesa sobre os novos marcos culturais do Rio de Janeiro, durante o workshop Caminhos da Memória: marcos da paisagem cultural carioca, realizado a 4/9/2017 no Arquivo Nacional:

Alterações e embargos: entraves no resgate de uma memória portuária
     Antônio Carlos Higino da Silva, historiador (PPGHC/UFRJ)
   Cidade Nova e HESFA, sobre rupturas e permanências
     Eliara Beck Souza, arquiteta e urbanista (DIPRIT/ETU/UFRJ)
   Vestígios da memória como vetores da cidade na Freguesia de Santa Rita
     João Carlos Nara Jr., arquiteto e arqueólogo (Museu Nacional/UFRJ)

Símbolos clássicos espalhados pelo Rio de Janeiro

Mesa sobre os marcos clássicos do Rio de Janeiro, durante o workshop Caminhos da Memória: marcos da paisagem cultural carioca, realizado a 4/9/2017 no Arquivo Nacional:

Signos da civilização: memória, patrimônio e instituições no Brasil Imperial
     Mariáh Martins, historiadora da ciência (Museu Nacional/UFRJ)
   De onde vem essa nação? Os fios e os rastros do projeto nacional brasileiro
     Leonardo Amatuzzi, arqueólogo (Museu Nacional/UFRJ)
   Patrimônio ressignificado e ação do poder público
     Andre Angulo, museólogo (Museu da República)

Marcos da paisagem cultural carioca

Caminhos da Memória: marcos da paisagem cultural carioca é uma atividade de extensão inserida no Projeto de Difusão das Geociências do Centro de Ciências Matemáticas e da Terra (CCMN) da UFRJ. O evento constará de duas partes:

  1. Uma trilha urbana por diferentes pontos do Centro histórico do Rio de Janeiro, relacionando patrimônio, geologia, arqueologia e paisagem (5 de setembro, terça-feira, às 13h na Carioca).
  2. Um simpósio interdisciplinar para vem passar em revista os marcos mais importantes da Cidade, seus usos e valores (4 de setembro, segunda-feira, das 9h às 17h no Arquivo Nacional).
Inscrições pelo e-mail pesquisa@narajr.net
PROGRAMAÇÃO DO SIMPÓSIO:

09h00: CORAL DUQUE MUSIC (Colégio Estadual Duque de Caxias)

09h30: CONFERÊNCIA DE ABERTURA

   Cais do Valongo, patrimônio histórico e reconstrução cultural
     Carlos Eugênio Líbano Soares, historiador (PPHR/UFRRJ)

10h30: Mesa 1 — MARCOS CLÁSSICOS | SÍMBOLOS ESPALHADOS

   Signos da civilização: memória, patrimônio e instituições no Brasil Imperial
     Mariáh Martins, historiadora da ciência (Museu Nacional/UFRJ)
   De onde vem essa nação? Os fios e os rastros do projeto nacional brasileiro
     Leonardo Amatuzzi, arqueólogo (Museu Nacional/UFRJ)
   Patrimônio ressignificado e ação do poder público
     Andre Angulo, museólogo (Museu da República)

12h00: ALMOÇO

14h00: Mesa 2 — MARCOS GEOGRÁFICOS | CARTOGRAFIA E TRANSFORMAÇÕES

   Fortificações militares e acidentes geográficos
     Francisco José Correa Martins, historiador (DEGEO/UFRRJ)
   Análise espaço-temporal e toponímica do Rio de Janeiro
     Paulo Márcio Leal de Menezes​, geógrafo (PPGG/UFRJ)
   Aplicação da geofísica para a reconstrução histórica do Rio de Janeiro
     Gleide Dias, geofísica (IGEO/UFRJ)

15h30: Mesa 3 — NOVOS MARCOS | POLÍTICAS URBANAS

   Alterações e embargos: entraves no resgate de uma memória portuária
     Antônio Carlos Higino da Silva, historiador (PPGHC/UFRJ)
   Cidade Nova e HESFA, sobre rupturas e permanências
     Eliara Beck Souza, arquiteta e urbanista (DIPRIT/ETU/UFRJ)
   Vestígios da memória como vetores da cidade na Freguesia de Santa Rita
     João Carlos Nara Jr., arquiteto e arqueólogo (Museu Nacional/UFRJ)

Cais do Valongo: Patrimônio da Humanidade

A UNESCO inscreveu hoje o Cais do Valongo na lista de Patrimônio da Humanidade:

Valongo Wharf Archaeological Site (Brazil)

Valongo Wharf Archaeological Site is located in central Rio de Janeiro and encompasses the entirety of Jornal do Comércio Square. It is in the former harbour area of Rio de Janeiro in which the old stone wharf was built for the landing of enslaved Africans reaching the South American continent from 1811 onwards. An estimated 900,000 Africans arrived in South America via Valongo. The physical site is composed of several archaeological layers, the lowest of which consists of floor pavings in pé de moleque style, attributed to the original Valongo Wharf. It is the most important physical trace of the arrival of African slaves on the American continent.

Mauá 360

Antes da manifestação da UNESCO sobre a elevação do Cais do Valongo à categoria de Patrimônio da Humanidade, haverá no dia 27 de junho, no Museu do Amanhã, o Seminário Mauá 360 – Cais do Valongo. Essa edição tem como objetivo dar maior visibilidade às reflexões urgentes reforçadas pela candidatura carioca.

Inscrições e outras informações em https://museudoamanha.org.br/pt-br/maua-360-cais-do-valongo.

Palestra sobre Santa Rita no IHGRJ

Na quinta-feira, 8 de junho, haverá no IHGRJ (sala CEPHAS) uma sessão temática sobre as igrejas do Rio de Janeiro.

Das 15h às 17h haverá duas comunicações:

  • O simbolismo rococó da matriz de Santa Rita, pelo Arquiteto João Carlos Nara Júnior.
  • Igreja Santo Antônio dos Pobres, pela Msc. Roselene de Cássia Coelho Martins.

Em seguida, no terraço haverá um lanche de congraçamento e feira de livros.

O endereço é Avenida Augusto Severo, 8/10º andar, Glória.

Impressões sobre o simpósio da herança africana

Foi um sucesso o Simpósio sobre Territorialização e herança africana no Rio de Janeiro, ocorrido nos dias 15 e 16 de maio, no Instituto de História da UFRJ. Com presença massiva de público (cerca de 200 pessoas) e a participação de gestores públicos e professores especialistas no tema, discutiu-se a musealização do território em que se encontra o Circuito da Herança Africana. Tal território corresponde ao da antiga Freguesia de Santa Rita, Bairro da Saúde, hoje Porto Maravilha.

Como indicava o título do evento — Espaços da História — a discussão versou tanto da espacialidade desses lugares quanto do trabalho historiográfico a ser feito sobre suas memórias. Há de se ressaltar, antes de mais nada, que ambos os termos — Espaço e História — estão em xeque na atual conjuntura intelectual.

Em primeiro lugar, o espaço. Conceito equívoco, espaço pode significar tanto a ideia clássica de lugar quanto a quantidade extensiva cartesiana. Enquanto mero âmbito dimensional, espaço é uma ideia eminentemente iluminista. Mas todas as tentativas contemporâneas de distinguir espaço e lugar fracassaram. Por exemplo, para o arquiteto Yi-Fu Tuan, espaço é campo de liberdade e lugar é espaço tornado seguro; para Michel de Certeau, pelo contrário, espaço é “lugar praticado”. Talvez seja unânime somente o esforço por temperar o conceito de espaço com a noção de temporalidade: o tempo cria espaços novos.

Em segundo lugar, a história. Para que serve? Pode ser reescrita? As antigas narrativas ainda conservam utilidade? Será necessário reescrevê-las? Abordagens antropológicas e culturais têm trazido novos enfoques que relativizam os monumentos do passado e pretendem transformá-los em bandeiras para o futuro. Sem dúvida, a história sempre serviu de bandeira a serviço de interesses nacionais ou sociais. Mas qual é o limite entre fato e pretexto? Parafraseando Pierre Nora, para quem os lugares de memória supõem uma consequente vontade de memória, o reconhecimento desses espaços historiográficos supõe um certo ativismo historiográfico.

Após sublinhar a fluidez teórica dos temas com que trabalha o mundo acadêmico, é justo também expor a fragilidade da questão em si. A discussão sobre a Zona Portuária do Rio de Janeiro é complexa e ainda merece muito aprofundamento. Em linhas gerais, se entrecruzam estratégias políticas, teorias sobre o patrimônio, o custo e o retorno dos investimentos, a sustentabilidade das iniciativas educacionais existentes, a mobilização popular, a legitimidade dos movimentos sociais que se apropriam dos lugares e os ressignificam, etc. A modo de exemplo, foi notável como, durante o Simpósio, a discussão esbarrou em tantas divergências e derivou até mesmo para a questão do chamado racismo reverso.

A recente mudança de prefeitura no Rio de Janeiro, com a sucessiva proposta do Museu da Escravidão e da Liberdade (DECRETO RIO Nº 42929 DE 10 DE MARÇO DE 2017), expôs o desacordo existente sobre a territorialização da herança africana. Será apenas uma questão de nomes — a musealização do território já era querida pela gestão anterior, e mesmo pela de César Maia, mas falar de escravidão remete a outras agendas —, ou de fato corre-se o risco de deitar a perder valores importantes para o restabelecimento da justiça social ou, por que não dizê-lo, da justiça histórica? Com feliz coincidência, um novo decreto (RIO Nº 43128 DE 12 DE MAIO DE 2017), publicado no mesmo dia do Simpósio, convoca uma audiência pública para escolher o nome definitivo da instituição.

Ainda há outra questão importante, embora paralela. A decisão de construir um Museu da Escravidão e da Liberdade partiu de um prefeito ligado a setores considerados intolerantes para com a cultura afro-brasileira. Daí a aceitação reticente e o desconforto diante da proposta, assim como o rechaço do nome original.

Com efeito, o atual prefeito do Rio costuma ser suspeito de clericalismo e incluído no grupo dos cristãos reacionários e puritanos, inimigos do progresso social, da liberdade moral e das religiões de matriz africana. No entanto, passa-se por alto que, embora os pastores da Igreja Universal se valham do tele-evangelismo, não podem ser assimilados aos pentecostais tradicionais, entre outros motivos pela apropriação de elementos africanos, por eles demonizados e incorporados a um discurso aparentemente cristão. E, acima de tudo, apesar de se autodenominarem bispos, não passam de leigos que nunca foram ordenados e agora tentam se legitimar criando uma liturgia inspirada no judaísmo. Portanto, não existe realmente uma disputa religiosa entre instituições, mas sim uma estratégia política de autoafirmação identitária que conseguiu triunfar em meio à crise cultural e partidária que o país atravessa.

O debate prosseguirá, ainda mais quando a UNESCO se pronunciar sobre a candidatura do Cais do Valongo à Patrimônio da Humanidade. No entanto, ao cabo desse Simpósio, convém sugerir que o espaço histórico como âmbito de engajamento social consiste em um tripé: sítio, protocolo e prática. Sítio geográfico, protocolo político e prática social. Do equilíbrio entre esses polos é que nascem os autênticos lugares de memória e os verdadeiros espaços da história.

African Diaspora in Guanabara Bay

Texto da comunicação oral feita no congresso internacional Streets, Routes, Methods I: Reflections on Paths, Spaces and Temporalities. O evento, ocorrido em Florença no início de maio, foi organizado pelo  Kunsthistorisches Institut in Florenz (Max Planck Institute) e pelo eikones NCCR Iconic Criticism (Universidade da Basileia).

Thank you very much for inviting me to assist to this marvelous conference.

My name is João Carlos Nara Jr. and I work on the Conservation Projects of the heritage listed buildings of the Federal University of Rio de Janeiro, particularly on the Conservation Projects of the Brazilian National Museum. Aside from Architect, I am also Archaeologist and Historian, and my academic research is about Santa Rita Parish, in the port area of Rio de Janeiro.

***

Have you ever found a treasure? What would you do if this treasure was black slave bones? This happens with the couple Merced and Petrúcio Guimarães, who found an African burial ground at home.

Based on the Brazilian federal law on archaeological heritage, the family has converted their house into a cultural center to celebrate the Afro-American memory. Merced likes to say that the African slave trade has constituted “a black holocaust”.

This presentation is divided into four parts: First is the need of conceptualization, after these archaeological findings. Second, the urbanization of the Guanabara shore. Third, the successive control policy of the slave trade. And fourth, the current touristic appeal of the region.

Let’s begin with some questions: How could we think a territorial musealization? The monuments are a function of the past, or can reveal ancient processes? Actually, it is useful to understand the monuments as vectors or nodes more than mere vestiges.

Hidden memories of Afro culture

This premise is important because significant traces of the monarchy were deleted and forgotten with the advent of Brazilian Republic, as well some aspects of the slavery dynamics used to support the prior regime.

Rio de Janeiro was founded in fifteen-sixty-five and became the colonial capital in seventeen-sixty-three. Rio also received the Portuguese kingdom court in eighteen-o-eight. In the community area of Santa Rita parish existed a slave complex until eighteen-fifty.

Surprisingly, forty percent of the ten million African people transferred to America arrived in Brazil, two million of them in Rio de Janeiro, which has already been the most African city of the Atlantic in the first half of the nineteenth century.

Nowadays, the aspiration for social inclusion and several types of research about black culture are bringing back memories hidden in the rich Rio de Janeiro city heritage. Let’s see two interesting approaches to the problem.

Regarded as a city conceived on the sea, Rio de Janeiro is a huge pore. The Greek term πόρος means of passing a river, ford, ferry; narrow part of the sea, strait; paths of the sea; artificial passage over a river, bridge; pathway; duct, opening; aqueduct; port; journey, voyage. Was it a coincidence that Rio de Janeiro (Flumen Ianuarii) may be interpreted “open door” (from ianua, in Latin)?

Porosity is a concept used by Walter Benjamin in his Reflections on Naples, and applied to Rio de Janeiro by Bruno Carvalho, Professor from Princeton University, to explain the cultural history of the city.

Another approach method may be the rescue of the maritime paths of slave trades, overgrown by the Guanabara Bay waters, yet noticeable in his islands, ancient piers, and historical neighborhood.

Rio de Janeiro harbor region

[Showing maps about the urban evolution of Rio de Janeiro.]

Maritime paths of slave trades

The slave traffic indeed obeyed a method, involving sanitarian surveillance, customs house, quarantine, docks, eventual fattening houses, commercial booths, and even a specific burial ground to pretos novos (namely, newcomer slaves, especially who had died before the sale).

Such an intricate system deserves a complex narrative. This approach may offer a more insightful perception of the slave monuments and their relationships with landscape and temporalities.

Therefore, this approach to the slave trade tracks in Rio de Janeiro can help to elude the political orchestration of the archaeological findings in the context of urban revitalization lead by the city hall, likewise the social activist’s framework imposed upon the materiality of the African diaspora in the carioca harbor region.

Afterward Valongo… back to Santa Rita

The previous mayor, Eduardo Paes, has created the Historical and Archaeological Circuit for the African Heritage Celebration. The current one, Marcelo Crivella, deserves to construct a territorial Museum of Slavery and Freedom. The Valongo Wharf is at the heart of the both ideas.

The Valongo Wharf proposal for inscription on the World Heritage list will be soon appreciated by UNESCO. Its proposal summons up three controversial arguments: relative historical value, symbolic dimension, and sensitive heritage.

Meanwhile, challenging cursory explanations reliant on mass tourism, the Valongo African burial ground, hosted by Merced and Petrúcio Guimarães, continues to be open to the visitors.

Even though, few researchers have studied Santa Rita church, the first rococo church of America, who was the source of the tricky urbanization of the shore. Under Santa Rita plaza, the first official African cemetery is hidden. But this will be my upcoming investigation.

Thank you very much!

Territorialização e herança africana no Rio de Janeiro

Simpósio sobre o Museu da Escravidão e da Liberdade, que pretende integrar o Circuito da Herança Africana. Excelente ocasião para discutir a história e a cultura da antiga Freguesia de Santa Rita, Bairro da Saúde, hoje Porto Maravilha.

No Instituto de História da UFRJ, Prédio do Largo de São Francisco de Paula, nº 1, dias 15 e 16 de maio.

Carta aberta do IPN


Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos corre o risco de fechar as portas

OUÇA A ENTREVISTA NA CBN


Mais um ano se inicia e renovam-se as incertezas e agonias quanto ao funcionamento do Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos – IPN, que novamente se encontra em situação de dificuldade financeira. Assim como em dezembro de 2014, percebo que se não houver um apoio duradouro à instituição, que garanta ao mínimo o custeio básico, não teremos outra saída a não ser decretar o fechamento do IPN, em caráter definitivo.
Destaco que isso não se trata de descompromisso ou chantagem, mas na verdade, o reflexo de uma nefasta ausência de políticas públicas para o aporte e manutenção de instituições culturais, o que se agrava, e muito, quando o complexo cultural em questão, está relacionado à presença e participação social negra no contexto da escravidão e da diáspora.
Desde 2013, contamos com o apoio da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto – CDURP para o custeio (energia elétrica, água, telefone, demais taxas e material de limpeza) e da Concessionária Porto Novo, com o apoio ao projeto de Oficinas e Exposições da Galeria de Arte Contemporânea, entre outros eventos. Mas, neste cenário de crise, embora essas empresas continuem nos apoiando e incentivando, esse custeio não poderá ser renovado até meados do ano e ainda não sabemos se haverá ou não o aporte para nossas oficinas.
Estamos nos mobilizando para atender emergencialmente algumas demandas com a promoção de cursos especiais, com o intuito principal de arrecadar material de limpeza e pequenos reparos, como o banheiro feminino. Obviamente, não conseguiremos custear o IPN com o oferecimento de cursos, tanto pela crise financeira que intimida o investimento em formação, quanto pela nossa missão institucional que prima pela preservação e difusão da memória da diáspora africana de forma democrática, gratuita e com qualidade.
Com as obras de impacto urbano na região portuária e a crescente popularidade do IPN, estamos recebendo um número cada vez maior de visitantes o que demanda uma crescente necessidade de investimento da estrutura básica de funcionamento, como água e insumos de higiene, por exemplo. Lembrando que dos pontos que compõem o Circuito de Herança Africana, é no IPN que os visitantes tem acesso gratuito a água e sanitários, além de ambiente refrigerado para assistirem ao vídeo institucional. E a nossa visitação tende a crescer ainda mais, se considerarmos que, em breve, ocorrerá a inauguração da Estação Harmonia do VLT, que vai aumentar significativamente o número de visitantes em função da facilitação do acesso. Neste tocante, vale ressaltar que o IPN recebeu em 2014, 2015 e 2016 cerca de 49.000 visitantes. E, somente no ano passado, cerca de 15.000 pessoas.
A princípio, fecharíamos o IPN até que houvesse o restabelecimento do custeio e do apoio, ou a sensibilização de novos apoiadores e/ou benfeitores, mas seria uma perda absurda para o campo da memória daqueles sujeitos trazidos compulsoriamente de África para o Brasil, e, sobretudo, uma frustração tanto para minha família que luta há 21 anos por esse patrimônio, assim como para os colaboradores e voluntários que, trabalham com carinho e afinco para tornar esse lugar de memória da desumanidade, violência, vilipêndio sofrido pelos africanos escravizados, expressos pelo testemunho das janelas arqueológicas do cemitério, cada vez mais um centro irradiador de cultura, de combate ao preconceito, de construção do conhecimento, de guarda da memória e sobretudo, expressar o valor e o respeito que temos perante esses indivíduos que aqui jazem.
A situação se torna ainda mais delicada por estarmos em pleno desenvolvimento de uma pesquisa arqueológica na nossa sede, e acabarmos de fechar uma excelente programação para a Semana Nacional dos Museus, que tem como tema: Museus e histórias controversas: dizer o indizível em museus”. Com o início do ano letivo, já que recebemos um grande número de turmas dos mais diversos níveis de ensino. Assim, mesmo tendo nossos recursos financeiros se esgotando, gostaríamos de convidar a todos para juntarem-se a nós na campanha IPN RESISTE!
Não podemos fechar este Instituto de Pesquisa e Memória que há 12 anos busca implementar ações de preservação, pesquisa e dinamização do patrimônio cultural africano e afro-brasileiro, numa perspectiva diaspórica, visando à valorização da dignidade humana, a universalidade aos conhecimentos, a igualdade racial e religiosa e a construção no presente das memórias soterradas no passado.
Para conhecer mais sobre o IPN acesse: www.pretosnovos.com.br/informativo.
E nos ajude a reverter esta situação.

Atenciosamente,
Ana Maria de La Merced G. G. G. dos Anjos
Presidente IPN
#ipnresiste

Passeio histórico pela Freguesia de Santa Rita

mapaheranca_africana

http://www.portomaravilha.com.br/circuito

Passeios a pé, de baixo custo, que têm como vantagem a proximidade entre os pontos visitados, e que permitem conhecer as construções do Rio Antigo. — Bom, não é verdade? O Rio Antigo é, simplesmente, o Brasil Antigo. A sede da Colônia, a Corte Imperial, o berço da República: onde há mais recordações dessas fases da nação do que na Cidade Maravilhosa?

Forçoso é reconhecer que Rio de Janeiro, apesar das reformas urbanas, ainda necessita de mais conservação, sinalização e limpeza. Mas acredito que conhecer suas riquezas escondidas é o primeiro passo para estimular o atendimento a essas necessidades.

De certo modo, pode-se dizer que a antiga Freguesia de Santa Rita, diferente do resto da Cidade, possui um roteiro oficial. De fato, a Prefeitura do Rio, através do Decreto 34.803/2011, criou o Circuito Histórico e Arqueológico de Celebração da Herança Africana. Naturalmente, esse roteiro não esgota as possibilidades culturais e históricas da região. A Matriz de Santa Rita, por exemplo, nem mesmo é lembrada, embora tenha recebido o primeiro cemitério de pretos novos, entre 1722 e 1769.

O projeto Passados Presentes acrescenta muitos outros pontos omitidos no circuito da Prefeitura, mas que estão no Inventário dos Lugares de Memória do Tráfico Atlântico de Escravos e da História dos Africanos Escravizados no Brasil (trabalho coordenado por Hebe Mattos, Martha Abreu e Milton Guran, no Laboratório de História Oral e Imagem da UFF, com apoio do Projeto Rota do Escravo da Unesco). Esses dados podem ser consultados também através de um aplicativo para Android.