Seminário Internacional de Patrimônio da Igreja no Rio de Janeiro

A recém-criada Comissão arquidiocesana de Patrimônio Cultural dará início às suas atividades com um seminário internacional de 3 a 7 de junho no Auditório do Museu Histórico Nacional.

Cada dia terá sua ênfase, com conferências especiais e mesas de debate. Em linhas gerais serão tratados os seguintes temas, com o nome de alguns convidados:

Segunda, dia 3: Tipologia religiosa como herança da fé. Convidado especial: Prof. João Brigola (Évora).

Terça, dia 4: Proteção do Patrimônio Cultural. Convidados: Joaquim de Arruda Falcão Neto (ABL), Ellen Gracie Northfleet (STF), Kátia Bogea (IPHAN).

Quarta, dia 5: Métodos de preservação.

Quinta, dia 6: Gestão e recursos.

Sexta, dia 7: Estudos de caso. Visita guiada ao Museu Arquidiocesano de Arte Sacra.

Veja a programação completa.

Como se pesquisa em um arquivo?

Durante a 3ª Semana Nacional de Arquivos, o Arquivo Nacional oferecerá no
dia 4 de junho, às 10h, no seu auditório, a palestra Como se pesquisa em um arquivo: orientações, dicas e possibilidades.

A palestra será ministrada por Thiago Mourelle e Viviane Gouvêa, com o objetivo de apresentar a estudantes, professores e ao público geral noções básicas para se pesquisar no Arquivo Nacional.

Serão abordadas as principais bases de dados e, principalmente, os sites temáticos e ferramentas úteis para acesso ao acervo de documentos da instituição e seu uso na produção de conhecimento.

Veja a programação completa da Semana no Arquivo Nacional.

Matando fantasmas

The Economist acaba de publicar um interessante resumo das idas e vindas da preservação da memória negra no Porto Maravilha / Pequena África / Saúde-Gamboa / Freguesia de Santa Rita:

Giving up the ghosts: For some in Brazil, commemorating slavery is vital. Others are wary of a painful past.

O mote da reportagem é a divergência sobre o que comemorar e sobre como preservar.

Já se espera da revista a tradicional visão crítica na abordagem dos assuntos, mas o duro é que tudo o que se diz ali sobre a falta de conserto brasileiro para entender e lidar com a situação é a mais pura verdade.

Vale a leitura.

Heranças da Escravatura

Foram publicados pela Unesco subsídios para gestores de sítios e caminhos de memória:

This resource book is designed for managers of sites and itineraries of memory related to the slave trade and slavery. It provides a comparative analysis of experiences in the preservation and promotion of such sites across the world and proposes practical guidance for their management and development.

It is the first resource book on this specific issue to be published by a UN agency, and provides guidelines on how best to preserve, promote and manage sites of memory, taking into account the sensitivity of this painful memory.

Designed in two parts, the resource book contains conceptual and practical information for managers. It also showcases more than 50 concrete examples of sites, itineraries and museums implementing particular strategies for the preservation, promotion and interpretation of heritage related to the slave trade and slavery. Moreover, it offers advice and recommendations for the development of memory tourism, responding to the growing demand from citizens to better know this history.

Its main purpose is to contribute to capacity-building for the benefit of site managers and memory itineraries, and to raise awareness on the ethical issues posed by these historical sites.

Download the publication, also available in French


Heranças da Escravatura: Manual para Gestores de Sítios e Itinerários de Memória é voltado para os gestores de locais relacionados ao tráfico de escravos e à escravatura. O Manual fornece uma análise comparativa de experiências de preservação e de promoção desses locais ao redor do mundo e propõe orientação prática para a sua gestão e desenvolvimento. Primeiro manual sobre essa questão específica a ser publicado por uma agência da ONU, a publicação é dividia em duas partes: a primeira oferece informações práticas e conceituais para os gestores e mostra exemplos concretos de sítios e museus que estão implementando estratégias de preservação, promoção e interpretação do patrimônio relacionado ao tráfico de escravos e a escravatura; a segunda parte oferece conselhos e recomendações para o desenvolvimento do Turismo de Memória, respondendo a uma demanda crescente de cidadãos que conheçam melhor essa história. Com este livro, a UNESCO também pretende conscientizar o público sobre questões éticas impostas por esse tipo de sítios históricos. Com acesso gratuito, a publicação está disponível em inglês e francês e está sendo traduzida também para o espanhol.

Gestão do patrimônio

Diversos eventos agitam nos próximos dias o Rio de Janeiro sobre a temática do patrimônio:

  • Heranças da Escravatura, sobre a gestão de sítios (21 de maio)
  • Patrimônio Cultural em Debate, sobre a gestão de imóveis (22 de maio)
  • Seminário de Patrimônio Histórico, sobre a preservação dos bens culturais da Arquidiocese (3 a 7 de junho)

300 anos da igreja de Santa Rita

Thomas Ender – Pfarre Sa. Rita in der Rua dos Pescadores (1817)

Em 2019 a Matriz de Santa Rita comemora 300 anos do lançamento de sua pedra fundamental.

Os documentos disponíveis permitem estabelecer com fundamentada segurança a seguinte cronologia para a igreja:

1710: Início da novena a Santa Rita

Isso se comprova pela tradição constante mantida anualmente. Com efeito, em 2019 será realizada a 309ª novena.


1718: Compra do terreno pela família Nascentes Pinto

A compra do terreno é atestada em uma escritura de venda de chão para a Irmandade de Santa Rita, de 2/12/1718, conservada no Arquivo Nacional. Ali se diz que o chão da capela tinha sido adquirido “recentemente”, provavelmente no mesmo ano.


1719: Lançamento da pedra fundamental

Diz o Resumo histórico, dados e informações sobre a Egreja Matriz de Santa Rita, conservado no Arquivo da Cúria Metropolitana da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro:

A primeira pedra [da igreja] foi lançada pelo Ex.mo Senhor Bispo D. Francisco de S. Jerônimo, antes de 1720, como algum [sic] tanto vagamente diz o Dr. Mello Moraes, em a Chronica geral e minuciosa do Império do Brasil [1879, p. 130].

O lançamento da pedra fundamental provavelmente ocorreu em 1719, ano em que o templo é mencionado pela primeira vez em cartas de aforamento do Arquivo da Santa Casa de Misericórdia.


1721: Doação da capela-mor

O documento de doação é conservado pelo Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro.


1728: Conclusão da nave da igreja

Como consta da fachada.


1751: Criação da Freguesia

A capela tornou-se sede da freguesia desmembrada da de Nossa Senhora da Candelária a 29 de janeiro de 1751.

Passado mudo, memória cega

Washington Fajardo, antigo presidente do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH), escreveu um artigo em agosto de 2018, no Jornal O Globo, sobre a audiência pública organizada pelo Ministério Público Federal acerca da chancela de Patrimônio da Humanidade concedida pela UNESCO ao Cais do Valongo em 2017, mas que corria o risco de ser perdida caso o poder público não atender às exigências acordadas.

Fajardo explicava que o tema da audiência foi desviado pela questão da posse das Docas Pedro II, restauradas pela ONG Ação da Cidadania, que o antigo MinC propunha desalojar para criar ali o Centro de Referência do Valongo, uma das exigências da UNESCO.

Em seguida, apontava a necessidade de se criar ali um Museu Nacional do Valongo, obra de longo prazo; e também de não desprezar o desejo da Prefeitura do Rio de transformar toda a área relacionada com o tráfico negreiro (a Freguesia de Santa Rita) em um museu de território.

Finalmente, ele pontuava que a arqueologia tem sido o único meio de construir unanimidade entre os diversos atores sociais, mas que, apesar de o IRPH prometer abrir o Laboratório Aberto de Arqueologia Urbana em 2019, a falta de investimento público tem feito os importantes achados arqueológicos relacionados à diáspora africana permanecerem longe do conhecimento do grande público.

O artigo é bastante razoável no que tange à diversidade de atores envolvidos nas discussões sobre o futuro dos lugares de memória na zona portuária do Rio de Janeiro. No entanto, carece de informação quanto ao papel e aos interesses dos atores tácitos implicados.

Com efeito, o esquecimento da memória escrava na região tem sido solucionado de forma controversa e grande parte da população não capta a abrangência política da questão. Como dizia Michael Pollak,

um passado que permanece mudo é muitas vezes menos o produto do esquecimento do que de um trabalho de gestão da memória segundo as possibilidades de comunicação (Memória, Esquecimento, Silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, nº 3, 1989, p. 14).

Sem dúvida, o reconhecimento do Cais do Valongo como patrimônio sensível, semelhante a Auschwitz, pode ser um ótimo instrumento de política afirmativa, através da educação patrimonial, para a superação das desigualdades sociais oriundas da escravidão ocorrida no Brasil. O Cais, que resume emblematicamente todo o sistema escravagista que existiu na região e a pontilha hoje de monumentos, poderia ser mais bem utilizado, mas o poder público parece moroso em sua gestão e preservação.

Por outro lado, ao comentar a capacidade de divulgação do passado operado pela arqueologia, o autor poderia ter ido mais à fundo, indicando como a falta de investimento público nessa área afeta a ausência da arqueologia acadêmica, haja vista que praticamente todos os achados são realizados pela arqueologia de contrato, paga pelas empresas envolvidas nos empreendimentos.

O cemitério de pretos novos de Santa Rita

Primeiros testes da Linha 3 do VLT sobre o cemitério de Santa Rita. Fonte: Porto Maravilha.

Em janeiro de 2019 o repórter Caetano Manenti publicou em The Intercept Brasil o artigo ESTÁ AQUI, SOB O VLT, O CEMITÉRIO DE ESCRAVOS QUE A PREFEITURA DO RIO DIZIA SER ‘ESPECULAÇÃO’.

O artigo causou um pouco polêmica ao abordar questões controversas acerca da conveniência do projeto e da obra do VLT e do papel da Prefeitura e dos órgãos de tutela na gestão do patrimônio.

Caetano Manenti também alude à reivindicação de movimentos sociais organizados de que não se realizasse o salvamento arqueológico dos remanescentes humanos sob os trilhos.

Essa decisão (que respeito, mas da qual discordo) presume uma intenção profanadora daqueles que, almejando conservar a memória e a dignidade dos sepultados sob o asfalto do Largo de Santa Rita, fariam o resgate dos corpos.

Vale a pena a leitura, pois foi a única reportagem que tratou o tema do cemitério de pretos novos de Santa Rita de forma profunda e abrangente após a intervenção na área.

 

Visita guiada à igreja de Santa Rita

Lavabo embrechado de Santa Rita

O Centro Loyola da PUC-Rio está organizando a seguinte visita:

Data: Sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019, das 13h às 15h.

Descrição: Nesta visita guiada iremos conhecer uma das mais belas Igrejas do Centro do Rio de Janeiro, que guarda elementos da primeira aparição do estilo rococó na América. Também descobriremos como a cidade colonial se expandiu para o Valongo e o papel dessa matriz paroquial em relação ao tráfico de escravos no Rio de Janeiro.

Palestrante: João Carlos Nara Júnior é Arquiteto e Urbanista da Coordenação de Preservação de Imóveis Tombados do Escritório Técnico da UFRJ. Historiador e Mestre em Arqueologia, é sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro, membro do Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos e do Laboratório de História das Experiências Religiosas do Instituto de História da UFRJ.

Local: Encontro às 12h45, em frente à Igreja de Santa Rita, no Largo de Santa Rita, próximo às ruas Marechal Floriano e Miguel Couto.

Investimento: R$ 30.

INSCREVA-SE AQUI.

Gestão e interpretação do Cais do Valongo

A Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro, a Representação da Unesco no Brasil e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional promovem o Seminário Internacional Cais do Valongo – Patrimônio Mundial desafios de Gestão e Interpretação, dia 23 de novembro, no Museu de Arte do Rio. As inscrições são gratuitas e devem ser feitas através do e-mail seminariointernacionalvalongo@gmail.com até o dia 20 de novembro.

A atividade pretende ampliar o diálogo com a população sobre o processo de construção da gestão compartilhada do Sítio Arqueológico Cais do Valongo e do seu museu de território – o Museu da História e da Cultura Afro-brasileira. Confira a programação:

9h – Credenciamento e Welcome Coffee

10h – Mesa de abertura e entrega do Título de Patrimônio Mundial – Cais do Valongo (pela UNESCO às autoridades federal, estadual, municipal e da sociedade civil organizada)

11h30 – Mesa 1 – Museus de Memória Sensível – Desafios e Perspectivas para o futuro. 

Mediador: Cristina Lodi (Secretaria Municipal de Cultura)

– O caso do Memorial ACTe de Guadalupe, França: Thiérry L’Etang

– O caso de Robben Island (RIM – Robben Island Museum), complexo prisional em Cape Town –  África do Sul – Patrimônio Mundial da UNESCO:  Deirdre Prins-Solani e  Vuyo Mfanekiso

13h – 14h – Intervalo para o Almoço

14h – Mesa 2 – Desafios da Interpretação de Sítios de Memória Sensível

Mediador: Marcelo Brito (diretor de Cooperação e Fomento do Iphan)

– Especialista em interpretação de sítios – Professor Associado da Universidad Pablo de Olavid – UPO, Sevilha, Espanha: Marcelo Martín

15h30 –  Mesa 3 – Projetos no território da Pequena África

Mediador: Mônica Lima (LABHOI e LeÁfrica)

– O caso do Museu da Escravidão e da Liberdade como interpretação do Cais do Valongo e seu território: Nilcemar Nogueira e Vinícius Natal (Secretaria Municipal de Cultura)

–  O território da Pequena África, seus circuitos, interpretações e pesquisas: Instituto Pretos Novos (Merced Guimarães), Quilombo da Pedra do Sal, Centro Cultural Pequena África (Rubem Confete), Remanescentes de Tia Ciata (Gracy Moreira) e Afoxé Filhos de Gandhi

– A interpretação do território através de seus personagens: Martha Abreu  (UFF-LABHOI)

16h30 – Mesa 4 – Projetos e Resultados da Gestão do Valongo

Mediador: Nilcemar Nogueira (Secretária Municipal de Cultura do Rio de Janeiro)

– O projeto do Laboratório Aberto de Arqueologia Urbana e o acervo arqueológico da região do Valongo: Claudia Escarlate (IRPH)

– O plano inicial de Gestão do Sítio Arqueológico Cais do Valongo, suas diretrizes e resultados: Representante do Comitê Gestor do Valongo – indicado pelo Comitê

–  Apresentação do projeto de consolidação e conservação do Cais do Valongo: Ricardo Piquet, Diretor-Presidente do IDG – Instituto de Desenvolvimento e Gestão

18h – Encerramento: Posse do Conselho Consultivo do Museu da História de da Cultura Afro-brasileira.

Fonte: http://www.rio.rj.gov.br/web/smc/exibeconteudo?id=8718292