Impacto da pandemia no patrimônio sacro

Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac) e a Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio (Sececrj) vão realizar um workshop sobre Patrimônio Religioso nesta quinta-feira (10), a partir das 10h, na Biblioteca Parque Estadual (Avenida Presidente Vargas, 1261, Centro do Rio).

Haverá debates sobre conservação, oficina de restauração e um esquete teatral.

Inscrições gratuitas pelo e-mail eventosinepac@gmail.com.

Mais informações aqui.

Escravizados: banco de dados sobre as vítimas do tráfico transatlântico

Acaba de ser lançado o site Enslaved: Peoples of the Historic Slave Trade. É um banco de dados gratuito que permite a busca por africanos escravizados ao redor do mundo.

O recurso vem à luz no contexto norte-americano de comemoração dos 400 anos da chegada dos primeiros escravos à colônia inglesa da Virgínia em 1619.

O projeto, dirigido por cientistas da Michigan State University, estreou com informações sobre 500.000 africanos, cujos nomes e circunstâncias foram coletados por grandes historiadores da escravidão. Proximamente serão agregados novos registros étnicos, populacionais e geográficos.

Salve o link!

Disputas acadêmicas em torno ao Cais do Valongo

O Cais do Valongo foi aclamado como Patrimônio Mundial, na categoria de patrimônio sensível, por materializar um crime contra a humanidade.

O Cais do Valongo simboliza todo o sistema envolvido no tráfico em massa de escravos africanos para as Américas. E o Rio de Janeiro foi a cidade na qual esse sistema teve o mais amplo desenvolvimento.

No período do tráfico, isto é, até 1831, o sistema escravagista envolvia, pelo menos, fiscalização sanitária, quarentena, fiscalização alfandegária, lojas e cemitério.

A construção do Cais do Valongo foi uma iniciativa da monarquia e, portanto, era diferente de todos os demais trapiches privados que pagavam laudêmio no Rio de Janeiro. Foi construído com dinheiro público, levantado por meio de um imposto cobrado aos traficantes de escravos.

Algumas vozes se alçaram contra a celebrização do Cais, afirmando que são escassas as informações sobre ele. Os dados historiográficos de fato são mínimos. No entanto, a argumentação contrária ainda não apresentou argumentos sólidos contra a pesquisa arqueológica e a sua inserção na logística portuária escravagista.

Saiba mais a respeito na live da Casa das Artes, quarta-feira, 18 de novembro, às 19h.

Próximas palestras sobre o Cemitério de Pretos Novos de Santa Rita

Duas apresentações online sobre o Cemitério de Pretos Novos de Santa Rita serão realizadas em breve:

Projeto Salvador Escravista

Mapa do projeto, feito na plataforma Esri

Como a cidade de Salvador lida com as memórias da escravidão e do tráfico transatlântico de pessoas escravizadas?

O assassinato de George Floyd nos EUA, a derrubada da estátua do traficantes de africanos escravizados Edward Colston na Inglaterra, e a atuação do movimento Black Lives Matter criaram um ambiente propício para a discussão do impacto do racismo e da desigualdade na organização das sociedades.

O assunto sempre esteve no radar dos movimentos sociais e na agenda dos historiadores da África, do tráfico transatlântico e da escravidão, mas a repercussão social e política permitiu que o tema ganhasse relevância midiática.

Em tal contexto, o projeto SALVADOR ESCRAVISTA busca promover saberes históricos em afinidade com esses valores e com a difusão do saber acadêmico. Pretende assim contribuir para o ensino de história nos níveis fundamental e médio, servindo como uma ferramenta de pesquisa sobre a história da cidade de Salvador e o impacto da escravidão na sociedade soteropolitana, representada, entre outros aspectos, pelas homenagens em estátuas, prédios e nomes de ruas.

Os locais estão identificados no site na seção “MAPA” através de marcadores e verbetes. Cada um dos verbetes vem acompanhado por textos curtos e indicação de leitura para aqueles que desejam aprofundar em determinados temas.

SALVADOR ESCRAVISTA é um projeto colaborativo e incremental que conta com a participação de especialistas em diversas áreas: história da África, comércio transatlântico de pessoas escravizadas, escravidão atlântica e pós-abolição nas Américas etc.

Perguntas, sugestões e informações podem ser enviadas a ssaescravista@gmail.com.

Instagram: instagram.com/ssaescravista
Facebook: facebook.com/ssaescravista
Twitter: twitter.com/ssaescravista

3 vetores de ocupação do Rio de Janeiro Colonial

O curso online, promovido pelo Centro Loyola da PUC-Rio, tratará dos três vetores da ocupação e urbanização do Rio de Janeiro durante o período colonial, com ênfase na participação da Igreja nessa dinâmica.

Para isso, serão explicadas as distintas categorias de fiéis católicos e o papel que cada uma delas desempenhou na implantação do Rio de Janeiro, a começar pela fundação da cidade no século XVI, com a disputa entre franceses e portugueses pela Guanabara.

O curso contemplará tanto a instalação das primeiras ordens religiosas nos quatro morros da ocupação original, quanto a atuação dos “padres fazendeiros” no século XVII.

Seguidamente, será abordada a criação das freguesias urbanas e rurais por parte da administração eclesiástica secular, durante o período setecentista, com particular atenção à questão escravagista na freguesia de Santa Rita.

Será esmiuçada, por fim, a participação das devoções e irmandades leigas na ocupação do velho rossio, para além do muro idealizado após as invasões francesas de 1710 e 1711.

QUANDO: Segundas-feiras. Dias 14, 21 e 28 de setembro e 5 de outubro de 2020, das 19h às 21h.

INSCRIÇÕES: http://www.centroloyola.puc-rio.br/cursos/curso-on-line-a-igreja-no-rio-de-janeiro-colonial-ocupacao-e-urbanizacao/

Lançamento virtual

Sábado 25 de abril, a partir das 11h, participe de um bate-papo de lançamento virtual do livro O Rio de Janeiro entre conquistadores e comerciantes.

Além do autor, João Carlos Nara Jr., também falarão o historiador e jurista Daniel Pêcego e o historiador da arte Daniel Forain.

Conheça detalhes insuspeitados do Rio de Janeiro colonial e adquira o cupom de desconto se quiser comprar o livro!

Redescobrir a Pequena África na Zona Portuária do Rio de Janeiro

Ocorrerá, de 21 a 25 de outubro de 2019 na Universidade Veiga de Almeida:

2º Encontro Internacional História & Parcerias
6º Seminário Fluminense de Pós-Graduandos em História
5ª Jornada do Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde

No Simpósio Temático 47 (Residência Pedagógica: formação e prática a partir do chão da escola), coordenado pelo Professor Giovanni Codeça da Silva, em sessão do dia 25/10, das 13h30 às 17h30, será apresentada a comunicação sobre a freguesia de Santa Rita.

A comunicação é denominada Caminhos da memória. Eis o resumo:

O sistema escravagista no Rio de Janeiro se desenvolveu em distintos períodos, apoiando-se em diversos equipamentos urbanos hoje conservados como monumentos históricos. Até 1774, o tráfico funcionou na Rua Primeiro de Março. Crescendo a necessidade de espaço no século XVIII para o enterro de pretos novos, a igreja de Santa Rita, situada no Bairro da Vila Verde, assumiu a cura pastoral dos africanos escravizados recém-chegados ao Rio. Com os esforços da Câmara para transferir o tráfico para fora dos muros da cidade colonial, a urbanização se estendeu da Vila Verde para o subúrbio do Valongo, que passou a funcionar como “gueto” escravagista a partir de 1774 a 1831.

Desde os anos 1980, o território da freguesia de Santa Rita recobrou interesse político, histórico, turístico e religioso, passando por um processo de “reafricanização” que culminou com a declaração do Cais do Valongo Patrimônio Mundial em 2017.

Com o objetivo de ajudar estudantes do Ensino Médio a compreender o papel histórico desses marcos, foram organizadas aulas expositivas e atividades de campo no Colégio Estadual Antônio Prado Júnior. Além de aplicar a Lei nº 10.639/2003, a iniciativa serviu à difusão da história pública, graças à participação de estudantes do PIBID e residência.

Os alunos foram previamente instruídos com mapas e depois conduzidos pelas ruas. Posteriormente, outra vez em sala de aula, foi possível debater suas impressões. A avaliação consiste tanto no envolvimento dos em sala, quanto da capacidade de identificar os lugares estudados ao visitá-los.

Campo útil de discussão é a conceituação de “subúrbio”, denominação aplicada ao Valongo desde o século XVIII, e que antecipa em cem anos a problemática das periferias cariocas. Outra vantagem da atividade é ensinar como são construídas as narrativas de memória.

Símbolos do tráfico na Freguesia de Santa Rita

O Cais do Valongo é um dos tantos remanescentes do tráfico na Freguesia de Santa Rita. A proposta dessa conferência do Fórum de História e Artes é explicar como se articulam e são promovidos esses lugares de memória. No Museu do Ingá, em Niterói.

Cronologia dos cemitérios de escravos no Rio de Janeiro

Até meados do século XIX, todas as pessoas cristãs (escravas e livres) costumavam ser enterradas nas suas igrejas ou capelas paroquiais, ou nas igrejas das irmandades a que pertencessem, de acordo com a sua preferência.

Havia três possibilidades:

  • na nave da igreja: enterro ad sanctos
  • ao redor da igreja, no adro: enterro apud ecclesiam
  • junto da igreja: depósito em catacumbas

Os pretos novos (recém-chegados de África) que morressem antes de ser vendidos, eram tratados como indigentes, por não terem ainda domicílio e, consequentemente, não terem paróquia.

Quando a Santa Casa de Misericórdia deixou de ter capacidade de atender a tantos enterros de doentes e indigentes falecidos, algumas ordens religiosas e irmandades leigas vieram em auxílio, recebendo esses defuntos em suas necrópoles particulares.

Em seguida, novos cemitérios, exclusivos para pretos novos, surgiram na cidade do Rio de Janeiro, em função de ordens régias que instavam a solução do problema. O do Largo de Santa Rita foi o primeiro desses cemitérios exclusivos, embora precário, por estar em logradouro público.

Dali foi transferido ao Valongo pelo Marquês do Lavradio.

A fim de ter uma noção do arco temporal dessas idas e vindas, visite a linha do tempo em https://www.timetoast.com/timelines/1820162.