Redescobrir a Pequena África na Zona Portuária do Rio de Janeiro

Ocorrerá, de 21 a 25 de outubro de 2019 na Universidade Veiga de Almeida:

2º Encontro Internacional História & Parcerias
6º Seminário Fluminense de Pós-Graduandos em História
5ª Jornada do Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde

No Simpósio Temático 47 (Residência Pedagógica: formação e prática a partir do chão da escola), coordenado pelo Professor Giovanni Codeça da Silva, em sessão do dia 25/10, das 13h30 às 17h30, será apresentada a comunicação sobre a freguesia de Santa Rita.

A comunicação é denominada Caminhos da memória. Eis o resumo:

O sistema escravagista no Rio de Janeiro se desenvolveu em distintos períodos, apoiando-se em diversos equipamentos urbanos hoje conservados como monumentos históricos. Até 1774, o tráfico funcionou na Rua Primeiro de Março. Crescendo a necessidade de espaço no século XVIII para o enterro de pretos novos, a igreja de Santa Rita, situada no Bairro da Vila Verde, assumiu a cura pastoral dos africanos escravizados recém-chegados ao Rio. Com os esforços da Câmara para transferir o tráfico para fora dos muros da cidade colonial, a urbanização se estendeu da Vila Verde para o subúrbio do Valongo, que passou a funcionar como “gueto” escravagista a partir de 1774 a 1831.

Desde os anos 1980, o território da freguesia de Santa Rita recobrou interesse político, histórico, turístico e religioso, passando por um processo de “reafricanização” que culminou com a declaração do Cais do Valongo Patrimônio Mundial em 2017.

Com o objetivo de ajudar estudantes do Ensino Médio a compreender o papel histórico desses marcos, foram organizadas aulas expositivas e atividades de campo no Colégio Estadual Antônio Prado Júnior. Além de aplicar a Lei nº 10.639/2003, a iniciativa serviu à difusão da história pública, graças à participação de estudantes do PIBID e residência.

Os alunos foram previamente instruídos com mapas e depois conduzidos pelas ruas. Posteriormente, outra vez em sala de aula, foi possível debater suas impressões. A avaliação consiste tanto no envolvimento dos em sala, quanto da capacidade de identificar os lugares estudados ao visitá-los.

Campo útil de discussão é a conceituação de “subúrbio”, denominação aplicada ao Valongo desde o século XVIII, e que antecipa em cem anos a problemática das periferias cariocas. Outra vantagem da atividade é ensinar como são construídas as narrativas de memória.

Cronologia dos cemitérios de escravos no Rio de Janeiro

Até meados do século XIX, todas as pessoas cristãs (escravas e livres) costumavam ser enterradas nas suas igrejas ou capelas paroquiais, ou nas igrejas das irmandades a que pertencessem, de acordo com a sua preferência.

Havia três possibilidades:

  • na nave da igreja: enterro ad sanctos
  • ao redor da igreja, no adro: enterro apud ecclesiam
  • junto da igreja: depósito em catacumbas

Os pretos novos (recém-chegados de África) que morressem antes de ser vendidos, eram tratados como indigentes, por não terem ainda domicílio e, consequentemente, não terem paróquia.

Quando a Santa Casa de Misericórdia deixou de ter capacidade de atender a tantos enterros de doentes e indigentes falecidos, algumas ordens religiosas e irmandades leigas vieram em auxílio, recebendo esses defuntos em suas necrópoles particulares.

Em seguida, novos cemitérios, exclusivos para pretos novos, surgiram na cidade do Rio de Janeiro, em função de ordens régias que instavam a solução do problema. O do Largo de Santa Rita foi o primeiro desses cemitérios exclusivos, embora precário, por estar em logradouro público.

Dali foi transferido ao Valongo pelo Marquês do Lavradio.

A fim de ter uma noção do arco temporal dessas idas e vindas, visite a linha do tempo em https://www.timetoast.com/timelines/1820162.

Seminário Internacional de Patrimônio da Igreja no Rio de Janeiro

A recém-criada Comissão arquidiocesana de Patrimônio Cultural dará início às suas atividades com um seminário internacional de 3 a 7 de junho no Auditório do Museu Histórico Nacional.

Cada dia terá sua ênfase, com conferências especiais e mesas de debate. Em linhas gerais serão tratados os seguintes temas, com o nome de alguns convidados:

Segunda, dia 3: Tipologia religiosa como herança da fé. Convidado especial: Prof. João Brigola (Évora).

Terça, dia 4: Proteção do Patrimônio Cultural. Convidados: Joaquim de Arruda Falcão Neto (ABL), Ellen Gracie Northfleet (STF), Kátia Bogea (IPHAN).

Quarta, dia 5: Métodos de preservação.

Quinta, dia 6: Gestão e recursos.

Sexta, dia 7: Estudos de caso. Visita guiada ao Museu Arquidiocesano de Arte Sacra.

Veja a programação completa.

Como se pesquisa em um arquivo?

Durante a 3ª Semana Nacional de Arquivos, o Arquivo Nacional oferecerá no dia 4 de junho, às 10h, no seu auditório, a palestra Como se pesquisa em um arquivo: orientações, dicas e possibilidades.

A palestra será ministrada por Thiago Mourelle e Viviane Gouvêa, com o objetivo de apresentar a estudantes, professores e ao público geral noções básicas para se pesquisar no Arquivo Nacional.

Serão abordadas as principais bases de dados e, principalmente, os sites temáticos e ferramentas úteis para acesso ao acervo de documentos da instituição e seu uso na produção de conhecimento.

Veja a programação completa da Semana no Arquivo Nacional.

Heranças da Escravatura

Foram publicados pela Unesco subsídios para gestores de sítios e caminhos de memória:

This resource book is designed for managers of sites and itineraries of memory related to the slave trade and slavery. It provides a comparative analysis of experiences in the preservation and promotion of such sites across the world and proposes practical guidance for their management and development.

It is the first resource book on this specific issue to be published by a UN agency, and provides guidelines on how best to preserve, promote and manage sites of memory, taking into account the sensitivity of this painful memory.

Designed in two parts, the resource book contains conceptual and practical information for managers. It also showcases more than 50 concrete examples of sites, itineraries and museums implementing particular strategies for the preservation, promotion and interpretation of heritage related to the slave trade and slavery. Moreover, it offers advice and recommendations for the development of memory tourism, responding to the growing demand from citizens to better know this history.

Its main purpose is to contribute to capacity-building for the benefit of site managers and memory itineraries, and to raise awareness on the ethical issues posed by these historical sites.

Download the publication, also available in French


Heranças da Escravatura: Manual para Gestores de Sítios e Itinerários de Memória é voltado para os gestores de locais relacionados ao tráfico de escravos e à escravatura. O Manual fornece uma análise comparativa de experiências de preservação e de promoção desses locais ao redor do mundo e propõe orientação prática para a sua gestão e desenvolvimento. Primeiro manual sobre essa questão específica a ser publicado por uma agência da ONU, a publicação é dividia em duas partes: a primeira oferece informações práticas e conceituais para os gestores e mostra exemplos concretos de sítios e museus que estão implementando estratégias de preservação, promoção e interpretação do patrimônio relacionado ao tráfico de escravos e a escravatura; a segunda parte oferece conselhos e recomendações para o desenvolvimento do Turismo de Memória, respondendo a uma demanda crescente de cidadãos que conheçam melhor essa história. Com este livro, a UNESCO também pretende conscientizar o público sobre questões éticas impostas por esse tipo de sítios históricos. Com acesso gratuito, a publicação está disponível em inglês e francês e está sendo traduzida também para o espanhol.

Gestão do patrimônio

Diversos eventos agitam nos próximos dias o Rio de Janeiro sobre a temática do patrimônio:

  • Heranças da Escravatura, sobre a gestão de sítios (21 de maio)
  • Patrimônio Cultural em Debate, sobre a gestão de imóveis (22 de maio)
  • Seminário de Patrimônio Histórico, sobre a preservação dos bens culturais da Arquidiocese (3 a 7 de junho)

Minicurso Religiões em Contato

O Instituto Pretos Novos apresenta um novo minicurso, dado por João Carlos Nara Jr., sobre temas sensíveis no encontro entre as tradições religiosas africanas e cristãs.

O funeral católico extensivamente praticado no Brasil colonial e a existência de cemitérios de pretos novos no Rio de Janeiro levantam a indagação sobre o contato entre as religiões tradicionais africanas e o cristianismo na prática dos enterramentos. O minicurso apresentará pontos de convergência e contrastes existentes na visão do além-túmulo e na participação dos vivos no descanso dos mortos.

Serão seis aulas com o seguinte conteúdo:

  1. Introdução • 28/3
    • Conceito de religião
    • Classificação das religiões
    • Religião e política
  2. Ar • 4/4
    • Fé e crença
    • Teogonia e cosmogonia
    • Espaço sagrado
  3. Fogo • 11/4
    • Rito e sacrifício
    • Sacerdócio e trabalho
    • Tempo sagrado
  4. Terra • 25/4
    • Mito
    • Corpus literário sagrado
    • Arte sacra
  5. Água • 2/5
    • Emoção e experiência
    • Dogma e autoridade
    • Ortodoxia e heterodoxia
  6. Conclusão • 9/5
    • Antropologia
    • Escatologia
    • Secularização

Sempre às quintas-feiras, 18h. Investimento: R$ 130.

Local: CDURP, Auditório André Rebouças. Rua Sacadura Cabral, 133, Saúde.

Onde consultar a legislação lusitana

O projeto O Governo dos Outros. Imaginários Políticos no Império Português (1496-1961) procurou discutir de que forma o governo das diferentes populações do império português foi pensado, debatido, juridicamente enquadrado, e narrativamente materializado.

Como produto, a legislação relativa ao governo político do território e das populações do império português entre 1496 (ano da expulsão dos judeus e muçulmanos do reino de Portugal) e 1961 (ano em que se aboliu o Estatuto do Indigenato) foi disponibilizada no site http://www.governodosoutros.ics.ul.pt/.

O site conjuga três bases:

  • Ius Lusitaniæ: coleção impressa das OrdenaçõesLeis Extravagantes, Repertórios e Índices.
  • Boletim do Conselho Ultramarino e Legislação Novíssima do Ultramar: sobre os territórios imperiais e suas populações, cobrindo o período entre 1446 e 1910.
  • Legislação avulsa: compulsada pelos investigadores do projeto.

Testemunhos da Escravatura

Livro de Registo de Fianças

O Arquivo Histórico do Tribunal de Contas de Portugal (AHTC) possui documentação sobre o controle financeiro praticado pelo Erário Régio lusitano, criado a 22/12/1761.

Esse Arquivo revela aspetos relacionados aos contratos dos escravos e à utilização de mão de obra escrava, nomeadamente registros das receitas arrecadadas pela Coroa.

Alguns documentos foram disponibilizados (veja aqui) no Projeto Testemunhas da Escravatura, de 2017, quando Lisboa foi a capital ibero-americana da cultura.