Santa Rita, padroeira do Centro do Rio

Santa Rita no Largo de Santa Rita,
como representada por Alfred Martinet (detalhe)

O dia da memória litúrgica de Santa Rita, 22 de maio, foi incluído no calendário oficial do município do Rio de Janeiro, que a proclamou padroeira do Centro da Cidade pela Lei Ordinária 7.187, de 13 de dezembro de 2021. O projeto, de autoria dos vereadores Rafael Aloisio Freitas, Carlo Caiado e Cesar Maia, apela tão somente à importância religiosa de Santa Rita, cujos devotos se mobilizaram, em 2021, para colher assinaturas em prol de sua proclamação como padroeira. A partir de agora, a cidade se compromete, por meio da Lei, a dar mais suporte para a realização da festa de Santa Rita.

Devoção à Santa Rita no Brasil

Santa Rita de Cássia (óleo do século XVII)

Há cerca de dois anos, o clube do livro gaúcho Minha Biblioteca Católica lançou o clássico Vida de Santa Rita de Cássia, do Pe. José Rodrigues Cabezas.

Nessa ocasião, produziram um curta-metragem sobre a devoção da taumaturga italiana no Brasil e no qual as crônicas da matriz de Santa Rita no Rio de Janeiro recebem grande destaque.

O breve documentário é bastante fiel às informações historiográficas. Vale a pena, porém, atentar para algumas raras imprecisões:

  • O papa Bento XIII não autorizou a construção da capela em 1724. Nesse ano ele foi eleito bispo de Roma, mas a pedra fundamental de Santa Rita já tinha sido lançada em 1719. O que de fato fez Bento XIII foi conceder um Breve Apostólico autorizando os Nascentes Pinto a utilizar o templo como capela particular da família.
  • Em 1710, os Nascentes Pinto iniciaram a novena de Santa Rita no Rio de Janeiro, ao redor do quadro à óleo conservado pela família, que já vivia na cidade há pelo menos 15 anos.
  • Frei Francisco de São Jerônimo não se opôs ao padroado requerido por Manoel Nascentes Pinto, pois o bispo morrera seis dias antes de ser feita tal exigência descabida. A oposição à família foi sustentada pelo cabido da diocese, cuja sede ficou vacante por quatro anos.
  • A fonte curadora não é a que aparece no vídeo. A fonte está selada atualmente. O que é exibido é o lavabo da sacristia, peça de mármore embrechado, muito valiosa.

Dia de Santa Rita: a coroa da humildade

Sarcófago de Santa Rita, com seu corpo incorrupto, em Cássia, na Úmbria, Itália

Hoje, 22 de maio, é a memória litúrgica da taumaturga italiana Margherita Loti, conhecida como Rita de Cássia. Em sua cidade, Cascia, na igreja de seu mosteiro, é possível visitar seu túmulo. Nele vai escrito:

POSVISTI IN CAPITE EIVS CORONAM

Essa divisa, puseste uma coroa em sua cabeça, alude ao estigma de um espinho da coroa de Cristo que ela recebeu na fronte após pedir em suas orações que pudesse participar das dores da sua Paixão.

Palma triplamente coroada, no intradorso do arco cruzeiro da Matriz de Santa Rita

O singular fenômeno místico fez com que, na iconografia, Rita passasse a ser representada com a palma, atributo típico dos mártires.

Ou seja: mesmo sem ter passado pelo martírio, ela recebe na Igreja a honra dos mártires, pois se tornou partícipe da Paixão, isto é, sofreu a compaixão, como aquelas Santas Mulheres que estiveram ao pé da cruz do Salvador, ao lado de São João Apóstolo e Maria Santíssima.

Seu atributo vem completado por três coroas, representação de seu matrimônio e dois filhos, mas também dos três estados de vida pelos que passou: donzela, esposa e religiosa.

A oração coleta da memória de Santa Rita faz menção justamente à lógica sobrenatural que subverte os valores humanos:

Ó Deus, grandeza dos humildes, que fizestes santa Rita de Cássia distinguir-se pela caridade e paciência, dai-nos, por suas preces e méritos, a graça de amar-vos sempre, carregando a cruz de cada dia.

Dia de Santa Rita: uvas anuais

Hoje, 22 de maio, é a memória litúrgica da taumaturga italiana Margherita Loti, conhecida como Rita de Cássia.

Em sua cidade, Cascia, na Úmbria, é possível visitar o lugar onde está o poço do qual ela extraía água para regar um pau seco, em obediência à superiora do convento que a acolhera, após o assassinato do seu marido e a morte dos dois filhos vitimados pela peste.

Rita soube aceitar com humildade as injúrias e incompreensões, e obedecer com prontidão aos mandatos que recebia. Diante da ordem extravagante de regar um pau seco, ela não duvidou, mas o regou, fez germinar, florescer e dar fruto.

No mesmo pátio em que está o poço, vê-se a parreira ainda hoje. Tendo em vista que a idade padrão de uma vinha é 80 anos, surpreende-nos que a videira de Rita sobreviva há 600 anos, dando uvas todo ano!

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search