Cronologia dos cemitérios de escravos no Rio de Janeiro

Até meados do século XIX, todas as pessoas cristãs (escravas e livres) costumavam ser enterradas nas suas igrejas ou capelas paroquiais, ou nas igrejas das irmandades a que pertencessem, de acordo com a sua preferência.

Havia três possibilidades:

  • na nave da igreja: enterro ad sanctos
  • ao redor da igreja, no adro: enterro apud ecclesiam
  • junto da igreja: depósito em catacumbas

Os pretos novos (recém-chegados de África) que morressem antes de ser vendidos, eram tratados como indigentes, por não terem ainda domicílio e, consequentemente, não terem paróquia.

Quando a Santa Casa de Misericórdia deixou de ter capacidade de atender a tantos enterros de doentes e indigentes falecidos, algumas ordens religiosas e irmandades leigas vieram em auxílio, recebendo esses defuntos em suas necrópoles particulares.

Em seguida, novos cemitérios, exclusivos para pretos novos, surgiram na cidade do Rio de Janeiro, em função de ordens régias que instavam a solução do problema. O do Largo de Santa Rita foi o primeiro desses cemitérios exclusivos, embora precário, por estar em logradouro público.

Dali foi transferido ao Valongo pelo Marquês do Lavradio.

A fim de ter uma noção do arco temporal dessas idas e vindas, visite a linha do tempo em https://www.timetoast.com/timelines/1820162.

Em nome das estações do VLT

Andersen Ross Photography Inc/Getty Images

A empresa Artefato Arqueologia foi encarregada do programa de gestão do patrimônio arqueológico e histórico pela concessionária do VLT, haja vista que a Linha 3 passa por pelo menos sete sítios arqueológicos, três deles de significativa importância cultural: o Caminho Largo, a extinta igreja de São Joaquim e o Largo de Santa Rita. O relatório inicial do programa de gestão, de fevereiro de 2018, informa que o objetivo das intervenções consistiria em caracterizar, delimitar e registrar os sítios arqueológicos, salvar os materiais ou porções dos sítios atingidos pela instalação da obra.

Não obstante, antes de iniciarem as obras de engenharia, já se tinham realizado, com o aval do IPHAN, trinta unidades de prospecção arqueológica na região, encontrando-se fragmentos de faiança, porcelana, cerâmica, vidro, cachimbo e ossos humanos. Ficou, portanto, confirmada a existência de remanescentes humanos no Largo de Santa Rita, o que em tese corrobora a tradição da presença de um cemitério no logradouro.

Como parte do programa de educação patrimonial, realizou-se a 7 de junho de 2018, na sede da Companhia de Desenvolvimento do Porto Maravilha (CDURP), uma primeira exposição pública das pesquisas feitas até aquele momento, de como se pretendia atuar durante o monitoramento das obras do VLT e dos passos subsequentes quanto à análise laboratorial e à curadoria do material arqueológico encontrado.

A audiência teve ampla participação de movimentos sociais que tinham a expectativa de renegociar o projeto do VLT com as autoridades governamentais. Essas, porém, estavam ausentes, o que causou não pequeno mal-estar. Em consequência, após pedido dos interessados, foram convocadas algumas reuniões, coordenadas pelo IPHAN, a fim de se chegar a um acordo quanto ao tipo de intervenção arqueológica a ser adotada no Largo de Santa Rita.

A postura acordada consistiu em cancelar a pesquisa no Largo de Santa Rita e em não permitir o salvamento arqueológico dos esqueletos humanos que eventualmente aparecessem durante a instalação dos trilhos do VLT. As obras teriam prosseguimento, desde que as estações recebessem denominações ligadas à cultura afro-brasileira (assista ao vídeo).

Embora a superintendência do IPHAN tenha reafirmado que o salvamento arqueológico seria a forma de garantir a preservação do sítio, acabou sendo acolhido o desejo contrário da Comissão Pequena África. Para os mortos ali jazentes, bastará um novo agenciamento paisagístico, pontilhando com rosas negras a área aproximada do cemitério.

Convém ressaltar que os sítios inventariados como herança da escravidão — e o de Santa Rita está expressamente incluído no Circuito Histórico e Arqueológico da Pequena África — só realizam a sua potencialidade quando promovidos em um projeto que integre os aspectos de memória, cultura e turismo, e equilibre interesses locais e regionais (cf. UNESCO, Legacies of Slavery, 2018, p. 20 e 26). Não obstante, tais sítios costumam tropeçar tanto na “falta de visão compartilhada […] e apatia institucional”, quanto no “desenvolvimento de elementos sensacionalistas em detrimento da narrativa dos eventos reais” (ibidem, p. 28).

A UNESCO recomenda expressamente que esses projetos de memória

[…] se baseiem em um sério conhecimento do contexto histórico, atualizado pelas pesquisas científicas, feito público interna e externamente, que envolva a sociedade local e a comunidade de afrodescendentes, em especial as novas gerações e a população residente; que evite o uso de um discurso de vítima ou pessimista, e que convença os gestores públicos dos seus benefícios. (Ibidem, p. 29)

Aliás, o que se decidiu fazer com o cemitério de Santa Rita parece contradizer frontalmente a linha adotada poucos meses antes pelo Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos, em cuja sede, no cemitério do Valongo, durante as pesquisas do arqueólogo Reinaldo Tavares, se expôs em maio de 2017 um indivíduo do sexo feminino, em boa conexão anatômica e condições de preservação, com o objetivo de identificar contextos funerários e facilitar os estudos de arqueologia funerária e bioarqueologia.

As obras de implantação do VLT seguiram seu curso, passando por diversos sítios arqueológicos. Houve grande repercussão midiática com a aparição de corpos de irmãos da Irmandade de São Joaquim no trecho em frente ao Colégio Pedro II. Também chamou a atenção dos cariocas a escavação de uma loja na rua Miguel Couto, sobre a qual existem classificados do século XIX informando que ali se venderam escravos. Quase nada se disse na imprensa, porém, acerca dos resíduos de sambaqui e da estrutura encontrada no fim da rua Acre, que pode ser remanescente da muralha da cidade projetada por João Massé em 1713.

Enquanto isso, o trecho sobre o cemitério de Santa Rita passou silenciado, cercado que foi por um alto tapume, colocado por questões de segurança, para garantir a integridade do sítio arqueológico e evitar vandalismo e furto, cuidado que não tinha sido considerado necessário em outros lugares… Desse modo, os testes com os trens do VLT puderam começar a 20 de novembro de 2018.

Pouco depois, o Ministério Público Federal instaurou um inquérito civil a fim de informar-se do resultado da implementação da linha do VLT. Em Nota Técnica, o IPHAN respondeu que o sítio do cemitério de Santa Rita está repleto de interferências urbanas e que as prospecções eram insuficientes para delimitar com segurança o seu perímetro. Laconicamente, a Nota ainda afirma que não houve a etapa de salvamento arqueológico visando garantir a “adequada proteção à memória”.

Irônico é que o manual para sítios e itinerários de memória da UNESCO (2018, p. 43) afirme que os lugares de memória correm o risco de se tornar inoperantes pela “falta de pesquisas históricas metódicas, ou quando estas são ideologicamente ambíguas”.

Esses acontecimentos demonstram o quanto a Arqueologia corre o risco de ser vista como “profanadora” e não como aliada das causas sociais. Afinal, como aceitar que os remanescentes humanos dos africanos escravizados permaneçam em reservas técnicas por tantos anos, sendo tratados como fósseis? Sem dúvida, faz-se necessário revisar as normativas sobre a curadoria desse tipo de material.

Entretanto, tanto a comunidade acadêmica quanto os profissionais da arqueologia ainda não se manifestaram de forma consistente a respeito do problema.

Passado mudo, memória cega

Washington Fajardo, antigo presidente do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH), escreveu um artigo em agosto de 2018, no Jornal O Globo, sobre a audiência pública organizada pelo Ministério Público Federal acerca da chancela de Patrimônio da Humanidade concedida pela UNESCO ao Cais do Valongo em 2017, mas que corria o risco de ser perdida caso o poder público não atender às exigências acordadas.

Fajardo explicava que o tema da audiência foi desviado pela questão da posse das Docas Pedro II, restauradas pela ONG Ação da Cidadania, que o antigo MinC propunha desalojar para criar ali o Centro de Referência do Valongo, uma das exigências da UNESCO.

Em seguida, apontava a necessidade de se criar ali um Museu Nacional do Valongo, obra de longo prazo; e também de não desprezar o desejo da Prefeitura do Rio de transformar toda a área relacionada com o tráfico negreiro (a Freguesia de Santa Rita) em um museu de território.

Finalmente, ele pontuava que a arqueologia tem sido o único meio de construir unanimidade entre os diversos atores sociais, mas que, apesar de o IRPH prometer abrir o Laboratório Aberto de Arqueologia Urbana em 2019, a falta de investimento público tem feito os importantes achados arqueológicos relacionados à diáspora africana permanecerem longe do conhecimento do grande público.

O artigo é bastante razoável no que tange à diversidade de atores envolvidos nas discussões sobre o futuro dos lugares de memória na zona portuária do Rio de Janeiro. No entanto, carece de informação quanto ao papel e aos interesses dos atores tácitos implicados.

Com efeito, o esquecimento da memória escrava na região tem sido solucionado de forma controversa e grande parte da população não capta a abrangência política da questão. Como dizia Michael Pollak,

um passado que permanece mudo é muitas vezes menos o produto do esquecimento do que de um trabalho de gestão da memória segundo as possibilidades de comunicação (Memória, Esquecimento, Silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, nº 3, 1989, p. 14).

Sem dúvida, o reconhecimento do Cais do Valongo como patrimônio sensível, semelhante a Auschwitz, pode ser um ótimo instrumento de política afirmativa, através da educação patrimonial, para a superação das desigualdades sociais oriundas da escravidão ocorrida no Brasil. O Cais, que resume emblematicamente todo o sistema escravagista que existiu na região e a pontilha hoje de monumentos, poderia ser mais bem utilizado, mas o poder público parece moroso em sua gestão e preservação.

Por outro lado, ao comentar a capacidade de divulgação do passado operado pela arqueologia, o autor poderia ter ido mais à fundo, indicando como a falta de investimento público nessa área afeta a ausência da arqueologia acadêmica, haja vista que praticamente todos os achados são realizados pela arqueologia de contrato, paga pelas empresas envolvidas nos empreendimentos.

O cemitério de pretos novos de Santa Rita

Primeiros testes da Linha 3 do VLT sobre o cemitério de Santa Rita. Fonte: Porto Maravilha.

Em janeiro de 2019 o repórter Caetano Manenti publicou em The Intercept Brasil o artigo ESTÁ AQUI, SOB O VLT, O CEMITÉRIO DE ESCRAVOS QUE A PREFEITURA DO RIO DIZIA SER ‘ESPECULAÇÃO’.

O artigo causou um pouco polêmica ao abordar questões controversas acerca da conveniência do projeto e da obra do VLT e do papel da Prefeitura e dos órgãos de tutela na gestão do patrimônio.

Caetano Manenti também alude à reivindicação de movimentos sociais organizados de que não se realizasse o salvamento arqueológico dos remanescentes humanos sob os trilhos.

Essa decisão (que respeito, mas da qual discordo) presume uma intenção profanadora daqueles que, almejando conservar a memória e a dignidade dos sepultados sob o asfalto do Largo de Santa Rita, fariam o resgate dos corpos.

Vale a pena a leitura, pois foi a única reportagem que tratou o tema do cemitério de pretos novos de Santa Rita de forma profunda e abrangente após a intervenção na área.

 

Visita guiada à igreja de Santa Rita

Lavabo embrechado de Santa Rita

O Centro Loyola da PUC-Rio está organizando a seguinte visita:

Data: Sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019, das 13h às 15h.

Descrição: Nesta visita guiada iremos conhecer uma das mais belas Igrejas do Centro do Rio de Janeiro, que guarda elementos da primeira aparição do estilo rococó na América. Também descobriremos como a cidade colonial se expandiu para o Valongo e o papel dessa matriz paroquial em relação ao tráfico de escravos no Rio de Janeiro.

Palestrante: João Carlos Nara Júnior é Arquiteto e Urbanista da Coordenação de Preservação de Imóveis Tombados do Escritório Técnico da UFRJ. Historiador e Mestre em Arqueologia, é sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro, membro do Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos e do Laboratório de História das Experiências Religiosas do Instituto de História da UFRJ.

Local: Encontro às 12h45, em frente à Igreja de Santa Rita, no Largo de Santa Rita, próximo às ruas Marechal Floriano e Miguel Couto.

Investimento: R$ 30.

INSCREVA-SE AQUI.

Trilha urbana como recurso pedagógico

Como fruto de uma atividade de extensão desenvolvida na UFRJ pelos professores Gleide Alencar do Nascimento Dias, Paulo Elísio Marinho Abrantes, Reinaldo Bernardo Tavares e João Carlos Nara Jr., foi publicado um artigo sobre o uso do geoprocessamento para a análise espaço-temporal em trilhas urbanas desenvolvidas no Rio de Janeiro, no livro eletrônico Ensino, pesquisa e realizações, organizado por Michélle Barreto Justus.

O artigo, que está no capítulo 22, inclui uma breve referência a Santa Rita e pode ser lido em http://dx.doi.org/10.22533/at.ed.06318121222.

Arqueologia e africanidade fluminense

Durante a exposição de cartografia da africanidade fluminense na Casa França-Brasil, ocorrerá, na quarta-feira dia 14 de novembro, das 14 às 19h, um workshop sobre arqueologia em que serão explicadas as pesquisas efetuadas na freguesia de Santa Rita: cais do Valongo, cemitérios da Gamboa e de Santa Rita, etc.

Não perca!

O evento reunirá alguns dos mais conhecidos pesquisadores sobre o tema da Africanidade e pretende apresentar e debater aspectos relacionados as culturas Africanas, bem como se deu o translado dos Africanos para o Brasil e as diversas formas de como eram tratados e escravizados, usados como instrumento de trabalho e de enriquecimento de outras pessoas.

As escavações arqueológicas conduzidas no Rio de Janeiro serão apresentadas ao publico de forma gratuita dentro da programação geral da exposição.

A ordem de fala no Workshop será:

  • MARCELO MONTEIRO: Professor, Pesquisador, Estudioso e Consultor das Tradições Culturais de Matriz Africana Yorubá; Olóyè Asògun Odearaoffa; Presidente Nacional e Fundador do CETRAB – Centro de Tradições Afro-Brasileiras; Diretor e Fundador do IPN – Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos.
  • CLAUDIO PRADO DE MELLO: Arqueólogo pela Universidade Estácio de Sá/UNESA (1986). Professo Mestre em História Antiga e Medieval pela Universidade Federal Fluminense/UFF (1994). Especialista em Arqueologia Funerária do Egito Antigo e Ex-Membro da Mission Archeologique Du Bubasteion – Saqqarah (1996-2002). Fundador (1990) e atual Presidente do Instituto de Pesquisa Histórica e Arqueológica do Rio de Janeiro/IPHARJ. Membro Fundador (1990) e Ex-Professor Convidado do Laboratório de História Antiga do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ (1990-2002). Artista Plástico e Membro da European Association of Archaeology e do British Council of Archaeology. Atual Diretor do Museu da Humanidade.Atual Conselheiro da Cadeira Territorialidade do Conselho Municipal de Cultura do Rio de Janeiro, e Membro do Conselho Estadual de Tombamento.
  • RODRIGO PEREIRA: Doutorando em Arqueologia (Museu Nacional/UFRJ) desde 2015. Mestre em Arqueologia (Museu Nacional/UFRJ). Mestre em Ciências Sociais (UERJ). Bacharel e Licenciado Pleno em CiênciaS Sociais (UFES). Pesquisador de religiões e religiosidades, em especial as afro-brasileiras. Em Antropologia pesquisa o candomblé debatendo micro política em terreiros, eventos de sucessão de lideranças e temas relacionados à liminaridade. Quanto a arqueologia pesquisa, pela etnoarqueologia, elementos da cultura material e espaços edificados em terreiros de candomblé, bem como a formação e expansão dessa religião no estado do Rio de Janeiro. Para tanto, realizou escavações no extinto Terreiro da Gomeia (Duque de Caxias/RJ). Possui ainda experiência na pesquisa de elementos ligados a etnicidade, rituais de passagem, história da imigração pomerana e alemã para o estado do Espírito Santo e historiografia do luteranismo no Brasil e Espírito Santo. Pesquisador do Laboratório de História das Experiências Religiosas (Instituto de História/UFRJ
  • JOÃO CARLOS NARA JÚNIOR: Arquiteto e Urbanista da Coordenação de Preservação de Imóveis Tombados do Escritório Técnico da UFRJ. Mestre em Arqueologia pelo Museu Nacional e doutorando em História Comparada pela UFRJ. Sócio do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro. Membro do Instituto Pretos Novos e do Laboratório de História das Experiências Religiosas do Instituto de História da UFRJ. Investiga a Freguesia de Santa Rita, cuja Matriz constitui a primeira aparição do rococó religioso na América e diante da qual se encontra o sítio arqueológico do primeiro cemitério de pretos novos do Rio de Janeiro.
  • REINALDO BERNARDO TAVARES: Licenciado em História pela Universidade Salgado de Oliveira (2008) e mestre e doutor em Arqueologia pelo Museu Nacional (2012 e 2018). Atualmente é técnico industrial em edificações da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, diretor do departamento de arqueologia do Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos (IPN), coordenador e professor da PROL ESTUDOS – Associação de Democratização do Conhecimento. Tem experiência na área de História, atuando principalmente nos temas: arqueologia da diáspora africana, patrimônio, arqueologia, cemitério dos pretos novos e arqueologia da paisagem.
  • MARCUS ANTONIO MONTEIRO NOGUEIRA: Colecionador particular de quase 40.000 itens históricos e arqueológicos. Formado em Direito e História é um grande conhecedor do Patrimônio Brasileiro e ocupa pela segunda vez a Direção Geral do INEPAC. Ele é o Curador da Exposição CARTOGRAFIA DA AFRICANIDADE FLUMINENSE.

O evento é gratuito e as inscrições são reservadas ao numero de assentos na sala de conferencias e as inscrições podem ser feitas pelo e-mail: pradodemello@hotmail.com.


Íntegra do seminário sobre Santa Rita no Arquivo Nacional

Assista ao Seminário Reparação da Escravidão e os Ancestrais de Santa Ritaorganizado pelo Instituto de Pesquisas e Estudos Afro-Brasileiros (IPEAFRO) no auditório do Arquivo Nacional a 20 de setembro passado.

  • 1h09min: Apresentação do seminário
  • 1h18min: Início da mesa de debates
  • 1h40min: Apresentação sobre Santa Rita (25min)
  • 2h37min: Intervenções do público

Conteúdo:

Milton Guran iniciou sua fala afirmando que “o Arquivo Nacional é por definição o repositório maior da memória nacional porque aqui são arquivados todos os documentos que marcam e sedimentam nosso percurso, então o fato de nós estarmos aqui reunidos para conversar sobre reparação aos povos de matriz africana e debater a situação de Santa Rita é uma conquista”. O antropólogo falou também sobre o “Projeto Rota do Escravo”, nascido há 25 anos e que compromete a UNESCO a debater profundamente, no campo político, cultural e científico a diáspora africana e o tráfico de escravizados. Ele ressaltou que considera esse nome é ruim porque perpetua a coisificação dos negros, mas que infelizmente não conseguem mudar. Por isso foi acrescentado ao projeto o subtítulo “Liberdade Resistência e Patrimônio” por demonstrar ser o legado da diáspora africana aos povos do mundo. Guran também comentou sobre a importância da candidatura e eleição do Cais do Valongo como Patrimônio da Humanidade.

João Carlos Nara Jr. fez uma apresentação sobre sua pesquisa a respeito de Santa Rita como um lugar de memória e abordou os temas: Freguesia de Santa Rita como subúrbio do século XVIII, a matriz de Santa Rita – a primeira igreja rococó da América, os pretos novos, o cemitério de pretos novos, o VLT e o futuro da região a partir da perspectiva de que se faz necessário o respeito à história dos escravizados que padeceram na região. O pesquisador explicou que “pretos novos” é a designação recebida pelos africanos que não foram abrasileirados porque faleceram ao chegar. Eles foram enterrados por perto da área de desembarque dando origem aos cemitérios de pretos novos.

Luiz Eduardo de Oliveira ressaltou que a Comissão Pequena África é composta majoritariamente por mulheres. Ele também apontou o fato de que quando começaram as obras do VLT na região de Santa Rita o movimento negro interveio com o intuito de parar as escavações para que eles pudessem ser ouvidos. A partir desse diálogo eles conseguiram entregar propostas e se posicionar. Eles vetaram determinados nomes para estações de VLT na região que homenageariam personalidades da história brasileira que o movimento considera racistas. Foram propostos nomes que tenham relação com a história da resistência negra. Também foi solicitado que seja construído um memorial na região, que o VLT tenha a obrigação de patrocinar os espaços e monumentos de valorização da cultura negra que existem na região e que dentro das estações passe a história da região da “pequena África” para a população usuária do serviço do VLT, entre outros pedidos.

Participantes:

  • Milton Guran: antropólogo e vice-presidente do Comitê Científico Internacional do Projeto Rota do Escravo da UNESCO
  • João Carlos Nara Jr.: arquiteto e urbanista da Coordenação de Preservação de Imóveis Tombados da UFRJ e especialista na história de Santa Rita
  • Luiz Eduardo Alves de Oliveira (Negrogun): presidente do Conselho de Direitos do Negro do Estado do Rio de Janeiro e membro da Comissão Pequena África.
  • Flávia Oliveira: jornalista e membro do Conselho de Matriz Africana do Museu do Amanhã.
  • Antonio Carlos Mendes Barbosa: presidente da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região Portuária (CDURP), representante da Prefeitura do Rio de Janeiro (não pôde comparecer)

Fontes das fotos e informações: